After Concert

Sinopse: Ela é fã da banda há anos e finalmente tem a oportunidade de ir em um show, lá por causa de um surto de coragem acaba conhecendo o baixista da banda e com ele acaba tendo a melhor noite da sua vida.
Gênero: Romance.
Classificação: 16 anos.
Restrição: Fanfic escrita com David Desrosiers, mas pode ser lida com qualquer um.
Beta: Elena Alvarez.



Então finalmente chegou o dia tão esperado, eu iria conhecer meus ídolos, depois de tantos anos sendo fã. Pulei da cama, eram onze da manhã, por mais que eu soubesse que estava bem cedo e o show seria só as oito da noite, minha ansiedade estava a mil, então preferi me levantar e ocupar a cabeça até a hora do show.

Ajudei minha mãe a arrumar a casa e fazer o almoço, e quando me dei conta já eram quase duas da tarde, por mais que eu tivesse o acesso antecipado pelo fã clube, era melhor eu ir para o lugar que seria o show, eu não queria chegar atrasada. Meu pai me deu carona até a casa de shows, e quando cheguei lá vi que a fila já estava bem grande.

Comecei a andar pelo lugar procurando a entrada do fã clube, e quando finalmente a achei, ela também estava enorme e aquilo me desanimou um pouco, afinal a única coisa que eu queria era ter a chance de ver eles de perto. A tarde passou voando, e finalmente abriram os portões para entrarmos, eu logicamente corri até a grade, e garanti meu lugar em frente ao
.

O show foi incrível, eu poderia dizer que era a melhor memória que eu teria durante muito tempo, mas em um surto de coragem, consegui acessar os backstage e dali em diante, com certeza foi a melhor lembrança da minha vida. Comecei a andar meio perdida naqueles corredores escuros, sem saber muito para onde eu estava indo, ou onde estava pisando, foi quando acabei tropeçando em um fio e caindo em cima de alguém.

– Desculpa! – Falei levantando rapidamente, eu estava tão ocupada criando justificativas do por que estar ali na minha mente, que nem vi quem era o moço.
– Tudo bem. Você tá bem? Não se machucou? – A voz conhecida falou enquanto se levantava.
– Tudo – Falei meio travada olhando para o , e contendo a vontade de abraçar ele. – Você… Você está bem?
– Estou sim, meu cotovelo que tá meio dolorido, mas vai passar. – Ele sorriu. – Não se preocupa comigo, mas você está sem crachá, então não faz parte da equipe, ou faz?
– Então, sinceramente? Não. – Falei me suspirando, eu não iria conseguir mentir para ele. – Eu acabei me perdendo na hora da saída, e vim para os backstage, agora não sei como voltar.
– Precisamos reforçar a segurança, para que isso não aconteça novamente. – Ele falou pensativo – Mas se viu que entrou errado, por que não pediu ajuda a alguém?
– Então, quando vi que estava aqui eu… – Fiquei em silêncio olhando para ele – Eu pensei que poderia aproveitar para tentar falar com você.
– Bom você não pode ficar aqui, então não foi uma boa ideia, mas fiquei curioso com o que você tem para falar. – Ele falou olhando ao redor, e me puxou para um canto. – Me encontra no hotel, daqui a uma hora que lá vamos ter tempo, e privacidade para conversar, pode ser?
– Claro! – Respondi empolgada. – Mas como eu saio daqui? – Ele deu risada, apontando para um corredor iluminado.

Sai da casa de show, mandando uma mensagem para minha mãe, falando que iria para um restaurante com uma amiga minha, ela só me respondeu um “ok, não volte muito tarde”.

Eu sorri com a mensagem, chamei um Uber para poder ir até o hotel, e encontrar o . No caminho, eu me perguntava o que eu iria falar para ele, afinal aquilo que tinha respondido, nada mais era do que uma desculpa, por sinal das mais esfarrapadas. Então o motorista me tirou dos meus pensamentos, avisando que chegamos ao hotel, agradeci descendo do carro, e só então que me perguntei como entraria no hotel com aquela legião de fãs na porta.

– Licença – Falei cutucando o ombro de uma menina de cabelos loiros. – Eles já desceram para atender os fãs?
– Ainda não, amiga, mas acho que daqui a pouco eles devem aparecer.
– Obrigada!

Fui para um canto, e me sentei em um banco que tinha ali, meus pés estavam doendo depois de tudo o que eu havia feito o dia inteiro, quando fiquei confortável, vi os fãs começando a ficarem mais agitados. Levantei me aproximando da entrada, vi que os meninos estavam saindo para tirar fotos e dar autógrafos. Fiquei encostada em um canto, esperando a confusão acalmar, aproveitei que eu já estava ali e tirei fotos com eles.

– Olha só, não é que você veio? Achei que era só uma desculpa aquilo que você falou. – Ele falou em tom de brincadeira, e sorriu em seguida.
– Bom, em partes era desculpa mesmo. – Respondi rindo.
– Vem. – Ele estendeu a mão para mim, e rapidamente dei a mão para ele. – Vamos entrar.

Entramos no hotel ignorando qualquer protesto de fãs que estavam ali, e fomos até o jardim que tinha na cobertura do prédio. O segui em silêncio e sem saber o que falar, ele me guiou até uma mesa que tinha meio distante das pessoas que estavam ali.

– Então? – Ele falou, se sentando na minha frente. – O que você queria falar?
– Bom, na verdade, admito que foi só uma desculpa. – Falei sentindo meu rosto corar – Ai você me chamou para vir aqui depois do show.
– Entendo… – Ele falou suspirando. – Se aproveitou do convite achando que teria a oportunidade de fazer algo comigo.
– O que? , às vezes eu me pergunto da onde saem essas pérolas, porque olha, é cada uma… – Falei meio irritada, o encarando que estava surpreso. – Você nem me conhece, e já tá deduzindo as coisas! Na verdade, aceitei o convite para poder passar um tempo a sós com o meu ídolo, no caso nem a sós precisava ser, mas sim, poder falar com você normalmente, e não com um monte de fã surtada querendo pular em cima de você.
– Espera! Então você não veio com segundas intenções?
– Não, .
– Isso é raridade, e completamente novo para mim. Afinal, qual o seu nome mesmo?
.

Ficamos ali sentados conversando, sobre a vida no geral durante horas a fio, então começou a chover de repente, mas não foi uma garoa, simplesmente começou a cair o temporal o que era bem típico de São Paulo, e acabamos ficando encharcados.

– Vem, vamos para algum lugar quente. – Ele falou, colocando o casaco que ele estava usando até então sobre meus ombros, e me abraçando.
– Vamos para onde? – Perguntei acompanhando ele.
– Vamos para o quarto, lá tem aquecedor.

Entramos no hall, ele chamou o elevador e enquanto esperávamos, eu sentia cada músculo do meu corpo tremendo por causa do frio. Entramos no elevador, encostei-me num canto para tentar me aquecer, ele apertou o botão do quinto andar e me abraçou, então pude sentir o cheiro do seu perfume tomando conta de mim, nos encaramos durante alguns instantes, até que ele selou nossos lábios foi um beijo longo e calmo, fomos interrompidos pelo elevador parando no andar que ele havia apertado.

– Vem tomar um banho quente – ele falou, estendendo a mão para mim.
– Olha, eu aceito. – Falei dando a mão para ele, e sentindo meu rosto corar. – Só espero que você não ache que eu tenha segundas intenções com você.
– Bom, admito que eu tenho. – Ele falou, e eu vi o rosto dele ficar levemente corado – Você não é igual às fãs que eu encontro por aí.

Eu fiquei completamente sem resposta, apenas sorri. Entramos no quarto, ele pegou uma camiseta e me entregou, eu não tinha muita escolha a não ser aceitar a camiseta, então a peguei e fui para o banheiro. Depois que sai do banho, me encarei durante alguns instantes pensando, , pelo amor de Deus, aproveita a situação! Você já sabe que ele quer!” balancei a cabeça e sai do banheiro, ele já havia vestido uma roupa seca, e estava sentado na cama assistindo televisão.

– Não vai tomar banho? – Perguntei sentando do seu lado.
– Tomo mais tarde, vem mais pra cá. – Ele respondeu, me puxando pela cintura para perto.
, isso não vai prestar.
– Isso o que, ?
– Ficar tão perto assim. – Respondi, me afastando um pouco.

Ele sorriu maliciosamente, se aproximou de mim e começou a depositar beijos no meu pescoço, rapidamente retribui o gesto, arranhando de leve suas costas, ele tirou minha camiseta, e jogou longe. Enquanto eu desabotoava o short dele, ali tudo aconteceu naturalmente. Depois de tudo, ele foi para o banho, e eu mandei mensagem para minha mãe, avisando que iria dormir na casa de uma amiga, para ela não se preocupar, bloqueie o celular e o coloquei na mesa de cabeceira. Deixei minha mente vagar sobre os acontecimentos daquele dia, e acabei adormecendo.

Acordei assustada no dia seguinte, porque eu tinha falado para minha mãe que iria almoçar com ela. Olhei para o lado, e ele estava dormindo tranquilamente, fiquei o observando dormir durante alguns minutos, até que lembrei que precisava ir embora, e junto com aquele pensamento, veio uma sensação ruim de que eu nunca mais iria vê-lo.

. – Sussurrei, enquanto passava a mão em seus cabelos. – Acorda, .
– Hm – Ele respondeu abrindo um pouco o olho. – O que foi? Tô atrasado? – Ele falou, sentando rapidamente na cama.
– Não, calma, é que eu preciso ir, mas não queria sair sem me despedir. – Falei sorrindo pela reação dele.
– Ah, mas já? – Ele falou olhando o celular. – São só dez da manhã, fica mais um pouco? – Ele falou meio manhoso, e senti meu coração quebrar, afinal tudo o que eu queria era ficar ali.
, eu quero, mas não posso. Combinei com a minha mãe que eu iria almoçar com ela. – Falei abraçando ele.
– Me passa seu número então? – Ele desbloqueou o celular, e me entregou.

Peguei o celular dele, e coloquei meu número quando me abaixei para me despedir, ele levantou me puxou pela cintura para mais perto dele, e me beijou intensamente, parei o beijo sussurrando que eu precisava ir, peguei minhas coisas e chamei um Uber.

No caminho de casa, eu sentia que eu estava deixando um pedaço meu para trás, respirei fundo, e olhei para o celular então senti meu rosto corar, tinha uma mensagem ali.

“Hey, obrigado por ter ficado aqui noite passada, espero não perder contato com você. PS: É o .”

Sorri enquanto encarava a mensagem no celular, cheguei em casa exatamente na hora que eu havia combinado com a minha mãe. Entrei em casa mega feliz pela noite que havia tido. O tempo foi passando, e como eu já imaginava, fui perdendo contato com ele, até porque, tem a diferença do fuso horário daqui do Brasil para Montreal. Hoje em dia, nós quase não conversamos, ele já até arrumou uma namorada nesse meio tempo, mas pelo que sei, por causa da mídia, também já terminou. Esse ano eles vem fazer show aqui de novo, e obviamente eu vou ao show, acho que o jeito vai ser esperar para ver como vai ser daqui para frente, eu só espero que dê tudo certo.