Atualizações

[COLUNA] As fanfics e o preconceito com as fanfiqueiras

A palavra fanfic se tornou um termo bastante papular nos últimos anos, principalmente graças a significação da palavra como um meme. E apesar de ser bastante utilizada para descrever uma história irreal e muitas vezes, absurda, o termo fanfic não se qualifica apenas nisso. Mas o que realmente é fanfic

Fanfic é uma abreviação do termo em inglês fanfiction, que significa, ficção de fã. É uma narrativa  — que pode ter diversos gêneros, desde romance ao terror — escrita por fãs de alguma pessoa, obra, universo e etc.

Em sua maioria, são narrativas escritas por mulheres. Mas pasmem, existem homens que escrevem fanfics sim, apesar de serem muito raros e a maioria preferir usar pseudônimos. Mas também não são todas as escritoras de fanfic que publicam suas histórias com seus nomes reais. Muitas preferem usar apelidos e manter suas identidades verdadeiras em segredo, por conta do preconceito que ser uma escritora de fanfic trás.

Mas por que esse preconceito existe? Por que escrever uma fanfic seria algo vergonhoso para alguém? É apenas a imaginação de uma autora se manifestando por palavras, não é?

Bem, existem muitos estereótipos enraizados em cima desse termo. E devo ressaltar, estereótipos criados por pessoas que não fazem parte desse universo. Ou seja, pessoas que não entendem o funcionamento desse mundo. A maioria dessas pessoas tem um modelo padrão de fanfiqueira —  uma menina entre 12 e 15 anos, infantil, que sonha em namorar e casar com seus ídolos porque está fora do “mundo real” — que não corresponde com a realidade. E por conta desse estereótipo e desse julgamento que o termo fanfic carrega, as verdadeiras leitoras e escritoras de fanfic se mantém anônimas, na maioria das vezes. 

A maioria dessas pessoas tem um modelo padrão de fanfiqueira —  uma menina entre 12 e 15 anos, infantil, que sonha em namorar e casar com seus ídolos porque está fora do “mundo real” — que não corresponde com a realidade. E por conta desse estereótipo e desse julgamento que o termo fanfic carrega, as verdadeiras leitoras e escritoras de fanfic se mantém anônimas, na maioria das vezes. 

Mas então, o que realmente é esse universo e quem são as pessoas que fazem parte dele? 

Não podemos generalizar. Escrever ou ler fanfic não vem com um código de conduta ou uma idade X para participar do clubinho. Existem muitas meninas de 15 anos que sonham em namorar seus ídolos? Sim, é claro. Assim como existem muitos meninos de 15 anos que já imaginaram como seria namorar a Maísa, por exemplo. A diferença entre esses dois exemplos é apenas uma: a vontade de escrever sobre isso. 

E é nisso que um mundo inteiro de possibilidades se abre. Um mundo que vai muito além da ilusão. Uma autora de fanfic não escreve porque é uma iludida que vive com a cabeça em uma realidade alternativa. Ela escreve porque gosta. Porque encontrou na escrita, uma forma de colocar seus sonhos no papel. Ela cria um mundo onde tudo é possível, onde não existem limites que ela não possa quebrar. Porque ela se transporta para outra realidade e isso lhe faz bem. Porque é uma forma de expressão, de libertar sua criatividade e poder dar poder as palavras que ela escreve.

É a possibilidade de pegar um livro e pensar que ela também pode escrever. E escrever é arte. É uma extensão de nossa alma. É incentivar a criatividade, colocar para fora aquilo que se passa em nossa mente. Uma fanfiqueira escreve porque ama escrever. E uma leitora lê fanfics porque ama ler. 

Mas por que fanfics? Por que não livros? 

Bom, existe uma facilidade em encontrar fanfics. Quase em sua totalidade, são histórias gratuitas. E a possibilidade de se inserir na história, de viver outras realidades é um bônus. Sem falar que ler com aquela pessoa que é um sonho de consumo é bastante interessante. São acessíveis. De linguagem fácil. E estão disponíveis em diversas plataformas online.

São histórias de fãs para outros fãs. E não deixam de ser um tipo de literatura.

As fanfics abrem um mundo de possibilidades. Incentivam tanto a leitura, como a escrita. E é uma prática que segue com essas pessoas por toda a vida. Muitas saem das fanfics em si — narrativas com ídolos — para narrativas originais. Algumas conseguem publicar suas histórias, em livro físico ou online. Outras utilizam plataformas de postagens de fanfics para divulgar seus trabalhos originais.

É uma quantidade gigante de mulheres escrevendo. De mulheres lendo. De mulheres fazendo aquilo que lhes foi negado por muito tempo: imaginar, criar e escrever. São escritoras fazendo aquilo que amam. E leitoras vivendo suas histórias favoritas. Não há nada de errado com isso e nunca vai haver, fora o preconceito de pessoas de fora desse universo.

Texto escrito por Grazie S.