Herdeira Namikaze

Herdeira Namikaze

  • Por: Mandy Poynter
  • Categoria: Anime
  • Palavras: 3554
  • Visualizações: 421
  • Capítulos: 5 | ver todos

Sinopse: Depois de muito tempo ela finalmente retorna aquela que foi sua casa. Depois da morte do seu irmão, seu único desejo era simplesmente ter ido com ele, mas o destino nem sempre acontece como queremos e o que fazemos no passado corre um sério risco de mudar completamente o que tínhamos planejado para o nosso futuro.
Gênero: Romance, Aventura
Classificação: +14
Restrição: Sem restrições
Beta: Thalia Grace

Capítulos:

 

CAPÍTULO 1
 

A aldeia não tinha mudado tanto quanto eu imaginava, as casas continuavam da mesma forma, como se nunca tivessem sido reformadas depois de tantos anos. Porém, uma coisa havia mudado, o rosto de Tsunade estampado no Monumento Hokage. Um sorriso se fez presente em meu rosto e a saudade bateu fortemente em meu peito, não imaginava, até aquele momento, o quanto sentia falta daquele lugar, daquelas pessoas. Os sentimentos que há anos me sufocava e quase apertava meu peito, e a vontade de chorar aparecia.

? — Meus pensamentos foram dispersos ao ouvir uma voz bastante conhecida, fazendo o sorriso se abrir, ainda mais, em meu rosto.

— Olá, Kurenai. — Eu não consegui dizer mais nada, pois logo senti braços me rodeando em um abraço, fazendo-me apertar a mulher.

— Senti saudades. — Disse Kurenai, ainda no abraço.

— Pode apostar que não mais que eu. — Larguei-me dela e segurei seu rosto em minhas mãos. — O que tem na água daqui? O tempo passa e você consegue ficar mais linda do que já era.

— Olha só quem fala. — Kurenai respondeu, juntando nossas mãos. — Você está maravilhosa.

— O tempo foi muito bom. — Respondi ainda sorrindo. — Como estão as coisas?

? — Uma voz logo interrompeu nós duas.

— Asuma, como vai? — O sorriso que já era grande, parece que aumentou ainda mais com a imagem do homem. Me aproximei rapidamente para um abraço apertado, um abraço que transmitia toda saudade que eu sentia.

— Nossa, quanto tempo, ein! — Disse Asuma, tímido.

— Nem me fale, senti saudades.

— Aposto que sim, a aldeia não é a mesma sem você. — Respondeu ele.

— E eu, definitivamente não sou a mesma sem Konoha. — Um vento bateu em meu rosto e lágrimas estavam sendo seguradas fortemente.

— Vim me encontrar com Kurenai pra um passeio. — Asuma disse, segurando a mão da namorada. — Será bem-vinda.

— Eu amaria, de verdade, — Meu coração logo se aqueceu ao perceber aqueles dois juntos. — mas eu preciso falar com a Tsunade antes de tudo. — Respondi com a felicidade estampada em meu rosto. — Mal cheguei e ela já me quer no hospital.

— Era de se imaginar. — Kurenai respondeu, me deixando curiosa.

— Por que exatamente era de se imaginar? — Questionei.

— Vai saber quando chegar lá. — O sorriso que ela me deu antes de sair atiçou ainda mais minha curiosidade, me fazendo andar ainda mais apressadamente.

O hospital não era muito longe e logo consegui chegar. Percebi que nada tinha mudado ali, aquele espaço já me era familiar já que trabalhei aqui muito tempo quando não era enviada em missões. As enfermeiras sorriram ao me reconhecer e, aos poucos, acenei para cada uma que passava. Sentia uma falta gigante de salvar pessoas, ser uma médica ninja sempre foi uma das prioridades na minha vida e a ajuda de Tsunade foi fundamental, eu devia tanto a ela por todas as vezes que me ensinou a me tornar cada vez melhor.

Cheguei a porta que foi me informada e abri sem cerimônia alguma, logo vendo a imagem das pessoas se formarem. A primeira foi Tsunade, ela virou-se rapidamente e abriu um grande sorriso ao me ver; ao seu lado Shizune com a mesma expressão de felicidade da Hokage e, ao lado da cama, dois rostos curiosos, sendo um deles o garoto que eu mais ansiava ver. Abri um sorriso, mas logo fechei ao ver quem estava deitado na cama. Kakashi parecia calmo, mas percebia-se por seus olhos o espanto de me ver ali, mas ao mesmo tempo a mágoa que me matava e me corroía por dentro.

, que bom que você chegou. — Shizune foi a primeira a se pronunciar, me fazendo aproximar logo, abraçando-a fortemente.

— Já faz algum tempo não é mesmo? — Tsunade disse, me olhando.

— Realmente é muito bom revê-la. — Respondi. — Senhora Hokage.

— Quem é você? — O garoto que permanecia ao lado da cama perguntou, fazendo um sorriso enorme crescer em meu rosto.

— Você é o Naruto, não é mesmo? — Perguntei, mesmo já sabendo a resposta.

— Você me conhece? — Questionou ele.

— Você cresceu tanto. — Ignorei sua pergunta e me aproximei. — Está tão bonito. — Vi rapidamente uma cor vermelha se apossar de suas bochechas e as segurei em minhas mãos. — Aposto que tem várias garotas atrás de você. — Sorri vendo-o se afastar rapidamente. — Essa moça ao seu lado é sua namora?

— O que? — A garota agora pronunciou bastante irritada.

— Me desculpe. — Disse rapidamente. — Você deve ser a Sakura, então.

— Pera um pouco. — Naruto, ainda constrangido, falou. — De onde você me conhece? Nos conhece, na verdade.

— Senhora Tsunade me falou sobre a equipe Kakashi. — Respondi prontamente. — Eu te conheço desde sempre Naruto, mas me ausentei nos últimos anos, não se preocupe não sou ninguém relevante para que você precise lembrar. — Sorri, tentando acalmar o garoto. — É realmente um prazer revê-lo.

— Não sabia que estava de volta. — A voz de Kakashi me trouxe de volta a realidade e, ao olhá-lo, o meu sorriso se desfez.

— É muito bom revê-lo também Kakashi. — Respondi.

— Eu não disse que era bom vê-la. — Disse grosseiro me fazendo revirar os olhos.

— Não seja rude com ela Kakashi. — Ordenou Tsunade.

— Não tem problema. — Falei rapidamente, interrompendo a Hokage. — Eu entendo perfeitamente, nunca pensei que seria recebida somente com sorrisos.

— Ei, quem é você e por quê o Kakashi sensei te odeia? — Perguntou Naruto.

— Naruto, quando você vai parar de ser tão inconveniente? — Disse a garota ao seu lado.

— Meu nome é e há alguns anos saí de Konoha. — Respondi. — E, bom, em questão do Kakashi, eu não sei o que acontece. Há alguns anos atrás posso apostar que ele pularia de felicidade ao me ver. — O olhar irritado que eu recebi me fez ter a certeza de que eu estava fazendo o certo. — Afinal, ficamos juntos por muito tempo pro amor ter acabado fácil assim. — A cara de espanto em todos da sala me fez abrir a maior gargalhada desde que eu cheguei.

— Cala a boca, . — Kakashi logo me surpreendeu ao ser o primeiro a falar. — Mas é bom ter sua cara de pau de volta. — Gargalhei ainda mais ao ouvi-lo, de verdade ele me surpreendeu, não esperava por essa.

— Uau, seu senso de humor realmente mudou. — Respondi.

— Ei, espera só um minuto. — Sakura interrompeu. — Vocês dois já… E vocês eram… — A garota realmente estava constrangida e não conseguia terminar a frase.

— Ela quer saber se vocês eram namorados. — Naruto mandou na telha, fazendo a menina ao seu lado lhe lançar um olhar tão ameaçador que até eu sentiria medo.

— Naruto, seu idiota! — Sakura gritou, dando um tapa relativamente forte no garoto.

— Sakura, o que eu fiz? — Questionou o rapaz, alisando o galo enorme que ficou na sua cabeça.

— Chega vocês dois. — Ordenou Tsunade.

— Me desculpe, senhora. — Pediu Sakura.

— Vamos sair, Kakashi precisa descansar. — Disse Shizune e logo os dois jovens se despediram do sensei e saíram. Quando eu fui acompanhá-los Tsunade me parou no meio do caminho.

— Para onde pensa que vai? — Perguntou irritada.

— Ué, Kakashi não precisa descansar?

—Não seja estúpida. Sua nova missão é cuidar dele. — Respondeu ela com cinismo.

— Mas senhora, tem os melhores médicos da aldeia… — Fui interrompida.

— Não quero saber, é uma ordem. — Finalizou, saindo apressada e não me dando o direito de resposta.

— Ela é mesmo uma velha chata e piorou depois de virar Hokage. — Falei comigo mesma, suspirando e voltando meu olhar para o homem deitado na cama.

— Não seja maldosa. — Sabia que ele iria ouvir.

— E você, ein? — Comecei, sentando na cadeira que estava ao seu lado. — Você está acabado.

— Obrigado. — Respondeu ele ironicamente.

— O que aconteceu com você? — Estava bastante curiosa, fazia tempo que eu não o via daquele jeito.

— O Sharingan. — Suspirou logo ao responder. — Acho que usar o Mangekyo Sharingan acaba comigo.

— Só precisa de mais controle. — Sorri, logo entendendo. — O Sharingan é um dos maiores poderes visuais que existe. Você vai melhorar logo, agora que eu fui encarregada de ser sua babá.

— Porque mesmo ela ordenou isso, ein? — Ele perguntou, cansado, relaxando mais em sua cama.

— Talvez ela queira uma reunião de ex colegas? — Respondi sorrindo.

— Sério? — Debochou. — Você definitivamente não consegue levar nada a sério. Parece que eu tô falando com uma versão feminina do Obito.

— Saiba que isso é um elogio. — Falei prontamente. — Acho que você deve dormir um pouco. Vou pegar seu prontuário e dar uma olhadinha no seu quadro. — Saí do quarto e fui pra entrada, aquele seria um longo dia.

Acordei bem cedo naquele dia e, após tomar um banho e um café reforçado, fui direto para o hospital. Eu estava encarregada do Kakashi, mas nem louca eu iria dormir em uma cama desconfortável do hospital. Cheguei e logo me direcionei ao quarto do rapaz, mas antes de entrar eu ouvi uma voz bastante conhecida e que me fez sorrir abertamente, a saudades que eu estava sentindo daquele homem não era brincadeira.

— Tenho certeza que você não está de volta à aldeia só pra me ver, não é? — Ouvi a última frase de Kakashi e entrei de repente.

— Até parece. — Interrompi assustando-os. — Ele voltou só pra me ver, não é mesmo velhote? — Os olhos de Jiraiya brilharam e o sorriso que ele abriu não me deixou outra escolha se não a de andar em sua direção e abraçá-lo fortemente, demonstrando toda saudade que eu sentia naquele momento.

— Se tem alguém que me faria voltar aqui, pode ter certeza que é você. — Me afastei e sorri para o homem na minha frente. — Cresceu bem, ein?

— Eu sou como sua filha, pelo amor de Deus. — O repreendi.

— Você leva tudo pra esse lado. — Acusou ele, ainda sorrindo. — Que tipo de homem você acha que eu sou?

— Você não vai querer que eu diga. — Respondi e voltei a me direcionar para Kakashi. — Como se sente hoje?

— Acabado. — Falou simplesmente.

— Você precisa descansar. — Repreendi-o.

— Espere Tsunade chegar que você vai poder dormir, Kakashi. — Jiraiya disse, atiçando minha curiosidade.

— O que ela vem fazer aqui uma hora dessas? — Realmente ainda era bastante cedo e o fato dela ir ali definitivamente era algo bastante curioso.

— O capitão da equipe Kakashi vai ser apresentado. — Eu me surpreendi com aquilo. — Afinal a missão precisa de alguém mais experiente com eles. — Eu já estava a par da última missão e das informações que eles obtiveram sobre Orochimaru e o garoto Uchiha.

— Quem é ele? — Olhei pra Kakashi e percebi que ele estava tão ou mais curioso do que eu.

— Nessa missão ele se chamará Yamato. — Respondeu. — Mas vocês irão reconhecê-lo. — Logo a porta do quarto foi aberta e Tsunade entra, juntamente com um homem e Shizune atrás de si.

— Então era sobre esse Yamato que estavam falando? — O homem logo foi reconhecido por nós. — Quanto tempo, ein?!

— Vou usar Yamato como codinome nessa missão. — Respondeu. — É bom revê-los, principalmente você, . — Sorri para o homem, vendo Kakashi revirar os olhos.

— Kakashi, já que ele vai comandar sua equipe, explique para Yamato com o que ele vai lidar. — Ordenou Tsunade, ignorando o momento reencontro.

— O que podemos dizer, é o motivo principal dele ser escolhido como substituto do Kakashi. — Disse Jiraiya

— É sobre o Naruto, não é? — Respondeu ele.

— Exatamente. — Concordou Kakashi. — Você sabe que ele tem o espírito da Kyuubi selado dentro dele. — Yamato concorda.

— Haverá vezes em que o chakra vazará do corpo do Naruto e assumirá a forma do espírito da Kyuubi. — Jiraiya seguiu. — Nós temos nos referimos a isso como manto das nove caudas.

— Manto das nove caudas? — Perguntou Yamato, tão surpreso quanto eu. — Como é isso? Com que frequência isso costuma acontecer?

— Aconteceu na última missão. — Kakashi começou a explicar, atraindo ainda mais minha atenção. — Quando as emoções o dominam, o chakra da Kyuubi começa a aparecer e cobre seu corpo, revelando o manto das nove caudas. — Eu definitivamente estava completamente assustada com aquilo, mas entendi o porquê do Yamato ter sido designado para isso. — Eu consegui suprimir o chakra antes da segunda cauda aparecer com o selo que o Mestre Jiraiya me deu. — Suspirou fortemente antes de continuar. — Se eu não tivesse interrompido, sabe-se lá o que poderia ter acontecido.

— Eu entendo. — Olhei para Jiraiya espantada, como assim ele entendia? — É como eu temia.

— A julgar pela forma como o chakra estava formando, a quantidade de caudas vai crescer. — Prosseguiu Kakashi. — E cedo ou tarde serão nove.

— Isso resume tudo. — Eu pensava que não conseguiria me surpreender mais até ouvir a última frase de Jiraiya.

— Como assim? Pelo amor de Deus, Jiraiya. — Gritei, desesperada. — Quantas caudas você viu?

— Em todos os meus anos de vida, eu cheguei perto da morte duas vezes. — Ele falou enquanto tirava o casaco. — A primeira eu quebrei seis costelas, ambos os braços e rompi um punhado de órgãos internos. Isso foi quando eu fui pego fazendo pesquisa em uma pousada termal e a Tsunade me bateu como em um tambor. — Eu estava completamente impressionada e ao olhar para Tsunade percebia o mínimo de arrependimento em seu rosto. Ela finalmente tirou sua blusa e pude ver a grande cicatriz em seu peito. — A segunda vez foi quando estava treinando com o Naruto e a quarta cauda apareceu.

— O que é isso? — Eu estava simplesmente abismada, aquela cicatriz era enorme, ele teve realmente sorte em não ter morrido.

— O número de caudas aumenta de acordo com a raiva dele. — Continuou. — Isso a torna um gatilho. Ele conseguiu manter a consciência até a terceira cauda, depois da quarta cauda sua mente foi dominada, tudo que restou foi uma fome de destruição. Ele parecia uma versão pequena da Kyuubi.

— Ele chegou a tanto? — Perguntou Kakashi. — Mesmo com o selo do quarto Hokage?

— Não sei o que está causando isso, mas uma coisa é certa. — Prosseguiu. — A fórmula de selamento parece está enfraquecendo.

— O jutsu de selamento? — Perguntei sem acreditar.

— Difícil de acreditar. — Sabia que Kakashi estava pensando o mesmo que eu.

— Tem mais. — Jiraiya continuou. — Quando o Naruto está envolto no chakra da Kyuubi, eu sei que parece que ele está sendo protegido, mas a verdade é que seu corpo está sendo prejudicado por esse chakra. — Fez uma pausa e suspirou. — Quando a quarta cauda apareceu, seu corpo sofreu vários ferimentos, ele perdeu o controle e ficou coberto de sangue.

— Isso é horrível. — A muito tempo eu não me sentia daquela forma, meus olhos queriam simplesmente derramar todas as lágrimas possíveis.

— Assim que o manto desapareceu o chakra interior da Kyuubi começou a curar o corpo do Naruto. — Aquilo conseguiu me aliviar um pouco. — Mas se ele continuar nesse ritmo de danos notórios e rápidas recuperações, seu corpo pagará por isso e seu tempo de vida diminuirá consideravelmente.

— É por isso que precisamos de você pra essa missão, Yamato. — Tsunade disse, olhando diretamente para ele. — Afinal você carrega o DNA do primeiro Hokage em seu sangue.

— Você é o único que tem a habilidade de controlar o Jinchuuriki agora, está no seu sangue — Complementou Jiraiya. — Por sorte o Naruto também usa o colar do primeiro Hokage. Estamos contando com você.

— Tudo bem. Eu vou indo, eles devem está me esperando. — Dizendo isso, ele saiu do quarto, nos deixando sozinhos.

— Senhora? — Chamei, vendo Tsunade me olhar. — Deveria me mandar com eles.

— O que? — Kakashi perguntou, espantado, enquanto a Hokage ainda me observava atentamente.

— Eu sei a Sakura deve ser excelente, afinal ela foi treinada por você — Prossegui com a minha ideia. —, mas se o Naruto realmente fica da forma que o mestre Jiraiya disse, acho que uma médica ninja mais experiente pode ajudar melhor.

— Não se preocupe. — O sorriso que ela me deu foi tão sincero que eu me senti mal por não conseguir me tranquilizar. — Tudo o que ela fizer será o suficiente.

— Mas senhora…

— Tsunade tem razão, . — Me assustei ao ouvir Jiraiya sério. — Nada do que você fizer fará muita diferença. Não fique tão assustada. — Tentou me acalmar. — Vai ficar tudo bem, Yamato vai pará-lo antes de tudo.

— Bom, eu vou indo também. — Tsunade disse se retirando do quarto.

— Mestre Jiraiya. — Interrompi ao ver que o homem também iria sair. — Acha que tudo vai ficar bem mesmo?

— Eu espero que sim, meu bem. — Disse, logo saindo e me deixando sozinha com Kakashi.

— Você deveria se acalmar. — Ele ia se levantando, mas logo reclamou de dor me fazendo ir ajudá-lo. — Eu odeio isso.

— Acho que quem tem que se acalmar é você. — Disse seriamente, ainda vendo o homem fazer careta ao sentir mais uma pontada de dor. — Você precisa descansar.

— Eu tô cansado de descansar. — Reclamou, deitando-se na cama.

— Você prefere ler esses livros idiotas? — Perguntei seriamente vendo seu olhar ir em direção a duas edições de “Jardim dos Amassos”. — Não vou me incomodar, mas eu realmente ficarei ofendida com isso.

— Se for pra você ficar flertando comigo, é bom me avisar antes. — Seu suspiro demonstrou sua total frustração. — Porque eu realmente preciso me preparar pra essa conversa.

— Você quer mesmo falar sobre isso? — Não achava que aquele seria um bom momento, mas não iria me opor. — Eu pensei que estava tudo resolvido.

— E estava, você foi embora e eu superei. — Tava escrito na cara dele que ele não tinha superado nada. — A gente terminou e eu continuei minha vida, mas aí você aparece de novo cheia de gracinha na frente das pessoas e faz minha cabeça piorar de vez.

— Essa nunca foi minha intenção. — Eu me sentia mal por despertar aquilo nele.

— Eu sei que não. — Ele olhou diretamente para mim e meu coração acelerou. — Mas eu tenho que saber, o que você espera dessa vez?

— Bom, eu… — Sua pergunta me pegou desprevenida e definitivamente me deixou sem saber o que falar. — Eu voltei, de vez agora.

— O que? — Ele perguntou surpreso.

— Minha missão foi passada para outra pessoa. — Não queria continuar a conversa porque eu sei onde exatamente aquilo iria chegar.

— Eu sei o que você está pensando — suspirou. — Eu desisti de perguntar sobre essa missão para você.

— Talvez em breve você irá saber. — Sorri pra ele.

— Então você voltou mesmo agora? — Perguntou curioso.

— Gostou disso? Eu posso sumir de novo. — Respondi feliz ao ver que ele sorria.

— Sabe que nada vai voltar a ser como era antes, não sabe? — Disse ele, voltando a expressão cansada.

— Eu parti o seu coração, Kakashi. — Conclui, vendo que ele não me olhava mais. — E parti o meu também, eu sabia desde o início que nada seria como era antes, mas independente de tudo, nós ainda conhecemos um ao outro mais do que qualquer pessoa nessa vila. — Sorri.

— Somos amigos, afinal. — Vi que por debaixo da máscara ele sorria. — E agora que você voltou, como vai fazer com o Naruto? Vai contar a verdade?

— Minato não queria ele envolvido com o nome do quarto Hokage, ele protegeu e amou esse garoto mais que tudo nessa vida. — Lembrar do meu irmão me trazia tantas lembranças. — Eu me sinto tão mal. O que esse menino deve ter passado não é brincadeira.

— Talvez você deva tentar conhecê-lo. — Ele continuou. — Naruto é um idiota, mas é muito gentil e corajoso. Ele sempre está disposto a fazer tudo por um amigo, como ele fez pelo Gaara, o Kazekage da aldeia da areia.

— Ele se parece muito com Minato. — Comentei, lembrando da imagem do garoto. — Mas o jeito abusado definitivamente é da Kushina. E ele até me lembra o Obito, sabe.

— Os dois eram verdadeiros idiotas. — Gargalhei ao ouvir sua última frase, concordando fielmente com ela.

— Eu só espero que ele fique bem.

 

Nota da autora: Essa quarentena me deu um surto e me fez terminar de assistir Naruto Shippuden, mas dessa vez criando vergonha na cara e ver tudo já que eu parei na quarta guerra ninja e nunca terminei HAHAHA Mas aí eu terminei e veio um lapso com o meu personagem favorito desde o início do clássico. Kakashi sempre foi o meu amor do seriado, e depois que a gente sabe a história se torna mais especial ainda, ele é tipo Itachi, ou seja, ninguém consegue odiar. Espero que tenham gostado desse primeiro capítulo, se quiserem deixar um comentariozinho eu ficarei bem feliz, Beijinhos <3
Ps.: Quem quiser participar do grupo do face: https://www.facebook.com/groups/251989976129613
REDES SOCIAIS AUTORA
Facebook: https://www.facebook.com/mandy.poynter.1
Instagram: https://www.instagram.com/mandyalmeida28
Outras Fanfics:
https://focusfanfiction.com/fanfics/esportes/mi-vida/ – Mi Vida (Jogador de Futebol – Marco Asensio/Finalizada)

 

CAPÍTULO 2
Eu via enfermeiras entrarem no quarto de Kakashi durante todo o dia, mesmo eu estando sempre ali, às vezes minha presença era simplesmente ignorada, principalmente pela que estava nesse momento examinando-o. Ela passava e conversava com o homem como se ele estivesse completamente sozinho e isso me irritava completamente. Eu realmente não entendia o porquê de Tsunade ter me colocado ali se ninguém ligava, principalmente aquela moça.

— Por enquanto ainda terá que se alimentar somente de líquidos, tudo bem? — Revirei os olhos ao vê-la sorrindo pro homem na cama.

— Eu entendo. — Respondeu Kakashi logo vendo a mulher se retirar.

Eu realmente estava um pouco cansada, não conseguia dormir direito nos últimos dias e isso estava claro nas olheiras que tomavam conta do meu rosto. Desde que eu voltara não fazia outra coisa senão pensar em tudo; em Naruto e seu problema com o controle da Kyuubi, com meu relacionamento com Kakashi, com a Akatsuki e seus planos e, como se não bastasse, eu tenho pensado muito no meu irmão nos últimos dias, e isso me trazia uma tristeza enorme. Abri a bolsa que eu havia trago nesta manhã e tirei uma maçã de lá.

— Você é realmente uma pessoa horrível. — Ouvi a voz de Kakashi depois de morder a fruta que eu segurava.

— Qual o problema? — Perguntei sem entender.

— A enfermeira acabou de falar que só posso me alimentar de líquidos e a primeira coisa que você faz é comer na minha frente. — Gargalhei com sua última fala, definitivamente eu não tinha feito aquilo de propósito. Peguei minha bolsa e tirei outra maçã de lá e ofereci para o homem. — Você é surda?

— Não. — Respondi prontamente.

— Não ouviu que não posso comer? — Sorri abertamente para ele, o deixando confusa.

— Eu sou uma médica ninja treinada pela própria Godaime*, então ficarei bastante ofendida se você achar que eu estou tentando te matar. — Se ele realmente quisesse entrar nessa briga ele iria se arrepender.

— Você é muito dramática. — Ele rapidamente pegou a maçã que eu oferecia, abaixou a máscara e começou a comer. Eu poderia me chatear como fosse, mas aquele homem era um colírio para os meus olhos.

— Por que tá me olhando assim? — Ele perguntou após comer e voltar a colocar a máscara.

— Não é nada demais. — Respondi rapidamente.

— Não é nada demais? — Questionou. — Essa é a desculpa?

— Sabe, Kakashi, você continua um saco. — Tentei mudar de assunto.

— Você não vai mesmo me dizer não é? — Kakashi não era de insistir, então aquilo não me surpreendeu nem um pouco.

— Você é tão bonito, sabia? — As cantadas baratas sempre quebravam o clima sério e ele sabia disso.

— Você é muito aleatória. — Respondeu prontamente.

— É só que… — Eu estava curiosa sobre o assunto. — Os garotos já te viram sem essa máscara?

— Nunca. — A resposta veio rápido, mas não me surpreendeu.

— Típico. — Eu já sabia que a resposta seria essa. — Você é um colírio sem ela, mas tenho que admitir que ela te deixa mais…

— Mais o que? — Perguntou ao ver que eu tinha parado no meio da frase.

— Mais sexy. — Resolvi jogar tudo pro alto e ao vê-lo quase vermelho me deu uma grande satisfação.

— Você vai mesmo flertar comigo? — Questionou, fazendo com que eu ficasse envergonhada.

— Vai funcionar? — Tentei entrar na pilha e deixar a vergonha de lado, mas eu sentia a quentura se apossar de meu rosto.

— Na verdade sim. — O choque foi realmente grande, ou ele estava gostando realmente da situação ou só queria me matar naquele momento. — Você só tem que falar o que quer.

— Você gosta de me constranger, não é mesmo? — Perguntei já sabendo da resposta.

— Você que começou. — Acusou ele.

— Arg, eu odeio você. — Vi homem gargalhar e revirei os olhos saindo dali como uma criança que faz birra, ainda ouvindo a risada alta do homem.

Não estava realmente agindo infantilmente de propósito, na verdade eu precisava de um tempo para respirar e colocar minhas ideias no lugar. Os sentimentos estavam vindo de uma vez e meu coração apertava ao lembrar de cada coisa que me atormentava. A Akatsuki estava começando sua missão e não tínhamos muito com o que trabalhar, não sabíamos muito a respeito, somente alguns integrantes como o garoto Itachi Uchiha que ainda bem novo conseguiu aniquilar todo o seu clã e que era considerado um prodígio e definitivamente era, fora a grandeza do seu Sharingan, um dos maiores poderes oculares que já havia visto na vida. Temos também seu parceiro Kisame Hoshigaki, um dos Sete Espadachins da Névoa de Kirigakure*, não se pôde ver a extensão do seu poder, mas definitivamente era tão ou até mesmo mais grandioso do que Itachi.

? — Eu estava completamente absorta em meus pensamentos que nem havia percebido as pessoas em minha frente. — Você está de volta então.

— Ei, Gai como vai? — Sorri ao reconhecer o homem.

— Quanto tempo, não é mesmo? — Ele abriu seu grande e brilhante sorriso me fazendo sorrir junto.

— Bastante. — Ele verdadeiramente não tinha mudado nada, continuava o mesmo de sempre.

— Você está ótima. — Sorri ao ver a timidez encontrar seu rosto. Olhei para as outras pessoas que estavam do seu lado e percebi que eles prestavam atentamente atenção na conversa.

— Presumo que esses sejam seus alunos. — Os três logo voltaram seus olhares para mim.

— Ah, sim, esse é o Lee. — Apontou pro garoto que era simplesmente uma réplica sua mais nova. — Essa é a Tenten.

— É um prazer conhecê-los. — Voltei meu olhar para o único garoto que não fora me apresentado. Eu tinha certeza que já havia visto ele em algum lugar.

— Esse é o Neji Hyuuga. — Me aproximei do rapaz e olhei fixamente em seus olhos, vendo-o logo ficar vermelho.

— Algum problema? — A garota Tenten perguntou, ela definitivamente me mataria com o olhar se pudesse.

— Me desculpe, mas são belos olhos. — Me virei para a garota vendo o ciúme estampado em seu rosto. — Não acha?

— Está falando do Byakugan? — Perguntou o outro garoto, Lee, curioso.

— Definitivamente, é um poder incrível, não é mesmo? — Olhei para o Hyuuga esperando sua resposta, mas ainda encontrei o constrangimento estampado em seu rosto. — Me diga Neji, você não é mais um Chunin, né?

— Neji já é um Jounin. — Prontamente Gai respondeu, achando graça da situação.

— Uau, era o que eu esperava do filho do Hizashi. — O espanto na sua cara ao ver que eu sabia sobre o seu pai foi engraçado.

— Conheceu meu pai? — Apesar de ainda se mostrar envergonhado estava curioso.

— O clã Hyuuga é bem conhecido. — Me afastei do garoto para fazê-lo se acalmar.

— Ora ora , deixe o garoto em paz. — Gai disse ainda sorrindo.

— Me desculpe Neji. — Pedi ao ver que finalmente a cor vermelha sumia de suas bochechas.

— Então quer dizer que veio pra ficar dessa vez? — Perguntou o mais velho.

— Dessa vez sim. — Respondi sorrindo abertamente para o mesmo.

— Então o que acha de sair qualquer dia desses para, sei lá, comer um dango e beber um Shochu? — Aquilo definitivamente tinha me pegado de surpresa, mas eu não esperava outra coisa dele.

— Claro, porque não? — A expressão chocada de Gai me fez querer gargalhar no mesmo instante, mas me segurei.

— Tá falando sério? — Olhei para os outros três que estavam com a mesma expressão surpresa de Gai.

— Moça, tem certeza disso? — Foi a vez de Neji falar.

— Você não vai se arrepender! — Gritou por último Lee me assustando. — Gai sensei é o cara mais legal dessa aldeia!

— Eu não tenho dúvida, Lee. — Não queria constranger o garoto e muito menos Gai, então somente concordei com ele. — Eu preciso ir agora, nos falamos depois Gai. — Sorri para o homem que ainda permanecia parado e com a mesma expressão. — Foi um prazer conhecê-los Tenten, Lee e claro, você, Neji.

Sai dali gargalhando ao ver, novamente, a expressão raivosa no rosto da garota. Estava tão na cara que ela gostava do menino Hyuuga que eu não conseguia evitar fazer gracinhas. É claro que eu não queria nada romântico, pelo amor de deus, ele era só um garoto e definitivamente não esperava que ela teria tanta raiva assim, o que tornou tudo ainda mais engraçado. Aquele encontro tinha melhorado meu humor por completo, encontrar velhos amigos era sempre bom, mas reencontrar amigos como Gai era sem comparação. O homem era o ser humano mais extrovertido que eu já havia visto em toda minha vida, só de olhá-lo já tínhamos vontade de gargalhar. Voltei a andar perdendo-os de vista logo e procurei ao redor a pessoa na qual eu saíra do hospital querendo encontrar, ele não deveria estar tão longe e logo mais avistei seguindo exatamente em minha direção.

— Do que estava rindo? — Perguntou Jiraiya ao parar em minha frente.

— Nada demais. — Comecei a andar vendo o homem logo me acompanhar. — Você é exatamente quem eu estava querendo encontrar, velhote.

— Bom, então vamos ali para conversarmos melhor. — E ele apontou para um pequeno bar ali perto e segurou em meu braço, fazendo-me acompanha-lo. Sentamos em uma mesinha e logo um homem veio nos atender. — Uma garrafa de saquê por favor.

— Vai beber uma garrafa inteira? — Perguntei espantada com seu pedido.

— Você está comigo. — O grande sorriso que ele abriu foi realmente tentador, porém não tinha a menor condição daquilo acontecer.

— Eu não vou beber cedo assim. — Repreendi. — Quem você acha que eu sou? Tsunade? — Acusei me referindo a Hokage que com toda certeza nunca negaria aquilo.

— Não seja tão chata. — Começou enchendo dois copos após o garçom trazer as bebidas. — Só uma garrafa não vai fazer mal nenhum, não vamos encher a cara até cair.

— Você é mesmo irritante. — Peguei o copo que ele me oferecia e bebi em um gole só. Senti a bebida passando reto e queimando minha garganta, logo fazendo-me abrir uma careta em resposta.

— Você anda muito fraca. — Ele encheu meu copo novamente e eu rolei os olhos com sua insistência em me embebedar. — Mas vamos ao assunto que nos trouxe aqui, fale o que você quer.

— Eu estava pensando na missão da equipe Kakashi. — Comecei. — Você conhece o Naruto melhor do que qualquer um, o que acha que vai sair disso?

— Eu não sei, na verdade. — Ele abaixou a cabeça pensativo.

— Acha que o Naruto seria páreo para o Orochimaru? — Eu sabia do que aquele homem era capaz, ele era um dos três lendários Sanins afinal. — Ou o próprio Sasuke?

— Se o garoto Uchiha fosse tão bom quanto seu irmão, Naruto teria mesmo que treinar bastante para, pelo menos, se igualar a força dele.

— Eu não sei, de verdade. — Suspirei e logo o ouvi continuar. — Mas Naruto é um garoto de outro mundo, esse rapaz moveria céus para salvar Sasuke das mãos de Orochimaru.

— O que acha de aperfeiçoar o Rasengan? — Perguntei esperançosa. — Sei que o senhor o ajudou a melhorá-lo, mas o que acha de aperfeiçoar a técnica que até mesmo o Yondaime* não conseguiu?

— Bom, eu… — Sua falta de palavras só deixava uma coisa clara: ele achava que Naruto não conseguiria.

— Acha que ele não vai conseguir? — Perguntei desapontada.

— Na verdade achei uma ótima ideia. — Ouvi aquilo me surpreendeu, eu realmente esperava uma resposta negativa. — Aquele garoto pode não ser um gênio, mas ele tem coragem e muita força de vontade, acredito que ele possa vir a ser maior do que Minato. — Aquilo me deixou surpresa.

— Maior que ele? — Eu estava simplesmente impressionada. Eu sabia que Jiraiya tinha total confiança no Naruto, mas ao ponto de compará-lo ao seu pupilo favorito, isso realmente me deixava sem palavras.

— Definitivamente. — Seus olhos demonstravam a verdade nas palavras que ele dizia. — Naruto tem o sonho de virar Hokage, sabia? — Logo meus olhos se encheram de lágrimas. — Ele tem o mesmo sonho do pai. — Saber que ele prosseguiria os planos dos pais e possuía o mesmo sonho que eles me fez querer chorar na mesma hora. — Ora, não chore, isso só mostra o quanto ele é esforçado e fará tudo que é possível para realizar seu sonho, assim como Minato fez.

— Quem diria que ele iria parecer tanto com os dois, não é mesmo? — respirei profundamente segurando o choro. — Mas voltando ao assunto, acha que devemos?

— Tenho certeza que vocês irão conseguir. — Alivie-me ao ver o grande sorriso em seu rosto.

— Vocês? Não vai ajudar? — Perguntei, afinal de contas além de Kakashi ele seria o que mais conhece as habilidades de Naruto.

— Você e o Kakashi serão o suficiente pra isso. Eu preciso resolver outras coisas agora. — Eu sabia do que ele estava falando e o medo se apossou de mim.

— Velhote, você não vai….

— Vai ficar tudo bem, relaxa, tá bom? — Nada me despreocuparia naquele momento, eu sabia o que ele iria fazer e sabia o quão perigoso poderia ser, afinal de contas aquela era a minha missão.

— Não é qualquer coisa velhote, a Akatsuki é uma organização criminosa de maior nível. — Eu sabia que cedo ou tarde alguém seria designado para aquilo, mas saber que seria ele deixava tudo ainda mais tenso.

— Que tal voltarmos ao assunto principal? — Ele queria encerrar o assunto e eu não queria pensar na possibilidade dele enfrentando alguém da Akatsuki sozinho, então preferi aceitar sua vontade.

— Tem outra coisa que eu queria saber uma opinião.

— O que é? — Perguntou ele bastante curioso.

— O que acha do garoto mandado para ir com ele? — Aquele assunto estava martelando na minha cabeça desde o dia que Tsunade me falou. — Sabe que eu não tenho um pingo de confiança naquele Danzo e o mataria se me fosse permitido.

— Você é muito paranóica. — Eu sabia que ele também possuía as mesmas preocupações que eu, mas preferia fingir que não.

— Ele é um garoto da fundação Ambu, criada pelo próprio Danzo, aquele mesmo filho da mãe que era contra o regimento do Sandaime*. — Bradei com ele. — Você lembra que ele era completamente contra o meu irmão também né?

— Você não deve se preocupar com isso. — Falou sério. — Se aquele tal de Sai der bola fora, eu tenho certeza que o próprio Naruto cuidará disso.

— Eu espero que sim.

Eu nunca pensei que me cansaria daquele hospital, mas era o sentimento que me preenchia naquele momento. Eu havia chegado a algumas horas e contado tudo o que eu conversara com Jiraiya e ele concordou plenamente comigo, desde o treinamento até minhas desconfianças com o tal Sai. Naquele momento o tédio me dominava, a dor de cabeça devido aos copos de saquê que eu tinha bebido mais cedo já faziam um efeito monstruoso e Kakashi descansava serenamente em seu lugar preenchendo ainda mais o tédio no qual eu me encontrava.

— Porque está tão pensativa? — Ouvir sua voz me despertou quase que imediatamente.

— Pensei que estivesse dormindo. — Olhei para o homem, vendo-o bocejar e esticar-se.

— Eu estava, mas senti um cheiro forte de queimado e imaginei que você estaria pensando. — A piada foi sem graça, mas eu amava seu senso de humor, era admirável ver o quanto ele tinha mudado então não conseguir não rir.

— Tenho novidades. — Resolvi começar um papo antes que ele desistisse e voltasse a dormir.

— E quais seriam? — Sua cara desinteressada me fez revirar os olhos, ele era um saco quando queria.

— Fui convidada para um encontro. — A cara dele foi definitivamente impagável, ele se engasgou com a própria saliva e tossiu sem parar, me fazendo gargalhar. — É demais mesmo, não é? Comer de graça com boa companhia.

— E quem seria o felizardo? — De repente o vi completamente interessado, nem parecia o mesmo homem de um minuto atrás.

— Gai. — A resposta fez o homem arregalar completamente seus olhos, definitivamente ele não estava preparado para aquela resposta. — Você parece surpreso.

— Você aceitou? — Ele ignorou completamente minha última fala e focou em somente o que lhe interessava.

— Claro, por que negaria? — Minha afirmativa aumentou ainda mais a surpresa em seu rosto e eu poderia jurar que havia uma pontada de raiva. — Parece que alguém não ficou muito feliz. — Estava brincando com fogo e eu sabia disso.

— Do que está falando? — Definitivamente naquele momento eu entendia a expressão “cutucar a onça com vara curta” porque era o que eu tinha feito. — Você tem o direito de sair com quem quiser.

— Eu sei disso. — Eu comecei a ficar com pena, ele nunca admitiria que estava com ciúmes.

— Sabe que você é dona do próprio umbigo e que eu nunca te impediria de fazer o que quer que fosse. — Sua expressão mudou drasticamente e aquilo acabou comigo. — Apesar de não parecer, eu só quero coisas boas pra você, só quero que você seja feliz, com quem quer que seja.

— Kakashi, eu magoei você e eu tenho a plena convicção disso, mas eu não quero que se repita de novo. — Eu teria que abrir meu coração para ele uma hora ou outra. — Temos que ser sinceros aqui, nada vai ser como era. Fomos amigos antes de tudo acontecer e continuaremos sendo até o fim. — A sinceridade nas minhas palavras era explícita. — Porque temos muita história pra se perder assim tão fácil, não é mesmo?

— Você foi a pessoa que me tirou do fundo do poço em que eu me enfiei. — Aquela conversa definitivamente havia criado rumos que eu não gostaria.

— E você foi a minha luz no fim do túnel. — As lágrimas já caiam e molhavam o meu rosto. — A luz que eu pensava que tinha se apagado para sempre com a morte do meu irmão. Você foi tudo pra mim, foi minha fortaleza e eu ainda tive a audácia e a indelicadeza de quebrar seu coração que eu mesma tinha ajudado a consertar, eu espero do fundo do meu coração que algum dia você possa me perdoar.

— Não precisa de tudo isso. — Ele tentou sentar na cama, mas logo resmungou com a dor que sentiu com o movimento. — Você sabe que tudo está no passado. As coisas evoluem e a gente aprende com tudo o que passou, como isso. — Ele segurou meu pulso enfaixado. — Sempre teremos lembranças que achamos que merecemos lembrar, mas no fundo é só um aprendizado do que a gente viveu. Eu já te perdoei a muito tempo atrás.

— Você evoluiu tanto que me dá ainda mais vontade de fazer parte da sua vida. — Entrelacei suas mãos quentes com as minhas. — É tão bom ver isso, essa evolução é completamente louvável e eu fico tão orgulhosa de você e também muito grata por ter dado esses ensinamentos ao Naruto. Você e o Jiraiya-Sama* são as melhores pessoas que apareceram na vida dele.

— Na verdade, o Naruto mais nos ensina do que aprende conosco. — Nada me deixou mais feliz do que aquela resposta. — Nunca vi um garoto tão nobre, corajoso e gentil como ele.

— Sabe, talvez ele seja a prova viva de como podemos aprender com o passado. — Ele me puxou pelo braço e me fez sentar em sua cama e, de um jeito desengonçado, me abraçando fazendo com que eu deitasse em seu tronco. Não me lembro quanto tempo se passara, porque aquilo era o que eu mais sentia falta no mundo.

— Acho que isso foi o que mais eu senti falta. — Ele sussurrou em meu ouvido ainda no abraço, me fazendo arrepiar por inteira. — Eu tô feliz que você não precise mais ir embora.

— Eu tô feliz por não precisar mais ir embora. — O abracei mais forte sentindo ainda mais seu cheiro.

Fechei meus olhos automaticamente. Eu estava completamente esgotada física e psicologicamente e estar ali daquela forma tão íntima, como a muito tempo não ficava, era um convite ao meu cansaço. Eu me lembro apenas de sentir os lábios de Kakashi em um beijo suave em meus cabelos e simplesmente apagar.

Abri meus olhos aos poucos e senti a claridade arder-los, fechei e abri novamente me acostumando com a forte luz. Virei a cabeça e vi Kakashi acordado com um sorriso sapeca nos lábios e apontando para o outro lado. Quando me virei para ver, Jiraiya nos encarava com um sorriso sacana nos lábios.

— Você não tem a mínima vergonha não? — Perguntou ainda sorrindo. — O homem está hospitalizado, , pelo amor de deus.

— Do que você está falando? — Eu ainda estava atordoada e não conseguia entender.

— Espero que não tenha rolado nada demais aqui. — Aquele maldito sorriso não saia de seu rosto e logo entendi do que ele falava.

— O que? — Gritei desesperada logo me levantando da cama. — Que tipo de pessoa você acha que eu sou?

— Prefiro não comentar nada. — Respondeu ele prontamente.

— Afinal o que você tá fazendo aqui, velhote? — Tentei mudar logo de assunto.

— Então vamos direto ao ponto? — Percebi em seu olhar o quanto ele estava achando graça daquele momento constrangedor. — Então tudo bem.

— Nos diga, Jiraiya-Sama, o que o trouxe aqui? — Perguntou Kakashi, tentando me ajudar.

— Bom, a sua equipe voltou. — Era realmente um alívio saber que eles já estavam de volta. — Eles lutaram com o Sasuke.

— Eles o que?

*Godaime, Yondaime, Sandaime: Durante o anime legendado, esses termos são usados para se referir ao Hokage, é muito difícil eles usarem “Godaime Hokage” por exemplo, eles usam simplesmente o “Godaime” que dublado queria como “Quinto Hokage”. Shodaime – Primeiro Hokage; Nindaime – Segundo Hokage; Sandaime – Terceiro Hokage; Yondaime – Quarto Hokag; Godaime – Quinto Hokage. Os usados aqui se referiam a Tsunade que é a Godaime, Minato que é o Yondaime e Hiruzen Sarutobi que é o Sandaime.
*Kirigakure: É a “Vila Oculta da Névoa” ou a “Aldeia da Névoa”. Quando for referir as aldeias, aqui será sempre seus nomes originais, porque acho mais dinâmico, principalmente porque a maior parte do Shippuden é legendado.
*Sufixo Sama: É um título honoríficos japonês e é utilizado para se referir à pessoas importantes ou à alguém que se admira e respeita muito. Nesse caso, traduzindo seria algo como “Senhor Jiraiya” ou “Mestre Jiraiy”.

Nota da autora: Oi migaas, olha eu de novo. Espero que esteja gostando da história o tanto que eu estou gostando de escrever. Esse capítulo foi uma limpeza de sentimentos, cada um se abriu verdadeiramente com o outro e ficaram em pratos limpos. Fomos introduzidos ao time 9, um dos meus times favoritos que amo de paixão, amo Rock Lee desde que ele limpou o pé na cara do Sasuke e o Gai nem se fala, o homem é um ícone hahaha. Espero que vocês tenham gostado, nos próximos capítulos serão inseridos mais alguns personagens, como outra equipe que eu amo do fundo da minha alma que é o time 10. Enquanto isso comentem o que acharam, e queria pedir outra coisa também, quais outros personagens vocês gostariam de uma shortfic? Eu tenho planejado uma do Itachi, mas que outros personagens vocês amam e gostariam de ver? Um beijão pra todas e obrigada mais uma vez <3
Ps.: Quem quiser entrar no grupo vou deixar o link aí hahahah eu posto uns spoilerzinhos lá de vez em quando tá 😀 Histórias da Mandy

CAPÍTULO 3
O silêncio no quarto era assustador e as últimas palavras de Jiraiya martelavam em nossas cabeças. O Homem nos encarava esperando algum tipo de reação, mas eu realmente estava assustada.

— Eles lutaram com o Sasuke? — A voz de Kakashi finalmente entrou pelos meus ouvidos deliberando meus pensamentos.

— Pois é. — Respondeu o mais velho.

— Mas a missão inicial era…

— A missão inicial era capturar o espião do Sasori, trazê-lo para Konoha e obter informações sobre Orochimaru e Sasuke. — Interrompi Kakashi.

— Sim, mas o espião era um dos maiores subordinados do Orochimaru, seu nome é Kabuto e ele não estava mais sobre o efeito do jutsu do Sasori. — Continuou Jiraiya. — E Orochimaru usou disso para matar Sasori, sem saber que ele já tinha sido morto. — Ele suspirou pesadamente antes de continuar. — As coisas saíram completamente do rumo depois que Naruto o confrontou. Ele se descontrolou e a quarta cauda apareceu.

— Então tudo o que tinha pra dar errado realmente deu. — Afirmei recebendo o olhar pesaroso dos dois homens.

— Orochimaru lutou com Naruto e as 4 caudas liberadas e deve ter chegado ao seu limite, pois desapareceu enquanto Yamato tentava controlar o Naruto. — Foi realmente um alívio saber que Yamato tinha conseguido. — Yamato pôs um clone para seguir Orochimaru e acabaram vendo o garoto Sai ir com eles.

— Eu sabia! — Gritei interrompendo-o. — Nunca se deve confiar em alguém que segue aquele Danzo.

— Tenha calma, no final o garoto se virou contra a missão que Danzo lhe deu. — A surpresa era grande, nunca iria imaginar aquilo. — Enfim, nisso acabaram encontrando o esconderijo de Orochimaru e entraram lá dentro, foi quando encontraram com o Sasuke e a luta começou.

— E o que aconteceu? — Kakashi perguntou.

— O Sasuke está muito mais forte agora, aparentemente o Naruto não é páreo para ele. — Aquilo não me surpreendia, Orochimaru poderia ser um lixo, mas ele era um Sannin Lendário afinal e com certeza um mestre competente.

— Entendi. — A voz de Kakashi era cansada.

— Ei, não deixa isso chatear você. — O mais velho tentou acalmá-lo. — Ele não tinha todas as forças por causa dos danos causados pelo chakra da Kyuubi. Enfim.

— Não é isso o que realmente me preocupa. — Olhei pra ele realmente curiosa. — Eu imaginei que o Sasuke estaria mais poderoso, mas é que o Naruto vai ficar doido atrás de treinar cada vez mais depois de perceber em que nível o Sasuke chegou, entendeu? — Sorri porque sua forma de pensar era realmente engraçada.

— Claro que sim. — Respondeu Jiraiya se divertindo.

— Qual a graça? — Kakashi me repreendeu com o olhar.

— Pela forma que você fala chega a ser engraçado você ter esquematizado todo um treinamento para ele. — Sua cara era impagável naquele momento, mas no fundo eu lhe entendia.

— Vamos nos contentar por eles terem voltado a salvo. — Disse ele ignorando-me totalmente.

— Claro, mas eu gostaria de saber o que aconteceu aqui antes de eu chegar. — A mudança repentina de assunto me fez lembrar das coisas que haviam acontecido antes de eu capotar.

— Porque tá insistindo nisso? — Reclamei. — Não aconteceu nada.

— Você está ficando envergonhada, isso significa algo. — Falou rapidamente.

— Você mesmo disse que eu precisava descansar. — Acusei tentando desviar foco.

— Não disse pra você dormir com o cara. — Ele apontou pra Kakashi que parece que se divertia com o que estava acontecendo ali. — Não que eu esteja reclamando, adoraria ver vocês juntos de novo, mas eu sou como seu pai e tenho que agir como tal.

— Não tá na hora de ir embora? — Perguntei vendo-o gargalhar.

— Você realmente ficou constrangida. — Seu sorriso presunçoso me deixou ainda mais irritada. — Eu gostei disso.

— Você é um velho irritante sabia? — O sorriso em seu rosto aumentou ainda mais.

— A sua sorte é que eu preciso mesmo ir. — Ele aproximou e deixou um beijo na minha bochecha. — Te vejo depois. — Sua saída coincidiu com a entrada de três jovens, dois deles já conhecidos.

Ero-Sennin*? — Essas foram as primeiras palavras de Naruto e as que eu mais precisava ouvir. — O que faz aqui?

— Ero…. Sennin? — A minha gargalhada já deveria estar sendo ouvida fora do hospital. Aquele garoto era um gênio, como eu nunca tinha pensado em um apelido que fazia tão juz ao homem como aquele?

— Naruto, já disse para não me chamar assim! — Ele suspirou ao ver que eu não iria parar de rir tão cedo. — E você — Apontou pra mim enquanto eu ainda ria alto. — vamos ter muito que conversar.

— Vamos mesmo, Ero-Sennin. — Respondi com o mesmo sorriso cínico que ele havia me dado poucos minutos antes. Ele revirou os olhos e saiu do quarto sem responder à pergunta do menino.

— Ei moça. — Naruto parou do meu lado sorrindo, pude perceber um pequeno vermelho em seu rosto e ao ver a cara de Sakura eu já deveria imaginar o que tinha acontecido.

— Ei Naruto, como vai? — Respondi acompanhando seu sorriso.

— Estamos todos bem, isso o que importa. — Eu sabia que aquilo não era o suficiente para ele, mas fiquei feliz com suas palavras.

— Realmente. — Vi que o menino se voltou para o homem deitado na cama.

— Kakashi sensei, na nossa última missão… — Naruto foi rapidamente interrompido pelo mais velho.

— Eu sei, Jiraiya-Sama me contou tudo. — O suspiro cansativo dele me fez perceber que a conversa seria longa. — Inclusive sobre o Sasuke.

— Estamos sem tempo para trazê-lo de volta. — Bradou o rapaz. — Nesse rítimo iremos perdê-lo para sempre. — Sua voz era desesperada. — Mas acontece que com o meu poder não posso trazê-lo para casa, o Sasuke ficou forte demais para mim.

— Bom, nesse caso… — Fez uma pausa e olhou fixamente para o menino. — Acho que você vai ter que ficar mais forte ainda.

— O jeito que o Sasuke se desenvolveu tão rápido não me parece natural. — Sakura tomou a palavra. — Eu estava conversando com a Tsunade-sama e ela disse que eles podem estar usando algum jutsu proibido ou medicamento, afinal o Kabuto está com eles. — Seu nervosismo era claro e o desespero poderia se comparar ao de Naruto.

— Essa é a razão pela qual devemos acelerar nosso próprio crescimento. — Falou Kakashi.

— Mas como iremos fazer isso? — Perguntou a menina de cabelos rosa curiosa.

— Você realmente acha que eu fiquei o tempo todo deitado nessa cama sem fazer nada? — Questionou o sensei.

— Na verdade, sim. — Respondi ouvindo logo a risadinha de Naruto ecoar pelos meus ouvidos.

— A conversa ainda não chegou em você, . — Revirei os olhos ao ouvir o comentário mal educado do homem. — Após analisar tudo eu tive uma ideia.

— Você? — Ele não ia mesmo levar os créditos do plano sozinho.

— Tá bom, nós tivemos. — Sorri ao vê-lo irritado com minha interrupção. — Mas o que bolamos é mais adequado para o Naruto.

— Talvez a gente deva dizer que só vai funcionar com o Naruto. — Olhei para a outra garota e a percebi pensativa. — Desculpe, Sakura.

— Tudo bem. — Eu sabia que não estava, mas depois a ajudaria de alguma forma.

— Se esse treinamento der certo, Naruto — Kakashi voltou ao assunto. — , você vai ficar mais forte que eu.

— Espera um pouco. — O rapaz estava surpreso. — Mais forte que você, Kakashi Sensei?

— Isso mesmo. — Afirmou o mais velho. — Vou ficar com você o tempo inteiro trabalhando. Esse será um treinamento que você nunca viu antes. — Voltou seu olhar para mim e eu sorri. — E você ainda terá a honra de ter seu treinamento supervisionado por ela.

— Por ela? — Seus olhos se voltaram para mim. — O que tem demais? Sem ofensa.

— O nome dela é Namikaze , Naruto. — Vi que Sai e Sakura ficaram completamente surpresos e sua boca aberta demonstrava bastante isso.

— Eu ainda não entendi. — O garoto parecia mais confuso ainda e eu só conseguia sorrir.

— Você é mesmo um idiota. — Bradou Sakura. — Quer ser um Hokage, mas não conhece nem o nome deles?

— O nome deles? — Eu estava com pena já, mas era querer demais que o menino reconhece Minato pelo sobrenome.

— Namikaze era o sobrenome do Yondaime, Naruto. — Respondeu Sai vendo que o menino logo arregalar os olhos em surpresa e voltar a me olhar.

— Tá tudo bem, Naruto. — Sorri para tranquilizá-lo. — Ninguém é obrigado a reconhecer meu irmão pelo sobrenome.

— Seu irmão? — Perguntou o garoto ainda surpreso. — Você é irmã do homem que salvou a aldeia da….

— Isso mesmo. — Interrompi antes dele falar sobre a Kyuubi, sabia que aquilo não trazia boas lembranças para nenhum de nós. — Sabe Naruto, olhando assim de perto você tem os olhos dele. — Me aproximei do garoto vendo um grande sorriso se abrir em seu rosto.

— Não é grande coisa, pra falar a verdade. — Interrompeu-me Kakashi me fazendo olhar ofendida para o mesmo e o vi rir por debaixo da máscara. — Mas vamos voltar ao assunto.

— Tem razão. — Naruto voltou a olhar pro Sensei, mas ainda podia-se ver em sua expressão que ele ainda estava surpreso. — No que vamos trabalhar, Sensei?

— Nós vamos criar um Ninjutsu insuperável só pra você. — Aquilo seria uma longa conversa e como o menino não era dos mais atentos, poderia levar mais tempo do que o necessário. — Um Jutsu novinho e mais poderoso que o rasengan. — Esse seria a grande dificuldade, afinal o rasengan levou muito tempo e tempo era uma coisa que não tínhamos no momento.

— Mas para conseguir esse poder você vai ter de dedicar bastante tempo e esforço. — Continuei a fala de Kakashi. — Não se consegue tanto poder assim em dois dias. — A careta do rapaz me fez comprovar o que eu já imaginava.

— E também não vai ser como aprender um jutsu que já existe. — Kakashi prosseguiu. — Ele vai ser ensinado e desdobrado em fases.

— Dedicar muito tempo? — Perguntou Naruto, preocupado. — Não ouviu o que eu disse? Não temos tempo, o Sasuke não vai…

— Se você deixar eu terminar. — Kakashi interrompeu o garoto impaciente. — Nós pensamos em um jeito de fazer isso mais rápido.

— Como? — Naruto perguntou já mais esperançoso.

— Bom… — Kakashi foi interrompido pela porta do quarto se abrindo e quatro novas pessoas entrando no quarto. Logo de cara eu pude ver Asuma e atrás dele vinha o que deveria ser sua equipe. Então aquela deveria ser a nova formação “Ino-Shika-Cho”.

— Como está se sentindo Kakashi? — Perguntou o mais velho ao entrar completamente no quarto sendo seguido por seus alunos.

— Você deveria bater primeiro, Asuma sensei. — Reclamou a única garota do grupo.

— Olha quem tá aqui, o Naruto e a Sakura, parece que a missão de vocês…. — Sua fala foi interrompida ao ver Sai ali, parece que eles já se conheciam e pelo seu olhar não tinha sido de um jeito muito amigável.

— Olá. — Disse Sai ao ver que era o centro das atenções. — Me desculpe por aquele dia, não foi minha intenção irritá-los. — A confusão era expressa em meu rosto, que merda tinha acontecido? — Eu sabia que eu e Naruto seríamos da mesma equipe e só queria testá-lo, sinto muito pelo aborrecimento. — Os outros dois garotos pareciam acreditar, mas eu ainda estava com uma pulga atrás da orelha.

— Porque trouxe a turma toda Asuma? — Perguntei. — Aqui ainda é um hospital sabia? — Sorri pra o mais velho sendo logo retribuída.

— Tem razão. — Olhou para seus alunos. — Porque vocês não vão indo na frente para a churrascaria? Equipe Kakashi está convidada se quiser. — Convidou. — Eu preciso conversar com o Kakashi e com a , o churrasco é por minha conta.

— Ei sensei, espera um pouco. — Naruto falou. — Como fica aquele papo todo do meu treinamento especial sobre o jutsu novo? — Perguntou esperançoso.

— É verdade. — Respondeu Kakashi rapidamente. — Continuamos com isso depois.

— O que? Depois? Mas estava ficando tão bom. — Bradou Naruto.

— Escute Naruto, não seja tão impaciente. — Tentei explicar para o rapaz. — Não podemos fazer absolutamente nada enquanto Kakashi ainda estiver hospitalizado, fiquei tranquilo.

— Tudo bem. — Respondeu Ele já derrotado e saindo do quarto juntamente com os outros deixando somente eu, Kakashi e Asuma, mas tinha uma coisa que eu precisava fazer.

— Me deem um minuto. — Vi Kakashi me reprovar com o olhar.

— Ei, não vá fazer nada de estúpido. — Ordenou ao perceber o que eu faria.

— Relaxa é só uma conversa. — Sai do quarto e encontrei os garotos ainda no corredor. — Sai! — Chamei o rapaz e o vi voltar seu olhar pra mim. — Tem um minuto? — Perguntei vendo logo os outros e o próprio Sai me olharem surpresos. O garoto se aproximou e assim que percebi que o resto do grupo não ouviria a conversa me dispus a falar. — Olha Sai, eu fico muito feliz e muito agradecida pela ajuda que deu a equipe durante a missão, mas o caso é o seguinte, eu não confio em Danzo Shimura e muito menos nos seus subordinados. — A surpresa nos olhos do rapaz era nítida, mas aquilo não me intimidou nem um pouco. — Da próxima vez que ele quiser certas informações, avise que ele sabe muito bem do sou capaz e que sei de muita coisa que vai acabar com a marra dele rapidinho. — Suspirei pesadamente antes de retomar minha fala. — Não se meta em problemas por causa daquele homem Sai, não veja isso como uma ameaça e sim um conselho de alguém que conhece bem o Danzo e sabe do que ele é capaz. — Deixei o garoto para trás e voltei ao quarto já aliviada por ter botado tudo o que eu pensava pra fora.

— Você foi mesmo ameaçar o garoto? — Acusou Kakashi ao me ver entrar.

— Ei, eu não faço esse tipo de coisa. — Defendi-me — Só fui aconselhar, você melhor do que qualquer pessoa deveria estar ao meu lado, afinal sabe muito bem como aquele homem é.

— Eu não tô contra você, de jeito nenhum, mas você sabe que ele não tem culpa da lavagem cerebral que o Danzo faz nos integrantes da Fundação. — Respondeu

— Eu sei disso, mas só porque você não caiu no papo furado dele não significa que outros não cairão. — Expliquei. — E para de agir como se eu tivesse apontado uma kunai na cara dele, foi só uma conversa pacífica. Eu prometo.

— Acho bom mesmo. — Encerrou o assunto olhando para Asuma que estava parado olhando pela janela. — O que foi Asuma?

— Corre um rumor de que as coisas estão ficando feias fora da aldeia. — Sabia que ele estava falando da Akatsuki, e aquele era um assunto que não me deixava tão confortável assim.

— Eu já imaginava. — Respondeu Kakashi.

— Como o propósito deles são as Bijuus certamente eles virão cedo ou tarde. — Concluiu Asuma. — Eles querem o Naruto.

A conversa foi interrompida pela entrada repentina de um dos alunos do Asuma, pela aparência dele deveria ser um membro do clã Nara.

— Eu estou tão preocupado quanto vocês com a Akatsuki. — Disse ele se aproximando de nós. — Não precisam me deixar de fora.

— Shikamaru… — Asuma tentou falar.

— E o Naruto? — Perguntou interrompendo a fala do seu sensei. — Ele vai ficar bem? E se os caras da Akatsuki atacarem? Nem o Gaara conseguiu…

— Você tem razão, ele não conseguiria. — Falei tentando finalizar o interrogatório e vendo as expressões assustadas de Asuma e Shikamaru.

— Ainda não. — Finalizou Kakashi.

###################
Eu andava em passos lentos juntamente com Shikamaru e Asuma, estávamos indo em direção a churrascaria, eu não aguentava mais ficar trancafiada naquele hospital, eu definitivamente precisava de um tempo daquilo e agradecia mentalmente ao mais velho pelo convite. Minhas costas doíam, meu estômago roncava de fome e o estresse era tanto que eu mataria um se continuasse ali.

— Obrigada pelo convite Asuma, eu realmente precisava sair um pouco dali. — Agradeci mais uma vez vendo o homem sorrir para mim.

— Tá escrito na sua cara. — Respondeu. — Não se preocupe.

— Você ainda vai pagar né? — Vi os dois homens gargalharem a minha última frase.

— Ei, não se preocupe com isso, tudo bem. — Abri um sorriso enorme, aquelas palavras eram músicas para meus ouvidos.

— Desculpem, mas eu vou pra casa, se divirtam. — Vi Shikamaru se despedir.

— Ei Shikamaru, mande um abraço pro meu velho amigo Shikaku, tá bom? Diga que em breve irei visita-lo. — O garoto parecia assustado ao ver que eu conhecia seu pai, mas logo sorriu concordando e se afastando. Andamos mais um pouco até chegarmos na entrada da churrascaria, ao entrarmos logo avistamos a mesa onde os jovens estavam. Nos aproximamos e vimos caras de espanto acompanhado de sorrisos. Me sentei ao lado de Sakura vendo Asuma sentar logo em minha frente. Os olhares desconfiados dos dois alunos de Asuma me deixaram bastante curiosa.

— Asuma sensei? — Começou a garota loira ainda cautelosa. — Você não estava namorando a Kurenai sensei? — Tive vontade de rir na mesma hora ao ver Asuma se engasgar com o pedaço de carne que acabara de colocar na boca.

— Do que você tá falando, Ino? — Perguntou o mais velho ainda tentando se recuperar.

— E você -sama. — Naruto prosseguiu. — Não estava de rolo com o Kakashi sensei? — Agora foi a minha vez de ficar surpresa, aqueles garotos realmente pensavam que tinha alguma coisa a mais ali?

— Que merda vocês estão falando? — Perguntei acusadoramente. — Eu e Asuma somos amigos a anos assim como sou da Kurenai e do Kakashi. — Vi a expressão aliviada se apossar do rosto de todos eles. — Vocês são bem sem noção ein.

— Me desculpe por isso. — Pediu Ino. — É que foi um baque vê-lo com a Kurenai sensei, imagina com outra garota. — Gargalhei ao ver, novamente, a expressão assustada de Asuma, já amava seus alunos só por aquilo.

— Não foi nossa intenção chateá-la -sama. — Pediu o outro garoto.

— Como assim chateá-la, Chouji? — Perguntou o sensei ofendido. — E eu?

— Não seja um velho rabugento Asuma. — Acusei pegando um pedaço de carne na grelha e comendo logo em seguida. — Eu sou a novata, eles não precisam se desculpar com você.

— Então vocês não estão tendo um caso escondido do Kakashi sensei? — Perguntou Naruto curioso.

— Se liga, garoto, quer levar uma porrada? — Gritei vendo ele se encolher rapidamente.

— Foi mal, é só que….

— Você é muito intrometido, sabia? — Perguntei me acalmando.

— Eu falo isso pra ele sempre. — Acusou Sakura, fazendo o garoto abaixar a cabeça decepcionado.

— Qual é, Sakura-chan…* — Devolveu o garoto cabisbaixo.

— Ei, -Sama, tem uma coisa que eu queria te perguntar. — Sakura chamou a minha atenção e todos pararam para prestar atenção na conversa. — Esse selo na sua testa é….

— O Byakugou. — Afirmei vendo a garota se assustar com minha resposta. — Você é uma discípula da Hokage não é mesmo Sakura? — Perguntei vendo a garota afirmar. — Ela deve ter ensinado a você também, não é?

— Sim, mas ainda não consegui. — Respondeu rapidamente. — Quando foi que o selo apareceu? Quanto tempo levou? — Seus questionamentos eram completamente fundados e me fez achar graça porque definitivamente ela estava ansiosa.

— Ei, não se preocupe, Kakashi me disse que você tem um perfeito controle de chakra. — Tentei acalmá-la. — Não deve demorar mais do que eu. — Sorri para tranquilizá-la. — Eu levei um pouco mais de dois anos e ele chegou na hora certa. — Percebi que todos os olhares da mesa estavam vidrados em mim. — Eu estaria morta se não fosse por isso. — Toquei minha testa onde eu sabia que estava o selo.

— É mesmo incrível. — Respondeu ela admirada.

— Sabe Sakura, quando terminarmos o treinamento do Naruto o que acha de treinarmos juntas? — Perguntei vendo um brilho especial nos olhos da garota.

— Como? — Perguntou Naruto assustado, mas ao mesmo tempo feliz pela amiga.

— Bom, com tudo que está acontecendo acho difícil Tsunade-Sama ter algum tempo. — Sorri. — Não sou tão boa quanto ela, mas eu posso tentar ajudar, qualquer treinamento já vale, não é mesmo? — Os olhos da garota brilharam ainda mais e um grande sorriso se apresentava em seu rosto. Olhei para Naruto e vi o mesmo sorriso, ele realmente gostava daquela garota e estava muito feliz por ela.

#############
Era tão bom finalmente estar em casa, eu não lembrava a quanto tempo, desde que eu cheguei em Konohagakure, eu conseguia ficar sozinha com meus pensamentos. O chá que eu preparava já fervia e rapidamente eu enchi meu copo e bebi sentindo o líquido quente esquentar minha garganta naquela noite fria. Era estranho o silêncio, mas era realmente preciso, meus pensamentos foram interrompidos por fracas batidas em minha porta. Levantei lentamente e andei até a porta, abri e encontrei o homem no qual eu não passara um dia sem ver. Kakashi estava escorado na porta e quando me viu logo se apressou em entrar sem qualquer tipo de convite.

— Pode entrar, querido. — A ironia estampada no meu rosto fez o homem revirar os olhos. — Sem ofensa, mas o que faz aqui?

— Eu recebi alta hoje. — A minha expressão confusa fez o homem olhar para o chão. — E você não estava lá.

— Hoje foi meu dia de folga de você. — Sorri ao ver a careta do homem por debaixo da máscara. — Tsunade-Sama me falou que te daria alta e me deu o dia pra descansar.

— Amanhã vamos começar o treinamento do Naruto. — Ouvi ele falar depois de um tempo. — Eu espero você lá, não é mesmo?

— Claro, foi o combinado, não é? — Eu estava estranhando, ele nunca iria pessoalmente na minha casa somente me lembrar disso. — O que foi Kakashi?

— Não é nada. — Vi ele se levantar e andar até a porta. — Até amanhã então.

— Até amanhã. — Sorri, vendo o homem ainda hesitante saindo. Quando eu estava fechando a porta seu pé logo interrompeu e ele voltou a entrar.

— Quer saber de uma coisa? — Ele bateu a porta atrás de si. — Que se dane.

Rapidamente o homem tirou sua máscara e se aproximou de mim, me agarrou pela cintura juntando nossos corpos e logo senti seus lábios nos meus. Aquela era a sensação mais maravilhosa que eu poderia sentir, a saudade que eu sentia daqueles lábios não era pouco. Passei meu braço ao redor de seu pescoço e logo senti suas mãos descerem para minhas coxas. Em um impulso pulei em seu colo e senti nossos corpos ainda mais colados, se é que aquilo seria possível. Ele largou minha boca e seus lábios começaram a traçar beijos molhados pelo meu pescoço me fazendo fechar os olhos e gemer baixinho, aquele homem, com certeza, me levaria a loucura. Senti meu corpo ser deitado, com a maior delicadeza do mundo, na cama, eu nem sequer tinha percebido que ele havia alcançado a mesma. Senti seus lábios abandonarem meu pescoço e vi os olhos dele grudarem aos meus, o sorriso estampado em seu rosto mostrava a saudade sem tamanha que ele sentia, assim como eu. Logo seus lábios voltaram grudar nos meus. Aquela, definitivamente, seria uma longa e prazerosa noite.

*Ero-Sennin: Traduzindo para a dublagem brasileira significa “Sábio Tarado”
*Sakura-Chan: Emprega-se Chan para demonstrar informalidade, confiança, afinidade ou segurança com outra pessoa. Todo mundo ama o Naruto chamando a Sakura assim hahahahaha

NOTA DA AUTORA: Olá lindíssimas, finalmente mais um capítulo finalizado. Desculpa gente, tô procrastinando porque eu já tô pensando no futuro hahahah Enquanto a fanfic ainda tá nos primeiros arcos de Shippuden eu já tô com o pensamento no arco Pain pq né… kkkkk Bom nesse capítulo fomos apresentados a melhor equipe de Naruto, tirando o time 7 claro, e que eu sou muuuuuito apaixonada, Shikamaru é um dos meus personagens favoritos no anime e sem dúvida faz parte dos meus planos futuros. Quero agradecer por todos os comentários que eu recebi, eu fico realmente feliz e muito grata, espero de verdade que vocês continuem gostando assim como eu estou gostando de escrever. Gente eu queria avisar que o próximo talvez demore um pouquinho mais porque eu tô MUITO cadelinha de Hashirama, eu amo esse homem do fundo da minha alma, pra mim ele é o melhor Hokage de todos os tempos e eu sou apaixonada, então podem apostar que vem coisa deles no futuro ai. Outra coisa, me digam aí de quem vocês gostariam de ler alguma short? Como eu disse Hashirama e Itachi já tem meus pensamentos, mas digam aí quem vocês gostariam pra eu saber aqui. Um beijão no coração de vocês e não esqueçam de deixar um comentariozinho aí pra eu ler tá bom <3 <3
Ps.: Eu posto uns spoilerszinhos no grupo pra quem quiser entrar <3 Histórias da Mandy

 

CAPÍTULO 4

Eu estava completamente atrasada, mas não fazia a menor questão de correr. A noite mal dormida já deixava vestígios que eu estava completamente acabada. Aquele Kakashi era mesmo um idiota, como ele se atrevia a sair cedo, sabendo que iriamos para o mesmo lugar, e não me acordar só deixando um bilhetinho colado na geladeira. O sono me consumia por inteira e saber que eu encontraria o “porquê” do meu atraso não me agradava nenhum pouco. Eu precisava de chá, ou somente uma garrafa de saquê para acabar logo com o resto de sanidade que eu ainda possuía. O lugar onde seria o treinamento de Naruto não estava longe e eu já conseguia ver uma grande cachoeira implantada no lugar, aquilo era um sinal de que Yamato já havia chegado. Suspirei pesadamente antes de finalmente me aproximar dos três homens que já estavam sobre minha visão.
— Você está péssima. — Disse Yamato ao me ver.
— E atrasada. — Foi a vez de Kakashi falar, com certa ironia.
— Ei Oba-chan* qual é o elemento do seu chakra? — Naruto interrompeu a todos correndo em minha direção, eu teria respondido se suas palavras não tivessem feito meu coração aquecer de tanta felicidade.
— Oba-chan? — Parecia idiota, mas foi a única coisa que eu consegui pronunciar naquele momento, olhei para Kakashi e Yamato e eles observavam tudo atentamente.
— Naruto. — Reprovou Kakashi. — Você não tem jeito não é, não tem mesmo respeito por qualquer pessoa.
— Tudo bem. — Cortei o homem. — Não tem problema.
— Viu só?! — Naruto respondeu com um grande sorriso no rosto e se virou pra mim. — E então?
— Bom, é… — Eu estava com grandes dificuldades de pronunciar qualquer palavra, aquele garoto não parava de me surpreender a cada momento. — Eu domino mais de um elemento, mas o principal é o b>Futon*.
— Futon? — Os olhos do garoto brilharam no mesmo minuto. — Então temos o mesmo elemento?
— Então vocês já chegaram nessa parte? — Perguntei, realmente eles já estavam adiantados.
— Você se atrasou demais. — Respondeu Yamato.
— Me desculpem por isso, eu… — Não tinha o que falar, na verdade não tinha muito o que ser dito.
— Não vai dar uma desculpa esfarrapada como o Kakashi-sensei não é? — Eu sabia bem da fama de Kakashi, ele com certeza tinha aprendido aquilo com Obito.
— Eu só dormi demais mesmo. — Respondi para o garoto. — Me desculpe Naruto. — Pedi vendo o sorriso compreensivo dele. — Espero não ter atrapalhado nada.
— Relaxa, estávamos só começando. — Kakashi disse. — Aliás, onde estávamos mesmo antes de sairmos do caminho?
— Ah é mesmo. — Naruto voltou-se para seu sensei. — Você disse que sabia um jeito de pular o tempo de treinamento.
— Reduzir, não pular. — O homem parecia realmente cansado da lerdeza de Naruto.
— Tanto faz. — Falou o garoto com desdém deixando o mais velho ainda mais irritado. — Como vamos fazer?
— Nós vamos fazer com kage bunshin*, Naruto. — Respondi antes que Kakashi explodisse com o menino.
— Hã? — A confusão estava estampada em seu rosto.
— Isso mesmo. — Prosseguiu Kakashi. — Kage bunshin, esse é o segredo.
— O segredo de que? — Ali eu percebi a dificuldade que teríamos, Naruto poderia ser um gênio na prático, mas a teoria definitivamente não era o seu forte.
— Para reduzir o tempo de treinamento que você vai precisar, Naruto. — Respondi.
— Desculpa, mas eu não estou entendendo nada. — Completou o garoto.
— Tudo bem Naruto, preste bem atenção que eu vou tentar te explicar. — Prossegui percebendo que a paciência de Kakashi estava acabando.
— Explica de uma forma simples, por favor. — Pediu ele.
— Tudo bem, eu vou tentar. — Suspirei antes de continuar. — Como você sabe, o kage bunshin no jutsu cria cópias físicas de nós mesmos e não meras ilusões como um jutsu de clonagem normal.
— Eu sei, é claro que eu sei disso! — Ele claramente não sabia.
— Ele permite que você se multiplique muitas vezes, mas esse ninjutsu causa um efeito único em seu usuário também. — Prossegui. — Kakashi me disse que ele é uma das suas especialidades, então você já deve ter percebido isso.
— Hã? — Até Buda perderia a paciência com aquele garoto.
— Quando o jutsu acaba e você restabelece seu original, tudo que seu clone experimentou fica armazenado no seu banco de memórias. — Tentei vendo, novamente, a cara de desentendimento do menino.
— Eu não pedi para você explicar de uma forma simples? — Perguntou.
— Acho que você nunca percebeu, não é mesmo? — Afirmei, pois sabia que era verdade.
— Não tenho a mínima ideia do que você tá falando. — Não achei que aquilo seria tão difícil. Olhei pra Kakashi implorando por ajuda e ele logo veio ao meu socorro suspirando já cansado.
— Tudo bem Naruto, vamos criar um clone juntos. — o mais velho pediu. — Só um já é suficiente para começar.
— Kage bushin no jutsu! — Logo os clones foram criados.
— Agora vamos nos dividir entre os clones e os originais. — Falou Kakashi. — Naruto clone, vem comigo. — E no mesmo momento os dois clones saíram em direção a floresta onde não conseguiríamos vê-los ou ouvi-los.
— O que eles estão fazendo? — Naruto perguntou curioso.
— Espera um pouco — Respondi. — Logo você vai saber. — Esperamos alguns minutos até que o clone de Kakashi explicasse ao clone do Naruto o que eles deveriam fazer. Com certeza ele deveria estar tendo alguns problemas também. Logo Naruto começou a rir e ali eu percebi que o justsu já estava desfeito.
— Você sabe o que eles acabaram de fazer? — Kakashi perguntou.
— Eles jogaram pedra, papel e tesoura e você perdeu Kakashi-sensei. — O sorriso do garoto era o maior que eu já tinha visto. — Você me deve um ramen.
— O que ele pensou fazendo apostas assim? — Kakashi me perguntou e logo eu ri da sua cara — Agora você entendeu que a experiência dos nossos clones volta para o nosso corpo original e faz parte da gente agora?
— Eu sempre fiz os clones aleatoriamente e nunca tinha reparado. — Aquilo já era uma grande evolução. — Agora entendi.
— Esse jutsu foi criado para obter informações para coisas do tipo reconhecimento de lugares perigosos ou infiltração em esconderijos e inimigos. — Explicou Kakashi.
— Eu entendi, tudo isso é bem interessante. — Respondeu Naruto com desdém a explicação do seu sensei. — Mas ainda não entendi como isso pode diminuir o meu tempo de treinamento.
— Relaxa, não se preocupe. — Pediu o mais velho. — Eu já iria chegar nisso.
— Eba! — O garoto comemorou nos deixando completamente perplexos.
— Onde Jiraiya-sama encontrou paciência para ensinar o Rasengan pra esse garoto foge do meu entendimento, fala sério. — Kakashi cochichou para mim e Yamato. Eu dei risada, mas logo concordei.
— Tudo bem. — Comecei para tentar ajudar Kakashi. — Basicamente, se você fizer o mesmo exercício de treinamento com um kage bushin você terá duas vezes mais resultados, correto? — Perguntei na esperança do garoto ter mesmo entendido.
— Sim, sim, sim. — Seu entusiasmo era mesmo contagiante.
— Explicando melhor, se treinarmos você e seu clone ao mesmo tempo podemos dividir o seu tempo de treinamento pela metade. — Esclareci percebendo que, aos poucos, ele ia entender. — Com três levaria somente um terço.
— Três de mim levaria só um terço. — O garoto demonstrava um misto de surpresa e felicidade.
— E mil levaria um milésimo do tempo. — Concluiu Kakashi.
— Entendi. — A admiração em seu rosto cresceu.
— Um treinamento que levaria 2 dias pra terminar normalmente, pode ser feito com em um dia com dois de você. — Continuei com a explicação. — Já um que levaria vinte anos para ser dominado, pode terminar em uma semana com mil clones.
— Agora eu entendi tudo. — Seu sorriso era tão contagiante que não tinha como não sorrir junto. — Isso é genial.
— Eu achei que nunca chegaríamos lá. — Kakashi cochichou para Yamato e eu. — Eis o plano: enquanto estivermos treinando para mudar o elemento do seu chakra usaremos seu clone o tempo inteiro.
— Entendido. — Respondeu o rapaz ainda com um sorriso no rosto. — Ei, vocês me falaram sobre os elementos e que alguns podem dominar mais que um, existe alguém que domine os cinco? — Perguntou curioso.
— Bem, um ninja assim é realmente incrível, mas pode existir sim. — Comecei a explicar. — Aliás aqui em Konoha existiu um homem tão forte ao ponto de dominar os cinco elementos, aliás acho que você o conhece muito bem Naruto.
— Eu conheço? — Deixei o garoto ainda mais curioso.
— Seu nome era Hiruzen Sarutobi. — Conclui vendo a surpresa estampada na cara do menino. — Sabe quem é?
— Sarutobi? — Um sorriso formou-se em seu rosto. — O velhote era mesmo incrível assim?
— Ele não foi o Sandaime Hokage à toa, não é?. — Sorri junto com ele.
— Mas ele conseguiu ser incrível assim com muito treino e dedicação. — Interrompeu Kakashi. — Você está preparado pra isso? Treino e dedicação?
— Eu tô super preparado Kakashi-sensei. — Respondeu com determinação.
— Muito bem, a primeira coisa que você deve fazer é o treinamento para que a mudança de elemento de chakra fique mais forte. — Kakashi iniciou a explicação.
— Tá bom. — Respondeu o mais novo.
— Segure essa folha entre as palmas de suas mãos e use seu chakra para que a folha se rasgue em duas. — Pedi vendo a sua atenção completamente em mim.
— Deixa comigo. — Disse Naruto animado.
— Espera um instante. — Pediu Kakashi. — Como dissemos antes você vai fazer esse treinamento usando os kages bushins.
— Quantos clones quer que eu faça? — Perguntou.
— Bom vejamos, um pra cada folha. — Kakashi analisava cuidadosamente tudo ao seu redor. — Aquela quantidade ali. — Apontou para uma grande árvore e logo Naruto sorriu e criou os clones.
Aquilo me deixou completamente impressionada. Eu sabia que ele tinha uma boa quantidade de chakra e que dominava completamente aquele jutsu, mas ver de perto era realmente impressionante. Eu preferia mil vezes continuar ali observando Naruto do que me virar e ter que encarar Kakashi, as imagens da noite anterior rodavam como um filme na minha cabeça.
? — A voz de Yamato me despertou. — Tá tudo bem? — Tive que virar para encará-lo, e lá estava ele, com aquele maldito olhar fixados em mim.
— Tudo ótimo, desculpe o atraso, eu realmente perdi a hora. — Respondi sorrindo para o homem.
— Você saiu ontem? — Perguntou Yamato.
— Não que eu me lembre. — Respondi. — Por que?
— Eu fui atrás de você ontem a noite. — Meu coração parou e eu olhei para Kakashi vendo um mesmo com um sorriso por debaixo da máscara. — Bati e você não atendeu, pensei que tinha saído. — Imagens da noite anterior voltaram com força.
Flashback
Seus lábios faziam um ótimo trabalho em meu pescoço me fazendo arrepiar por inteira, eu estava completamente entregue aquele homem, ele sabia muito bem o que estava fazendo, suas mãos desciam por todo meu corpo massageando cada parte dele, minhas mãos arranhavam suas costas desnudas cada vez mais forte a cada reação do meu corpo aos seus toques. Seus lábios subiram pelo meu queixo até chegar em meu ouvido.
— Acho que tem alguém na porta. — Sussurrou depositando um beijo molhado atrás do mesmo.
— O que? — Eu não entendia nada porque não queria entender, eu preferia que ele usasse aquela maldita boca no que ele estava fazendo antes.
— Alguém está batendo na sua porta. — Foi como se ele tivesse jogado um balde de água fria em cima de mim. Ele realmente estava falando sério?
— Quer que eu vá atender? — Perguntei na maior ironia que eu poderia ter naquele momento.
A resposta foi instantânea e seus lábios logo voltaram para os meus.
Flashback off
— Me desculpe. — Eu deveria estar da cor de um pimentão. — Eu acho que fui comprar comida.
— Tarde assim? — Perguntou curioso.
— Se era tão tarde assim porque foi me atormentar? — Eu estava irritada e dava pra ver claramente em sua cara que ele sabia de alguma coisa.
— Você está mesmo nervosa. — Respondeu.
Seu sorriso presunçoso demonstrava claramente que ele sabia de algo e ao ver Kakashi eu tive a certeza. Decidi ignorar os dois e observar Naruto, em pouco tempo aquele garoto já estava conseguindo rasgar um pouco da folha. Eu entendi o que Jiraiya-sama disse quando falou que ele era determinado, aquele treinamento demoraria menos tempo do que eu pensava e aquilo me alegrava completamente, saber que a herança do meu irmão estava evoluindo tão bem, Kushina e Minato deveriam estar muito orgulhosos desse menino. Um deles parou o que estava fazendo e olhou diretamente para mim e veio em minha direção.
— Ei oba-chan, poderia me dar alguma dica? — Pediu com um sorriso enorme. — Afinal temos o mesmo elemento.
— Você está indo muito bem. — Elogiei. — Sabe, eu conheço alguém que pode te ajudar melhor do que eu. — Sua atenção foi voltada inteiramente para mim.
— Quem? — Perguntou curioso.
— Ele deve estar agora mesmo jogando uma partida de Shogi. — Sorri vendo que o garoto logo se tocou de quem eu estava falando. — Ele usa uma técnica perfeita para o que você está fazendo e tenho certeza que ele não se importaria de te dar algumas dicas.
— Obrigado. — Logo ele saiu correndo atrás de Asuma.

 

###########

Tinha sido um longo dia, o treinamento de Naruto estava muito bom, mas teve que ser interrompido pois a Godaime o havia passado uma missão, era nítido que ele não gostara nem um pouco, mas nada podia fazer. Evitar Kakashi não estava sendo a coisa mais fácil do mundo, mas eu fui bem sucedida. Não tínhamos falado nenhuma palavra a respeito da gente e do que tinha acontecido e eu nem queria. Aproveitei o tempo que tive para finalmente conseguir sair com Gai, o encontro que eu tinha prometido a alguns dias. Tenho que admitir que minha animação para isso era zero, mas eu precisava disso, somente um dia livre de todos os problemas que minha volta trouxe comigo, um momento de diversão com um velho amigo que eu sentia tanta falta quanto dos outros. Terminava de me arrumar quando ouvi alguém bater na minha porta, eu já estava atrasada e ainda aparecia visitas do nada. Suspirei e fui até a porta, ao abrir encontrei quem eu menos esperava. Kakashi estava escorado no batente da porta e ao me ver um sorriso singelo se abriu em seu rosto.
— Vai sair? — Perguntou novamente invadindo minha casa. — Você tá bonita. — Eu não esperava por aquilo. — Quando você vai resolver parar de me evitar?
— Porque o questionário? — Questionei. — Aliás obrigada pelo elogio, mas eu já estou de saída.
— Você vai mesmo fingir que nada aconteceu? — Ele ignorou completamente a minha fala e se sentou no sofá. — Pensei que a gente tinha resolvido tudo já.
— Resolver? — Eu estava realmente indignada. — A gente nem chegou a conversar.
— Por isso eu estou aqui. — Ele se sentia tão confortável ali que deitou no meu sofá ignorando totalmente o fato de que eu iria sair.
— Você não queria conversar hoje de manhã quando saiu de fininho. — Acusei sabendo que eu não me livraria dele tão cedo.
— Você quer mesmo falar sobre sair de fininho? — Ele ia mesmo jogar meu passado na minha cara. — Porque eu posso contar todas as vezes que foi o contrário.
— Você não precisa ficar lembrando das coisas do passado, a gente evolui. — Falei, sentindo o cansaço daquela conversa.
— Então vamos falar sobre o agora. — Ele se levantou e veio em minha direção.
— Eu adoraria, mas tô sem tempo. — Me afastei dele e fui em direção da mesa que estava ao lado do sofá, peguei a chave e joguei para ele que segurou com destreza.
— Já estamos nesse nível? — Eu conhecia aquele homem melhor do que qualquer pessoa e sabia que ele escondia um sorriso malicioso debaixo da máscara. — Já está compartilhando a chave da sua casa comigo.
— Na verdade é chave reserva pra você trancar a porta quando sair e jogar por debaixo da porta. — Vi o seu sorriso presunçoso desaparecer o que fez com que eu abrisse o meu. — Eu preciso ir, até mais Bakakashi*. — Sai da casa gargalhando ao ver sua expressão ao apelido que ele não escutava a anos.

***

Apesar de tudo estava sendo uma noite bem agradável, Gai era um dos homens mais engraçados e era tão bom saber as coisas que eu tinha perdido durante todos esses anos fora da vila. A forma que ele falava dos alunos era incrível, principalmente sobre o garoto Lee, definitivamente ele considerava o garoto um filho era uma relação linda de se ver, seus olhos brilhavam ao falar do rapaz.
— E você? — Começou mudando o assunto. — Quantos anos fazem mesmo?
— Não sei, uns três talvez? — Respondi
— Não sentiu falta? — Perguntou curioso.
— Todos os dias. — Sorri com as lembranças da saudade que eu sentia de Konoha. — Aqui é minha casa afinal.
— Só sentiu falta da vila? — Eu não sabia onde ele queria chegar com aquilo.
— Eu senti falta de vocês também, se é isso que quer saber, Gai. — Sorri para o homem vendo o sorriso em seu rosto.
— Até do Kakashi? — Então era isso que ele queria saber, realmente tocou na ferida.
— Sabe, eu acho que ainda estou muito sóbria pra esse assunto. — Peguei a garrafa de saquê e enchi meu copo logo bebendo o líquido de uma vez só fazendo o homem na minha frente gargalhar.
— Então vocês não se resolveram? — Perguntou.
— Defina resolver? — Mais uma vez enchi meu copo e bebi todo o líquido de uma vez.
— Você gosta de complicar as coisas, não é mesmo? — Disse o homem pegando um dango do prato. — Passou uma semana sozinha com ele e não conversaram sobre as coisas do passado?
— Não tem o que conversar. — Novamente enchi meu copo, eu já sentia a bebida fazer efeito. — O passado é pra ficar no passado. — Levantei meu copo e, de novo, engoli o líquido já sem sentir a ardência na garganta. — Mas acho que eu senti a falta dele.
— A falta de quem? — Olhei para trás e encontrei Kakashi, Kurenai e Asuma que fez a pergunta.
— O que vocês vieram fazer aqui? — Perguntei, mas ao olhar bem para Kakashi eu já sabia a resposta.
— Bom, eu e a Kurenai estávamos atrás de vocês e o Kakashi disse que podiam estra aqui. — Asuma respondeu. — Podemos? — Pediu apontando para a cadeira a meu lado.
— Fiquem à vontade. — Respondi vendo todos se acomodarem na mesa. — O que aconteceu?
— Bom, eu e Asuma temos uma coisa pra contar. — Eu olhei bem pra mulher, que eu conhecia muito bem desde criança, e logo me dei conta do que estava acontecendo, meus olhos encheram de lágrimas.
— Espera, vocês estão grávidos? — Perguntei sendo respondida com um sorriso tímido de Asuma e de Kurenai.
— Bom, é. — Respondeu a mulher logo sendo esmagada por meus braços em um abraço apertado.
— Eu estou tão feliz por vocês. — Cochichei em seu ouvido vendo Asuma sendo abraçado por Kakashi e Gai. — E você vem aqui. — Abracei Asuma tão forte quanto Kurenai. — Isso merece uma comemoração. — Eu admitia que já estava um pouco alta por causa da bebida. — Mais uma garrafa de saquê e um chá pra grávida, lógico. — Todos na mesa riram, mas logo estavam todos me acompanhando.

Tinha sido uma das melhores noites da minha vida, eu tinha me divertido tanto com os amigos que eu sentia tanta falta. A última vez que tinha ido a vila foi durante o exame Chunin e com todos os acontecimentos nem tive chance de ter momentos assim com aquelas pessoas eu me sentia muito mais leve, até mesmo com a presença de Kakashi, foi um momento tão especial que nem liguei para mais nada. Eu seguia para minha casa com um sorriso enorme estampado no meu rosto, ao abrir a porta minha felicidade foi interrompida por uma confusão.
— Você quer que eu morra do coração? — Perguntei quando percebi Kakashi novamente sentado relaxado no meu sofá. — Eu deveria saber que você não iria fazer o que eu pedi. — Disse suspirando e indo em direção ao quarto e logo tirando meus sapatos. — Sério Kakashi, eu tô muito feliz pra você vir estragar qualquer coisa. — Me virei vendo que ele me acompanhava e já sentava na minha cama.
— Eu não vim estragar, eu juro. — Falou baixo. — Se você quer fingir que nada aconteceu, tudo bem, mas eu não vou mesmo fazer isso.
— Eu não quero isso, é só que… — Ele me interrompeu, levantando e se aproximando.
— Não tem problema se você não quiser, mas eu vou falar. — Ele segurou minha mão e me puxou em direção a cama fazendo eu sentar ao seu lado. — Eu quero resolver tudo, de verdade. — Seu olhar era tão intenso que eu não conseguia desviar. — Desde sempre eu tenho sentimentos por você, mesmo não demonstrando. Eu fechei meus olhos pra qualquer outra garota inclusive a Rin porque só existia você pra mim e continua sendo assim. — Eu nunca, em toda minha vida, tinha ouvido ele falar aquilo em voz alta. — Quando Obito morreu e você teve coragem pra jogar tudo que você sentia por mim eu me senti completo ao ponto de sonhar com um futuro com você. — Ele apertou minhas mãos ainda mais e eu não conseguia dizer nada, não naquele momento. — Quando você foi embora, você partiu meu coração, mas eu não tinha o que fazer além de aceitar tudo, e depois que você voltou e me disse que foi pra ficar toda a raiva que eu pensava que sentia se esvaziou completamente.
— Você está mesmo se declarando para mim depois de todos esses anos? — Ele não tinha parado a nenhum minuto então resolvi interromper.
— Você vai mesmo me atrapalhar nesse momento? — Perguntou indignado. — Cala a boca, deixa eu falar o que eu demorei anos pra dizer. Agora eu tô pronto pra tentar o que nem sequer conseguimos começar, eu sempre falei que tinha sentimentos por você, mas nunca tive a coragem que você teve ao dizer que me amava, mas agora… — Seus olhos transmitiam um brilho tão intenso, na verdade Kakashi era um homem que conseguia transmitir tudo que sentia pelos olhos. — Agora eu admito, eu amo você e não consigo mais me ver em um futuro sem você.
Eu estava sem palavras ele conseguiu isso de mim, Kakashi nunca tinha falado aquelas palavras, mas eu já sabia o que ele sentia, mesmo assim ouvir em alto e bom som era incrível. Eu sentia as lágrimas em meu rosto, tudo que ele disse se juntou com o efeito do álcool, aquele dia era definitivamente o melhor dia da minha vida eu só conseguia sorrir e chorar ao mesmo tempo.
— Uau! — Segurei seu rosto em minhas mãos não desviando nossos olhos em nenhum momento. — Só demorou o quê? Dezesseis anos? — Sorri vendo que ele fazia o mesmo. Desci sua máscara e rapidamente grudei nossos lábios. — Você sabe que eu amo você e que se pudesse eu escolheria viver o resto da minha vida com você. — Ele fechou os olhos depois das minhas palavras. — Um dia, você vai saber de tudo que aconteceu nesse tempo, mas agora. — Me aproximei do seu ouvido. — Que tal voltarmos a noite anterior? — Depositei um beijinho no local e vi os cabelos de sua nuca se arrepiarem.
— Você está bêbada. — Ele se afastou hesitante. — Essa noite vamos dormir.
— Você tá mesmo me negando? — Perguntei chocada, mas sentindo meu estômago embrulhado.
— Eu nunca faria isso. — Respondeu com um sorriso divertido. — Mas sua cara não está mesmo boa, parece que vai vomitar a qualquer minuto. — Não precisou ele dizer muito mais, eu corri pro banheiro e coloquei para fora tudo que eu tinha bebido e comido naquela noite. — Parece que eu estava certo. — Me ajudou a levantar a me limpar, me acompanhou até a cama e me deitou logo deitando do meu lado.
— Eu vou te ver a amanhã? — Perguntei sussurrando pois o sono já me consumia naquele momento
— Pode apostar que sim. — E seu sorriso foi a última coisa que eu vi antes de apagar.

*Oba-chan: Oba significa “Tia” em Japonês e o chan é uma forma de tratamento carinhosa, íntima e informal.
*Futon: As transformações da natureza é uma forma avançada de controle do chakra. Ela possui 5 elementos, o Futon que foi falado é o vento, mas temos também o Katon que é fogo, Raiton que é relâmpago, Doton que é terra e o Suiton que é água.
* Kage bunshin no jutsu: Pra quem vê dublado isso é o jutsu multi clones da sombra tá bom migas hahaha

 

CAPÍTULO 5

Eu estava bastante disposta, o que era realmente incrível, já fazia algum tempo e Naruto já tinha chegado, ou seja, o treinamento voltaria a todo vapor e com certeza mais fácil. Me espreguicei na capa e percebi que Kakashi não estava ali, mas o barulho vindo da cozinha deixava claro que ele estava ali. Entrei no banheiro pra escovar os dentes antes de encontrá-lo lá. Segui para a cozinha e o encontrei sentado na mesa tomando um pouco de chá.

 

— Bom dia. — Sentei a sua frente recebendo um sorriso em resposta.
— Bom dia. — Peguei a chaleira em cima da mesa e coloquei um pouco do líquido para mim. — Preparada? Naruto retornou e já me cansou com pedidos sem fim para a retomada do treinamento.
— Vou me atrasar um pouco. — Respondi vendo a surpresa em seu rosto. — Tsunade quer conversar comigo, eu acho que talvez ela irá me passar mais trabalho.
— Vai sair em missão? — Kakashi perguntou curioso.
— Acho que vai depender bastante das ações da Akatsuki daqui pra frente. — Falei tomando mais um gole do líquido quente. — Eles estão trabalhando bastante nos últimos dias.
— Atacaram algum lugar? — Aquele era um assunto que interessava bastante a Kakashi.
— Há boatos que eles conseguiram capturar mais uma bijuu, parece que agora foi a duas caudas. — Aquilo me assustava, eles, aos poucos, estavam conseguindo realizar seu plano e rapidamente chegariam a Naruto. — Temos que ficar de olho de qualquer forma. Talvez ela me mande com algum grupo de rastreamento, não sei mesmo o que ela quer.
— Não se preocupe, gaste o tempo que precisar. — Sorriu e se levantou. — Preciso ir, te encontro depois. — Beijou meus lábios rapidamente, subiu a máscara e ia saindo.
— Ei, só uma coisa. — Ele voltou seu olhar pra mim. — Você se mudou pra cá e eu não tô sabendo?
— Vai reclamar agora? — Eu não iria, não mesmo, mas amava pirraçar.
— Não tenho nada contra. — Ele revirou os olhos me fazendo rir.
— Te vejo depois.
Isso estava começando a se tornar rotineiro, Kakashi ficar até tarde comigo e acabar dormindo aqui. Aquilo estava sendo algo interessante, mesmo finalmente admitindo o que finalmente queríamos um com o outro estávamos indo um pouco rápido, mas eu não me importava nem um pouco e pelo jeito nem ele. Sai de meus pensamentos ao me tocar que já devia estar atrasada, corri pra me trocar e logo estava de saída para o escritório da Hokage.

############
Já era noite quando fui em direção ao campo de treinamento, Tsunade tinha me prendido com ela por todo o dia, pra falar a verdade nem tempo de comer eu tive direito. Estava cansada, faminta e muito estressada, minhas pernas se moviam sem qualquer vontade, mas de longe já se via a luz da fogueira acesa em frente de uma cachoeira muito maior do que a que eu tinha visto antes, parece que o dia tinha sido bastante produtivo. Me aproximei mais um pouco e encontrei todos calados se aquecendo com o fogo.

— Você é mesmo a versão feminina do Kakashi-sensei, oba-chan. — Naruto acusou ao me ver. — Na verdade, acho que nem o Kakashi-sensei tem o dom de se atrasar tanto assim.
— Me desculpe Naruto, a Hokage realmente me fez de escrava dela hoje. — Respondi me sentando em um dos troncos. — Mas espero te recompensar com isso. — Mostrei a sacola com uns espetinhos de carne que eu tinha comprado no caminho e logo o garoto correu e pegou a sacola que eu entendia.
— Tá tentando me comprar com comida? — Perguntou o garoto desconfiado.
— Funcionou? — Respondi com outra pergunta.
— Com certeza sim. — Sorriu abrindo a sacola e logo comendo como se fosse a melhor comida do mundo.
— O que aconteceu? — Perguntou Kakashi sentando do meu lado.
— Nada de mais, ela só estava atolada e precisava de alguém pra se atolar com ela já que Shizune estava pior do que qualquer um, então fiquei com pena e resolvi ajudar. — Sorri encostando minha cabeça em seu ombro, eu estava cansada demais.
— Deveria descansar um pouco. — Sussurrou o homem. — Não tem problema, pode ir pra casa.
— Relaxa, tá tudo bem. — Respondi para tranquilizá-lo. — Como foi hoje?
— Acho que ele está começando a evoluir, não é o mais inteligente, mas eu já desisti de encontrar algum vestígio disso nele. — Minha gargalhada chamou a atenção dos outros dois que se mantinham entretidos na comida que eu havia trago.
— Do que estão rindo? — Perguntou Naruto com a boca cheia.
— Do quão mal educado você é quando come. — Fiz careta e logo o garoto engoliu, de uma vez, tudo que tinha em sua boca. — Pelo amor de Deus, o que você é, menino? Tenha modos!
— Vai querer? — Questionou o garoto, pegando mais um espetinho e mesmo que minha barriga estivesse roncando ele deveria estar pior que eu.
— Pode ficar, você parece que está morrendo de fome, moleque. — Respondi rapidamente.
— Tem certeza? Eu não me importo. — O grande sorriso em seu rosto deixava claro a afirmação em suas palavras.
— Tenho certeza. — Afirmei novamente. — Você precisa descansar. Por falar nisso, coma e vá se deitar. Seu treinamento precisa de você inteiro.
— Você está horrível. — Disse Yamato se aproximando enquanto Naruto voltava para onde estava e comia o resto dos espetinhos de carne.
— Obrigada. — Ironizei pois não precisava que ele dissesse o óbvio.
— Aconteceu algo? — Era clara a preocupação em sua voz.
— Não se preocupe, vocês dois parecem meu irmão, eu ein… — Caçoei. — Tá tudo bem, eu só estava desacostumada com tanto trabalho.
— E vocês dois? — Yamato perguntou depois de eu, novamente, descansar minha cabeça no ombro de Kakashi.
— Você é muito fofoqueiro Yamato, sério. — Eu tinha certeza que ele estava, mais uma vez, tirando uma com a minha cara, afinal Kakashi com certeza já tinha falado algo para ele.
— Eu só estou curioso. — Se defendeu rapidamente.
— Olha, eu vou deitar, fiquem vocês dois aí conversando como duas velhas fofoqueiras. — Encerrei a conversa e sai ouvindo o riso de Yamato.

Logo encontrei onde estava um pequeno colchonete que, com certeza, era de Kakashi e me joguei no mesmo. Eu estava tão exausta que nem liguei para o desconforto que aquilo me faria eu somente deitei e logo senti meu corpo pesar e eu apagar completamente.

Não sabia quanto tempo tinha passado, mas eu abri os olhos e ainda vi o céu completamente escuro. Senti a mão de Kakashi na minha cintura e sua respiração na minha nuca, o que me arrepiou por inteiro. Tentei mais uma vez voltar para meu sono, mas percebi que seria em vão, a insônia havia me atingido. Tirei a mão de Kakashi da minha cintura bem devagar na tentativa de não o acordar, me levantei lentamente e olhei ao redor. A fogueira já tinha apagado e eu percebi que o lugar onde deveria ter um corpo dormindo estava todo bagunçado e completamente vazio. Ao olhar para o lado e ver Yamato logo percebi que deveria ser Naruto. Onde aquele garoto havia se metido numa hora daquelas? Ouvi um barulho e olhei em direção a cachoeira e lá enxerguei Naruto… vários Narutos pra falar a verdade. Não sabia o que ele estava fazendo, mas tinha uma ideia e ele não estava mesmo para brincadeira. Eu ficava muito feliz por ver seu esforço, mas aquilo ainda era muito perigoso, um treinamento tão duro com tantos clones sem a supervisão de Yamato poderia dar muito ruim. Me aproximei devagar subi no galho da árvore onde ele estava.

— O que pensa que está fazendo? — O garoto estava tão concentrado que o susto foi grande. Se fosse outro momento eu com certeza estaria rindo, mas não era momento para aquilo, eu estava ali para dar a bronca que aquele menino merecia.
— Você tá louca? Quase me matou de susto. — Reclamou.
— O que você tá fazendo, Naruto? — Perguntei novamente. — Você sabe que precisa do Yamato pra isso.
— É só que não temos muito tempo. — Disse um garoto em um sussurro. — Eu não quero ficar para trás, eu só pensei que se eu desse mais do que eu estou dando eu posso salvar o Sasuke mais rápido. — Aquilo partiu meu coração, era só um menino querendo salvar um amigo, naquele momento Naruto parecia uma grande mistura do meu irmão com Jiraiya.
— Você não vai conseguir nada se morrer, Naruto. — Aquilo o assustou. — Isso não é um treinamento simples, não vai adiantar nada se você não cuidar de si mesmo, descanso é fundamental.
— Eu não preciso descansar. — Respondeu rapidamente voltando a fazer os clones, me ignorando totalmente.
— Tu bem, então eu vou te ajudar. — Falei derrotada sentando no tronco onde seus clones não ocupavam. — Só diminua um pouco a quantidade de clones para eu conseguir controlar tudo, tá bem?
— Como vai fazer isso? — Perguntou curioso e alegre ao mesmo tempo.
— Com isso. — Tirei um dos selos que Jiraiya havia me dado alguns dias atrás. — Eu entendo que você não quer perder tempo, mas me ajude.
— Você é demais oba-chan, dattebayo! — Ele voltou a se concentrar na cachoeira.

Eu ainda estava parada sem saber o que falar, sua última frase me deixou perplexa. Como pode, mesmo sem conhecê-la, ele ter todo o jeito de falar da mãe? Eu nunca esqueceria do “dattebane” de Kushina e aquilo me dava uma vontade enorme de chorar não só de saudades, mas também de felicidade por ver como Naruto era uma cópia perfeita de Minato e Kushina. Ele pode ter a aparência completamente igual a do meu irmão, mas com certeza sua alma é como a da mãe dele. Deixei as lembranças e as poucas lágrimas que escorriam do meus olhos de lado e voltei a focar-me em Naruto e qualquer movimento de que a Kyuubi poderia aparecer, aquela seria uma longa noite.

##############
A noite passou tão rápido que nem percebi, Naruto estava evoluindo cada vez melhor. Kakashi e Yamato já estavam de pé e o mais novo já ocupava meu lugar de lidar com o chakra da Kyuubi. Eu havia dormido pouco, mas não estava indisposta, na verdade eu estava bem animada. Não sabia o que poderia acontecer daqui em diante principalmente relacionado a Akatsuki, eles estavam cada vez mais rápidos e daqui a pouco não duvidaria que chegasse aqui. Estava tão concentrada no treinamento que nem percebi a aproximação de alguém.

! — A voz feminina logo chamou minha atenção.
— Shizune? — Perguntei surpresa ao ver quem era, afinal ela difícil vê-la longe do escritório do Hokage. — O que foi, aconteceu algo?
— Tsunade-sama quer você no escritório dela com urgência. — Respondeu rapidamente.
— Aconteceu alguma coisa? — Eu estava realmente preocupada, afinal passei o dia inteiro com ela ontem.
— Eu não sei direito, acho melhor que ela te fale algo. — Kakashi logo avistou a mulher e se aproximou.
— Shizune? — Percebi a mesma surpresa que a minha ao vê-la.
— Desculpa roubá-la de você Kakashi, mas é necessário. — Respondeu o homem.
— Eu tenho que ir, volto assim que der, tá bom? — Falei para Kakashi, vendo-o logo concordar.

Sai em direção ao escritório da Hokage acompanhada de Shizune que demonstrava sua clara preocupação o que me deixava ainda mais apreensiva. Eu estava preocupada, mas já imaginava o que estava por vir, ela com certeza me mandaria em missão; pela cara da mulher ao meu lado não era por boa causa, alguma coisa muito ruim tinha acontecido. Não demorou muito e já havíamos chegado na grande torre, subimos a escada ainda caladas e ao abrir a porta percebi que Tsunade não estava sozinha.

— Mandou me chamar senhora? — Perguntei ao ver a mulher voltar seu olhar para mim.
— Sim, preciso de você. — Falou rapidamente. — Esse é um dos monges do Templo do fogo, ele veio atrás de ajuda.
— O que aconteceu? — Perguntei para o homem.
— Diga a ela. — Pediu Tsunade para ele.
— O templo do fogo foi invadido, por dois homens com um sobretudo preto com nuvens vermelhas. — Então era isso, a Akatsuki atacou um templo repleto de monges. — Mataram muitos, eu não sei ao certo se teve muitos outros sobreviventes. — Aquilo me surpreendeu, porque apesar de tudo eles não eram fracos. — O nosso líder Chiriku foi morto e levado por eles.
— Isso é… — Minha fala foi interrompida por Tsunade.
— Você vai atrás deles, junto com a equipe Asuma. — Ordenou imediatamente. — Terei uma reunião com alguns Jounnins e chunnins para mandá-los em grupo.
— Se Asuma está na equipe acha que eu posso ser útil? — Perguntei. — Ele não é o suficiente?
— Estamos falando sobre a Akatsuki. — Falou a Hokage. — Se tem alguém mais de que preciso nessa missão, essa pessoa é você.
— Tudo bem. — Suspirei cansada. — Pode me dar um tempo pra me preparar?
— Você tem uma hora. — Respondeu rapidamente.
— Obrigada. — Agradeci.

Saí rapidamente, precisava avisar a Kakashi, Yamato e Naruto e passar em casa para me aprontar. Uma missão daquele nível me deixava um pouco nervosa, não deveria, mas eu estava como nunca. Pensar que a Akatsuki tinha feita uma chacina em um lugar tão seguro como o templo do fogo era impressionante, somente dois deles fizeram aquilo tudo, imagine toda a organização junta, era realmente de assustar, mas saber que Asuma nos guiaria me acalmava um pouco afinal era um dos ninjas mais surpreendentes que eu conhecia. Cheguei rapidamente no local de treino vendo Naruto ainda na tentativa de cortar a cachoeira e Kakashi e Yamato o observando.

— Como vão indo? — Perguntei assustando os dois homens.
— Até que bem. — Kakashi respondeu rapidamente. — O que aconteceu?
— Vou ter que sair em missão. — Falei ao me aproximando ainda. — A coisa foi séria.
— O quão séria? — Perguntou Yamato ainda concentrado em Naruto, mas interessado na conversa.
— Do nível Akatsuki. — Os dois homens ficaram ainda mais surpresos. — Invadiram o templo do fogo e mataram o líder.
— Porque eles fariam isso? — Questionou Kakashi chocado com a minha revelação.
— Talvez pela recompensa? — Deduzi rapidamente. — Eu só sei que a Tsunade me quer junto com o Asuma em sua equipe. Eu preciso me preparar, saio em menos de uma hora — falei — eu vou falar com o Naruto e já volto.

Suspirei e subi rapidamente na árvore que cortava a cachoeira auxiliando o garoto no treinamento. Naruto estava tão concentrado que nem percebeu que eu me aproximava.

— Naruto — Chamei vendo o garoto pular de susto e quase cair se não fosse por minha ajuda. — Achou que já decorei o verdadeiro, definitivamente é o mais atrapalhado. — Brinquei vendo sua cara de poucos amigos. — Será que posso ter um momento com o original? — Pedi vendo-o se aproximar e deixar seus clones continuarem o treinamento.
— O que foi? — Perguntou curioso.
— Tsunade-sama me mandou em missão, Naruto. — Disse se uma vez. — Me desculpe, mas não vou poder ficar aqui por alguns dias.
Tsunade obaa-chan* é mesmo uma estraga prazeres, não é? — Respondeu com um grande sorriso em seu rosto me fazendo rir junto.
— Obaa-chan? Você não tem mesmo respeito com ninguém, não é moleque?! — Dei um soco em seu ombro o repreendendo, mas no fundo querendo rir.
— Não se preocupe oba-chan, quando você voltar, eu já vou estar com esse jutsu nas minhas mãos! Dattebayo! — Falou com um entusiasmo que ainda não tinha visto.
— Se quando eu voltar você já tiver aprendido esse jutsu eu te pago um ramen do Ichiraku. — Os olhos do garoto brilharam e um sorriso ainda maior apareceu em seu rosto.
— Prepare seu bolso, que eu amo ramen, dattebayo! — Foi pra onde estava antes e voltou ao treinamento de tentar cortar a cachoeira.

Desci do tronco da árvore e fui em direção aos dois homens, me despedi rapidamente dos deles e segui para casa pra pegar algumas coisas e me preparar, afinal eu não tinha muito tempo. Ao sair de casa segui em direção a sala da Hokage novamente atrás de Asuma, Tsunade já me esperava.

— Eles já estão te esperando. — Respondeu antes que eu perguntasse qualquer coisa.
— Tudo bem. — Ia me retirando, mas fui interrompida pela fala da mais velha.
— Tome cuidado. — Falou apreensiva. — Não são qualquer coisa, fique alerta a tudo, confio em você.
— Pode deixar. — Sorri com sua preocupação, mas sabia que era necessária já que nosso inimigo não era qualquer um.

Corri em direção ao prédio que eu tinha visto Asuma, Shikamaru, Kotetsu e Izumo. Eles estavam próximos a casa de Kurenai, imaginar como estavam os sentimentos de Asuma naquele momento e me partiu o coração. Quando saímos assim em missões perigosas sem saber se vamos voltar vivos, ainda mais quando se tem uma mulher grávida te esperando, o coração de Asuma deveria estar quase saindo do peito.

— Tsunade-sama disse para esperarmos mais alguém. — Ouvi sua voz.
— Acho que sou eu. — Respondi fazendo-os me olharem.
— Então você é o membro extra do nosso time. — Afirmou Shikamaru sorrindo.
— Vocês são privilegiados por me ver em ação. — Me gabei vendo o sorriso de todos. — Já faz bastante tempo, então me deem um voto de confiança.
— Acho que não foi tempo o suficiente para você ter perdido o jeito. — Respondeu Asuma prontamente.
— Espero que não. — Sorri pro capitão da equipe. — Estou logo atrás de você.

Logo começamos a correr para a saída da aldeia, seria uma longa jornada daqui para o templo do fogo e meu coração se apertava cada vez que nos distanciamos ainda mais de Konoha. Sempre é difícil sair em missões assim sem saber se voltará com vida, isso era o que sempre me deixava apreensiva. Depois da morte de Minato e Kushina eu não me importava mais, por muito tempo eu me colocava em missões desse tipo sem medo de nada, mas agora eu estava bem com Kakashi e tentando conquistar, aos poucos, a confiança de Naruto o que me fazia voltar o medo.

#################
Chegamos ao templo do fogo mais rápido do que eu imaginava e a imagem que vimos não foi das melhores, tudo estava destruído parecia que, na verdade, tinha passado um tsunami por ali, era realmente difícil de olhar. Nos aproximamos ainda mais e vimos um monge, já idade, vindo em nossa direção.

— Vocês são os ninjas da folha. — Afirmou ele — Eu sou o responsável pelo tempo do fogo — continuou —, eu estava afastado por um tempo, mas tive que voltar. — A dor presente em seus olhos era sufocante. — Foi uma visão terrível.
— Pedimos ajuda dos templos vizinhos para recuperar os corpos. — Disse um outro monge que o acompanhava.
— E o corpo de Chiriko? — Perguntou Asuma.
— Ele sumiu. — Respondeu o monge.
— Ainda há uma recompensa de trinta milhões por ele no mercado negro. — Falou o mais velho.
— Há cinco postos de trocas nas redondezas. — Deduzi rapidamente. — Cada equipe vai para o posto mais próximo.
— Certo. — Iríamos sair, porém o líder do templo nos parou.
— Me permita fazer uma oração para você? — Pediu.
— Será uma honra. — Respondeu Asuma e rapidamente fechamos os olhos e abaixamos a cabeça recebendo a oração do monge. — Prometo que faremos de tudo para trazê-lo de volta.
— Também tome cuidado. — Alertou o senhor. — Ainda há uma recompensa pela sua cabeça, Asuma.
— Cinco milhões a mais. — respondeu Asuma risonho. — Não sei o porquê.
— A única coisa que pode se preocupar com o Asuma, é que ele fuma demais. — Declarou Shikamaru.
— Obrigada por tudo, senhor, faremos o possível para resgatar o corpo de Chiriku. — Disse me despedindo.
— Eu espero que sim minha filha. — Finalizou ele com um sorriso triste no rosto.

**Tsunade obaa-chan – “Obaa é avó em japonês” e traduzindo é como o naruto chama a nossa querida quinta Hokage “Vovó Tsunade”

Nota da autora: Desculpa pela demora migas, mas eu tô muito animada com tantos projetos que eu acabo penando um pouco com Herdeira, mas prometo que nunca irei abandoná-la até finalizar. Eu tô fazendo o possível pra todo mês ter algo pra vocês e quase sempre tem hahhahaha Então esse capítulo tava ficando muito grande então pra padronizar os meus capítulos eu resolvi dividir tá bom, prometo que o próximo vai sair mais rápido do que vocês imaginam, tô me esforçando bastante, mas é aquela coisa, o próximo capítulo é de luta e além das cenas de batalha eu ainda tenho que inserir a no meio e mostrar suas habilidades porque acreditem, ela não é só uma ninja médica, ela é uma perfeita Kunoichi de combate com técnicas muito especiais que vocês irão ver, então tenham paciência comigo, porque eu juro que vou dar o meu melhor, afinal o próximo capitulo tem uma parte muito triste como vocês devem saber pelo andamento da carruagem kkkkkk Me digam o que acharam, se estão gostando, comentem aí pra eu saber a opinião de vocês que é muito importante pra mim tá bom <3 Eu ainda estou na saga de escrever short com outros personagens então me digam aí com quem vocês gostariam de ler.

Também tem o grupo no face pra vocês ficarem antenadas Histórias da Mandy
AAAA Também fiz um insta se vocês preferirem me acompanhar por lá Mandy Poynter

MIL BEIJOS PRA VOCÊS SUAS LINDAS <3 <3