Ainda Existe Amor Em Nós?

Ainda Existe Amor Em Nós?

Sinopse: Eles era o casal mais amável e incrível que o mundo já sonhou, o romance estava estampado no olhar dos dois, até que um dia o relaciona teve que chegar ao fim. Será que esse realmente será o fim desse casal?
Gênero: Drama, romance.
Classificação: 10 anos.
Restrição: Foi escrita originalmente com Tom Holland, então terá características físicas dele.
Beta: Thomasin.

 

Prólogo

É oficial. Depois de quase dois anos de namoro, o casal mais shippado chega ao seu fim. (22) e (24) não estão mais juntos. Não houve briga, não houve desentendimento, foi uma separação amigável. está ocupada resolvendo algumas pendências tanto da sua vida pessoal quanto profissional e acabou tendo que romper com o ator. Se é definitivo, não sabemos, nem eles. Tanto quanto , estão tristes e pediram respeito dos fãs. A morena nesse momento está voltando para o Brasil para cumprir os últimos shows da turnê Always Believe e deve usar esse tempo para se distrair, afinal nada melhor do que voltar para casa, não é? , por sua vez, sabe que deu seu melhor. “Tentei ser o melhor homem que ela já teve. Fomos muito felizes realmente e ela sempre irá estar em meu coração. Eu e minha família temos um carinho especial por ela.“ Disse ele numa entrevista para James no seu programa ontem. Será que nosso casal um dia irá voltar?

1

— Como você está?
— Bem, na medida do possível — falei, suspirando e olhando para o céu.
… — Ela me chamou. — Eu te conheço desde que tínhamos sete anos.
— É complicado. Realmente pensei que iria dar certo.
— Amiga… — Abraçou-me forte. — O futuro de vocês será brilhante e juntos. Pode ter certeza.
— Quem garante que o nosso futuro é ficarmos juntos, ? — Viro-me para ela com os olhos lacrimejando.
— Vocês se amam. — Limpou algumas lágrimas que caíam. — Com certeza Ele dará um jeito de vocês ficarem juntos novamente, mas é tudo no Seu tempo, amiga.
— E o que eu faço enquanto esse tempo não chega?
— A única coisa que os cantores sabem fazer: escrever música. — Soltei uma risada fraca. — Viu? Já consegui tirar um riso.
— Obrigada por tudo. — Abracei-a novamente. — Te amo demais, .
— Também te amo, . — Suspirou se soltando. — Vem. Vamos fazer o que todas as meninas fazem quando estão com o coração partido.

Meu namoro com o era maravilhoso até a minha turnê mundial começar. Fazendo com que ficássemos ficar sem nos ver. Fazendo-me ficar agora vendo filme romântico, entupindo-me de brigadeiro e sorvete com minha melhor amiga. Ela sempre esteve comigo nos meus momentos bons e ruins, então essa cena era mais comum do que imaginamos.

— Muito bonito. — A figura da minha agente e também amiga apareceu encostada na porta. — Venho ver se você está bem e te encontro me traindo?
— Você sabe que vou estar sempre na frente de você né, ? — disse brincando.
— Tem espaço para todo mundo. — Arrasto-me para o lado.

Eu estava me arrumando para mais uma premiação. Era uma das mais importantes de toda minha carreira. Além de concorrer teria uma apresentação também. Acho que já conseguiram notar o tamanho do nervoso que estou sentindo, certo?

? Está pronta? — A minha empresária perguntou se escorando na porta do quarto. — Você está linda.
— Obrigada. — Sorri nervosa. — Tem certeza de que não posso usar meus vans?
— Nem pensar. Está bem melhor assim. — Riu negando com a cabeça. — Vamos?

A minha categoria era a próxima. O nervosismo estava presente em todos que me cercavam. Segurei uma mão de e a outra de apertando forte quando vi os apresentadores entrando.

— Boa noite a todos. — Eles falaram juntos. — Por mais que todos já tenham dito, obrigada por estarem aqui.
— Esse prêmio que vamos apresentar agora — Zendaya continuou a apresentação — tem pessoas maravilhosas concorrendo. Posso dizer que votei até meus dedos caírem.
— Tenho que concordar. — O menino que estava do lado dela a interrompeu. — Em todas as pausas entre as gravações, ela estava lá com celular na mão e recebendo bronca dos diretores — disse fazendo a plateia rir. — E as indicadas para o prêmio de Melhor Artista Feminina Brasileira são:

“Anitta, AnaVitoria e

— E a vencedora dessa categoria é… — abriu o envelope mostrando para Zendaya que abriu sorriso gigantesco.
— gritou comemorando.

Levantei-me trêmula da cadeira recebendo os abraços de minhas amigas, minha mãe, cumprimentando todos que estavam em minha frente durante o caminho até o palco.

— Você merece amiga — Zen disse no meu ouvido durante o abraço que havia me dado. — Merece muito.
— Obrigada, morena. — Sorri cumprimentando seu amigo. — Bom, queria agradecer primeiramente a Deus por abençoar cada vez mais a minha carreira. Queria dizer as minhas amigas que estavam concorrendo esse prêmio comigo que ele não é só meu, ele é nosso! — Suspiro com os olhos lacrimejando. — Queria agradecer também a todos que votaram — provavelmente a Zendaya fez graça atrás de mim porque todos riram. —, a minha família e aos meus amigos que nunca me deixaram tirar o pé do chão. Obrigada. Eu amo vocês.

! — exclamou Daya assim que me viu pela primeira vez no after party. — Finalmente consegui te achar. Está linda!
— Você está mais — digo tímida por ela estar acompanhada do mesmo menino da premiação.
— Parabéns pelo prêmio e pela apresentação. Foi maravilhosa — proferiu.
— Obrigada. — Sorri.
— Ah. esse é o . — Apontou para o menino. — essa é a .

Mais uma noite perdida por lembranças. Elas sempre me atormentam quando não consigo dormir. Não aguentava mais toda aquela sensação, então resolvi fazer o que me aconselhou brincando. Fazer o que os músicos sempre fazem quando levam um pé na bunda. Escrever

Passei a madrugada toda escrevendo, fazendo a melodia quando percebi que já estava clareando e faltava apenas duas horas para meu compromisso do dia. Criei coragem para fazer uma coisa que não praticava muito tempo: correr. Então subi de fininho para o meu quarto e troquei de roupa.

Parei meu carro em um dos estacionamentos da Lagoa Rodrigo de Freitas, começando a correr para me desestressar. Encontrei fãs e todos me desejaram felicidades. Forcei meu melhor sorriso para que parecesse que estava bem, mas todos devem ter percebido que era falso.

: Bom dia flor do dia, não se esqueça que hoje é quarta e tem gravação.
: !?
: Cadê você?
: Não se esqueça que tem uma entrevista hoje!
: !

Puta que pariu! Eu estou ferrada! A vai me comer viva! Tinha perdido o horário. Pego o primeiro táxi que vi em minha frente esquecendo totalmente do meu carro no estacionamento, mais tarde peço para alguém o buscar.

— Muito obrigada, senhor — digo entregando o dinheiro ao taxista. — Pode ficar com o troco.
— De nada, minha jovem. — Sorriu agradecido. — Pode ficar tranquila que tudo vai passar.

Sorrio fraco para ele, saindo do carro e quando entrei em minha casa dei-me de cara com uma enraivecida. Não falei nada. Fingi que não tinha acontecido nada e subi rapidamente para o banheiro, já que muito provavelmente ela tinha separado a roupa que irei vestir.

— Pedi para que não falassem sobre o término, mas sabe como é a mídia certo?
— Sim, . Eu queria dizer que no show de sábado, vou cantar uma música nova.
— Está bem. — Olhou-me com a sobrancelha elevada. — , cadê seu carro? Olhei na garagem e não vi.
— Esqueci no estacionamento da lagoa — sussurro, já pensando como vai ser angustiante essa entrevista. — Pede para alguém buscá-lo?

Ela confirmou com a cabeça e continuou a falar sobre o que tudo o que poderia acontecer nessa entrevista que, por sinal, eu nunca tinha feito. Era para um quadro que se chamava “Nah na rua”. Deixava-me mais tranquila, já que era uma amiga que eu tinha feito em algumas premiações.

Por incrível que pareça, todas as coisas que a previu realmente aconteceram. Perguntas sobre a turnê, perguntas sobre algumas bandeiras que estão sendo levantadas, perguntas sobre a minha família e…

— Não queria chegar nesse assunto — parou o carro no sinal —, mas como está o coração depois de tudo?
— Está bem. Foi bom enquanto durou, sabe? Mas chegou uma hora que não dava mais.

Eu não queria mesmo entrar nesse assunto, mas a já havia me orientado quanto a isso. Ainda dói, é claro. Aconteceu há duas semanas. Uma hora ou outra alguém me faria quebrar o silêncio e sei que isso é só o início, por isso preciso me manter forte.

— Vocês ainda têm contato? — perguntou, andando com o carro novamente.
— Sim! O é um homem maravilhoso! Não vamos sair da vida do outro por completo. Sempre fomos bons amigos e espero que assim continue.

— Por que uma moça bonita está sentada aqui chorando? — Sentou-se ao meu lado no banco da casa da Zen.
— Ah, oi . — Sorri pra baixo. — Problema no Reino de Tão-Tão-Distante.

Tinha acabado de descobrir mais uma das traições de meu pai e eu não podia fazer nada porque estava do outro lado do oceano enquanto minha mãe estava sozinha passando por essa barra toda. Era complicado porque desde pequena queria que eles se separassem por causa disso, mas minha mãe era (ou é) completamente apaixonada por ele. Estava cansada de todas essas notícias e agora mais ainda devido a minha carreira, já que fica mais difícil descobrir as escapadas dele.

— Como posso te ajudar?
— Acho que não pode . — Sorri agradecida. — É complicado.
— Se precisar de alguma coisa, é só me chamar. — Piscou, abraçando-me de lado.
— Obrigada. — Correspondi o abraço. — Obrigada mesmo.

— O que podemos esperar para o novo álbum?
— Ah… — Engulo seco. — Não vou mentir. Só escrevi uma música, mas acho que não vai estar.
— Mas você estava toda animada, dava para ver pelos seus posts no Twitter. — Olhou-me novamente de rabo de olho.
— Sim. — Sorri fraco. — Resolvi dar um tempo para mim. Esses últimos anos não consegui aproveitar minha mãe, minhas amigas e minha cachorra, então decidi que é melhor passar um tempo com elas, mas não vou deixar de escrever. Prometo.

2

Minha mãe sempre me disse que tenho que correr atrás dos meus sonhos e eu sempre levei isso muito a sério. Não teria chegado aonde estou se não fosse por isso. Acredite ou não, eu não estou falando do Homem Aranha. Estou no primeiro avião que vai para o Rio de Janeiro hoje, indo atrás da menina que eu nunca deveria ter deixado escapar e prestes a fazer a maior loucura da minha vida.

— Calma, cara. — Sam disse batendo no meu ombro, sim, tive que o levar para me ajudar a ter coragem. – Vai dar tudo certo, você vai ver.
— Assim eu espero — digo olhando as nuvens pela janela.

Era a primeira vez que estávamos saindo sem a presença de amigos. Era só eu e ela. Não minto que minha barriga parece um ninho de borboleta de tão nervoso que estou. Tinha acabado de chegar na porta do parque de diversões (meio original para um primeiro encontro não?). Ela não tinha chegado ainda, isso me fazia pensar que havia dado bolo.

— Me desculpa a demora. — Escutei a sua voz vindo atrás de mim. — Me deu uma inspiração enquanto me arrumava e sabe que não podemos deixar passar.
— Certo. — Sorri beijando seu rosto. — Já comprei nossos ingressos, vamos?
!

Sabia que iria reclamar. era daquelas que não gostava que pagassem para ela. Apenas ignorei tudo que estava dizendo sobre o assunto, puxando-a para dentro do parque.

— Vamos ! — Fez biquinho. — Por favor.
— Nem pensar — nego rapidamente com a cabeça.
— Eu vou estar lá contigo . — Pegou em minha mão. — Vamos?

Depois de tanto ela pedir, resolvi ir na roda gigante. Estávamos na fila conversando sobre como demos sorte por ninguém nos ter reconhecido. Que sensação maravilhosa ser você mesmo em volta de várias pessoas sem que elas percebam quem somos!

— O macete é não olhar para baixo — disse olhando para o céu.
— Hey? Você também tem medo! Falou isso durante uma entrevista — falo lembrando desse detalhe.
— É sempre bom se aventurar às vezes.

Sorrio beijando uma das mãos dela que estava entrelaçada na minha, fazendo-a corar fechando os olhos. Aproximo-me devagar, acariciando o seu rosto e, por fim, colando seus lábios nos meus.

?
— Hm? — Acordo de meus pensamentos, limpando uma lagrima que caiu.
— Vai ficar tudo bem. Vocês irão ser aquele casal meloso de volta.

Hoje aconteceria a primeira aparição nossa depois que confirmamos o nosso namoro para o público, escolhemos o programa da Ellen para ser prestigiada porque desde os rumores sempre tentou nos juntar – até quando já estávamos juntos.

— Hoje estamos recebendo o casal que ganhou o coração de todos vocês, inclusive o meu. — Riu para a câmera. — e .
— É muito bom estar aqui novamente, Ellen. — Minha namorada sorriu, cumprimentando e logo depois cumprimentei também.
— Dessa vez não iremos mentir sobre nosso relacionamento, prometo. —Brinco.
— Chegou no assunto que queria, — disse, fingindo que estava brava. — Vocês me enganaram direitinho! Seus traíras!

Como havia dito antes, Ellen sempre tentava tocar no assunto , como éramos chamados agora, mas desconversávamos ou falávamos que éramos só amigos.

, vem cá — chamou-a como se fosse contar um segredo. — Como foi o pedido?
— Ah — gargalhou. — Foi bem simples, nada de luxo como fizeram especulação.

“Eu tinha acabado de chegar no quarto do hotel onde estava hospedada, então recebi uma ligação dele desesperado falando que estava queimando de febre e não tinha ninguém em casa para ajudá-lo. Detalhe: foi ele quem me deixou no hotel. Então peguei o primeiro táxi e quando cheguei na casa dele estava tudo apagado e na porta um bilhete dizendo que podia entrar sem bater. Entrei meio assim né, por mais que eu me desse super bem com a família dele. Quando passei pelo hall de entrada, no chão tinha várias pétalas de flores e algumas velas, de pilha, indicando a direção onde ele estava. Já fui subindo as escadas aos prantos porque já imaginava o que estava por vir, quando entrei no quarto dele na cama estava escrito em português “quer namorar comigo?” com girassóis.”

— Eu não posso chorar — disse a apresentadora com os olhos cheios de lágrimas.
— Isso porque ela não contou o tapa que me deu depois que aceitou o pedido. — falei rindo.
— Você bateu nele?
— Bati — deu de ombros. — Ele mentiu, por uma coisa boa, mas mentiu.

— Chegamos. — Sam me acordou pela milésima vez do meu pensamento. — Preparado?

“Bem-vindos ao Rio de Janeiro. São meio-dia e quarenta do dia nove de dezembro; lá fora, a sensação térmica está de 29ºC e parcialmente nublado. Nosso pouso está previsto pontualmente às treze horas”.

— Sim. Preparado.

3

Voice: Eu não estou acreditando que você está me fazendo mudar a estrutura de palco toda. Aonde eu vou achar uma orquestra ?! Calma , não surta, não surta.
Voice: eu vou te matar, onde se viu querer mudar um figurino também?

Estava meia hora rindo da cara da quando expliquei como queria o palco do meu último show, que seria depois de amanhã. Pelo áudio dela já deu para perceber que está bem calma, né?

You: Estou indo te salvar, só vou levar a Bolinha para passear no Parque Guinle.
: Te encontro lá.

— Mãe? A senhora viu a bolinha? — pergunto descendo as escadas procurando minha cadela.
— Da última vez que a vi, estava no seu quarto meu amor. — Respondeu aparecendo na porta da cozinha.
— Estranho. Sai de lá agora. — Volto a subir as escadas. — O que você está fazendo aí sua doidinha? O que é isso escondido embaixo de você? Ah. Sente falta dele né pequena. — Ela deita a cabeça na minha perna. — Eu também.

Estava indo para Londres comemorar seis meses de namoro com . Ele não fazia ideia que estava indo. Só a mãe dele que fazia ideia, e porque a me buscar no aeroporto.

Atravesso a porta do desembarque procurando minha sogra com o olhar, a encontrando com Patrick, o irmão caçula do . Cumprimento eles com um abraço forte, pois estava morrendo de saudades. Realmente os últimos detalhes do meu novo álbum estava me consumindo toda.

— Vamos logo. Ele já está nervoso porque fazem horas que você não o responde. — Nikki disse rindo me ajudando com as malas.
— Eu e os meninos estamos adorando atormentá-lo, , não tem noção. — Meu cunhado disse com sorriso travesso no rosto. — Tinha que ver, Harry disse que você estava com aquele garoto do seu clipe. Ele ficou enfurecido e se trancou no quarto.
— Vocês não prestam. — Digo rindo.

— Nikki, o caminho do hotel que estou hospedada já passou. — Comento depois de perceber que estávamos fazendo o caminho inverso.
— Porque você vai ficar na nossa casa. — Paddy deu ombros.

Eu não me sentia bem estando na casa dos outros a favor, preferia mil vezes um cantinho meu nem que tenha que pagar por ele uma fortuna. Me sentia uma intrusa.

— Você não é intrusa . — Sorriu amigável. Será que eu pensei alto? — Sua cara entregou.
— Mas Nicola…
— Sem mais. — Parou o carro em frente à casa. — Você é da família , então não teima comigo.

Apenas concordei com a cabeça pegando a mala grande, enquanto Paddy ajudava com a pequena.

— Pelo amor de Deus mãe! — Escutei a voz de meu namorado desesperado vindo da sala. – Não some desse jeito não.
— Só fui buscar uma coisa. — Deu ombros.
— Que coisa? — Ela fez sinal para virar. — O que?
— Nossa . — Boto mão na cintura. — Viajei quase quatorze horas para você me receber só com um “o que?”

Depois de um tempo aproveitando um ao outro, resolveu me levar para passear. Então já estava vestida com os meus trezentos casacos – porque fevereiro é um dos meses mais frios do ano – Para sair na rua novamente.

— Vamos de carro? — Perguntei voltando para o quarto dele.
— Não. Vamos andando. — Falou terminado de colocar seu tênis. — Vamos?
. — Respirei fundo. — Você sabe que eu sou brasileira, não sabe? E além de ser brasileira, sou carioca. Para nós. Qualquer clima. Abaixo de 26 graus. É frio!

Resolvi ceder, provavelmente tinha preparado um passeio magnifico na sua cabeça. Por mais que passei a metade tremendo de frio, continuei com o sorriso no rosto, era um anjo, um namorado que desejo para toda as meninas.

— Último ponto. – Parou em frente a Peddy Porschen Cakes, uma loja de doces e cafés, sempre paramos aqui todas as vezes que estamos passeando.

— Olha se não são os meus clientes favoritos. — Peddy exclamou sorrindo. — Fico feliz por conseguido vir esse mês ! Não aguentava mais esse menino triste pedindo seu lanche favorito

Ele ficou vermelho enquanto a dona da confeitaria nos levava para uma mesa reservada, por mais que o local recebesse famosos sempre é bom ter um pouco de privacidade. Mesmo sendo quase impossível.

Depois de alguns segundos, uma garçonete veio entregar nosso pedido nos deixando livres para conversar sobre tudo. Conto a ele que estava programando para o lançamento do álbum no próximo verão, não digo muito por que sei que meu namorado não se controla e solta bastante spoilers e na primeira pergunta em uma entrevista sobre esse assunto iria pôr a boca no trombone.

Depois que nosso lanche acabou, pagamos a conta – contra vontade da dona – e fomos andando para casa dele, porque iria pegar algumas roupas que faltava na casa dos pais. Ele estava passando um tempo na casa dos pais, porque estava sentindo falta da comida da mãe, das palhaçadas dos irmãos e do pai. Até achei melhor, porque fica muito sozinho naquela casa, e isso me preocupa.

— Olha, uma feira de adoção. — Aponto para placa que tinha no final da rua. — Vamos? Por favor.

Ele apenas confirma com a cabeça, então vamos a direção da feira encontrando todos os tipos de animais. Ficamos totalmente apaixonados por todos os bichinhos, ficou com a ideia de levar um coelho, mas quando ele tentou avançar em uma garotinha que pediu para tirar foto com a gente desistiu.

Chegamos na melhor parte da feira onde não tinha estruturas, a área dos cachorrinhos, eram cada um mais fofo que o outro. Tinham de todas as raças e não raças, com pelo e sem pelo, do porte grande ou pequeno, até mesmo super pequeno. depois do “acidente” com o coelho me fez prometer que não iria levar nenhum amiguinho para casa. Mas seus planos foram totalmente descartados porque estamos voltando para casa com uma cadelinha, ela era totalmente fofa. E o jeito que me escolheu, sim fui escolhida, foi único não deu para deixar a pequena bolinha de pelo – como o a chamava – para trás.

Engulo o choro lembrando desse momento, pegando as coisas dela e indo encontrar com no parque. Desde quando sai de casa sinto que estava sendo seguida, mas logo ignoro porque provavelmente era os paparazzis por mais que não existiam muitos aqui no Brasil, mas tinha. Não os julgo, porque sei que é o trabalho deles. Se precisasse de um trabalho igual o deles, faria a mesma coisa.

Estaciono o carro perto do parque mesmo para não correr o risco de esquecê-lo novamente, prendo a guia retrátil no cinto peitoral da bolinha para não correr risco de ela fugir ou algum acidente acontecer. Demorei muito para encontrar onde estava, e quando a encontrei estava com um açaí em cada mão. Se não é a melhor empresária e assessora que existe não conheço.

— Eu deveria estar te matando. — disse ao me ver chegando perto da mesma. — Mas sei o quanto ama açaí e faz tempo que não toma.

— Te amo. Você sabe, né? — Dou um beijo em seu rosto como agradecimento.

Ficamos conversando sobre o que tinha aprontado para o último show, quando senti a bolinha tentando correr para uma direção, mas não conseguia pois estava presa na coleira. Ela me olhava latindo e voltava olhar para a direção. Parecia que queria me mostrar alguma coisa, então, olho fixamente para o lugar.

? — Pergunto confusa vendo dois rapazes saindo do ponto onde bolinha mostrava, e acabei assustando . — É o ali?

— Que , ? Tá maluca? — Disse nervosa. — Você está alucinando, só pode.

— É, pode ser. — dou ombros voltando a tomar meu açaí.

4

Eu sabia que não tinha que ter escutado Sam para passear. Tudo bem que estávamos dois dias presos dentro do quarto porque não queríamos que ninguém soubesse da nossa localização, e em nenhuma das hipóteses imaginamos que ela apareceria no mesmo local e na mesma hora. Estava tão linda, me deu vontade de sair correndo até ela e pedir para voltar, mas iria estragar todo o plano que planejei junto com , – sim, elas sabiam que estou aqui – e com Sam.

— Desculpa mesmo, . — Sam pedia desculpas a cada segundo. — Não sabia que ela estaria lá também, para mim era só a .

— Tudo bem. — Sorri fraco. — O destino é uma merda.

Ela estava cantando a última música do show. Esse era o momento que não queria que chegasse, não estava pronto para dizer adeus. Não estava pronto para deixar minha menina ir embora. Ela estava tão animada porque me tinha no show depois de tanto tempo sem nos ver pessoalmente, me senti mal pois iria acabar com essa animação.

— Tchau Barcelona! — Acordei dos meus pensamentos após de escutar sua despedida. — Obrigada por virem. Vocês são maravilhosos! Los Amo Mucho! Até a próxima!

A esperei fazer suas coisas que tem pós show dentro da van que ia nos levar para o hotel que todos estavam hospedado.

Sam: Você tem certeza de que quer fazer isso ?
Sam: Pensa direito irmão, você pode se arrepender…

Vejo uma movimentação e deduzo que ela estava vindo com sua equipe, o seu sorriso estava tão grande que meu coração apertou.

— Achei que estaria no camarim. — Disse sentando-se ao meu lado. — Como sempre faz.

— Pensei que estaria cansada, comigo lá estaria te atrasando cada vez mais para você descansar.

Ela apenas assentiu com a cabeça brincando com minha aliança de compromisso. O clima estava descontraído na parte detrás da van, já na nossa parte estava tenso, parece que ela já sabia o que estava para acontecer. Porque não dizia nada, ficou apenas com a cabeça baixa olhando para nossas mãos que estava entrelaçada.

Ao chegar no hotel, nos despedíamos da equipe dela e subimos para o andar onde era seu quarto. Ela pegou o cartão chave dentro de sua bolsa e abriu a porta dando espaço para entrar nele.

— Amor?
— A gente precisa conversar.
— Se importa se tomar um banho rápido? — Perguntou baixo me fazendo negar com a cabeça. — Ok.

Foi até a cama pegar o pijama que já estava separado e entrou na porta, me fazendo soltar o ar que nem tinha percebido que havia prendido. Olhava para o quarto, vi as fotos que ela levava para tour para matar um pouco da saudade que existia, a primeira que dei de cara era a nossa que havíamos tirado no nosso primeiro encontro depois do pedido de namoro. Não acreditava que já tinha se passado quase dois anos desse dia, e hoje acabaria tudo. Não era nada fácil o que estava fazendo, mas era necessário para nosso bem. Ou eu achava que era.

— Pronto, o que você quer conversar mi amor? — Perguntou com aquele olhar carinhoso.

— Eu… — desvio o olhar do dela me afastando mais. — Eu não vou conseguir falar isso com você me olhando assim.

— Amor? — Chamou-me caminhando na minha direção, puxando minhas mãos fazendo-me olhar em seus olhos novamente. — Me diz qual o problema. Não me esconde nada, por favor. — Beijou-me carinhosamente os dedos, fazendo meus olhos lacrimejarem mais.

— Você complica tudo me olhando dessa forma, . — Suspiro.

. — Segura firme meu rosto fazendo nossos olhares se prenderem. – Por favor.

Abaixo o olhar suspirando, segurando firme suas mãos.

— Você sabe que eu te amo muito, certo? Que estar com você fazem meus dias melhores? Que você me fez conhecer o amor, de uma forma que nunca senti antes.

, você está me deixando preocupada.

— Eu… — mordo meu próprio lábio. — Droga. Acho que não tem uma forma mais leve de falar isso.

— Fale de uma vez.

. — Suspiro fechando os olhos. — Eu quero terminar.

— Que? — Abro os olhos após de escutar sua voz fraca, e ela já não estava em pé, estava sentada na cama. — Você está de brincadeira com a minha cara, só pode. Ontem você disse que me amava !

— E eu te amo! — Me abaixo na sua frente. — E muito! Mas a distância, o tempo, isso está me sufocando.

O olhar dela desesperado acabava comigo, seu silencio era enlouquecedor. Sabia que seria difícil, mas não tanto assim.

— Fala alguma coisa, por favor. — Digo sussurrando.

— Falar o que? Que concordo com tudo que você disse? — Levantou e começou a se afastar de mim. — Sinto muito , mas não concordo. Sabe o porquê? Porque se seu amor fosse tão grande como diz, a distância ou porra nenhuma, iria fazer acabar. — Suspira abrindo a porta . — Por favor.

— É, pode ser que amor está acabando. Fica bem .

Dou um beijo na sua testa, saindo logo do quarto escutando-a fechar a porta com força.

5

Já estava na parte que cantaria a música que escrevi. Botaram o pedestal no meio do palco enquanto tomo um pouco d’água que tinha me dado no fim do palco.

— Bom. Essa música agora, ela é muito importante para mim. — Encaixo o microfone no suporte. — É a primeira vez que vocês irão escutá-la. A fiz tem três dias. Eu espero que vocês gostem.

Solo tú en mi mente

(Só você na minha cabeça)

Busco hoy </>comprenderme

(Hoje, procuro me entender)

Te recuerdo aquí en mi piel

(Lembro de você aqui na minha pele)

Sin querer enlouquecer

(Sem querer enlouquecer)

Desde pequena meu sonho era conhecer a Grécia. Ver aquele mar com vários tons de azul esverdeado. Não sei como, descobriu ele. E hoje estamos aqui, olhando para a belíssima paisagem que estava diante de nós, com o clima tranquilo, enquanto ele acariciava minha mão e eu cantava Infinity da One Direction baixo.

— Amor. Vamos dar uma volta? — perguntei, o fazendo me olhar com uma cara desanimada, mesmo assim não mudei de ideia. — Por favor, .

Este mes de diciembre

(Neste mês de dezembro)

Ya intenté ser la flerte

(Já tentei ser a mais forte)

Pero aquí estoy otra vez

(Mas aqui estou eu de novo)

Extrañando como ayer

(Sentindo saudade como ontem)

— Amanhã de tarde, vamos ficar aqui só relaxando. Senta-se aqui.

—Vamos Baby, levante-se. Por favor. — Continuei insistindo.

— Só se você me der um beijinho. — Piscou os olhos fazendo bico.

Dime si aún nuestra puerta sigue aberta

(Me diz se nossa porta continua aberta)

Hoy no te puedo olvidar

(Hoje, não consigo te esquecer)

— Lhe dou mais de um. Só se levantar, anda amor.

Se levantou rapidamente após de minha fala indo em minha direção, porém saio correndo o fazendo correr atrás de mim cobrando o beijo.

— Volta aqui ! Se você sair do quarto ele vai aumentar para quatro.


(Sei)

Que tú piensas que el amor se está apagando

(Que você pensa que o amor está chegando ao fim)

Mientras sigo aquí sentada esperando

(Enquanto eu continuo aqui, sentada, esperando)

A encontrarme otra vez entre tus brazos

(Para estar outra vez entre os seus braços)

Juntar los pedazos que aún quedan

(Para estar outra vez entre os seus braços)

Quando percebi que estava em uma distância boa, parei para ficar admirando o mar que estava na minha frente. Foi quando ele me alcançou, me puxando para um abraço. Fazendo-me corresponder ele.

Eu amava esses momentos com , me fazia sentir tanta paz, tanta calma. Ele me fazia tão bem.

Lo sé

(Eu sei)

Que extrañarte nunca va a ser suficiente

(Que sentir sua falta nunca será suficiente)

El destino no se escribe de repente

(O destino não muda de repente)

Muero por decirte que

(Estou louca para te dizer que)

Depois de um tempo rodando pela cidade, voltamos às casas, sim as casas tão famosas da Grécia. Mas era uma pena que a viagem acabava amanhã, é que nessa mesma hora vamos estar separados. Eu no Brasil e ele começando as gravações de Spider-Man: Far From Home.

Al buscar tu mirada

(Ao procurar o seu olhar)

Y encontrar la distancia

(E encontrar a distância)

Puedo ver el Sol caer

(Posso ver o Sol se pôr)

Intentando compreender

(Tentando entender)

— Amor? — sussurrou.
— Sim?

Dime si aún nuestra puerta sigue aberta

(Me diz se nossa porta continua aberta)

Hoy no te puedo olvidar

(Hoje, não consigo te esquecer)

O espero falar algo a mais, mas ficou em silêncio me olhando nos olhos. Beijou-me no nariz com delicadeza e me deu um selinho.

— Boa noite.

Abraçou-me para começar a dormir.

(Sei)

Que tú piensas que el amor se está apagando

(Que você pensa que o amor está chegando ao fim)

Mientras sigo aquí sentada esperando

(Enquanto eu continuo aqui, sentada, esperando)

A encontrarme otra vez entre tus brazos

(Para estar outra vez entre os seus braços)

Juntar los pedazos que aún quedan

(Para estar outra vez entre os seus braços)

— Eu te amo.
— Também te amo.

Lo sé

(Eu sei)

Que extrañarte nunca va a ser suficiente

(Que sentir sua falta nunca será suficiente)

El destino no se escribe de repente

(O destino não muda de repente)

Muero por decirte que

(Estou louca para te dizer que)

— Gente, ergam os celulares, todos juntos fazendo assim. — balanço meus braços. — Todas as pessoas com os celulares em todo o mundo, para cima! — Vou para outra parte do palco. — Deste lado. Liguem as luzes!

Estava perfeito. Não tinha o que reclamar daquele show. Parecia que ele estava presente, nesse tempo todos já perceberam o motivo daquela música. Ela era o desabafo. Me sentia leve, mas do que pensei que ficaria.

Volto para direção do suporte, para cantar a última estrofe.

(Sei)

Que extrañarte nunca va a ser suficiente

(Que sentir sua falta nunca será suficiente)

El destino no se escribe de repente

(O destino não muda de repente)

Muero por decirte que

(Estou louca para te dizer que)

Te amo

(Eu te amo)

6

Depois de escutar o desabafo que estava em forma de canção, estava confiante na decisão que havia tomado. Realmente os dois queriam a mesma coisa. E era isso que irão ter.

— Está pronto? — perguntou entregando um microfone para o ator. — Eu espero que sim.

fez sinal para o profissional que estava esperando por ele, fazendo todas as luzes do local apagarem e a única coisa que iluminava era do telão que mostrava a frase: atenção para um comunicado muito importante.

, eu tive medo, muito medo de deixar a melhor parte de mim ir embora. Medo de minha vida ser assim sem graça, para sempre. Te perder me fez mudar, sofrer a sua ausência me fez perceber o quanto meu mundo fica pequeno sem você, , essas semanas sem você percebi que a minha melhor versão é quando estou do seu lado. Eu só quero mais uma chance, uma única chance, porque eu estou pronto para dar um novo passo na nossa relação. E se quiser saber…”

Um foco de luz se acendeu na direção de uma das laterais do palco fazendo o moreno ser visto pela mulher e o público – que gritaram assim que o viram. A cantora estava sem palavras, nunca iria imaginar que o rapaz teria essa coragem de aparecer em cima do palco, nem quando eles estavam juntos isso acontecia.

— Pode falar. Porque eu estou aqui. Bem na sua frente. — Disse ficando cara a cara com a morena.
eu…
— Deixe-me terminar por favor. — O homem estava suando frio, se a menina falasse alguma coisa iria perder um pouco da coragem. — Precisei te perder para notar isso tudo. Notei que sou uma pessoa melhor desde o dia que te conheci, e contigo sou uma pessoa melhor. E por isso… Quero saber se… — se ajoelha na frente da amada. Que já estava chorando. — Você aceita se casar comigo?

Epílogo

Já se fazia dois anos do meu maravilhoso pedido de casamento, demorou muito para cair minha ficha. Sem dúvidas aceitei, isso foi o comentário do mês de todos os sites de fofocas. Hoje, estava em um spa de um hotel sendo preparada para mais um evento importante na minha vida. Se você pensou que é o casamento, está completamente certa. Me casaria com o homem da minha vida, finalmente seremos homem e mulher.

Se me acham doida por me casar com vinte e quatro anos, podem tirar essa conclusão da sua cabeça. Quando se encontra a pessoa certa não tem idade que atrapalhe. Tenho certeza do que estou fazendo.

Havíamos fechado o hotel Afrikan House para esse grande evento. O que levou a todos estranharem, porque nossas famílias são religiosas. Achamos que se casar na igreja é algo muito mais íntimo, então resolvemos fazer nela só para os próximos dos próximos. Uma coisa que achei interessante que sugeriu, que sorteassem dois fãs, um meu e um dele, para representar todos.

Só faltava a parte fundamental, o vestido, era digno de princesa, ele havia mangas longas com tom delicado e apaixonante, rendas bordadas aplicadas sobre ilussion natural que embelezavam meu corpo e a delicadeza com tule e a saia era fluída.

— Então? Como estou?

Pergunto encontrando minha mãe, minha sogra e as meninas que já estavam arrumadas. Todas ficaram de boca aberta, é claro que elas foram nas provas do vestido – que foi feito especialmente para mim. Elas me acompanharam, mas não tinham visto ele totalmente pronto.

— Caralho. — Xingou . — .
— Você. — estava com os olhos brilhando. Era a primeira vez que a via desse jeito por um motivo bom.
— Está. — Daya já estava chorando.
— Maravilhosa minha filha. — Mamãe terminou a fala com os olhos lacrimejando.
— Meu filho tem uma grande sorte de ter você ao lado dele. — disse minha sogra também chorando.

Desde pequena sonhava com esse dia, então aproveitava cada momento, cada detalhe, cada segundo. Ficava me olhando no espelho meu cabelo, minhas unhas, a maquiagem e meu vestido. Estava do jeito que sempre quis. Menos uma coisa, faltava uma coisa. Um detalhe. Uma pessoa. Meu pai.

Sempre sonhei que quando me casaria ele estaria ali, me levando no altar. Mas desde quando saiu de casa, o único contato que tínhamos era por mensagem. Demorei muito para conseguir perdoá-lo, e quando notei que havia conseguido já estávamos longe demais um do outro. Ele fazia muita falta em todos os momentos, mas meu orgulho sempre falou mais alto e nunca fui atrás, e quando ele ia – mesmo sendo por via tecnológica – dava um jeito dele perceber que não o queria por perto. Mas me olhando no espelho percebia que fazia falta, daria de tudo para que meu pai estivesse aqui. Comigo. Me levando ao altar.

— Filha? — Mamãe me acordou dos meus pensamentos. — Eu tenho uma coisa para você.

Só estava eu e ela na sala, minha sogra e as meninas haviam saído para ver se o ou algum dos rapazes precisavam de alguma ajuda. Minha mãe tinha saído me deixando sozinha ficando curiosa para saber o que era. Então entrou com ele, meu pai.

— Eu sei que é um momento importante para você. — Disse se explicando. — Vou deixá-los conversando.

Escutei a porta fechando deixando só a gente dentro da sala. Ficamos nos encarando por algum tempo. Meu pai estava diferente do que me lembrava, com a aparência cansada. Mas os brilhos nos olhos continuavam o mesmo de quando me olhava na minha infância.

— Você está linda. — disse com os olhos lacrimejados.
— Obrigada. — O respondo tímida.
— Filha, eu…
— Eu te perdoo pai. — Digo suspirando deixando algumas lagrimas cair. — Na verdade, já perdoei bastante tempo, mas…
— O orgulho falava mais alto. — Apenas afirmei com a cabeça. — Você é igualzinha a sua mãe. – Rimos fraco. — Será que eu posso?
— Claro.

Me senti completa novamente, era isso que estava faltando para meu dia está melhor. O abraço de meu pai foi a melhor coisa que poderia ter acontecido naquele momento. Me sentia segura.

, está na hora. — A cerimonialista apareceu abrindo a porta. — Me desculpem, pensei que estava sozinha.
— Tudo bem. — Sorrio para ela segurando o braço de meu pai. — Você?
— Sempre.

Fomos a direção do espaço onde seria a cerimônia. Para ir nesse local era preciso passar pela entrada do hotel, então consegui ver alguns fãs na porta para tentar ver alguma coisa. Bem na hora que estava passando um dos funcionários havia acabado de entrar, me fazendo acenar para eles que começaram a gritar.

já havia entrado junto com os padrinhos e nossas mães. Do ponto onde eu estava dava para o ver de longe, estava maravilhoso e muito inquieto, não parava em um canto. Me fazendo rir da cena.

— Ele está assim desde que entrou. — Disse a assistente da cerimonialista. — Pode tocar a música da noiva.

As portas se abriram fazendo todos voltarem ao olhar na minha direção, meus olhos fixaram nos olhos dele, fazendo a reação imediata dele que foi sorri com os olhos enchendo de lagrimas. A vontade de chorar veio com tudo, mas me controlei fiz o impossível para guardar todas aquelas lágrimas, porém uma foi teimosa e caiu. Fazendo sorri mais.

Não acreditava que aquilo realmente estava acontecendo, tinha medo de pensar que era apenas um sonho o que me trouxe a realidade foi a moça ajeitando o buquê. Minha priminha entrava jogando algumas pétalas no chão e logo atrás fui entrando com meu pai.

— Não me deixa cair.
— Nunca.

Olhava ao meu arredor, vendo todas as pessoas que participaram de algum momento das nossas vidas. Só sabia sorrir. Olhava para os padrinhos, minha mãe, meus sogros, todos estavam do mesmo jeito. Dava para ver os olhos de avermelhados cheios de lagrimas que queriam cair.

Chegando perto do mini altar, meu pai me deu um beijo na testa e logo abraçou falando alguma coisa no ouvido dele que fez ambos rirem.

— Você está linda. — Disse entrelaçando nossos braços.
— Você está mais. — Sorrimos um para o outro.

— Boa noite a todos. A partir de agora, por gentileza, coloquem os celulares no modo silencioso e fiquem à vontade para se sentar. — Todos se sentaram, fazendo o pastor continuar. — Estamos aqui hoje para celebrar as melhores coisas da vida. O amor, a confiança e a esperança. — acariciava minhas mãos. — Vocês que estão hoje aqui, foram convidados para compartilhar este momento com a e com o porque são pessoas importantes para eles. O respeito, a compreensão e o carinho que sustentam o relacionando deles tem suas raízes no amor que todos vocês deram a este jovem casal. Por isso, é uma honra para os noivos contar com a sua presença, aqui, hoje.

e o casamento tem suas leis, ele não é uma relação regida por ciências exatas, mas quero dizer a vocês, que tem muitas coisas de matemática no casamento. Nele encontramos quatro operações matemáticas. Em primeiro lugar, temos a subtração, o casamento sempre começa com ela, é quando o homem deixa seu pai e sua mãe para unir-se à sua mulher. Na Bíblia fala sobre isso, em Gn 2.24: “o homem deixa seu pai e sua mãe para se unir com sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa.” Depois do casamento, os filhos não devem depender mais emocional e financeiramente dos pais, esta e a primeira operação matemática do casamento.”

Olhei para o meu lado, e encontrei meu pai dando um pano para minha mãe secar-se as lágrimas. E encontrei a mesma cena do lado da minha sogra que também não escondia as lágrimas.

O pastor falava cada mensagem linda, que me fazia cair no choro. Olhava para , e ele estava com o sorriso mais lindo que existia. Me sentia cada vez mais sortuda por tê-lo ao meu lado.

e , vocês já foram muitas coisas um do outro, amigos, companheiros, namorados, noivos. — Disse sorrindo. — E agora, com as palavras que vocês estão prestes a trocar, vocês passaram para a próxima fase. Pois, com esses votos, dirão ao mundo: “este é meu esposo”, “está é minha esposa.” — Respirou fundo. — , é de livre e espontânea vontade que você aceita a como sua companheira em matrimônio?

— Sim. — Falou me olhando sorrindo.

, é de livre e espontânea vontade que você aceita o como seu companheiro em matrimônio?

— Sim. — Respondi correspondendo o sorriso.

— Sendo assim, por favor, dêem-se as mãos e preparem-se para dar e receber os votos de amor, que estão entre os maiores presentes da vida. — Entregou o microfone para começar a falar.

— Bom, desde já aviso que não preparei nada porque todos sabem que deixaria escapar alguma coisa falando demais e estragando tudo. — Disse levanto a todos, até a mim, a risada. — Então vou falar o que estou sentindo agora. Quando te conheci naquela premiação, já sabia que você seria a mulher da minha vida. E quando te vi entrando pela aquela porta, tive a certeza de que estava completamente certo dessa informação. Se me falassem a cinco anos atrás que hoje, estou te aceitando como minha esposa, prometendo te amar com toda a doçura de meu coração, eu diria que ele estava certo, porque você é tudo o que eu sonhei na vida. Te prometo que continuarei ao seu lado nos momentos alegres e difíceis, estarei ao seu lado na cama, mesmo quando não restar um centímetro do cobertor para mim porque você terá pego tudo. Estarei contigo na saúde e na doença, cuidando com muito amor e carinho, te forçando a tomar os remédios. — Se virou para os convidados. — Porque isso é pior do que detonar o Thanos ou pegar todos os diamantes. — Se vira para mim novamente. — Nem que eu tenha que escondê-los na comida igual faço com a Bolinha e com a Tessa. — Respirou fundo prendendo as lágrimas. — Quero que saiba também, não importa o que acontecer, sempre vou ser seu Porto Seguro. Eu te amo meu amor.

— Agora a noiva. — Entregou-me o microfone junto com o papel que havia pedido para entregar pra ele.

, sempre imaginei encontrar um homem que me trouxesse paz, conforto e que me aceitasse do jeito que eu sou. Então eu conheci você, que é tudo isso. Bom, aqui estamos depois de tanto planejar, o nosso momento de dizer sim. Deus é tão generoso, que me pediu para te dizer uma coisa. — Suspiro. — Ele quer que saiba, que passará por mudanças, diz que irá precisar ser meu parceiro, vamos precisar um do outro. Me disse que não irei dar conta sozinha, por isso que é importante estamos juntos desde o início. Ele me conhece tanto, e sabe que não irei te pedir ajuda. Mas isso não significa que você não irá me ajudar. Sim, você terá que dividir todas as tarefas doméstica comigo. — Engulo um pouco do choro. — Uma pessoa decidiu te contar antes do nascimento que agora somos 6, isso mesmo, eu, você, a Tessa, a Bolinha, a mamãe, e Deus. Beijo carinhoso, do seu bebezinho.

— Você está. Grávida? — Perguntou com os olhos lacrimejando. Apenas confirmei com a cabeça. – Pastor, pelo amor de Deus, diz que pode beijar a noiva.

Todos que estavam presentes riram com a fala de . Fazendo o pastor dizer que a daminha, que no nosso caso seria o Paddy, podia entrar com as alianças. Desde quando pensamos começar os preparativos do casamento, ele disse que queria entrar com elas. Então nem ligou com as zoações dos meninos.

— As alianças são símbolos físicos do compromisso de um casal e a de sua ligação emocional e espiritual. Elas são consideradas um círculo perfeito, sem começo nem fim.

e , que estes anéis sejam um lembrete visível de seus sentimentos um pelo outro neste momento. Ao olhar para elas, lembram-se que tem alguém especial com quem compartilhar suas vidas. Lembram-se de que se encontram um ao outro, é de que nunca mais andarão sozinhos.”

, diante de Deus e de todos. Te entrego essa aliança como prova do meu profundo amor, sinceridade, comprometimento e fidelidade. Serei seus olhos, para te guiar aos melhores caminhos. — Começou a pôr a aliança em meu dedo. — Serei sua luz, para te acompanhar e crescermos na vida espiritual. Serei seu melhor amigo, para te apoiar e torcer por todas as suas vitórias. E para cuidar de ti, com todo o meu esforço e em todos os momentos que precisar. — Terminou dando um beijo em minha mão, e outro em minha barriga. Me fazendo torcer para que o fotógrafo tenha registrado essa cena.

, diante de Deus e de todos. Te entrego essa aliança como prova do meu profundo amor, sinceridade, comprometimento e fidelidade. Serei seus olhos, para te guiar aos melhores caminhos. — Comecei a pôr a aliança em seu dedo. — Serei sua luz, para te acompanhar e crescemos na vida espiritual. Serei seu melhor amigo, para te apoiar e torcer por todas as suas vitórias. E para cuidar de ti, com todo o meu esforço e em todos os momentos que precisar. — Termino de dizer dando um beijo em sua mão, abrindo o meu melhor sorriso deixando minhas lágrimas caírem.

e , ninguém além de vocês mesmo detém o poder de proclamá-los esposo e esposa. Porém, vocês nos escolheram como anunciantes dessa boa nova. E assim, tendo testemunhado sua troca de votos diante de todos que estão aqui hoje. É com alegria que nós declaramos que vocês estão casados. Pode beijar a noiva.”

Nota da Autora: Mais uma história que me deu aperto no coração em acabar. Minhas amigas que lutem porque perturbei demais perguntando se está bom, ou o que eu podia melhorar. Ela se saiu melhor do que o esperado. Obrigada a todas que me ajudaram com ela ❥

Música usada na fic: TINI – Diciembre – https://www.youtube.com/watch?v=4RaGa2fOSrQ

Outras Histórias:
Childhood Friend – Em andamento (https://focusfanfiction.com/fanfics/atores/childhood-friend/)

Instagram: https://instagram.com/escritorabia?igshid=ux1crpsmfnok
Grupo do Facebook: https://www.facebook.com/groups/534538070701471/?ref=share
Grupo do WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/GG6V9cErPT748zgVViUTP2