03. Two Of Us

03. Two Of Us

Sinopse: Two of Us é um spin-off de Black and White. Essa história conta o luto que Niall vive depois da sua esposa, Antonella. ter morrido em um acidente de carro. No momento, Louis está realizando uma turnê pela Europa e planejou, junto dos antigos integrantes da banda, a viagem de Niall para Londres, mesmo ele tendo recusado. O show contou com uma pequena homenagem para os fãs de Louis e também para Niall.
Gênero: Romance.
Classificação: Livre.
Restrição: Os meninos são fixos. Niall é o personagem principal. A personagem principal é interativa.
Beta: Sharpay Evans

– Niall! – abriu a porta do quarto e deixou Ozzy entrar. – Já são nove da manhã, deixa de preguiça. O Ozzy quer passear.
– O que deu em você essa semana? Você sempre passa das dez. – Resmunguei abrindo um dos olhos para encará-la na porta. vestia um conjunto de academia e seu cabelo estava preso em uma trança.
– Diferente de você, estou tentando ter uma vida ativa. – Ela sorriu e correu na direção da cama onde a mesma pulou em cima de mim.
– Você está toda suada. – Fiz uma careta e ela revirou os olhos.
– Deixa de ser fresco. Não é, Ozzy? – Ela olhou para o cachorro ao lado da cama, o pastor alemão colocou as patas em cima do colchão e começou a lamber o meu rosto, imediatamente escondi o rosto com as mãos.
– Ozzy, para. Ozzy! – Repreendi o cachorro.
Quando abri os olhos, olhei ao redor e soltei um suspiro ao ver o cachorro no outro lado do quarto deitado na sua cama. Era só mais um dos meus sonhos. Chamei o cachorro para perto de mim e ele veio rapidamente, deitando ao meu lado, onde era o espaço de . Não fazia mais de 4 meses que ela tinha falecido.
– Acho que ela gostou de você garotão. – Passei a mão pela cabeça do cachorro que se aninhou na cama. Eu levantei logo depois, descendo para tomar café.
Enquanto preparava as torradas e um copo de café bem forte, olhei para o meu celular em cima do balcão e respirei fundo. Eu deveria parar de fazer aquilo. Dei as costas para o telefone e retirei os pães da torradeira, passei um pouco de geleia e me servi com um copo de café bem cheio. Coloquei as louças em cima da mesa e sentei para comer. Porém, não me segurei e peguei o celular, já riscando o número de .
“Hey! Você acabou de ligar para , pode deixar seu recado que escutarei em breve!”
Um sorriso se abriu entre meus lábios, era bom escutar a voz dela, só era uma questão de tempo da operadora retirar o número dela do ar. Coloquei no viva-voz e deixei o celular em cima da mesa.
– Hoje eu sonhei com você, parece que gostou do meu novo companheiro. – Eu olhei para o cachorro deitado na porta da cozinha. – Provavelmente é coisa da minha cabeça, você não irá aparecer nos meus sonhos sempre que alguma coisa nova acontecer, mas é como eu sentisse você… – Cruzei os braços encostando na cadeira. – Louis quer que eu vá em um dos shows da turnê que ele está fazendo, por coincidência será em Londres. Eu te falei que tive que viajar para cá né? Toda essa loucura com o álbum… não sei se deveria ter lançado agora. Se estivesse aqui provavelmente poderia ter me ajudado. – Eu suspirei encarando o celular, até que decidir apertar o botão vermelho para desligar.
A cada manhã era uma luta diferente, eu tentava não ligar para o telefone de , mas às vezes era mais forte do que eu. Com o sucesso do álbum a imprensa me procurava dia e noite atrás de entrevistas, mas eu sabia que era mais para falar sobre a morte da minha esposa. Cerca de um mês atrás eu acabei cedendo para a Rolling Stone.
– Você teve alguma inspiração específica em relação ao álbum que acabou de lançar? – A entrevistadora perguntou.
– Não. Algumas músicas simplesmente chegam até mim e escrevo da melhor forma possível.
– O acidente com a sua esposa fez com que você desistisse de lançar o álbum? – Quando a entrevistadora fez essa pergunta eu levantei uma das sobrancelhas incrédulo.
– Como é? – Eu me inclinei para frente para ter certeza de que eu havia escutado direito.
– O acidente com a…
– Não, não precisa mais repetir, obrigado. Eu gostaria que você pulasse para a próxima pergunta, não me sinto confortável respondendo.
– Tudo bem… – A mulher olhou para as perguntas e em seguida para mim. – Você teve alguém como inspiração para escrever Black and White?
De qualquer forma eles queriam tirar alguma coisa sobre de mim. Eu respirei fundo e cruzei as pernas, precisava acabar logo com aquilo.
– A foi a minha inspiração para escrever Black and White. Só tenho isso para falar.
– Você compôs antes ou depois que ela morreu? – Seus olhos encontraram os meus e eram tão frios.
– Olha, entendo que você está fazendo o seu trabalho. Porém, eu prefiro responder perguntas que tenham foco no meu álbum, e não na minha vida pessoal, que é claramente o que vocês estão tentando fazer.
Aquela entrevista tinha sido um desastre. Saiu em todas as revistas possíveis. “Black and White foi escrita em homenagem a esposa, falecida recentemente.”. Nem colocaram o nome dela sequer. A quantidade de pessoas que ligaram para o meu empresário atrás de uma entrevista foi enorme. Em relação aos meus fãs, eu não tinha o que reclamar, desde a morte dela eles me apoiaram totalmente e inclusive, recebeu diversas homenagens nas praias depois que eu fui flagrado em Santa Mônica, jogando suas cinzas na praia. Era reconfortante saber que as pessoas também gostavam dela e a viam como eu vi.

Louis estava em turnê por toda a Europa, ele tinha convidado os meninos para comparecer no show de Londres, eu recusei há um mês atrás, porém meus compromissos em Londres acabaram batendo na mesma semana do show. Não tive como recusar. Eu estava indo para o backstage quando escutei os meninos conversando. Eram quatro e quarenta, o show estava marcado para começar as cinco.
– Já falei que não. – Harry revirou os olhos e sentou em cima de uma das caixas pretas que os equipamentos eram guardados.
– Qual o motivo da discussão agora? – Perguntei levantando uma das sobrancelhas.
– Agora que você chega? – Liam perguntou apontando para o relógio no pulso.
– Eu estou no horário, nem vem. – Falei sentando ao lado de Harry.
– Você acha mesmo que a semana de Londres bateu com o show do Louis por acaso? – Harry perguntou apoiando as mãos na caixa e me olhando.
– Como assim? – Franzi o cenho confuso. Harry riu e esticou o braço com o punho fechado. Liam bateu com a mão na de Harry, com um soquinho e ambos riram.
– Ainda temos influência na sua vida, Niall Horan. Foi fácil ligar pro seu agente e ele te fazer vir pra cá. Sabíamos que não queria vir porque queria ficar em casa.
– Esquece que é Niall Vongole? – Liam cruzou os braços sorrindo. Aquela palavra trazia lembranças boas.
– Niall, você precisa sair de casa. iria detestar te ver nesse estado. – Harry se levantou. Tínhamos que ir para a lateral do palco logo.
– Nem acredito que fizeram isso. – Suspirei levantando da caixa e seguindo os dois.
Louis estava fazendo um ótimo trabalho, Hyde Park estava lotado, era o primeiro show de três que Louis iria fazer na Inglaterra, não era atoa que aquela quantidade de gente estava ali.
– Saudades de fazer essas doideiras com a minha vida, tipo, uma turnê. – Harry riu alto enquanto observava no cantinho aquela quantidade de gente.
Quando o show começou e Louis subiu no palco, uma onda nostalgia me invadiu ao escutar o grito das fãs, fazia um tempo que eu não subia em um palco. Louis agradeceu a todas as pessoas presentes, conversou um pouco com a plateia e iniciou o repertório com Walls, depois Don’t Let It Break Your Heart e assim por diante. Já na metade do show Louis resolveu fazer uma homenagem.
-Minha história começou aqui, em Londres. Gostaria de agradecer a presença de todos vocês e também dos meus amigos, Harry, Liam e Niall, que estão presentes aqui hoje. – Ele apontou na nossa direção e as pessoas gritaram, elas não conseguiam nos ver, porém dava pra sentir a vibração delas. – Me apresentar em Londres é sempre uma grande emoção, todas as vezes eu sinto aquele frio na barriga. – Ele riu. – Como Londres é um lugar especial para mim, eu decidi fazer uma homenagem com a próxima música, que todos sabem eu escrevi quando perdi uma pessoa muito querida para mim e recentemente um amigo também perdeu uma pessoa próxima a ele, como já aconteceu com vocês. Há dois meses atrás lançamos um especial de Two of Us, onde pedimos que vocês mandassem imagens e vídeos de pessoas que vocês já perderam. Espero que gostem!
Quando a melodia de Two of Us começou, foi como sentir um soco no estômago. No telão atrás de Louis, várias imagens e vídeos de pessoas começaram a passar enquanto ele cantava, inclusive tinha alguns vídeos rápidos de . Quando vi o especial de Two of Us ser lançado, eu nem me dei conta. Como eles tinham conseguido aqueles vídeos?
– Falei que era pra você vir. – Harry murmurou enquanto observava as pessoas passarem no telão. A plateia americana e inglesa não era tão calorosa como a brasileira, possivelmente por eles terem mais oportunidade de irem em shows, foi uma das raras vezes que eu os vi cantando.
Assim que a música acabou, as luzes do palco se apagaram e eu vi aparecer no telão.
“Tá gravando? Pode ir?” – Ela perguntou olhando para alguém atrás da câmera. Ela parecia estar em um quarto. Ela olhou para a câmera e sorriu. – “Hey! Se você está vendo esse vídeo é porque deu tudo certo! Seu álbum saiuuuu.” – Ela bateu palminhas feliz. – “Os meninos me fizeram gravar esse vídeo, me falaram que queriam fazer uma surpresa, então, aqui estou eu. Parabéns pelo seu novo álbum, tenho certeza que Heartbreak Weather vai ser um sucesso, você merece, meu amor, eu sei o quanto você trabalha e tenta dar o seu melhor para os seus fãs. Esse vídeo vai sair onde produção?” – Ela olhou novamente para cima e suspirou. “Bom, não sabemos, então se sair para o público, gostaria de agradecer a todos e todas que nunca abandonaram o Niall durante toda a trajetória dele. Eu vivo falando pra ele que ele nasceu pra isso e que pode fazer isso todos os dias da vida dele.” – Ela chegou perto da câmera fingindo contar um segredo. “Às vezes ele não me escuta, então se vocês puderem dar uma forcinha.” – Ela deu uma piscadinha e mandou um beijo, acenando. – “Te amo, Niall Vongole.” – No final do vídeo ela fez sinal para quem estava atrás da câmera se aproximasse e Harry, Louis e Liam ficaram ao lado dela, acenando. Todos colocaram o indicador e o polegar na testa, fazendo um sinal de adeus e o vídeo acabou.
Eu estava paralisado, não sabia como reagir. Quando foi que eles gravaram aquele vídeo? Os quatro juntos ainda! A plateia bateu palmas e Louis seguiu como seu show, tenho certeza que ele falou alguma coisa antes, mas eu estava no mundo da lua e não escutei. Eu precisei sair do palco para tomar um ar. Me dirigi até o backstage e sentei no chão, a música de Louis nunca tinha feito tanto sentido. “Diamantes não se transformam em pó ou desaparecem”. nunca desapareceria da minha vida, como o diamante que eu havia dado para ela. Todos esses meses eu busquei tentar lidar com a morte dela, mas eu não estava me esforçando, só queria tê-la de volta. Eu havia prometido e não tinha cumprido. As imagens e os vídeos dela me reconfortavam, mas era um tipo de conforto que me fazia ficar remoendo tudo o que eu havia passado com ela, não como lembranças felizes e em como ela tinha mudado a minha vida. Eu precisava me recompor, viver uma vida de que ela tivesse orgulho, viver a vida que ela queria para nós. Precisava dar o melhor de mim.
Eu levantei do chão e respirei fundo, os meninos não tinham me feito vir aqui à toa, eu estava vivendo um luto interminável, mas ninguém teve coragem de chegar para me alertar com medo de que eu pudesse piorar. Eu segui para o palco de volta e coloquei na cabeça que precisava superar o luto a partir daquele dia. Eu tinha responsabilidades com o meu novo álbum e precisava cumpri-las com a cabeça no lugar. Eu só tinha a agradecer para minha esposa, Horan.