Not In The Same Way

Not In The Same Way

Sinopse: “…Estou acordando com meus erros novamente…”.
Luke Hermmigs sabia que Zoë só brincava com ele, assim como fingia que amava ele da mesma maneira, enquanto Haruka havia aprendido que Nowaki não tinha qualquer afeição por ela.
Gênero: Drama, romance.
Classificação: +14.
Restrição: Insinuações sexuais.
Beta: Natasha Romanoff.

 

Capítulo único

Luke.
A primeira vez que a viu ela sempre esteve ao seu lado, os olhos grandes e bonitos enquanto abria um sorriso enorme para si, correndo pela praia.
Enquanto ele estava de coração partido.
— O que foi, soft boy?

Dois anos antes.

Rasgue meu coração e vá embora
Era isso que Zoë fazia com ele.
Ela ousava pisar em seus sentimentos ao mesmo tempo em que a verdade era que eles não eram a mesma coisa enquanto, antigamente, ele pensava que não poderia amar outra pessoa como ela.
Luke sabia disso, até melhor do que ninguém, enquanto apenas puxou a garrafa de whisky e encarou a até então mulher dos seus sonhos nos braços de outro em meio ao flerte nada inocente.
Sorriu para ela quando se virou para ele enquanto as risadas de Zoë soavam altas ao lado do homem. A mulher ria de forma travessa para ele enquanto flertavam descaradamente na frente de todos que ali sabiam que ela e Luke era um caso tórrido.
Na frente de Luke, quando foi que tudo isso se tornou tão ruim para seu coração? Quando foi que ele deixou ela pisar em seus sentimentos daquela maneira?
Ah, lembrava de que ele e Zoë não tinham nada além de um sexo fantástico que não os levaria a lugar nenhum, ao mesmo tempo em que pensava que aquela mulher adorava brincar com seu coração.
Eles não estavam na mesma sintonia, enquanto Luke virou o whiskey com tudo.
Ele não queria pensar em Zoë.

X
Uma das coisas engraçadas da ressaca é que você não espera tal coisa em determinados momentos, afinal, você está ali para esquecer tudo o que houver consigo enquanto as consequências seriam uma tremenda dor de cabeça além das náuseas o dia todo, ao que qualquer pessoa diria que jamais botaria uma gota da álcool na boca.
As pessoas decidem beber para esquecer, viver o momento ou simplesmente afogar as mágoas de outras pessoas e acabam falando verdades que são incompreendidas por seu coração. Luke visualizou o teto branco demais e apenas encarou a cama de lençóis limpos, seu corpo coberto apenas pelo pano enquanto a pessoa estava sentada na mesinha de centro, no quarto, de fone de ouvido. Ela o ignorava como se ele fosse inexistente.
Em qualquer outro dia seria uma cena comum acordar na cama de uma estranha, a qual ele não se recordava de como havia chegado ali. Mas Luke Hemmings não lembrava de como havia parado ali e muito menos quem era a garota vestida com uma roupa do Star Wars. Esta se virou para ele assim que ouviu do futon.
— Finalmente acordou. Dor de cabeça?
A voz soava preocupada, enquanto percebeu que Luke Hemmings não entendeu nada do que ocorria ali e a garota segurava uma xícara de chá. Os olhos tão negros pareciam avaliar o rosto pálido do então cantor.
— Você se lembra de alguma coisa?
Sugeriu enquanto suspirou e continuou em tom calmo:
— Você bebeu demais. Trouxeram você para cá.
— Zöe?
A primeira pessoa que vinha na cabeça era aquela que não valia nada.
— Ah, não. Ela não. Qual o nome dele mesmo? Ashton ou algo do tipo. — Deu de ombros, enquanto percebeu a confusão dele. Ela encarou as orbes azuis com uma incompreensão que não entendia. — Eles estão no quarto ao lado, então não se preocupe.
— Por que eu estou…?
— Isso aí é com você. Você tirou a roupa, a única coisa que fiz foi colocar o edredom sobre você e dormir no chão.
Luke Hemmings queria se enterrar enquanto a mulher percebeu o rosto dele quente. Ela o encarou seriamente e depois deu uma risada suave que fez com que o rapaz sentisse aquela queimação estranha na boca do estômago.
— Meu nome é . Pode me chamar de . E eu achei que australianos não ficassem constrangidos.
— Nós…?
— Hmm, o que você acha?
Ele a olhava, enquanto a mulher se colocou em cima dele, os olhos castanhos escuros fixos ao sorrir de maneira que Luke engoliu a seco. A postura relaxada de antes se tornou extremamente sexy com a camisa que usava enquanto se sentava sobre suas pernas.
— Eu até queria. Mas você pensou nela.
Nela? Luke Hemmings sentiu o lábio sobre sua bochecha, enquanto apenas pegou a camisa do Bob Esponja e uma calça moletom ao rapaz.
— Vista isto. E isto. Vamos comer.
Sorriu, beijando o canto da boca dele.
— E não. Nós não fizemos nada.

X
.
Nós fodemos e brigamos, então você me chama de psicopata
Brincar com Luke Hermmigs era interessante.
Não que ela fosse esse tipo de garota que brincava com sentimentos alheios, mas o rosto do rapaz pálido que perdeu a cor e ganhou uma coloração adorável de vermelho havia lhe atraído, assim como ele. Porém, diferente dele, Luke Hemmings era inofensivo para si, ou assim ela pensaria se não fosse pela atitude dele bêbado em contar seus segredos mais profundos para uma completa estranha.
Nowaki estava de box preta quando ela saiu do quarto naquela manhã após dormir sobre o chão duro ao lado do seu futon que estava ocupado pelo rapaz. Ia cumprimentar seu amigo de infância, mas decidiu não o fazer assim que percebeu a companhia da mulher ao lado dele.
Ela havia percebido que ambos estava maculando a cozinha, todavia, aquele tipo de atitude de Nowaki jamais mudaria e aquela mesma mudança seria digna de comemoração se então o homem se fizesse de bom moço, o que ele não era, enquanto pensava que a mulher estava aproveitando a foda matinal com aquele homem.
Ela não era nada boa.
Afinal, ele havia quebrado seu coração. Ela encarou o sexo matinal com nojo enquanto apenas retrocedeu para seu quarto e fingiu que aquela cena não iria a incomodar mais. Quantas vezes havia pegado ele fodendo alguém diferente a cada semana em diferentes maneiras? Naquela semana, Zoë era a terceira que vinha para casa e estava nas garras de Nowaki, porém não iria se meter em assuntos alheios e muito menos dar conselhos que não seriam ouvidos por ninguém.
Elas caíam nas garras do lobo japonês, que se fingia de bom moço com aquele olhos castanhos bonitos, mas Nowaki era mau, como nas histórias de conto de fadas.
Ela já aguentava demais sua própria carga psíquica e quem dirá de alguém que ela mal conhecia? Todavia, ela devia morder a própria língua, afinal, ela estava se metendo nos problemas de Luke Hermmigs quando pensava no motivo e fingia que não, todavia ela sabia que era porque Luke era interessante demais para ser deixado de lado. Soltou um suspiro, enquanto provocar Luke Hermmigs parceria ser muito mais interessante do que ver ele sofrendo de amor por alguém como Zoë, a qual questionava se ela tinha ou não qualquer sentimento por ele.
Não julgava a atitude dela, porém, como alguém que já havia passado algo similar com Nowaki, ela tinha plena certeza de que aquela relação era fadada ao fracasso desde início. No entanto, não era seu trabalho dizer aquele tipo de comentário a ele, afinal, cada pessoa era responsável por suas escolhas. Percebeu o rosto do rapaz fixo na comida que ela colocava à sua frente e riu ao perceber a expressão de confusão mental.
— Eu não fiz nada, certo?
— U-uhn.
Ela apenas fez um som de afirmação enquanto queria ter avisado que seu amigo estava fodendo a então amante de Luke, mas avisos não foram necessários para a cena mais grotesca da vida enquanto o homem vinha de mãos dadas com Zoë a tiracolo, ela com chupões na pele clara enquanto abria um sorriso ligeiramente afetado.
! Minha beldade. Dormiu bem sem mim?
Oh, conhecia aquele método enquanto Nowaki fingia estar mais amável do que ele era.
Um filha da puta mesmo que não sabia como rejeitar garotas. encarou Zoë, que não entendeu a mudança de atitude de Nowaki, mas quem entenderia aquele psicopata? A mulher sorriu de forma ferina.
— Se livre dela você mesmo. Eu tenho outras coisas para fazer.
Nowaki franziu o cenho. Desde quando o ignorava?
Mas tinha outros interesses agora. Talvez ela fosse como Luke, ao menos quando se tratava de Nowaki.
Havia poucas vezes que havia dito não a ele. Como uma boa cadelinha, ela sempre voltava, porém até mesmo ela tinha seus limites para aquela relação. Todavia, até mesmo ela sabia que não era como antes. Apenas percebeu quando puxou Luke para fora daquele recinto.
— Então, vamos nos divertir, soft boy.

X
Luke.

Dois anos depois.

ouvia o som da música enquanto suas curvas se movimentavam ao som baixo do acorde australiano.
A areia tocando sua pele, a suavidade da mão sobre sua enquanto ambos sentiam o mar nos dedos dos pés. Luke cravava os olhos nas costas nuas pálidas da garota, que ria. As mesmas orbes castanhas encaravam ele enquanto Hermmigs afundava naquele mar de profundidade nos últimos dois anos. Havia cumplicidade nas horas compartilhadas enquanto a mulher se deitou sobre ele e beijou sua bochecha.
O que foi, soft boy?
— Lembrando de quando conheci você.
— Ah, quando era caidinho pela Zoë. Meu Deus, você era tão bebezinho para ela.
Luke riu.
— Ciúmes?
— Eu? De jeito nenhum, afinal eu não via como homem na época! Ei!
Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, o Luke a carregou para água gelada enquanto a risada dela foi ouvida, as rugas de expressão enquanto Luke puxou seus lábios, o gosto salgado enquanto se agarrava ele.
— Não gostava de mim da mesma maneira?
— Não da mesma maneira, soft boy. Mas, aparentemente, eu posso te querer mais agora.
— E você era causa perdida por causa do Nowaki? Se embebedava por ele!
— Mentira! Não era a mesma coisa! Soft boy, você está com ciúmes!
Luke apenas tomou os lábios dela, invadindo aquele território que decorou ao mesmo tempo em que as línguas travaram uma batalha, sugando um ao outro, sentindo as mãos sobre sua coxa enquanto aquele joguinho havia se tornado algo mais, enquanto o furacão se tornava ventos suaves. Luke Hermmigs sabia que estava rendido pelos encantos de .
Por aquela boca, enquanto perdeu o ar, sentindo o lábio beijando seu queixo, a água cercando ambos enquanto encarava a mulher mais encantadora do mundo.
— Eu te amo.
Eu te amo, ti queiro… — sussurrou, enquanto riu. — Eu te amo, soft boy.
Enquanto afundava naquele mar profundo.
era ao furacão que havia levado e destruído tudo, porém, com seus ventos, o levou para lugares que ele jamais viu.

FIM