We can live forever

We can live forever

Gênero: Ficção.
Classificação: Livre.
Restrição:
Sinopse: 
Um acampamento surpresa era tudo que eles precisavam, e nem sabiam. Um acampamento, conversas sinceras e uma decisão importante: estava na hora de voltarem e fazer as coisas do jeito certo.

Capitulo Unico

Arrumar uma mala nunca causou tanto nervosismo antes.
As mãos suavam enquanto Liam escolhia as roupas que deveria colocar em suas malas, as peças pareciam mais pesadas do que de fato eram, além de parecem menos bonitas aos olhos do cantor. Ele sabia que tudo era fruto de sua ansiedade, e que precisava relaxar ou acabaria tendo um treco. Por isso, Liam sentou no pequeno espaço vago no colchão de sua cama que estava com diferentes e diversas peças de roupas jogadas em cima, e respirou fundo. Tirou uns minutos para se acalmar, pensar que tudo aquilo era verdade e que sua realidade não era um sonho, aproveitou aquele momento para se lembrar de como, após anos, tinha chegado até ali. E riu sozinho quando se lembrou.

Tarde de sexta-feira passada:
– Eu não ‘tô acreditando nisso. – Payne exclamou, rindo da situação em que se encontrava, olhando para os outros quatro que riam junto com ele. – Fomos enganados?
– Os cinco! – Harry fingiu resmungar, passando a mão pelos fios do cabelo jogando-os para trás. – Eu não desconfiei de nada!
– Você nunca desconfia de nada, Harold. – Louis implicou com o mais novo que o respondeu da forma mais adulta possível: mostrando-lhe a língua. – Eu ‘tô surpreso que eu não percebi nada! Porra. – xingou e todos riram ainda mais, aquilo era tão a cara de Louis.
– Eu sabia que estava me escondendo alguma coisa. – Zayn comentou com toda sua calma de sempre, a voz soando em meio às risadas que até ele dava.
A situação era que estavam os cinco num acampamento não planejado por eles! Os cinco foram enganados por suas namoradas! Cada um deles!
As cinco garotas convenceram cada um deles que precisavam de um final de semana diferente, que precisavam acampar, ter contato com a natureza e respirar ar puro. E mesmo indo contra a ideia, pois alguns deles não gostavam desse lance de acampar – Louis e Niall, acabaram aceitando a ideia das namoradas e “Uhul! vamos acampar!”. Acabaram se empolgando verdadeiramente com o acampamento. Pesquisaram na internet o que se deve usar num acampamento e compraram cada item da lista que fizeram, e suas namoradas os ajudaram. Ajudaram e os enganaram! Aquelas… Garotas espertas!
Ali estavam eles: num acampamento no final de semana, é verdade. Mas, apenas eles!
Cada uma das mulheres usou de seu charme, lábia e desculpas perfeitas para convencer os namorados à irem antes delas ou perderiam a vaga no acampamento que, segundo elas, já estava pago. No final, elas não apareceram. E nem iriam aparecer, tinham deixado isso bem claro nas mensagens que cada um delas mandara para seu respectivo namorado e marido, no caso de Liam e .
– Bom, eu sabia de tudo. – Niall afirmou como quem não queria nada, espreguiçando-se no pequeno banquinho que era um dos itens da lista de acampamento. – Elas me pediram ajuda e eu pensei qu…
– Irlandês! – Louis gritou antes de sair de onde estava e se jogar em cima de Horan que teve sua fala interrompida. Niall acabou caindo pra trás em cima do mato baixo e riu com o peso do outro em cima de si.

Niall ainda não acreditava que o plano feito por , , , e dera certo. Plano esse que ele precisou ser cúmplice sem reclamar, afinal, elas precisavam da ajuda de um dos garotos e só poderiam contar com o irlandês. Louis diria que não ajudaria e nem iria para o acampamento por causa de sua desavença com Zayn, Harry enrolaria demais para ajudá-las, Liam gastaria mais tempo pensando no lado bom e ruim do que de fato ajudando e Malik talvez não aceitasse justamente porque não queria se reunir com os meninos e ficarem num clima ruim. Ou seja, elas só podiam contar com Nialler. E, modéstia a parte, ele havia sido um grande aliado!
O lance é que mesmo tendo concordado em ajudá-las e ter se esforçado, Niall desde o começo não acreditava que tudo daria certo. Na teoria tudo parecia fácil demais, montadinho demais. Horan conhecia seus ex-companheiros de banda, sabia da personalidade de cada um e como cada um deles lidava com seus sentimentos. Haviam problemas não resolvidos que surgiram depois da saída de Zayn e que precisavam ser resolvidos. E Niall sentira tanto medo que aquela tentativa de reaproximá-los só servisse para afastá-los ainda mais.
Entretanto, o plano dera certo. Eles não se afastaram ainda mais, pelo contrário. Estavam ainda mais unidos do que nunca.
Se lembrar dos momentos e das conversas que tiveram naquele acampamento, aquecia o coração de Niall do mesmo jeito que a fogueira os aqueceu durante as duas noites dos três dias que ficaram juntos. Ele guardaria cada momento com muito carinho em sua mente e em seu coração, mas, Horan tinha um momento especial e que ocupava uma parte maior dentro de si.

Noite de sexta-feira passada:
– É nostálgico estar assim depois de tantos anos. – Liam falou baixo o que não impediu que todos os outros o ouvisse, enquanto apontava o marshmallow no fogo da fogueira que tinham acendido com algum sacrifício.
– Nossas vidas mudaram desde àquela vez. – Niall completou o pensamento, referindo-se ao curto acampamento que fizeram quando ainda eram uma banda e que estava filmado e registrado no documentário This Is Us.
– Tudo mudou. – Harry afirmou, olhando o fogo à sua frente que os aquecia do frio que fazia naquela noite.
Os cinco estavam sentados em banquinhos montáveis em volta da fogueira de fogo médio, já tinham comido o miojo e algumas das comidas enlatadas que preparam no pequeno fogão que tinha na pequena casa ali perto – que era parte do acampamento, com uma cozinha minúscula e um banheiro.
– Nossas vidas estão mais tranquilas agora. – Zayn falou a verdade quando puxou os pés pra cima do banquinho, com cuidado para não cair, querendo aquecer-se ainda mais, logo se arrependendo de suas palavras. Não queria que sua frase soasse do jeito errado, como se estar na banda causasse um agito ruim em sua vida, que agora por estar mais calma estava melhor. Não era isso, ele só queria dizer que agora em suas agendas havia mais tempo livre, apenas isso. Malik sentira medo que os meninos tivessem entendido do jeito errado e estava pronto para se desculpar, se explicar, quando Harry concordou com ele:
– Muito mais. Eu sinto como se, só agora, eu pudesse respirar direito. Naquela época era tudo muito corrido e agitado. Estávamos ocupados em cada minuto do dia, era cansativo. – Respirou fundo, soltando o ar de uma vez por lembrar tão bem das vezes em que implorava internamente por um dia de descanso na vida agitada que tinham, mas nunca conseguia.
– E reclamar nem era uma opção. – Louis concluiu, rindo fraco, sincero. – Estávamos vivendo algo incrível, eu achava que reclamar era o mesmo que ser ingrato com tudo aquilo.
– Esse foi o nosso erro, eu acho. – Payne apontou, oferecendo o marshmallow para Niall que aceitou de bom grado. – Não precisávamos viver tudo aquilo do jeito que vivemos. Eu, sinceramente, lembro bem pouco das cidades que visitamos e dos shows que fizemos… Eu me lembro dos mais marcantes, não de todos. E isso parece errado pra mim. Porque eu sei que fizemos todos aqueles shows com amor e que recebemos amor de volta. Mas, se tudo foi feito no amor porque eu não me lembro de tudo e todos, então?
– Porque além do amor, também sentíamos cansaço. Ansiedade. Medo e sono.
– Tínhamos tanto medo de decepcionar os outros que não pensamos no que estávamos fazendo. A gente só fazia. Íamos pra onde nos mandavam ir, fazíamos o que nos diziam ser o certo, cantávamos o que queriam que cantássemos, viajamos para onde precisávamos estar… – Styles pontuou, olhando do fogo para cada um dos garotos. – Foi difícil, apesar de muito gratificante.
– Mas havia momentos em que a gratidão não cobria os sacrifícios. – Niall falou o que todos eles sabiam e tinham sentido diversas vezes. – E esses eram os piores momentos.
– Principalmente aqueles momentos em que precisávamos obedecer aos outros por causa do contrato. – Louis resmungou, sempre odiando se lembrar das exigências da Modest em relação à eles e à banda no geral. – Podíamos ter rompido aquela merda e pagado a multa.
– Podíamos. Se não fossemos garotos preocupados em viver tudo aquilo que sempre sonhamos, em dar uma vida melhor para nossas famílias e retribuir o amor que nossos fãs tinham pela gente. Essa decisão parece muito fácil agora porque, ao contrário daquele tempo, estamos fora disso e de tudo aquilo. Hoje em dia nós sabemos quais eram os erros que cometíamos naquele tempo, então é fácil encontrar uma saída.
Todos assentiram em silêncio, concordaram com Liam. Aquela era uma grande verdade, eles poderiam pensar em diversas maneiras de terem saído do abuso que sofria da Modest! e Simon Cowell, mas naquela época seria difícil ter coragem de chutar o balde. Eles eram cinco adolescentes que foram colocados juntos numa banda, poderiam realizar seus sonhos de cantar e ajudar suas famílias. Eles não entendiam nada da vida, da maldade do mundo e das pessoas, e quando se está dentro de algo tão complicado quanto à vida que eles tinham, não é fácil de encontrar e identificar os erros. Com a agenda lotada de compromissos e responsabilidades, eles não tinham tempo nem pra respirar, quem dirá parar e pensar no que poderia estar errado. Eles confiavam no que lhes diziam, confiavam na experiência dos mais velhos e, talvez, esse tenha sido o erro de cada um deles.
– Vocês acham que teríamos dado certo se tivéssemos chutado o balde desde o começo?
– Eu acho que daríamos certo em qualquer lugar, desde que estivéssemos juntos. – Niall respondeu a pergunta de Louis, usando de toda a sinceridade que tinha em seu ser. – Eu só não surtei porque tive vocês comigo. E, sinceramente, eu não poderia ter tido companheiros melhores. Apesar de tudo, acabamos criando uma ligação muito forte. Cada um foi a segurança que o outro precisava e, por isso, eu acho que daríamos certo em qualquer lugar e qualquer coisa. Desde que estivéssemos juntos.
– Concordo. – Harry ergueu o dedo indicador da mão, gesto que nem percebeu que fez e que arrancou um sorriso de Liam que o observava. – Nunca expus muito a minha gratidão por ter vocês comigo ou meus sentimentos no geral, mas sempre soube que se estivéssemos juntos, poderíamos fazer qualquer coisa. One Direction só dava certo porque apesar de tudo aquilo, estávamos juntos. E isso era o suficiente.
Os quatro mais velhos acabaram sorrindo diante da declaração de Harry, concordando com a última frase dita por Styles. Porque era verdade. Apesar de tudo, a banda só dera certo porque os cinco estavam juntos. A maior prova disso havia sido o jeito com que tudo desandou quando Zayn os deixou, saiu da banda.
– Vocês foram o motivo que me fez ficar todo aquele tempo. – Malik comentou depois de alguns minutos em silêncio apenas ouvindo os outros garotos. Os olhos castanhos encarando o fogo à sua frente, o coração acelerado desde cedo com o encontro inesperado. Estar reunido com aqueles quatro depois de tantos anos era diferente e o deixava ansioso, mas, de um jeito bom. Apesar do clima ainda pesado que existia entre Zayn e Louis, ele não conseguia não se sentir bem ao estar com os ex-companheiros de banda. Eles eram parte importante de sua vida e, apesar de tudo ou por tudo, Malik era grato à cada um deles. – Eu teria ficado mais se fosse só a gente. Se aquelas pessoas não existissem.
– Teria sido incrível ter você por mais tempo. – Liam afirmou, sorrindo para Zayn que acabou sorrindo ao ver a feição sempre tão amorosa de Payne. Ele era mesmo como um urso. – Você fez falta, dude.
– Você foi embora antes de me ensinar a andar de skate, cara! – Niall reclamou, quebrando o clima e arrancando risadas altas dos outros, inclusive de Zayn.
– Você não tem equilíbrio algum, Nialler! Pelo amor de Deus! – Louis gritou de onde estava e os outros riram ainda mais.

Harry tinha um hematoma roxo na pele do braço esquerdo, o local estava um pouco dolorido quando tocado e o cantor não poderia se importar menos. O machucado ficava visível quando Styles usava camisas de mangas curtas. Ou seja, sempre. E ele não poderia se importar menos. Aquele hematoma surgira no final de semana passado, e era por isso que Harry pouco se importava: aquele final de semana havia sido muito especial e não seria um hematoma, uma marca roxa em sua pele, que iria tirar a beleza daqueles dias vividos.
Harry era tão grato pela ideia das garotas e pela ajuda de Nialler. Ele era tão grato por tudo ter dado certo, por aqueles três dias terem existido, que se recusava a ter qualquer lembrança ruim daqueles dias. Por essa razão que Styles via beleza até naquele roxo em sua pele. Ele era grato até por aquele hematoma.
Algumas feridas são especiais, Harry aprendera isso com a vida.

Tarde do sábado passado:
¬– Você continua sendo péssimo em mímica, Liam!
– Isso é um canguru?! – Nialler perguntou em meio à risadas, quase caindo do banco que estava sentado.
– Não! – Payne gritou, aflito porque seu tempo estava acabando e Louis – sua dupla, não adivinha que ele estava imitando um urso panda. PANDA. – Presta atenção, Tommo!
– Eu ‘tô prestando, mas você está imitando… Pelo amor de Deus! – o garoto de Doncaster se interrompeu quando Liam começou a se espreguiçar – Bicho preguiça?
– Liam. – Harry o chamou com custo, era difícil falar e rir tanto ao mesmo tempo. – Dez segundos. – avisou olhando rapidamente para o relógio em seu pulso, sentindo Niall escorar em si pra não cair no chão.
– Louis!
– Vocês são mesmo uma dupla? – Zayn perguntou rindo também.
– Por isso que eu sempre preferi você, cara. – Louis resmungou e declarou ao mesmo tempo, sem perceber o que fazia, ao que se levantava para observar melhor Liam, que estava quase chorando e desistindo da brincadeira de mímicas.
Tomlinson não percebera o que havia dito, mas Zayn e Harry sim. Mesmo que dissessem que Styles fosse lento e meio lerdo, ele não era tanto assim e prestava atenção em tudo. Principalmente, em como aquele reencontro era tão necessário, não apenas para a amizade dos cinco em si, mas para Zayn e Louis em especial.
Harry piscou para Zayn que o encarou quando percebeu estar sendo observado por alguém, notou o brilho no olhar de Malik que sorriu quando abaixou a cabeça, e estava pronto para dizer algo quando sentiu um ardor em seu braço causado pela pinha que Louis pegou do chão para tacar em Liam após descobrir que ele estava imitando um urso panda e não um ET.

Louis não gostava muito que tirassem fotos dele.
Talvez por ter tido muitas pessoas o seguindo com câmeras nas mãos por muitos anos, por ter sua privacidade invadida ao ter fotos pessoais vazadas por aí. Não sabia ao certo o motivo principal, poderia ser uma mistura de tudo ou apenas uma de suas chatices pessoais. Tomlinson simplesmente detestava tirar fotos, até mesmo com familiares e amigos – apenas o convencia a tirar fotos, é claro. Ela sempre conseguia tudo dele.
Entretanto, ali estava ele: encarando aquela foto na tela do seu celular. Era uma foto sua com o dedo do meio erguido. Louis não estava muito arrumado no momento em que a foto fora tirada, mas até que gostava dela. Talvez não fosse da foto em si, mas da pessoa que a tirou e enviou para ele.

Noite do sábado passado:
A noite estava fria, o vento gelado tocava a pele descoberta do rosto de Louis que tinha todo o corpo coberto por peças de roupa de frio, touca na cabeça e meias grossas nos pés. Ele sabia que dentro de sua barraca o frio estava menor, mas não conseguia ficar lá dentro, precisava ficar um pouquinho ali fora. Sozinho. Sentado no banquinho que era seu, observando ao seu redor, com a fogueira acesa à sua frente lhe ajudando na tarefa de se aquecer.
Louis precisava daquele tempo para pensar no que estavam sendo aqueles dias ali com os garotos. No que estava sendo aquela reunião não planejada por si e que o pegara de surpresa. Ele raramente se surpreendia com algo, mas ali estava ele: surpreendido. A principio foi assustador e um pouco desesperador também – principalmente, quando viu Zayn chegar. Mas depois entendeu que seriam dias legais com os quatro caras que ele sentia falta, e então decidiu aproveitar aquele acampamento. Mas, precisava ser sincero consigo mesmo: a presença de Zayn o deixava aflito. Era estranho passar dias num lugar com Malik. Eles tinham conflitos entre eles, probleminhas aqui e ali e que precisavam ser resolvidos e que Louis queria resolver, porém… Nem ele sabia.
Talvez fosse medo de se abrir mais uma vez e ver Zayn indo embora de novo.
Tomlinson respirou fundo mais uma vez, vendo uma fraca fumaça saindo de seus lábios, sorrindo pequeno por isso. Fechou as mãos dentro do bolso da frente do moletom que vestia, sentiu a aliança que tinha no dedo da mão esquerda e desejou que estivesse ali. Ela saberia o que dizer a ele para ajudá-lo a tirar aquele aperto do peito, com certeza.
– Posso?
Louis ficou um pouco mais nervoso quando ouviu e viu Zayn saindo de dentro da barraca dele, e mesmo que estivesse evitando ficar sozinho com Malik naqueles dias respondeu positivamente a pergunta dele.
E foi naquela noite fria, naquele acampamento surpresa, que Louis e Zayn ficaram sozinhos após alguns anos.
– Eu nunca te odiei. – Malik falou com seu tom de voz baixo, calmo, quebrando o silêncio que antes de sua fala só era quebrado pelas folhagens balançadas com o vento e as braças da fogueira. – Senti um pouco de raiva em alguns momentos, mas nunca te odiei. Nunca desejei não estar com vocês quatro. Meu problema nunca foi você ou os garotos, eram as outras pessoas. Todas aquelas regras, ordens, restrições e todo o resto. Nunca foram vocês. E eu acho que isso não ficou muito claro quando tudo aconteceu.
– Muita coisa não ficou clara. – Louis garantiu, sentindo o coração batendo acelerado dentro do peito pela conversa que ele aguardava há anos para ter com Zayn e que, naquele momento, o deixava sem saber como reagir. Ensaio nenhum o preparara para aquele momento. – Eu reagi mal. Da maneira errada. E minhas ações esconderam o verdadeiro motivo que me fazia agir daquele jeito ou falar aquelas coisas. Você sabe, me conhece, sou péssimo em pensar antes de agir ou falar e por isso acabando fazendo merda. – apontou um de seus defeitos que ele mesmo reconhecia, rindo baixo de nervoso e ouvindo uma risadinha de Zayn. – Eu não queria cuidar da sua vida. Eu acho que, na verdade, eu queria continuar na sua vida. Eu queria. É, queria. E foi um jeito fodido de demonstrar isso.
– Foi, mas eu não te julgo. – afirmou, respirando fundo ainda sem coragem de olhar diretamente para Louis que, assim como Zayn, estava sendo sincero em suas palavras. – Eu não me expressei muito bem quando tudo aconteceu, e logo apareci com outras pessoas, fazendo outras coisas e dando a entender que estava tudo bem e superado pra mim. Mas, não estava nada bem. Eu, na verdade, nem sei direito… Acho que eu pensei que vocês me entenderiam. Que já sabiam do meu desejo de sair da banda por não me identificar tanto com tudo, e por isso, eu só… Fui.
– A gente nem se despediu, cara. – Louis relembrou, a voz amarga combinando com o gosto que sentia em sua língua ao se lembrar do anúncio da saída de Zayn. – Num dia estávamos rindo e jogando videogame, no outro você só disse que não dava mais e foi embora. Eu fiquei me perguntando o que tinha acontecido de tão grave, ou se era uma brincadeira de mau gosto. Ficamos perdidos sem você. Eu me senti no escuro, mais por ver o meu melhor amigo indo embora do que por estar perdendo um companheiro de banda.
– Eu sinto muito, Louis. Eu precisava deixar tudo àquilo pra trás. Eu precisei. – Zayn se desculpou, suspirando, criando coragem para deixar de encarar a fogueira ali sua frente para encarar o ex-companheiro de banda e melhor amigo. – Eu não me despedi direito de vocês porque eu sabia o que eu queria. Minha cabeça já estava feita. Vocês me perguntavam se eu tinha certeza e eu tinha. Eu não queria que tentassem mudar a minha cabeça. Eu queria que me entendessem.
– E entendemos. Depois de um tempo, mas entendemos. – assegurou, encarando o moreno de volta. – E eu sinto muito por ter sido um idiota na maior parte do tempo. Eu não julgo a sua saída da banda, Zayn. Eu entendo que o que fazíamos não era o seu estilo e que tudo que fazíamos para te ajudar não era o suficiente. Eu realmente não te culpo por ter cansado de tudo aquilo, todos nós nos cansamos. Sua saída abriu uma porta importante pra cada um de nós. De verdade. – confortou o coração agitado do Malik que nem sabia, mas, esperou tanto para ouvir aquele tipo de coisa. Zayn poderia falar o que fosse para quem quer que fosse, mas no fundo ele sempre se perguntava se tinha estragado o futuro da banda e dos garotos. – Sua saída da banda não me machucou tanto quanto o fim da nossa amizade. Eu não soube separar as coisas, e a falta de uma conversa entre a gente ajudou em muito tudo isso.
– Conversar com você teria tornado tudo muito mais difícil pra mim, Louis. – confessou.
– Pra mim também. – concordou, e ambos sorriram. – Bom, acho que está na hora de conversarmos então… Não acha? – perguntou, rindo quando Zayn o encarou e assentiu rápido demais. – Sem choro, por favor, Zaynie.
– Iria te pedir o mesmo, Loueh.
A foto que Louis encarava enquanto arrumava sua mala, fora tirada por Zayn depois de muitos minutos de conversa, pedidos de desculpas e assuntos sendo colocados em dia.
A foto foi tirada enquanto Louis e Zayn fumavam juntos depois de longos anos separados.

Zayn sempre foi do tipo que quando colocava algo em sua cabeça ninguém o fazia mudar de ideia. Desde muito cedo que ele sabia o que queria fazer, pra onde ir, aonde chegar e o que alcançar. Em alguns momentos, algumas ocasiões, as pessoas podiam pensar que estavam no controle da vida dele… Mas, elas só achavam que estavam. Zayn sempre sabia o que queria.
Por esse motivo, por ter certeza do que fazia com sua vida, que ele sorria enquanto dobrava algumas peças de roupa e colocava em sua mala.
Zayn sabia o que estava fazendo. E não poderia estar mais feliz por isso.

Tarde do domingo passado:
– Vou enviar essas fotos por e-mail pra vocês depois. – Niall prometeu, guardando o celular no bolso da calça jeans, pronto para voltar a arrumar suas bolsas. Já estava na hora de deixarem o acampamento, irem embora.
– Eu não abro o meu e-mail há anos, Nialler. Já falei isso. – Louis reclamou, empurrando o irlandês de leve pelo ombro. – O Styles que fique sem as fotos então.
– Ei! – Harry reclamou.
– Não é mais fácil fazer um grupo com todos e mandar as fotos lá? – Zayn perguntou, achando graça da implicância e reclamações. Sentiu saudades daquilo.
– Niall vai se empolgar e mandar fotos dele bêbado.
– Eu não fico bêbado.
– Sem mentiras, Horan. – Liam deu um tapinha no ombro do outro que riu e nem se preocupou em manter a mentira.
– Porque ninguém fala das chances de ficarmos recebendo músicas cool do Harold? – Niall se defendeu e ouviu outro grito de Styles.
– Minhas músicas são…
– Um grupo seria legal. – Malik insistiu, interrompendo a discussão boba que já sabia que não daria em nada, enquanto dobrava a lona de sua barraca para guardar na bolsa, já tinha organizado todo o resto. – Poderíamos, além de receber fotos do Niall bêbado e música conceituais do Harry, decidir o nosso retorno pra uma despedida decente também.
Um silêncio existiu após a fala de Zayn. E logo foi quebrado por gritos que ecoaram por toda a área reservada para acampamentos.

Cartazes foram espalhados por toda a cidade, criando expectativas, teorias e muitas suposições do que a frase “we can live forever” poderia significar. Nas redes sociais existiam fotos e vídeos dos cartazes de vários ângulos e com zoom, tentativas de mais dicas do que aquilo tudo poderia ser. Fãs de diversos grupos e artistas tentavam saber se aquela poderia ser alguma dica de um retorno ou álbum novo, e tiveram certeza do que se tratava quando Liam, Louis, Harry, Niall e Zayn publicaram em suas redes sociais a frase mais pesquisada dos últimos tempos.
We can live forever.
Os ingressos para o show foram esgotados em menos de trinta segundos, mesmo que nenhum dos cinco integrantes ou qualquer outra pessoa confirmasse que o show “Our History” se tratasse do retorno da One Direction.

Quando as luzes do imenso Eithad Stadium se apagaram, os gritos das mais de 158mil pessoas presentes formaram um coro de ansiedade, excitação e emoção. As lágrimas de choro aparecem imagens, vídeos de Liam, Louis, Harry, Niall e Zayn desde o The X Factor começaram a passar nos dois telões ao lado do palco principal. A história da banda, dos cinco garotos, estava sendo contada com vídeos e as vozes de cada um deles no fundo dizendo como havia sido viver tudo aquilo que estava sendo mostrado. A imensa plateia chorava. A grande maioria por saber de cor tudo aquilo e sentir tanta, tanta, falta de tudo aquilo. Daqueles garotos.
O vídeo acabou e mais gritos foram ouvidos.
Principalmente, quando tudo ficou escuro mais uma vez. Poucos segundos antes dos fogos de artifícios explodirem no céu e Liam, Louis, Harry e Niall aparecessem no palco.
A multidão foi a loucura ao ter os quatro diante de si, dividindo o mesmo palco.
Os primeiros acordes de violão foram o suficiente para que todos soubessem que música era aquela. History.
A voz rouca de Harry foi a primeira a soar por toda a arena, seguida por Niall, Liam e Louis. A plateia acompanhou cada um deles, cada parte solo, o refrão e a parte em que os quatro cantavam juntos, as vozes dos quatro quase se anulavam diante do coro perfeito da multidão. Porém, uma voz se sobressaiu em determinado momento.
Uma voz que todos conheciam tão bem quanto à música em si.
Uma voz aguda, porém, firme.
– You and me got a whole lot of history… We could be the greatest team that te world has ever seen. You and me got a whole of history. So don’t let it go, we can make some more. We can live forever.
Zayn apareceu no meio do palco e no meio dos garotos, surpreendendo a todo o publico que no meio da emoção nem perceberam o espaço vago entre Louis e Harry. O espaço que fora perfeitamente preenchido por Malik.
A verdade, é que aquele espaço – que fora criado com a saída de Zayn da banda, só poderia ser preenchido por ele. Afinal, aquele buraco tinha o tamanho perfeito de Zayn e nenhuma outra pessoa seria capaz de preenchê-lo.
– We can live forever.
Os cinco repetiram a última frase da música juntos. E aquela frase nunca soara tão bem antes. Talvez porque estivessem juntos.
Talvez não. Com certeza era por isso.
Tudo soava e ficava melhor quando estavam juntos. Os cinco.

FIM.

 

N/A: Quem falar que eu chorei enquanto escrevia essa fanfic não mentiu hihihihi. Sonhar não custa nada né minha filha? ):
Espero que tenham gostado! Não deixem de comentar o que achavam, por favor. E caso queiram me procurar, eu ‘tô no twitter como @loeykwon.
Beijos e até a próxima!