Saudade Da Gente

Sinopse: saudade
/au,a-u/
substantivo feminino
1. sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas (freq. us. tb. no pl.).
Durante todos os dias em que haviam estado afastados, a saudade nunca havia os abandonado. Estivera sempre ali, ocupando um espaço em seus corações e em suas mentes. Até estilhaçar, virando nada, enquanto eles se afogavam no amor que sentiam um pelo outro.
Fandom: Shawn Mendes
Gênero: Romance.
Classificação: 18 anos.
Restrição: Spin off de Nobody Will Ever Be Like You, mas pode ser lida independente de acompanhar a história. Cenas de sexo explícito e linguagem vulgar.
Beta: Regina George
Shortfic

Capítulo Único

tinhas as mãos enfiadas nos cabelos de , brincando com seus cachinhos e recebendo suspiros satisfeitos por parte do cantor. Estavam no sofá da sala, após o jantar e um banho rápido de para tirar o “cheiro de trabalho” do corpo. A garota tinha as pernas cruzadas e estava deitado de lado, com a cabeça em seu colo. A TV estava desligada e a sala era preenchida pela música que tocava no aparelho de som. O cantor havia acendido algumas velas para iluminar o ambiente e mantinha os olhos fechados e um sorriso torto nos lábios, quase ronronando de prazer conforme lhe acariciava com tanta afeição e cuidado.
Aquela era outra atmosfera onde eles não precisavam de palavras. Haviam sentido saudade e passar um tempo juntos, apenas curtindo um ao outro, daquela forma tão íntima, era tudo o que eles queriam e precisavam.
– Você poderia fazer brigadeiro. – sugeriu, erguendo o olhar até a namorada e abrindo um sorriso torto, do tipo que ele sabia que a conquistava de todas formas.
– O que você não me pede sorrindo que eu não faço chorando? – Murmurou e franziu o cenho, sem realmente entender a frase de . A garota riu, se inclinando para ele e o beijando nos lábios lentamente. Provou da boca dele com cuidado e carinho, aproveitando cada girar de línguas e cada mordida no lábio inferior que lhe dava. Suspirou quando ele segurou seu rosto com as duas mãos, tomando posse de parte de seu pescoço e de suas bochechas. rompeu o beijo quando o ar lhe faltou, mas não se afastou do cantor. Abriu os olhos e o encarou com intensidade, encontrando no olhar dele a mesma coisa que pairava no seu: saudade. Saudade da forma que faziam amor, de como se tornavam apenas um quando seus corpos estavam suados um contra o outro.
selou seus lábios duas vezes, sem desviar o olhar de . Se virou no sofá, ainda com o olhar preso no dela, esquadrinhando todo seu rosto de forma cuidadosa. Amava cada pedacinho daquela garota e quando voltou a puxar o rosto dela contra o seu, suspirou contra seus lábios e rompeu o beijo antes do esperado. resmungou insatisfeita, procurando a boca de outra vez e recebendo um beijinho na ponta do nariz.
– Não quero mais brigadeiro. – Murmurou, beijando seus lábios rapidamente e então seu queixo, deixando uma mordida leve em seguida. assentiu, ainda aérea por conta da atmosfera que havia tomado conta da sala. Era amor, saudade, desejo… tudo ao mesmo tempo e aquilo a deixava zonza.
Completamente anestesiada por .
– Tudo bem. – Assentiu e o observou sentar-se no sofá, próximo o suficiente para que sentisse o calor do corpo dele. E aquilo era o suficiente para deixar todo seu corpo em alerta para o que estava por vir.
– Senti sua falta. – murmurou, segurando a mão da garota e a puxando com gentileza para que se aproximasse. suspirou, sentando nas coxas do cantor, uma perna de cada lado do corpo dele, enquanto o envolvia pelo pescoço com os braços.
– Muita falta? – Ela questionou, aproximando suas bocas, respirando contra seus lábios e causando arrepios em todo seu corpo. O beijou algumas vezes, lenta e profundamente, deixando o coração do cantor acelerado e desvairado. brincava com os fios de cabelo em sua nuca e a cada puxão, a segurava com ainda mais firmeza pela cintura, grunhindo em aprovação ao sentir a pele macia da fotógrafa em sua palma.
Cada segundo daqueles beijos intensos acendiam o fogo de instantaneamente. E em sua mente, ele conseguia pensar nas diversas maneiras em que queria naquela noite. Em todas as formas que queria experimentar o gosto dela outra vez e se inebriar como o viciado que era. Viciado nela.
– Muita falta. – Ele repetiu em afirmação. Puxou o lábio inferior dela com os dentes, beijando-a sem a língua e puxando-a para mais perto. – Estou faminto, . Faminto de você. E vou precisar de muitas horas para acabar com essa fome.
– Uhum. – suspirou, apertando as pernas contra as coxas de e arranhando a nuca dele com as unhas com um pouco mais de força.
– Posso te comer? – Ele questionou, em um sussurro sensual. o encarou com o lábio entre os dentes e um gemido preso na garganta, já que encarar os olhos de era demais para sua sanidade. Na intensidade daquele olhar ela conseguia ver todas as coisas que gostaria de fazer com ela e por todos os santos, ela deixaria sem reclamar nenhuma vez. Agradeceria e pediria para repetir, por favor. Aquele homem a deixava completamente fraca e fora de si, principalmente quando ela o encarava tão de perto. Os olhos cheios de desejo, a boca avermelhada, os cabelos bagunçados… era a definição de pecado, mas para era seu paraíso. E ela amaria se perder ali, por todos os dias de sua vida. – Você sabe que vai ser bom. Para nós dois.
– A resposta para qualquer coisa que você possa me pedir é sim, . Eu já disse isso. – Suspirou e se deixou ser beijada novamente.
apertou os dedos em sua cintura e a garota gemeu baixinho contra a boca dele, deixando-o ainda mais excitado e ansioso para estar dentro dela. Mas ele estava com saudade daquela mulher e queria ouvir sua música favorita antes que eles perdessem todo e qualquer resquício de sanidade e se entregassem completamente um ao outro. Queria tocar e beijar cada pedacinho dela. Sentir seu cheiro, provar seu gosto, afundando no mar das ondas de . Queria estar com ela, em torno dela e dentro dela, a ponto de não lembrar de nada que não fosse ela. Não querer nada que não fosse e seus gemidos cantados.
– Sim. – repetiu, colando seus lábios no pescoço de , deixando algumas mordidas no lóbulo da orelha dela, lhe causando arrepios. A brasileira puxou os cabelos de com certa força e ele grunhiu em aprovação. – Sim para os meus beijos. – A beijou na mandíbula. – Sim para os meus toques. – Suspirou contra a pele da garota e desceu as mãos de sua cintura para as coxas dela, apertando sua carne com vontade. – Sim para o que eu faço você sentir quando estou com você. – A puxou para frente, chocando seus sexos e arrancando gemidos de ambos. – Dentro de você. – Mordeu novamente o lóbulo da orelha dela. – Entrando e saindo. Daquele jeito que faz você revirar os olhos e enfiar as unhas nas minhas costas. – Sorriu torto, voltando a sugar a pele de seu pescoço com lentidão, usando a ponta da língua para circular a área e deixando mordidas leves em sua pele.
– Sim. – gemeu, deixando a cabeça pender no ombro de e as mãos abandonarem os cabelos dele, movendo-as para a barra da camiseta e então para o fecho de seu sutiã, retirando ambas as peças de seu corpo, não se dando conta onde haviam caído quando as jogou para trás. subiu os toques de seus dedos imediatamente, trilhando as curvas de e alcançando seus seios, os dedos formigando pelo desejo de tocá-la. A boca de tomou a de novamente e a garota gemeu em sua língua quando os polegares do rapaz tomaram posse dos bicos de seus seios, acariciando-os com cuidado e devoção.
observou a garota jogar a cabeça para trás, morder o lábio inferior e gemer longamente quando ele colocou mais pressão em seu toque, o que apenas o incentivou a se inclinar para ela e tomar o seio direito em sua boca. Sugou o mamilo com cuidado, contornando a auréola com a ponta da língua para então começar a beijar o seio dela, como fazia com sua boca e a deixava alucinada, sugando o mamilo com gentileza e o acariciando com a língua. segurou nos ombros do rapaz, descontando sua frustração nos arranhões que deixava na pele branca dele. iria ficar com marcas profundas, mas ele não dava a mínima. Não quando fechava as pernas em sua cintura, friccionando suas intimidades e gemendo em português daquela forma gostosa que deixava seu pau latejando de desejo por ela.
– Isso. – gemeu, suspirando alto quando os dentes do cantor roçaram em seu mamilo extremamente sensível e ela recebeu uma mordida leve, causando um turbilhão de sentimentos em seu estômago. se remexeu no colo de , arrancando um gemido dele quando a boceta dela encaixou em seu pau. Merda, ele realmente estava com saudade daquela garota e se ela continuasse daquele jeito, sua força de vontade de não fodê-la de uma vez iria se esvair. rebolou no colo dele e gemeu longamente, acompanhada de um grunhido de .
– Shh. – Ele murmurou, movendo os lábios para o outro seio da garota e repetindo as carícias que fazia com a língua, levando a garota a loucura. subiu novamente as mãos para os cabelos de , puxando os fios da nuca dele e causando arrepios no cantor. abandonou o seio de muitos instantes depois, se afastando para analisar o busto avermelhado da garota e sorrindo de forma provocante para o trabalho que havia feito. Subiu o olhar para os olhos de e encontrou apenas desejo, sentindo seu pau pulsar quando a garota mordeu o lábio inferior. Seus corpos ficaram ainda mais quentes quando desceu as mãos para as laterais do corpo de , buscando as tiras da calcinha dela, tornando a combustão inevitável.
– Me arrebenta. – suspirou. – Quero você em mim, . – Ela suspirou se inclinando para ele e capturando seus lábios em um beijo molhado. – Daquele jeitinho que me torna toda sua.
respirou fundo, o corpo tremendo em expectativa com a fala da namorada. Aquilo era tudo o que ele queria e não havia como negar. Mas também, não queria apressar as coisas. Eles teriam uma vida para fazer amor das mais diversas maneiras e naquele dia, queria aproveitar cada momento com lentidão e cuidado. Desta forma, subiu novamente as mãos pelo corpo dela, raspando o toque em seus seios e tomando posse de sua nuca, aproximando seus rostos e beijando com carinho, provocando sua língua e deixando seus lábios ainda mais vermelhos. E prevendo que estava focado em brincar, respirou fundo e o empurrou para longe, segurando a barra da camiseta do cantor e o despindo. Se ele queria brincar e demorar, então ela faria o mesmo. E o deixaria louco.
Sorriu quando voltou a unir seus lábios naquele beijo lento e que deixava suas pernas bambas. Não se demorou, movendo os lábios para a mandíbula, pescoço, clavícula e tronco de , usando os dentes em leves mordidas excitantes. gemeu baixinho quando o arranhou de cima abaixo, jogando a cabeça para trás e fechando os olhos com força quando as mãos dela se apossaram do zíper de seus jeans. puxou a calça do cantor junto da cueca e ele a encarou com intensidade, ansioso para o que estava por vir. Logo ele estava nu a sua frente, tão bonito e tão gostoso quanto ela se lembrava. Lambeu os lábios, se ajoelhando em frente ao rapaz e lhe lançando um sorriso torto quando mordeu o lábio inferior.
– Senti muita falta dessa boca gostosa no meu pau. – Ele murmurou, fazendo-a sorrir com malícia e se aproximar mais ainda de sua virilha. prendeu os cabelos em um coque apertado e então se apoiou nos joelhos de , segurando a base de seu pau com a destra e usando a canhota para brincar com as bolas dele. O cantor gemeu longamente, fechando os olhos e jogando a cabeça para trás quando no instante seguinte, envolveu seu cacete com a boca, chupando a cabecinha com destreza e usando a mão para acariciar a extensão de seu pênis. Com os olhos fixos em seu rosto, desceu a boca por todo o comprimento, engolindo o quanto podia e usando os dentes apenas para provocar , que gemia baixinho e constantemente a cada vez que a boca dela descia por seu pau.
Se antes ele não estava duro o suficiente, naquele momento, com a boca macia de o engolindo com agilidade, estava a um passo de explodir. Gemeu mais alto, apertando as mãos e deixando os nós dos dedos brancos por conta da força do ato. Manteve o olhar em , acompanhando o movimento da cabeça dela conforme descia os lábios em seu cacete e crescia em sua boca. Mais e mais. E ela não parecia disposta a parar antes que ele explodisse em um orgasmo intenso. Apenas continuava o chupando, saboreando-o e brincando com sua excitação.
desistiu de qualquer chance de não explodir nos lábios de e usou a destra para segurar em seus cabelos, então movendo os quadris para cima e fodendo a boca da garota. Gemeu alto e o grunhido que seguiu a primeira estocada apenas causou ainda mais tesão em , que o chupou com um pouco mais de força e manteve os olhos no rosto de , apreciando conforme ele perdia todo o controle e se entregava a ela. Ainda mais gostoso do que antes.
, eu vou… – Mas ele não conseguiu terminar a frase porque ela o sugou outra vez, raspando os dentes contra a cabeça de seu pau e o fazendo gemer alto outra vez.
– Uhum. – Murmurou, sem afastar a boca do cacete dele e fazendo-a vibrar junto de seu resmungo. Ele segurou com ainda mais força em seu cabelo e meteu, uma ou duas vezes, os lábios dela o chupando com ainda mais intensidade enquanto se derramava em sua boca, o gemido alto, que mais parecia um grunhido desesperado, preenchendo todo o ambiente enquanto se afastava e o observava gozar. O líquido escorreu por todo seu pau e ela sorriu quando voltou os olhos para o cantor, que tinha a cabeça contra o sofá e a respiração forte e falha. O gosto não era exatamente uma delícia, mas ela o limpou com a língua, causando ainda mais arrepios no cantor, que apenas resmungava satisfeito conforme as carícias se tornavam ainda mais agradáveis. , se colocando de pé e retirando a calça de moletom que usava, permanecendo só com a calcinha. O gosto dele em sua boca apenas a deixava ainda mais ansiosa para tê-lo.
E ele a observou com cuidado. Ainda estava anestesiado pelo orgasmo, mas seu olhar procurou memorizar cada pedacinho de outra vez. Nada havia mudado naquele corpo que ele amava e que lhe tirava o sono, mas ainda assim, ele gostava de olhar para ela. Gostava de apreciá-la e de tomá-la por inteira. Abriu um sorriso torto e estendeu a mão para a garota, puxando-a outra vez para seu colo. A beijou com força, querendo provar seu próprio gosto na boca de , provocando-a e deixando-a insana pela necessidade de tê-lo entre suas pernas. não perdeu tempo e logo se despiu da calcinha, deitando-se no sofá e puxando para cima de si. Ele era grande e a cobria por inteira, o que apenas deixava toda a relação ainda mais profunda e ainda mais deliciosa. a beijou com carinho e sutileza, o suficiente para fazê-la querer muito mais daqueles toques e o arranhar nas costas e nos ombros quando ele lhe negava beijos mais profundos. a beijou em todo o busto, voltando a brincar com seus seios rapidamente e então descendo os beijos por sua barriga. Ela gemeu baixinho quando um beijo foi deixado em sua virilha e sorriu largo quando afastou as pernas, em um convite silencioso para que ele a tomasse em seus lábios completamente.
Se inclinou para dela, deixando beijos lentos no interior de suas coxas e sentindo a garota tremer sob suas mãos. Beijou-a na virilha e sorriu malicioso quando usou o polegar direito para acariciar o interior de sua intimidade. Moveu o dedo de seu clitóris até sua entrada, checando a umidade e estalando os lábios em satisfação quando percebeu a garota completamente encharcada, pingando de tesão por ele.
– Não estou em condições de esperar, . – gemeu em um suspiro. – Preciso da sua boca em mim.
– Tudo para a minha garota. – Sorriu e então se aproximou ainda mais dela, tomando sua boceta em um beijo lento e arrancando gemidos e suspiros da fotógrafa. Ela arqueou as costas quando ele a lambeu, passeando a língua por seu interior, deixando que ela se acostumasse com a carícia para então tomar o clitóris entre os lábios. E conforme a beijava, gemia de forma desesperada e apertava as mãos contra a espuma do sofá. não tirava os olhos do rosto dela, observando a forma como ela franzia os lábios e as caretas de prazer que fazia enquanto ele a engolia. E os sons… aqueles eram os seus favoritos. Adorava a forma como ela tentava reprimir os gemidos e acaba grunhindo apenas para gemer ainda mais alto, instantes depois. Amava ouvi-la xingar em português, porque aquela era a representação mais pura de como ele a deixava fora de si e como a agradava.
gemeu seu nome repetidas vezes, enquanto usava os dentes para brincar com seu clitóris, voltando a suga-lo com carinho enquanto sua destra findava o aperto nas coxas da fotógrafa e encontrava seu caminho para dentro dela. Sem deixar de chupá-la, enfiou dois dedos e gritou, arqueando as costas outra vez e apertando os dedos contra o estofado, buscando uma maneira de extravasar. O cantor afastou a boca dela apenas o suficiente para ter mais espaço para seus dedos, que mantinham um ritmo gostoso de estocadas. Indo e vindo, sem nunca parar. E ela gemia mais e mais, arrancando um sorriso satisfeito de quando os gemidos mudaram e ele soube que ela estava prestes a gozar. Conhecia o corpo de e suas reações como a palma da mão.
– Geme para mim, dengo. – pediu, a voz saindo quase que em um sussurro rouco e ela grunhiu, o encarando brevemente apenas para que ele tivesse certeza de que ela estava perto. E a forma como sua entrada estava mais apertada era apenas mais um indício de que ela iria explodir a qualquer instante. – Canta daquele jeito gostoso que me deixa morrendo de tesão. Goza para mim. – Soprou contra o clitóris dela, o sugando com um pouco mais de intensidade. grunhiu e então tremeu, enquanto o orgasmo tomava conta de todo seu corpo. Contorceu os dedos dos pés e das mãos, as costas arqueadas, para então descansar no sofá e puxar o ar para os pulmões com força. Retirou os dedos de dentro dela e os chupou, seguindo a boca para sua boceta e provando mais do orgasmo dela. Subiu os beijos por seu corpo e então chegou a sua boca. ronronou e o puxou para um beijo, seus movimentos lentos conforme ela aproveitava a paz que somente o orgasmo era capaz de conceder.
E por muito minutos, eles ficaram naquele beijo e naquela confusão de toques excitantes e quentes, buscando reaver o fogo que sentiam antes dos orgasmos. Nunca havia sido difícil, de qualquer forma. Eles não eram o tipo de casal que vivia na cama, mas quando estavam envolvidos no ato, tudo em seus corpos pedia um ao outro. Só conseguiam parar quando não havia mais nenhuma energia restante e naquele dia, depois de tanto tempo sem estarem juntos, energia e vontade era tudo o que tinham. Os beijos lentos logo se tornavam ávidos e a fricção entre seus corpos nus se tornou intensa. Suas intimidades estavam um pouco mais sensíveis, então casa fricção causava um arrepio em seus corpos e grunhidos reverberavam por suas gargantas.
tomou o pescoço de para si, com beijos que provavelmente deixariam marcas, mas que apenas a faziam arranhar suas costas com mais vontade. Um beijo na clavícula e subiu novamente para seus lábios, trocando um olhar intenso com a fotógrafa antes de apertar ainda mais as mãos contra sua cintura e se afastar, virando a garota de costas conforme se ajoelhava no sofá. virou o rosto para ele, o sorriso malicioso e brincalhão nos lábios, enquanto novamente gravava os detalhes de seu corpo na mente.
– Vai comer minha bunda, ? – Perguntou e a animação dela apenas deixou o cantor ansioso para fazer exatamente aquilo. Precisou de muito esforço para afastar aqueles pensamentos, já que tinha outros planos. Planos ainda mais deliciosos quanto.
– Agora não. – Suspirou. – Talvez mais tarde. Ou amanhã. – Deu de ombros. – Quero você de outro jeito.
– Você costumava perguntar como eu queria. – provocou e sorriu torto, passando as mãos por suas coxas e então deixando seu toque na bunda da garota, que ele apertou e beliscou algumas vezes, e sob resmungos de protesto, subiu o toque para a cintura dela.
– Agora eu conheço você e sei como gosta. – Deu de ombros.
Apertou o toque no corpo dela, puxando-a contra si, até que ela também estivesse de joelhos. Guiou o corpo de até que ela tivesse as mãos no encosto no sofá, de frente para a janela e com Toronto estendida a sua frente. Ela virou o rosto para ele outra vez e sorriu largo, conforme buscava a camisinha no bolso da calça jeans – já que ele estava preparado naquele dia – e desenrolava o objeto em seu pênis. Voltou a subir no sofá e colou seu corpo ao de , beijando sua nuca com carinho e arrepiando-a completamente. ergueu as mãos para trás, segurando os cabelos de e os puxando com certa força, enquanto ele trilhava um caminho de beijos quentes por sua nuca e ombros. Ela rebolou contra sua pélvis e resmungou, mordendo seu ombro em repreensão e riu de forma travessa.
– E como eu gosto? – Voltou a falar, rebolando outra vez e recebendo um beliscão. segurou com força em sua cintura, evitando que se movimentasse. Ela adorava provocá-lo até que ele desistisse de brincar, mesmo sabendo o quão prazeroso eram aquelas brincadeiras.
– Forte. – Respondeu, abocanhando o lóbulo de sua orelha e a fazendo tremer. puxou um pouco mais de seus cabelos e ele sorriu. – Rápido. Que doa um pouquinho, apenas o suficiente para deixar uma marca nessa bunda gostosa. – Outro beijo molhado em sua nuca.
. – Gemeu baixinho.
– Mas às vezes você prefere diferente. Devagar e intenso. Nesses dias, você toma o controle porque gosta de me ter debaixo de si. Gosta de me possuir, mesmo que faça isso em todas as outras vezes. – Afrouxou o toque na cintura da garota e ela voltou a rebolar, apenas o suficiente para ter certeza de que ele estava pronto para ela. E estava pronto. Duro e pulsante, esperando apenas o momento certo para fazê-la gritar. – E eu sei quando você quer assim, porque me beija diferente. Por isso tenho certeza de que hoje, não quer que eu pergunte como você quer. Apenas me quer. Do jeito que eu quiser ter você.
Gemeu o nome dele outra vez e soube que aquele era o momento. Desceu as mãos da cintura de até suas pernas e as afastou um pouco mais, encaixando a si mesmo as suas costas e guiando seu cacete para a entrada dela. Enfiou apenas a cabecinha para ter certeza de que ela estava molhada o suficiente, antes de mover os quadris para frente e tomá-la por inteiro. Eles gemeram juntos, extasiados pela sensação. Lembravam de todos os outros momentos onde haviam estado juntos daquela forma e tudo ficava ainda mais intenso. Era vontade, saudade, necessidade… um misto de sensações que apenas fazia seus corpos reagirem instintivamente. rebolou e voltou a colar seus lábios na curva do pescoço dela, movendo os quadris para fora e então voltando com tudo para dentro, misturando as preferências de ambos. Forte e duro. Lento e intenso. Do jeito que os dois gostavam.

Não diminui a intensidade das estocadas, indo e voltando de dentro dela a todo instante. segurou no encosto do sofá e continuou a rebolar, gemendo um pouco mais alto quando girava os quadris e acertava o ponto dentro dela que lhe tremia todo o corpo. Ele movia as mãos por todo seu corpo, ora apertando sua cintura, ora deixando as marcas que adorava em sua bunda e também acariciando seus seios com carinho. Tinha a destra brincando com o mamilo de , a boca em sua nuca, a canhota em sua cintura e o cacete a alargando conforme a penetração continuava. Conforme ficava ainda mais apertada. Já não escorregava com facilidade para dentro dela, mesmo que ela estivesse encharcada. Findou o beijo e levou a boca até a orelha da garota, que era apenas gemidos e grunhidos.
– Me engole inteiro, dengo. – Sussurrou. – Senta em mim, enquanto eu como você. – Outro beijo e assentiu, deixando as mãos caírem do encosto do sofá para as coxas de .
Ele ajustou a posição, deixando-a entre suas pernas e dando apoio para as mãos de . As unhas dela encontraram sua pele e sentou em seu pau, recebendo um gemido alto do cantor como resposta. Ela a envolveu pela cintura com um dos braços, enquanto o outro trilhava a lateral do corpo da fotógrafa e encontrava seu clitóris inchado.
. – choramingou quando ele a acariciou com os dedos, sentando com ainda mais força e encontrando a estocada nele no meio do caminho. Os dois suavam e sentiam os orgasmos cada vez mais perto. O ápice estava próximo e buscaram mais fricção. Seus corpos se moviam ao mesmo tempo, se encontrando em meio aos movimentos para se chocarem e se tornarem apenas um.
Deitou a cabeça contra o ombro de , mordendo o lábio inferior e reprimindo o grito de prazer que queria soltar quando ele girou os quadris ao penetrá-la. Apertou as unhas contra as coxas dele e rebolou, sentando em seu pau e sentindo a estocada profunda dele em retorno. O som de seus corpos se chocando era abafado pelos gemidos que grunhia e pelos suspiros de , junto dos xingamentos em português que ela proferia vez ou outra. O dedo de voltou a tocar seu clitóris quando seu cacete pulsou e ele soube que iria gozar. E com as pernas fracas e o coração acelerado, gritou e se entregou ao orgasmo, enquanto ainda se movia dentro dela, um pouco mais lento graças a sensibilidade de seu corpo. Ele gozou em seguida, o rosto enfiado no pescoço da garota e o cheiro dela inebriando todo seu sistema.
Levou alguns minutos para que eles recuperassem o controle sobre a respiração, os corações ainda acelerados e o êxtase presente em cada célula de seus corpos. a beijou na nuca, com carinho e cuidado e sorriu ainda de olhos fechados, segurando os braços dele contra seu corpo e suspirando. Um beijo em sua bochecha foi o suficiente para fazê-la encará-lo, encontrando o mais puro amor naquele olhar. O beijou rapidamente nos lábios, voltando a atenção para a vista da janela e sentindo o abraço de ainda mais forte. Ele pousou o queixo em seu ombro e manteve seu olhar na mesma linha que a dela.
– Senti muita saudade. – Suspirou.
– Senti o mesmo. Fico feliz que esteja em casa novamente. – Sorriu.
– Eu amo você. – proferiu calmamente. E quando voltou a encará-lo, soube que ela também o amava. E mesmo que ela não precisasse, ela lhe repetiu e o beijou outra vez.
– Eu também amo você. – O puxou para o sofá e para seus braços assim que se livrou da camisinha e pegou um cobertor para cobri-los. Iriam para a cama em algum momento, mas queriam desfrutar daquele sofá mais um pouco. E Toronto estava linda naquela noite.