Atualizações

[COLUNA] Adaptação: Que bicho é esse?

Quando falamos de adaptação de uma narrativa literária para uma narrativa visual, a primeira coisa que pensamos é: será que eles vão ser fiéis aos livros? Teremos a mesma emoção que tivermos ao ler aquela obra pela primeira?

A primeira adaptação que presenciei foi Harry Potter (2001), enquanto eu assistir ao clássico da Warner numa fita cassete, e iniciou minha saga no mundo nerd, com vários filmes na lista, entre eles A Barraca do Beijo, Saga Crepúsculo, os livros da Julia Quinn, Instrumentos Mortais e muitos outros venho dizer: Cada adaptação tem sua própria identidade.

Mas aí, porque diretoras, produção e outros não podem seguir fielmente o livro?

E questão de interpretação, meu caro gafanhoto.

Normalmente, pessoas tem visões diferentes, assim como A e B são diferentes, se Harry Potter tivesse sido filmado por outra pessoa, provavelmente teríamos uma adaptação diferente do que vemos hoje, e talvez outro ator fosse o queridinho Harry Potter, enquanto vocês devem estar pensando: como assim?

Digamos que A tem uma visão diferente do final para o final de The King: Eternal Mornach, enquanto B pensa em outra coisa para as filmagens, e apartir desses ponto seria duas produções distintas da mesma história.

Levando para um dos meus campos favoritos, eu diria sobre Boys Over Flowers, que ganhou até o momento cinco adaptações diferentes em diferentes países, as únicas que vi, foi a coreana e a chinesa, ambas tem elementos parecidos seguindo a lógica do mangá de mesmo nome, porém as visões do diretor e a época que foram filmados são diferentes assim como mangá que é da década de 90, ao qual muitas atitudes teriam sido mudadas ao longo das produções, e a mesma recente de 2018, e tendo mais uma adaptação em 2021.

Porém, cada uma delas tem seu próprio valor, ao qual, não podemos dizer qual melhor ou pior que a outra, afinal, cada uma tem seu gosto, e devemos dar crédito a produção no seu nicho, se ela foi feita para tal coisa, não devemos cobrar algo que não caber aquele tipo de produção.

Seguindo as linhas gerais, devemos respeitar os limites entre uma leitura, releitura e adaptação, como fã, devemos perceber que existe algumas coisas que não são possíveis para uma produção seguir a risca o que acontece no livro até então adaptado, enquanto a visão do diretor do filme é o filtro que estamos vendo, mas para o público final, nos iremos interpretar de maneira diferente daquele que filme.

Diferente de um livro, uma adaptação visual pode e dever ter seu próprio significado.

Lembro quando vi O Código Da Vinci, e achei fascinante como pode construir uma trama de suspense, e depois eu acabei lendo a obra de Dan Brown, e percebi: existem elementos que não foram levados para a obra cinematográfica, e isso diminuiu o valor do filme?

De maneira nenhuma, então, meu ponto é… critique a obra no seu nicho, se for um livro, no âmbito literário, enquanto ao filme, no campo visual, pois cada uma foi feita para esse é campo, e deve ser julgada como tal. E deem os créditos as adaptações, apesar de ruins, elas ainda tem identidade própria, e ao qual, devemos julga-la como algo a partir do âmbito da qual foi adaptada, enquanto pensamos que podemos construir um pensamento critico sobre tal abordagem. Então, vamos ver uma adaptação aí?

Laís C.