Herdeira Namikaze

Herdeira Namikaze

  • Por: Mandy Poynter
  • Categoria: Anime
  • Palavras: 3554
  • Visualizações: 157
  • Capítulos: 2 | ver todos

Sinopse: Depois de muito tempo ela finalmente retorna aquela que foi sua casa. Depois da morte do seu irmão, seu único desejo era simplesmente ter ido com ele, mas o destino nem sempre acontece como queremos e o que fazemos no passado corre um sério risco de mudar completamente o que tínhamos planejado para o nosso futuro.
Gênero: Romance, Aventura
Classificação: +14
Restrição: Sem restrições
Beta: Thalia Grace

Capítulos:

 

CAPÍTULO 1
 

A aldeia não tinha mudado tanto quanto eu imaginava, as casas continuavam da mesma forma, como se nunca tivessem sido reformadas depois de tantos anos. Porém, uma coisa havia mudado, o rosto de Tsunade estampado no Monumento Hokage. Um sorriso se fez presente em meu rosto e a saudade bateu fortemente em meu peito, não imaginava, até aquele momento, o quanto sentia falta daquele lugar, daquelas pessoas. Os sentimentos que há anos me sufocava e quase apertava meu peito, e a vontade de chorar aparecia.

? — Meus pensamentos foram dispersos ao ouvir uma voz bastante conhecida, fazendo o sorriso se abrir, ainda mais, em meu rosto.

— Olá, Kurenai. — Eu não consegui dizer mais nada, pois logo senti braços me rodeando em um abraço, fazendo-me apertar a mulher.

— Senti saudades. — Disse Kurenai, ainda no abraço.

— Pode apostar que não mais que eu. — Larguei-me dela e segurei seu rosto em minhas mãos. — O que tem na água daqui? O tempo passa e você consegue ficar mais linda do que já era.

— Olha só quem fala. — Kurenai respondeu, juntando nossas mãos. — Você está maravilhosa.

— O tempo foi muito bom. — Respondi ainda sorrindo. — Como estão as coisas?

? — Uma voz logo interrompeu nós duas.

— Asuma, como vai? — O sorriso que já era grande, parece que aumentou ainda mais com a imagem do homem. Me aproximei rapidamente para um abraço apertado, um abraço que transmitia toda saudade que eu sentia.

— Nossa, quanto tempo, ein! — Disse Asuma, tímido.

— Nem me fale, senti saudades.

— Aposto que sim, a aldeia não é a mesma sem você. — Respondeu ele.

— E eu, definitivamente não sou a mesma sem Konoha. — Um vento bateu em meu rosto e lágrimas estavam sendo seguradas fortemente.

— Vim me encontrar com Kurenai pra um passeio. — Asuma disse, segurando a mão da namorada. — Será bem-vinda.

— Eu amaria, de verdade, — Meu coração logo se aqueceu ao perceber aqueles dois juntos. — mas eu preciso falar com a Tsunade antes de tudo. — Respondi com a felicidade estampada em meu rosto. — Mal cheguei e ela já me quer no hospital.

— Era de se imaginar. — Kurenai respondeu, me deixando curiosa.

— Por que exatamente era de se imaginar? — Questionei.

— Vai saber quando chegar lá. — O sorriso que ela me deu antes de sair atiçou ainda mais minha curiosidade, me fazendo andar ainda mais apressadamente.

O hospital não era muito longe e logo consegui chegar. Percebi que nada tinha mudado ali, aquele espaço já me era familiar já que trabalhei aqui muito tempo quando não era enviada em missões. As enfermeiras sorriram ao me reconhecer e, aos poucos, acenei para cada uma que passava. Sentia uma falta gigante de salvar pessoas, ser uma médica ninja sempre foi uma das prioridades na minha vida e a ajuda de Tsunade foi fundamental, eu devia tanto a ela por todas as vezes que me ensinou a me tornar cada vez melhor.

Cheguei a porta que foi me informada e abri sem cerimônia alguma, logo vendo a imagem das pessoas se formarem. A primeira foi Tsunade, ela virou-se rapidamente e abriu um grande sorriso ao me ver; ao seu lado Shizune com a mesma expressão de felicidade da Hokage e, ao lado da cama, dois rostos curiosos, sendo um deles o garoto que eu mais ansiava ver. Abri um sorriso, mas logo fechei ao ver quem estava deitado na cama. Kakashi parecia calmo, mas percebia-se por seus olhos o espanto de me ver ali, mas ao mesmo tempo a mágoa que me matava e me corroía por dentro.

, que bom que você chegou. — Shizune foi a primeira a se pronunciar, me fazendo aproximar logo, abraçando-a fortemente.

— Já faz algum tempo não é mesmo? — Tsunade disse, me olhando.

— Realmente é muito bom revê-la. — Respondi. — Senhora Hokage.

— Quem é você? — O garoto que permanecia ao lado da cama perguntou, fazendo um sorriso enorme crescer em meu rosto.

— Você é o Naruto, não é mesmo? — Perguntei, mesmo já sabendo a resposta.

— Você me conhece? — Questionou ele.

— Você cresceu tanto. — Ignorei sua pergunta e me aproximei. — Está tão bonito. — Vi rapidamente uma cor vermelha se apossar de suas bochechas e as segurei em minhas mãos. — Aposto que tem várias garotas atrás de você. — Sorri vendo-o se afastar rapidamente. — Essa moça ao seu lado é sua namora?

— O que? — A garota agora pronunciou bastante irritada.

— Me desculpe. — Disse rapidamente. — Você deve ser a Sakura, então.

— Pera um pouco. — Naruto, ainda constrangido, falou. — De onde você me conhece? Nos conhece, na verdade.

— Senhora Tsunade me falou sobre a equipe Kakashi. — Respondi prontamente. — Eu te conheço desde sempre Naruto, mas me ausentei nos últimos anos, não se preocupe não sou ninguém relevante para que você precise lembrar. — Sorri, tentando acalmar o garoto. — É realmente um prazer revê-lo.

— Não sabia que estava de volta. — A voz de Kakashi me trouxe de volta a realidade e, ao olhá-lo, o meu sorriso se desfez.

— É muito bom revê-lo também Kakashi. — Respondi.

— Eu não disse que era bom vê-la. — Disse grosseiro me fazendo revirar os olhos.

— Não seja rude com ela Kakashi. — Ordenou Tsunade.

— Não tem problema. — Falei rapidamente, interrompendo a Hokage. — Eu entendo perfeitamente, nunca pensei que seria recebida somente com sorrisos.

— Ei, quem é você e por quê o Kakashi sensei te odeia? — Perguntou Naruto.

— Naruto, quando você vai parar de ser tão inconveniente? — Disse a garota ao seu lado.

— Meu nome é e há alguns anos saí de Konoha. — Respondi. — E, bom, em questão do Kakashi, eu não sei o que acontece. Há alguns anos atrás posso apostar que ele pularia de felicidade ao me ver. — O olhar irritado que eu recebi me fez ter a certeza de que eu estava fazendo o certo. — Afinal, ficamos juntos por muito tempo pro amor ter acabado fácil assim. — A cara de espanto em todos da sala me fez abrir a maior gargalhada desde que eu cheguei.

— Cala a boca, . — Kakashi logo me surpreendeu ao ser o primeiro a falar. — Mas é bom ter sua cara de pau de volta. — Gargalhei ainda mais ao ouvi-lo, de verdade ele me surpreendeu, não esperava por essa.

— Uau, seu senso de humor realmente mudou. — Respondi.

— Ei, espera só um minuto. — Sakura interrompeu. — Vocês dois já… E vocês eram… — A garota realmente estava constrangida e não conseguia terminar a frase.

— Ela quer saber se vocês eram namorados. — Naruto mandou na telha, fazendo a menina ao seu lado lhe lançar um olhar tão ameaçador que até eu sentiria medo.

— Naruto, seu idiota! — Sakura gritou, dando um tapa relativamente forte no garoto.

— Sakura, o que eu fiz? — Questionou o rapaz, alisando o galo enorme que ficou na sua cabeça.

— Chega vocês dois. — Ordenou Tsunade.

— Me desculpe, senhora. — Pediu Sakura.

— Vamos sair, Kakashi precisa descansar. — Disse Shizune e logo os dois jovens se despediram do sensei e saíram. Quando eu fui acompanhá-los Tsunade me parou no meio do caminho.

— Para onde pensa que vai? — Perguntou irritada.

— Ué, Kakashi não precisa descansar?

—Não seja estúpida. Sua nova missão é cuidar dele. — Respondeu ela com cinismo.

— Mas senhora, tem os melhores médicos da aldeia… — Fui interrompida.

— Não quero saber, é uma ordem. — Finalizou, saindo apressada e não me dando o direito de resposta.

— Ela é mesmo uma velha chata e piorou depois de virar Hokage. — Falei comigo mesma, suspirando e voltando meu olhar para o homem deitado na cama.

— Não seja maldosa. — Sabia que ele iria ouvir.

— E você, ein? — Comecei, sentando na cadeira que estava ao seu lado. — Você está acabado.

— Obrigado. — Respondeu ele ironicamente.

— O que aconteceu com você? — Estava bastante curiosa, fazia tempo que eu não o via daquele jeito.

— O Sharingan. — Suspirou logo ao responder. — Acho que usar o Mangekyo Sharingan acaba comigo.

— Só precisa de mais controle. — Sorri, logo entendendo. — O Sharingan é um dos maiores poderes visuais que existe. Você vai melhorar logo, agora que eu fui encarregada de ser sua babá.

— Porque mesmo ela ordenou isso, ein? — Ele perguntou, cansado, relaxando mais em sua cama.

— Talvez ela queira uma reunião de ex colegas? — Respondi sorrindo.

— Sério? — Debochou. — Você definitivamente não consegue levar nada a sério. Parece que eu tô falando com uma versão feminina do Obito.

— Saiba que isso é um elogio. — Falei prontamente. — Acho que você deve dormir um pouco. Vou pegar seu prontuário e dar uma olhadinha no seu quadro. — Saí do quarto e fui pra entrada, aquele seria um longo dia.

Acordei bem cedo naquele dia e, após tomar um banho e um café reforçado, fui direto para o hospital. Eu estava encarregada do Kakashi, mas nem louca eu iria dormir em uma cama desconfortável do hospital. Cheguei e logo me direcionei ao quarto do rapaz, mas antes de entrar eu ouvi uma voz bastante conhecida e que me fez sorrir abertamente, a saudades que eu estava sentindo daquele homem não era brincadeira.

— Tenho certeza que você não está de volta à aldeia só pra me ver, não é? — Ouvi a última frase de Kakashi e entrei de repente.

— Até parece. — Interrompi assustando-os. — Ele voltou só pra me ver, não é mesmo velhote? — Os olhos de Jiraiya brilharam e o sorriso que ele abriu não me deixou outra escolha se não a de andar em sua direção e abraçá-lo fortemente, demonstrando toda saudade que eu sentia naquele momento.

— Se tem alguém que me faria voltar aqui, pode ter certeza que é você. — Me afastei e sorri para o homem na minha frente. — Cresceu bem, ein?

— Eu sou como sua filha, pelo amor de Deus. — O repreendi.

— Você leva tudo pra esse lado. — Acusou ele, ainda sorrindo. — Que tipo de homem você acha que eu sou?

— Você não vai querer que eu diga. — Respondi e voltei a me direcionar para Kakashi. — Como se sente hoje?

— Acabado. — Falou simplesmente.

— Você precisa descansar. — Repreendi-o.

— Espere Tsunade chegar que você vai poder dormir, Kakashi. — Jiraiya disse, atiçando minha curiosidade.

— O que ela vem fazer aqui uma hora dessas? — Realmente ainda era bastante cedo e o fato dela ir ali definitivamente era algo bastante curioso.

— O capitão da equipe Kakashi vai ser apresentado. — Eu me surpreendi com aquilo. — Afinal a missão precisa de alguém mais experiente com eles. — Eu já estava a par da última missão e das informações que eles obtiveram sobre Orochimaru e o garoto Uchiha.

— Quem é ele? — Olhei pra Kakashi e percebi que ele estava tão ou mais curioso do que eu.

— Nessa missão ele se chamará Yamato. — Respondeu. — Mas vocês irão reconhecê-lo. — Logo a porta do quarto foi aberta e Tsunade entra, juntamente com um homem e Shizune atrás de si.

— Então era sobre esse Yamato que estavam falando? — O homem logo foi reconhecido por nós. — Quanto tempo, ein?!

— Vou usar Yamato como codinome nessa missão. — Respondeu. — É bom revê-los, principalmente você, . — Sorri para o homem, vendo Kakashi revirar os olhos.

— Kakashi, já que ele vai comandar sua equipe, explique para Yamato com o que ele vai lidar. — Ordenou Tsunade, ignorando o momento reencontro.

— O que podemos dizer, é o motivo principal dele ser escolhido como substituto do Kakashi. — Disse Jiraiya

— É sobre o Naruto, não é? — Respondeu ele.

— Exatamente. — Concordou Kakashi. — Você sabe que ele tem o espírito da Kyuubi selado dentro dele. — Yamato concorda.

— Haverá vezes em que o chakra vazará do corpo do Naruto e assumirá a forma do espírito da Kyuubi. — Jiraiya seguiu. — Nós temos nos referimos a isso como manto das nove caudas.

— Manto das nove caudas? — Perguntou Yamato, tão surpreso quanto eu. — Como é isso? Com que frequência isso costuma acontecer?

— Aconteceu na última missão. — Kakashi começou a explicar, atraindo ainda mais minha atenção. — Quando as emoções o dominam, o chakra da Kyuubi começa a aparecer e cobre seu corpo, revelando o manto das nove caudas. — Eu definitivamente estava completamente assustada com aquilo, mas entendi o porquê do Yamato ter sido designado para isso. — Eu consegui suprimir o chakra antes da segunda cauda aparecer com o selo que o Mestre Jiraiya me deu. — Suspirou fortemente antes de continuar. — Se eu não tivesse interrompido, sabe-se lá o que poderia ter acontecido.

— Eu entendo. — Olhei para Jiraiya espantada, como assim ele entendia? — É como eu temia.

— A julgar pela forma como o chakra estava formando, a quantidade de caudas vai crescer. — Prosseguiu Kakashi. — E cedo ou tarde serão nove.

— Isso resume tudo. — Eu pensava que não conseguiria me surpreender mais até ouvir a última frase de Jiraiya.

— Como assim? Pelo amor de Deus, Jiraiya. — Gritei, desesperada. — Quantas caudas você viu?

— Em todos os meus anos de vida, eu cheguei perto da morte duas vezes. — Ele falou enquanto tirava o casaco. — A primeira eu quebrei seis costelas, ambos os braços e rompi um punhado de órgãos internos. Isso foi quando eu fui pego fazendo pesquisa em uma pousada termal e a Tsunade me bateu como em um tambor. — Eu estava completamente impressionada e ao olhar para Tsunade percebia o mínimo de arrependimento em seu rosto. Ela finalmente tirou sua blusa e pude ver a grande cicatriz em seu peito. — A segunda vez foi quando estava treinando com o Naruto e a quarta cauda apareceu.

— O que é isso? — Eu estava simplesmente abismada, aquela cicatriz era enorme, ele teve realmente sorte em não ter morrido.

— O número de caudas aumenta de acordo com a raiva dele. — Continuou. — Isso a torna um gatilho. Ele conseguiu manter a consciência até a terceira cauda, depois da quarta cauda sua mente foi dominada, tudo que restou foi uma fome de destruição. Ele parecia uma versão pequena da Kyuubi.

— Ele chegou a tanto? — Perguntou Kakashi. — Mesmo com o selo do quarto Hokage?

— Não sei o que está causando isso, mas uma coisa é certa. — Prosseguiu. — A fórmula de selamento parece está enfraquecendo.

— O jutsu de selamento? — Perguntei sem acreditar.

— Difícil de acreditar. — Sabia que Kakashi estava pensando o mesmo que eu.

— Tem mais. — Jiraiya continuou. — Quando o Naruto está envolto no chakra da Kyuubi, eu sei que parece que ele está sendo protegido, mas a verdade é que seu corpo está sendo prejudicado por esse chakra. — Fez uma pausa e suspirou. — Quando a quarta cauda apareceu, seu corpo sofreu vários ferimentos, ele perdeu o controle e ficou coberto de sangue.

— Isso é horrível. — A muito tempo eu não me sentia daquela forma, meus olhos queriam simplesmente derramar todas as lágrimas possíveis.

— Assim que o manto desapareceu o chakra interior da Kyuubi começou a curar o corpo do Naruto. — Aquilo conseguiu me aliviar um pouco. — Mas se ele continuar nesse ritmo de danos notórios e rápidas recuperações, seu corpo pagará por isso e seu tempo de vida diminuirá consideravelmente.

— É por isso que precisamos de você pra essa missão, Yamato. — Tsunade disse, olhando diretamente para ele. — Afinal você carrega o DNA do primeiro Hokage em seu sangue.

— Você é o único que tem a habilidade de controlar o Jinchuuriki agora, está no seu sangue — Complementou Jiraiya. — Por sorte o Naruto também usa o colar do primeiro Hokage. Estamos contando com você.

— Tudo bem. Eu vou indo, eles devem está me esperando. — Dizendo isso, ele saiu do quarto, nos deixando sozinhos.

— Senhora? — Chamei, vendo Tsunade me olhar. — Deveria me mandar com eles.

— O que? — Kakashi perguntou, espantado, enquanto a Hokage ainda me observava atentamente.

— Eu sei a Sakura deve ser excelente, afinal ela foi treinada por você — Prossegui com a minha ideia. —, mas se o Naruto realmente fica da forma que o mestre Jiraiya disse, acho que uma médica ninja mais experiente pode ajudar melhor.

— Não se preocupe. — O sorriso que ela me deu foi tão sincero que eu me senti mal por não conseguir me tranquilizar. — Tudo o que ela fizer será o suficiente.

— Mas senhora…

— Tsunade tem razão, . — Me assustei ao ouvir Jiraiya sério. — Nada do que você fizer fará muita diferença. Não fique tão assustada. — Tentou me acalmar. — Vai ficar tudo bem, Yamato vai pará-lo antes de tudo.

— Bom, eu vou indo também. — Tsunade disse se retirando do quarto.

— Mestre Jiraiya. — Interrompi ao ver que o homem também iria sair. — Acha que tudo vai ficar bem mesmo?

— Eu espero que sim, meu bem. — Disse, logo saindo e me deixando sozinha com Kakashi.

— Você deveria se acalmar. — Ele ia se levantando, mas logo reclamou de dor me fazendo ir ajudá-lo. — Eu odeio isso.

— Acho que quem tem que se acalmar é você. — Disse seriamente, ainda vendo o homem fazer careta ao sentir mais uma pontada de dor. — Você precisa descansar.

— Eu tô cansado de descansar. — Reclamou, deitando-se na cama.

— Você prefere ler esses livros idiotas? — Perguntei seriamente vendo seu olhar ir em direção a duas edições de “Jardim dos Amassos”. — Não vou me incomodar, mas eu realmente ficarei ofendida com isso.

— Se for pra você ficar flertando comigo, é bom me avisar antes. — Seu suspiro demonstrou sua total frustração. — Porque eu realmente preciso me preparar pra essa conversa.

— Você quer mesmo falar sobre isso? — Não achava que aquele seria um bom momento, mas não iria me opor. — Eu pensei que estava tudo resolvido.

— E estava, você foi embora e eu superei. — Tava escrito na cara dele que ele não tinha superado nada. — A gente terminou e eu continuei minha vida, mas aí você aparece de novo cheia de gracinha na frente das pessoas e faz minha cabeça piorar de vez.

— Essa nunca foi minha intenção. — Eu me sentia mal por despertar aquilo nele.

— Eu sei que não. — Ele olhou diretamente para mim e meu coração acelerou. — Mas eu tenho que saber, o que você espera dessa vez?

— Bom, eu… — Sua pergunta me pegou desprevenida e definitivamente me deixou sem saber o que falar. — Eu voltei, de vez agora.

— O que? — Ele perguntou surpreso.

— Minha missão foi passada para outra pessoa. — Não queria continuar a conversa porque eu sei onde exatamente aquilo iria chegar.

— Eu sei o que você está pensando — suspirou. — Eu desisti de perguntar sobre essa missão para você.

— Talvez em breve você irá saber. — Sorri pra ele.

— Então você voltou mesmo agora? — Perguntou curioso.

— Gostou disso? Eu posso sumir de novo. — Respondi feliz ao ver que ele sorria.

— Sabe que nada vai voltar a ser como era antes, não sabe? — Disse ele, voltando a expressão cansada.

— Eu parti o seu coração, Kakashi. — Conclui, vendo que ele não me olhava mais. — E parti o meu também, eu sabia desde o início que nada seria como era antes, mas independente de tudo, nós ainda conhecemos um ao outro mais do que qualquer pessoa nessa vila. — Sorri.

— Somos amigos, afinal. — Vi que por debaixo da máscara ele sorria. — E agora que você voltou, como vai fazer com o Naruto? Vai contar a verdade?

— Minato não queria ele envolvido com o nome do quarto Hokage, ele protegeu e amou esse garoto mais que tudo nessa vida. — Lembrar do meu irmão me trazia tantas lembranças. — Eu me sinto tão mal. O que esse menino deve ter passado não é brincadeira.

— Talvez você deva tentar conhecê-lo. — Ele continuou. — Naruto é um idiota, mas é muito gentil e corajoso. Ele sempre está disposto a fazer tudo por um amigo, como ele fez pelo Gaara, o Kazekage da aldeia da areia.

— Ele se parece muito com Minato. — Comentei, lembrando da imagem do garoto. — Mas o jeito abusado definitivamente é da Kushina. E ele até me lembra o Obito, sabe.

— Os dois eram verdadeiros idiotas. — Gargalhei ao ouvir sua última frase, concordando fielmente com ela.

— Eu só espero que ele fique bem.

 

Nota da autora: Essa quarentena me deu um surto e me fez terminar de assistir Naruto Shippuden, mas dessa vez criando vergonha na cara e ver tudo já que eu parei na quarta guerra ninja e nunca terminei HAHAHA Mas aí eu terminei e veio um lapso com o meu personagem favorito desde o início do clássico. Kakashi sempre foi o meu amor do seriado, e depois que a gente sabe a história se torna mais especial ainda, ele é tipo Itachi, ou seja, ninguém consegue odiar. Espero que tenham gostado desse primeiro capítulo, se quiserem deixar um comentariozinho eu ficarei bem feliz, Beijinhos <3
Ps.: Quem quiser participar do grupo do face: https://www.facebook.com/groups/251989976129613
REDES SOCIAIS AUTORA
Facebook: https://www.facebook.com/mandy.poynter.1
Instagram: https://www.instagram.com/mandyalmeida28
Outras Fanfics:
https://focusfanfiction.com/fanfics/esportes/mi-vida/ – Mi Vida (Jogador de Futebol – Marco Asensio/Finalizada)

 

CAPÍTULO 2
Eu via enfermeiras entrarem no quarto de Kakashi durante todo o dia, mesmo eu estando sempre ali, às vezes minha presença era simplesmente ignorada, principalmente pela que estava nesse momento examinando-o. Ela passava e conversava com o homem como se ele estivesse completamente sozinho e isso me irritava completamente. Eu realmente não entendia o porquê de Tsunade ter me colocado ali se ninguém ligava, principalmente aquela moça.

— Por enquanto ainda terá que se alimentar somente de líquidos, tudo bem? — Revirei os olhos ao vê-la sorrindo pro homem na cama.

— Eu entendo. — Respondeu Kakashi logo vendo a mulher se retirar.

Eu realmente estava um pouco cansada, não conseguia dormir direito nos últimos dias e isso estava claro nas olheiras que tomavam conta do meu rosto. Desde que eu voltara não fazia outra coisa senão pensar em tudo; em Naruto e seu problema com o controle da Kyuubi, com meu relacionamento com Kakashi, com a Akatsuki e seus planos e, como se não bastasse, eu tenho pensado muito no meu irmão nos últimos dias, e isso me trazia uma tristeza enorme. Abri a bolsa que eu havia trago nesta manhã e tirei uma maçã de lá.

— Você é realmente uma pessoa horrível. — Ouvi a voz de Kakashi depois de morder a fruta que eu segurava.

— Qual o problema? — Perguntei sem entender.

— A enfermeira acabou de falar que só posso me alimentar de líquidos e a primeira coisa que você faz é comer na minha frente. — Gargalhei com sua última fala, definitivamente eu não tinha feito aquilo de propósito. Peguei minha bolsa e tirei outra maçã de lá e ofereci para o homem. — Você é surda?

— Não. — Respondi prontamente.

— Não ouviu que não posso comer? — Sorri abertamente para ele, o deixando confusa.

— Eu sou uma médica ninja treinada pela própria Godaime*, então ficarei bastante ofendida se você achar que eu estou tentando te matar. — Se ele realmente quisesse entrar nessa briga ele iria se arrepender.

— Você é muito dramática. — Ele rapidamente pegou a maçã que eu oferecia, abaixou a máscara e começou a comer. Eu poderia me chatear como fosse, mas aquele homem era um colírio para os meus olhos.

— Por que tá me olhando assim? — Ele perguntou após comer e voltar a colocar a máscara.

— Não é nada demais. — Respondi rapidamente.

— Não é nada demais? — Questionou. — Essa é a desculpa?

— Sabe, Kakashi, você continua um saco. — Tentei mudar de assunto.

— Você não vai mesmo me dizer não é? — Kakashi não era de insistir, então aquilo não me surpreendeu nem um pouco.

— Você é tão bonito, sabia? — As cantadas baratas sempre quebravam o clima sério e ele sabia disso.

— Você é muito aleatória. — Respondeu prontamente.

— É só que… — Eu estava curiosa sobre o assunto. — Os garotos já te viram sem essa máscara?

— Nunca. — A resposta veio rápido, mas não me surpreendeu.

— Típico. — Eu já sabia que a resposta seria essa. — Você é um colírio sem ela, mas tenho que admitir que ela te deixa mais…

— Mais o que? — Perguntou ao ver que eu tinha parado no meio da frase.

— Mais sexy. — Resolvi jogar tudo pro alto e ao vê-lo quase vermelho me deu uma grande satisfação.

— Você vai mesmo flertar comigo? — Questionou, fazendo com que eu ficasse envergonhada.

— Vai funcionar? — Tentei entrar na pilha e deixar a vergonha de lado, mas eu sentia a quentura se apossar de meu rosto.

— Na verdade sim. — O choque foi realmente grande, ou ele estava gostando realmente da situação ou só queria me matar naquele momento. — Você só tem que falar o que quer.

— Você gosta de me constranger, não é mesmo? — Perguntei já sabendo da resposta.

— Você que começou. — Acusou ele.

— Arg, eu odeio você. — Vi homem gargalhar e revirei os olhos saindo dali como uma criança que faz birra, ainda ouvindo a risada alta do homem.

Não estava realmente agindo infantilmente de propósito, na verdade eu precisava de um tempo para respirar e colocar minhas ideias no lugar. Os sentimentos estavam vindo de uma vez e meu coração apertava ao lembrar de cada coisa que me atormentava. A Akatsuki estava começando sua missão e não tínhamos muito com o que trabalhar, não sabíamos muito a respeito, somente alguns integrantes como o garoto Itachi Uchiha que ainda bem novo conseguiu aniquilar todo o seu clã e que era considerado um prodígio e definitivamente era, fora a grandeza do seu Sharingan, um dos maiores poderes oculares que já havia visto na vida. Temos também seu parceiro Kisame Hoshigaki, um dos Sete Espadachins da Névoa de Kirigakure*, não se pôde ver a extensão do seu poder, mas definitivamente era tão ou até mesmo mais grandioso do que Itachi.

? — Eu estava completamente absorta em meus pensamentos que nem havia percebido as pessoas em minha frente. — Você está de volta então.

— Ei, Gai como vai? — Sorri ao reconhecer o homem.

— Quanto tempo, não é mesmo? — Ele abriu seu grande e brilhante sorriso me fazendo sorrir junto.

— Bastante. — Ele verdadeiramente não tinha mudado nada, continuava o mesmo de sempre.

— Você está ótima. — Sorri ao ver a timidez encontrar seu rosto. Olhei para as outras pessoas que estavam do seu lado e percebi que eles prestavam atentamente atenção na conversa.

— Presumo que esses sejam seus alunos. — Os três logo voltaram seus olhares para mim.

— Ah, sim, esse é o Lee. — Apontou pro garoto que era simplesmente uma réplica sua mais nova. — Essa é a Tenten.

— É um prazer conhecê-los. — Voltei meu olhar para o único garoto que não fora me apresentado. Eu tinha certeza que já havia visto ele em algum lugar.

— Esse é o Neji Hyuuga. — Me aproximei do rapaz e olhei fixamente em seus olhos, vendo-o logo ficar vermelho.

— Algum problema? — A garota Tenten perguntou, ela definitivamente me mataria com o olhar se pudesse.

— Me desculpe, mas são belos olhos. — Me virei para a garota vendo o ciúme estampado em seu rosto. — Não acha?

— Está falando do Byakugan? — Perguntou o outro garoto, Lee, curioso.

— Definitivamente, é um poder incrível, não é mesmo? — Olhei para o Hyuuga esperando sua resposta, mas ainda encontrei o constrangimento estampado em seu rosto. — Me diga Neji, você não é mais um Chunin, né?

— Neji já é um Jounin. — Prontamente Gai respondeu, achando graça da situação.

— Uau, era o que eu esperava do filho do Hizashi. — O espanto na sua cara ao ver que eu sabia sobre o seu pai foi engraçado.

— Conheceu meu pai? — Apesar de ainda se mostrar envergonhado estava curioso.

— O clã Hyuuga é bem conhecido. — Me afastei do garoto para fazê-lo se acalmar.

— Ora ora , deixe o garoto em paz. — Gai disse ainda sorrindo.

— Me desculpe Neji. — Pedi ao ver que finalmente a cor vermelha sumia de suas bochechas.

— Então quer dizer que veio pra ficar dessa vez? — Perguntou o mais velho.

— Dessa vez sim. — Respondi sorrindo abertamente para o mesmo.

— Então o que acha de sair qualquer dia desses para, sei lá, comer um dango e beber um Shochu? — Aquilo definitivamente tinha me pegado de surpresa, mas eu não esperava outra coisa dele.

— Claro, porque não? — A expressão chocada de Gai me fez querer gargalhar no mesmo instante, mas me segurei.

— Tá falando sério? — Olhei para os outros três que estavam com a mesma expressão surpresa de Gai.

— Moça, tem certeza disso? — Foi a vez de Neji falar.

— Você não vai se arrepender! — Gritou por último Lee me assustando. — Gai sensei é o cara mais legal dessa aldeia!

— Eu não tenho dúvida, Lee. — Não queria constranger o garoto e muito menos Gai, então somente concordei com ele. — Eu preciso ir agora, nos falamos depois Gai. — Sorri para o homem que ainda permanecia parado e com a mesma expressão. — Foi um prazer conhecê-los Tenten, Lee e claro, você, Neji.

Sai dali gargalhando ao ver, novamente, a expressão raivosa no rosto da garota. Estava tão na cara que ela gostava do menino Hyuuga que eu não conseguia evitar fazer gracinhas. É claro que eu não queria nada romântico, pelo amor de deus, ele era só um garoto e definitivamente não esperava que ela teria tanta raiva assim, o que tornou tudo ainda mais engraçado. Aquele encontro tinha melhorado meu humor por completo, encontrar velhos amigos era sempre bom, mas reencontrar amigos como Gai era sem comparação. O homem era o ser humano mais extrovertido que eu já havia visto em toda minha vida, só de olhá-lo já tínhamos vontade de gargalhar. Voltei a andar perdendo-os de vista logo e procurei ao redor a pessoa na qual eu saíra do hospital querendo encontrar, ele não deveria estar tão longe e logo mais avistei seguindo exatamente em minha direção.

— Do que estava rindo? — Perguntou Jiraiya ao parar em minha frente.

— Nada demais. — Comecei a andar vendo o homem logo me acompanhar. — Você é exatamente quem eu estava querendo encontrar, velhote.

— Bom, então vamos ali para conversarmos melhor. — E ele apontou para um pequeno bar ali perto e segurou em meu braço, fazendo-me acompanha-lo. Sentamos em uma mesinha e logo um homem veio nos atender. — Uma garrafa de saquê por favor.

— Vai beber uma garrafa inteira? — Perguntei espantada com seu pedido.

— Você está comigo. — O grande sorriso que ele abriu foi realmente tentador, porém não tinha a menor condição daquilo acontecer.

— Eu não vou beber cedo assim. — Repreendi. — Quem você acha que eu sou? Tsunade? — Acusei me referindo a Hokage que com toda certeza nunca negaria aquilo.

— Não seja tão chata. — Começou enchendo dois copos após o garçom trazer as bebidas. — Só uma garrafa não vai fazer mal nenhum, não vamos encher a cara até cair.

— Você é mesmo irritante. — Peguei o copo que ele me oferecia e bebi em um gole só. Senti a bebida passando reto e queimando minha garganta, logo fazendo-me abrir uma careta em resposta.

— Você anda muito fraca. — Ele encheu meu copo novamente e eu rolei os olhos com sua insistência em me embebedar. — Mas vamos ao assunto que nos trouxe aqui, fale o que você quer.

— Eu estava pensando na missão da equipe Kakashi. — Comecei. — Você conhece o Naruto melhor do que qualquer um, o que acha que vai sair disso?

— Eu não sei, na verdade. — Ele abaixou a cabeça pensativo.

— Acha que o Naruto seria páreo para o Orochimaru? — Eu sabia do que aquele homem era capaz, ele era um dos três lendários Sanins afinal. — Ou o próprio Sasuke?

— Se o garoto Uchiha fosse tão bom quanto seu irmão, Naruto teria mesmo que treinar bastante para, pelo menos, se igualar a força dele.

— Eu não sei, de verdade. — Suspirei e logo o ouvi continuar. — Mas Naruto é um garoto de outro mundo, esse rapaz moveria céus para salvar Sasuke das mãos de Orochimaru.

— O que acha de aperfeiçoar o Rasengan? — Perguntei esperançosa. — Sei que o senhor o ajudou a melhorá-lo, mas o que acha de aperfeiçoar a técnica que até mesmo o Yondaime* não conseguiu?

— Bom, eu… — Sua falta de palavras só deixava uma coisa clara: ele achava que Naruto não conseguiria.

— Acha que ele não vai conseguir? — Perguntei desapontada.

— Na verdade achei uma ótima ideia. — Ouvi aquilo me surpreendeu, eu realmente esperava uma resposta negativa. — Aquele garoto pode não ser um gênio, mas ele tem coragem e muita força de vontade, acredito que ele possa vir a ser maior do que Minato. — Aquilo me deixou surpresa.

— Maior que ele? — Eu estava simplesmente impressionada. Eu sabia que Jiraiya tinha total confiança no Naruto, mas ao ponto de compará-lo ao seu pupilo favorito, isso realmente me deixava sem palavras.

— Definitivamente. — Seus olhos demonstravam a verdade nas palavras que ele dizia. — Naruto tem o sonho de virar Hokage, sabia? — Logo meus olhos se encheram de lágrimas. — Ele tem o mesmo sonho do pai. — Saber que ele prosseguiria os planos dos pais e possuía o mesmo sonho que eles me fez querer chorar na mesma hora. — Ora, não chore, isso só mostra o quanto ele é esforçado e fará tudo que é possível para realizar seu sonho, assim como Minato fez.

— Quem diria que ele iria parecer tanto com os dois, não é mesmo? — respirei profundamente segurando o choro. — Mas voltando ao assunto, acha que devemos?

— Tenho certeza que vocês irão conseguir. — Alivie-me ao ver o grande sorriso em seu rosto.

— Vocês? Não vai ajudar? — Perguntei, afinal de contas além de Kakashi ele seria o que mais conhece as habilidades de Naruto.

— Você e o Kakashi serão o suficiente pra isso. Eu preciso resolver outras coisas agora. — Eu sabia do que ele estava falando e o medo se apossou de mim.

— Velhote, você não vai….

— Vai ficar tudo bem, relaxa, tá bom? — Nada me despreocuparia naquele momento, eu sabia o que ele iria fazer e sabia o quão perigoso poderia ser, afinal de contas aquela era a minha missão.

— Não é qualquer coisa velhote, a Akatsuki é uma organização criminosa de maior nível. — Eu sabia que cedo ou tarde alguém seria designado para aquilo, mas saber que seria ele deixava tudo ainda mais tenso.

— Que tal voltarmos ao assunto principal? — Ele queria encerrar o assunto e eu não queria pensar na possibilidade dele enfrentando alguém da Akatsuki sozinho, então preferi aceitar sua vontade.

— Tem outra coisa que eu queria saber uma opinião.

— O que é? — Perguntou ele bastante curioso.

— O que acha do garoto mandado para ir com ele? — Aquele assunto estava martelando na minha cabeça desde o dia que Tsunade me falou. — Sabe que eu não tenho um pingo de confiança naquele Danzo e o mataria se me fosse permitido.

— Você é muito paranóica. — Eu sabia que ele também possuía as mesmas preocupações que eu, mas preferia fingir que não.

— Ele é um garoto da fundação Ambu, criada pelo próprio Danzo, aquele mesmo filho da mãe que era contra o regimento do Sandaime*. — Bradei com ele. — Você lembra que ele era completamente contra o meu irmão também né?

— Você não deve se preocupar com isso. — Falou sério. — Se aquele tal de Sai der bola fora, eu tenho certeza que o próprio Naruto cuidará disso.

— Eu espero que sim.

Eu nunca pensei que me cansaria daquele hospital, mas era o sentimento que me preenchia naquele momento. Eu havia chegado a algumas horas e contado tudo o que eu conversara com Jiraiya e ele concordou plenamente comigo, desde o treinamento até minhas desconfianças com o tal Sai. Naquele momento o tédio me dominava, a dor de cabeça devido aos copos de saquê que eu tinha bebido mais cedo já faziam um efeito monstruoso e Kakashi descansava serenamente em seu lugar preenchendo ainda mais o tédio no qual eu me encontrava.

— Porque está tão pensativa? — Ouvir sua voz me despertou quase que imediatamente.

— Pensei que estivesse dormindo. — Olhei para o homem, vendo-o bocejar e esticar-se.

— Eu estava, mas senti um cheiro forte de queimado e imaginei que você estaria pensando. — A piada foi sem graça, mas eu amava seu senso de humor, era admirável ver o quanto ele tinha mudado então não conseguir não rir.

— Tenho novidades. — Resolvi começar um papo antes que ele desistisse e voltasse a dormir.

— E quais seriam? — Sua cara desinteressada me fez revirar os olhos, ele era um saco quando queria.

— Fui convidada para um encontro. — A cara dele foi definitivamente impagável, ele se engasgou com a própria saliva e tossiu sem parar, me fazendo gargalhar. — É demais mesmo, não é? Comer de graça com boa companhia.

— E quem seria o felizardo? — De repente o vi completamente interessado, nem parecia o mesmo homem de um minuto atrás.

— Gai. — A resposta fez o homem arregalar completamente seus olhos, definitivamente ele não estava preparado para aquela resposta. — Você parece surpreso.

— Você aceitou? — Ele ignorou completamente minha última fala e focou em somente o que lhe interessava.

— Claro, por que negaria? — Minha afirmativa aumentou ainda mais a surpresa em seu rosto e eu poderia jurar que havia uma pontada de raiva. — Parece que alguém não ficou muito feliz. — Estava brincando com fogo e eu sabia disso.

— Do que está falando? — Definitivamente naquele momento eu entendia a expressão “cutucar a onça com vara curta” porque era o que eu tinha feito. — Você tem o direito de sair com quem quiser.

— Eu sei disso. — Eu comecei a ficar com pena, ele nunca admitiria que estava com ciúmes.

— Sabe que você é dona do próprio umbigo e que eu nunca te impediria de fazer o que quer que fosse. — Sua expressão mudou drasticamente e aquilo acabou comigo. — Apesar de não parecer, eu só quero coisas boas pra você, só quero que você seja feliz, com quem quer que seja.

— Kakashi, eu magoei você e eu tenho a plena convicção disso, mas eu não quero que se repita de novo. — Eu teria que abrir meu coração para ele uma hora ou outra. — Temos que ser sinceros aqui, nada vai ser como era. Fomos amigos antes de tudo acontecer e continuaremos sendo até o fim. — A sinceridade nas minhas palavras era explícita. — Porque temos muita história pra se perder assim tão fácil, não é mesmo?

— Você foi a pessoa que me tirou do fundo do poço em que eu me enfiei. — Aquela conversa definitivamente havia criado rumos que eu não gostaria.

— E você foi a minha luz no fim do túnel. — As lágrimas já caiam e molhavam o meu rosto. — A luz que eu pensava que tinha se apagado para sempre com a morte do meu irmão. Você foi tudo pra mim, foi minha fortaleza e eu ainda tive a audácia e a indelicadeza de quebrar seu coração que eu mesma tinha ajudado a consertar, eu espero do fundo do meu coração que algum dia você possa me perdoar.

— Não precisa de tudo isso. — Ele tentou sentar na cama, mas logo resmungou com a dor que sentiu com o movimento. — Você sabe que tudo está no passado. As coisas evoluem e a gente aprende com tudo o que passou, como isso. — Ele segurou meu pulso enfaixado. — Sempre teremos lembranças que achamos que merecemos lembrar, mas no fundo é só um aprendizado do que a gente viveu. Eu já te perdoei a muito tempo atrás.

— Você evoluiu tanto que me dá ainda mais vontade de fazer parte da sua vida. — Entrelacei suas mãos quentes com as minhas. — É tão bom ver isso, essa evolução é completamente louvável e eu fico tão orgulhosa de você e também muito grata por ter dado esses ensinamentos ao Naruto. Você e o Jiraiya-Sama* são as melhores pessoas que apareceram na vida dele.

— Na verdade, o Naruto mais nos ensina do que aprende conosco. — Nada me deixou mais feliz do que aquela resposta. — Nunca vi um garoto tão nobre, corajoso e gentil como ele.

— Sabe, talvez ele seja a prova viva de como podemos aprender com o passado. — Ele me puxou pelo braço e me fez sentar em sua cama e, de um jeito desengonçado, me abraçando fazendo com que eu deitasse em seu tronco. Não me lembro quanto tempo se passara, porque aquilo era o que eu mais sentia falta no mundo.

— Acho que isso foi o que mais eu senti falta. — Ele sussurrou em meu ouvido ainda no abraço, me fazendo arrepiar por inteira. — Eu tô feliz que você não precise mais ir embora.

— Eu tô feliz por não precisar mais ir embora. — O abracei mais forte sentindo ainda mais seu cheiro.

Fechei meus olhos automaticamente. Eu estava completamente esgotada física e psicologicamente e estar ali daquela forma tão íntima, como a muito tempo não ficava, era um convite ao meu cansaço. Eu me lembro apenas de sentir os lábios de Kakashi em um beijo suave em meus cabelos e simplesmente apagar.

Abri meus olhos aos poucos e senti a claridade arder-los, fechei e abri novamente me acostumando com a forte luz. Virei a cabeça e vi Kakashi acordado com um sorriso sapeca nos lábios e apontando para o outro lado. Quando me virei para ver, Jiraiya nos encarava com um sorriso sacana nos lábios.

— Você não tem a mínima vergonha não? — Perguntou ainda sorrindo. — O homem está hospitalizado, , pelo amor de deus.

— Do que você está falando? — Eu ainda estava atordoada e não conseguia entender.

— Espero que não tenha rolado nada demais aqui. — Aquele maldito sorriso não saia de seu rosto e logo entendi do que ele falava.

— O que? — Gritei desesperada logo me levantando da cama. — Que tipo de pessoa você acha que eu sou?

— Prefiro não comentar nada. — Respondeu ele prontamente.

— Afinal o que você tá fazendo aqui, velhote? — Tentei mudar logo de assunto.

— Então vamos direto ao ponto? — Percebi em seu olhar o quanto ele estava achando graça daquele momento constrangedor. — Então tudo bem.

— Nos diga, Jiraiya-Sama, o que o trouxe aqui? — Perguntou Kakashi, tentando me ajudar.

— Bom, a sua equipe voltou. — Era realmente um alívio saber que eles já estavam de volta. — Eles lutaram com o Sasuke.

— Eles o que?

*Godaime, Yondaime, Sandaime: Durante o anime legendado, esses termos são usados para se referir ao Hokage, é muito difícil eles usarem “Godaime Hokage” por exemplo, eles usam simplesmente o “Godaime” que dublado queria como “Quinto Hokage”. Shodaime – Primeiro Hokage; Nindaime – Segundo Hokage; Sandaime – Terceiro Hokage; Yondaime – Quarto Hokag; Godaime – Quinto Hokage. Os usados aqui se referiam a Tsunade que é a Godaime, Minato que é o Yondaime e Hiruzen Sarutobi que é o Sandaime.
*Kirigakure: É a “Vila Oculta da Névoa” ou a “Aldeia da Névoa”. Quando for referir as aldeias, aqui será sempre seus nomes originais, porque acho mais dinâmico, principalmente porque a maior parte do Shippuden é legendado.
*Sufixo Sama: É um título honoríficos japonês e é utilizado para se referir à pessoas importantes ou à alguém que se admira e respeita muito. Nesse caso, traduzindo seria algo como “Senhor Jiraiya” ou “Mestre Jiraiy”.

Nota da autora: Oi migaas, olha eu de novo. Espero que esteja gostando da história o tanto que eu estou gostando de escrever. Esse capítulo foi uma limpeza de sentimentos, cada um se abriu verdadeiramente com o outro e ficaram em pratos limpos. Fomos introduzidos ao time 9, um dos meus times favoritos que amo de paixão, amo Rock Lee desde que ele limpou o pé na cara do Sasuke e o Gai nem se fala, o homem é um ícone hahaha. Espero que vocês tenham gostado, nos próximos capítulos serão inseridos mais alguns personagens, como outra equipe que eu amo do fundo da minha alma que é o time 10. Enquanto isso comentem o que acharam, e queria pedir outra coisa também, quais outros personagens vocês gostariam de uma shortfic? Eu tenho planejado uma do Itachi, mas que outros personagens vocês amam e gostariam de ver? Um beijão pra todas e obrigada mais uma vez <3
Ps.: Quem quiser entrar no grupo vou deixar o link aí hahahah eu posto uns spoilerzinhos lá de vez em quando tá 😀 Histórias da Mandy