04. Make It Right

04. Make It Right

Sinopse: A principal está passando pelo momento delicado e difícil em sua vida, sem saber como reagir à situação ela pede socorro ao seu idol preferido: Park Jimin. Será que Jimin está disposto a ajudar um fã em seu momento de sofrimento?
Gênero: Drama.
Classificação: +14.
Restrição: Park Jimin é personagem fixo da história/ Alusão à depressão/ BTS.
Beta: Rosie Dunne.

Make it right

Capítulo único

estava há cerca de 1 hora encarando o computador em sua frente, ponderando sobre o que iria fazer. A garota já aceitava que não teria respostas, e pensava seriamente sobre como a frustração àquilo lhe atingiria. Dois mil e vinte não estava sendo o seu melhor ano. Tinha chegado a achar que a pandemia não iria mexer tanto com ela como de fato estava.
Quatro meses imersa em casa e isso a deixava mais desmotivada que o natural. já tinha tendência a ser mais quieta, porém o contexto aguçava sentimentos negativos nela. Todos os pensamentos dela eram ruins. Tinha chegado ao ponto de não sair do quarto por dois dias, obrigando sua mãe a levar comida para ela, porque senão nem se preocuparia em se alimentar. Seus pais estavam aflitos com a situação da filha, mas não concordava em buscar ajuda psicológica.
Todas as coisas que antes lhe davam prazer já não faziam sentido mais. Todas, menos uma. Todos os dias escutava as músicas do seu grupo coreano preferido. O BTS a transportava para um mundo paralelo, no qual se sentia meramente feliz. A voz de Jimin, principalmente, tinha o poder de tranquilizá-la quando se sentia perdida. Ela sabia que precisava de ajuda, não era estúpida de não entender isso, mas não tinha vontade de dar o primeiro passo. Além disso, sentia vergonha de admitir que estivesse com dificuldades, justo ela que sempre disse que a depressão era doença de preguiçoso.
A garota respirou fundo, ainda pensando se mandaria o email ou não. Considerando que a ideia martelaria sem parar em sua cabeça se não o fizesse, a garota ajeitou os dedos no teclado do notebook para começar a digitar. Decidiu por fazer um texto curto, sabendo que seu inglês era bom, não teria dificuldade em escrever naquele idioma. Teria que ser em inglês, já que tinha deixado as aulas de coreano no início do curso.

À Big Hit,
Ou a quem receber esse email!
Meu nome é , sou uma fã brasileira do BTS, especialmente do Jimin. Venho passando por um momento complicado e só as músicas e a voz de Park Jimin me acalmam por agora.
Eu gostaria que ele, Jimin, pudesse me mandar uma mensagem positiva, porque sinto que é a única pessoa que conseguiria me motivar agora.
Att,
.
PS1: desculpa incomodar vocês com esse assunto;
PS2: desculpa mandar sobre isso nesse email, mas é o único divulgado para os fãs.

pressionou o botão de enviar antes que perdesse a coragem, e assim que o fez colocou os braços sobre o rosto, tentando se esconder, como sempre fazia ao estar com vergonha de algo que fizera. O email a deixava com muita vergonha, mas há semanas pensava sobre escrevê-lo. Sempre que imaginava algo que pudesse ajudá-la sua mente remetia à música em que Jimin cantava que poderia consertar as coisas. E confiava tanto em Park Jimin a ponto de doer: se ele dizia que poderia consertar o que fosse, ela acreditava.
Assim que recobrou de seu pequeno surto, a apatia a tomou novamente. A garota olhou ao redor do quarto e só sua cama, que ainda estava desarrumada, lhe era atrativa. Arrastou seu corpo para baixo do cobertor cobrindo até sua cabeça. No celular, colocou make it right para tocar no repeat, mesmo que não tivesse fluência no coreano, ela sabia a tradução dessa música de cor. adormeceu em prantos, ouvindo seu ídolo dizer por inúmeras vezes: i can make it right.

2 dias depois.
A notificação chegou no celular da enquanto ela almoçava com sua família, mesmo que fosse proibido o uso do aparelho durante as refeições, ninguém ousava impedir quando ela queria visualizar qualquer mensagem à mesa. O humor de era instável e seus pais não sabiam lidar com suas crises de choro ou raiva, por isso deixavam que ela fizesse o que tinha vontade para não causar conflitos em casa.
apertou o botão home para verificar qual mensagem havia recebido, esperando que fosse algo do twitter, olhou sem muito interesse. Mas, assim que o fez ela quase engasgou com o suco que estava tomando. Era notificação de sua caixa de email, e o remetente, achava que estivesse lendo errado, mas era a Big Hit.
Poderia ser uma mensagem resposta padrão, pensou ela. Mas porque demoraram dois dias para mandá-la? correu para o seu quarto, fosse o que fosse não conseguiria abrir o email pela tela pequena de seu celular. Ignorou sua mãe, quando esta pediu que terminasse o almoço primeiro. Suas mãos tremiam e o coração batia acelerado, como há tempos não sentia. Por sorte seu notebook já estava ligado, poupando o tempo de acesso a sua página de email.
Era a primeira mensagem que aparecia na caixa de entrada. E sim, fora encaminhada pelo mesmo email que ela tinha enviado seu pedido de ajuda. levou a mão à boca quando leu o título da mensagem, era pessoal e não padrão “Oi . Então, ela não perdeu mais tempo, clicou no link com o título e abriu a mensagem.

À ,
Oi, Jimin aqui!
Conte-me sua história e eu vou fazer o possível para te ajudar.
P.S.1: não sou tão bom em inglês, por isso, precisei de ajuda para escrever essa mensagem. Espero que não se importe que eu tenha colocado outra pessoa em nossa conversa.
P.S.2: não se desculpe tanto assim.
att,
Jimin.

A mensagem estava escrita perfeitamente em inglês o que fez imaginar quem tinha ajudado Park Jimin a redigi-la e não se incomodava em ter Namjoon ajudando o amigo com aquilo. Era uma situação inacreditável, talvez tivesse acreditado naquilo por um minuto, mas já pensava melhor sobre o que estava acontecendo. Não poderia ser Jimin dando aquela resposta a ela, muito menos com a ajuda de Namjoon. Porém ela não pensava direito, e, por isso, começou a digitar uma resposta para aquele email.

Eu não acredito que seja você Jimin. E não sei por que estou respondendo a isso!
P.S.1: me desculpe por pedir desculpas.

jogou o corpo na cadeira, aquela movimentação toda havia deixado a mulher cansada. Gostava de ter a sensação de felicidade, mesmo que rápida. Mas, agora, a tristeza tinha voltado, ela se sentia envergonhada por ter sido enganada. Muito estúpida. O tédio também tinha chegado para fazer companhia a infelicidade da garota. Era sempre assim, o tédio e a tristeza andavam juntas. não sabia o que fazer, por isso girava em sua cadeira sem nenhuma pretensão maior do que rodar o assento e sentir-se tonta. Mas, assim que girou pela quinta vez e passou os olhos pela tela do computador novamente, ela viu um novo email em sua caixa de entrada. O mesmo remetente de antes.
Sem hesitar, ela abriu a mensagem, curiosa com a mensagem:

À ,
Eu não sei como vou fazer você acreditar em mim, mas sim sou eu, Park Jimin. Nós, do BTS, temos acesso a essa conta de email da big hit, e por motivos de segurança eu só posso me comunicar com você por ela. Mas acredita em mim. Confie em mim.
, conte sua história. Eu quero te ouvir.
P.S.: pare de se desculpar por coisas que você não deveria pedir desculpas.

Mesmo parecendo absurdo resolveu acreditar que aquele respondendo a ela era sim Jimin, e por isso, ela resolveu digitar o que ele queria saber. Ela contou ao idol sobre o quanto gostava de música, gostava de sair com os amigos também. Além disso, contou que estava no quinto período da faculdade, fazia comunicação socia, e que a fotografia era a área por qual mais se interessava. Mas, ela também disse que tudo isso tinha passado. Que ela não sentia prazer mais em fazer o que gostava. Era como se a vida não tivesse sentindo. não enxergava o futuro, não tinha vontade nem de fazer planos. A viagem a Seul, que tinha sido presente de aniversário dos pais, já não aconteceria, primeiro pela pandemia e segundo porque já não tinha vontade de sair de casa mais.
Digitou tudo o que conseguia dizer, no fim, percebeu que sua respiração estava pesada e seu peito doía, mas não chorava. Nem vontade de chorar ela sentia. Desabafar por aquele email era um alívio, não tinha falado tanto sobre o que estava sentindo como tinha dito naquela caixa de mensagem. O texto era grande, e talvez nem fosse lido pela pessoa que receberia, mas só pelo peso que ela tinha deixado com aquelas palavras já valia a pena ter escrito tanto. se afastou do computador, porque não se sentia mais tão bem como antes, a tristeza tinha voltado.

7 dias depois.
Demorou uma semana para que a resposta chegasse já tinha desistido de conseguir algum outro contato com Jimin até receber a notificação naquela tarde. Um pouco mais cedo do que na semana anterior, agora o email tinha chegado Às 10h30 minutos.

À ,
Primeiro sou eu que peço desculpas dessa vez, mas por ter demorado a te responder. Seu email ficou martelando em minha cabeça todo esse tempo, mas com os trabalhos do BTS só consegui responder agora. Eu pensei muito antes de te mandar essa resposta, pois não queria falar nada de errado.
, você está em depressão, e talvez você mesma entenda sua situação. Eu já estive no mesmo lugar que você e sei o quão difícil e assustador é passar por ele. Mas passa! Só que você precisa se esforçar um pouco, mesmo que seja complicado agora, para que as coisas comecem a dar certo. Eu me comprometo a estar do seu lado nesse processo, mas preciso que você me prometa algumas coisas.
1) Procure ajuda profissional . Por mais que eu esteja ao seu lado, eu não consigo te dar a ajuda que você precisa de verdade. Procure um psicólogo e até um psiquiatra, se preciso. Vai ser difícil, você vai tocar em feridas que não gostaria de reviver, mas esse é seu primeiro passo para sair desse círculo.
2) Converse com seus pais e seus amigos, faça com que eles entendam o que está acontecendo porque só assim eles poderão ficar ao seu lado adequadamente.
3) Converse comigo.

Às vezes essa caixa de emails fica muito cheia e o pessoal pode deixar qualquer mensagem sua passar sem eu perceber, então sempre que você for mandar um email para mim coloque no título “Oiiiie Jimin”, desse jeito, bem alegre. Eu vou avisar sobre esse título aos staffs e sempre que chegar algo assim, eles me falarão.
Espero que você melhore.
Fique bem,
Att, Jimin.

As lágrimas rolaram pelo rosto de após ler aquela mensagem, era como um abraço que recebia de uma pessoa muito querida por ela. Percebeu o quanto estava sendo fechada em relação a sua saúde mental, e Jimin tinha a feito entender que não precisava esconder de ninguém o seu processo. Ela chorou pelo resto da manhã, assimilando tudo que ele havia escrito. Resolveu tentar o que Jimin tinha pedido.
Com o rosto ainda inchado pelo choro, saiu do quarto em busca dos pais. Ela sentaria com eles e conversaria sobre como se sentia nesses últimos meses. Pediria ajuda.

e Jimin sempre trocavam mensagens, mas ela nunca tinha contado a ninguém. Nem a sua psicóloga. Era o segredo que gostava de guardar. Os dois já estavam tão confortáveis um com o outro que Jimin conversava com pelo aplicativo de mensagens do celular. Ela já não enxergava o outro como seu idol preferido mas sim como amigo, sabia que ele tinha confiança nela, e que, talvez, Jimin a enxergasse como uma amiga também.

Os dois conversavam sempre no mesmo horário. Meio dia no Brasil; meia noite na Coréia. tinha voltado a fazer aula de coreano para se comunicar melhor com ele, o que permitia que os dois pudessem conversar sem a ajuda de Namjoon. Ela estava confusa quanto aos seus sentimentos, talvez gostasse de Jimin mais do que como amigo. Mas nunca disse isso a ele por medo de estragar a amizade que florescia entre os dois.

A mudança era perceptível, ela sabia isso se dava muito mais por sua vontade em melhorar do que pelo amigo. Mas também sabia que, se não fosse por Jimin, ela não teria procurado ajuda. E por seis meses o rapaz fazia questão de monitorar a saúde mental da amiga. Ele perguntava todos os dias o quão bem ela estava se sentindo. E em todas as crises de choro de , ele fazia uma vídeo chamada para ela soubesse que ainda estava ali por ela.

A regularidade da conversa começou a diminuir. Jimin agora demorava semanas para entrar em contato ou responder um “oi” que ela mandasse para ele. Mas entendia o sumiço do homem, já que sempre soube que quando o grupo estava ativo Jimin tinha poucas horas livres em seu dia. E com o fim da pandemia, o BTS tinha voltado a fazer shows, o que comprometia mais ainda o tempo livre dele. Mesmo que demorasse, Jimin procurava . Agora suas mensagens vinham carregadas por fotos dos países onde estava. Ela por sua vez sempre enviava uma selfie como resposta: sorrindo, para mostrar a ele que estava feliz.

E era verdade, ela estava feliz. Tinha voltado a fotografar, a sair com os amigos e a se relacionar bem com os pais. continuava com o tratamento psicológico, mas a medicação já tinha sido suspensa. Mesmo que ela tivesse crises em alguns momentos, já conseguia controlar melhor e, acima de tudo, sabia que aquilo passaria. Só não tinha certeza sobre a sua viagem para Coréia, já que tinha perdido a coragem de ir para tão longe sozinha.

Sempre tinha vontade de conversar com Jimin, mas respeitava o tempo e o espaço do amigo, assim as conversas, agora, demoravam meses para acontecer. Mas, sempre acompanhava o grupo quando podia: pelas músicas, pelas apresentações que faziam ou premiações que recebiam. Continuava fã de BTS, e Jimin ainda era sua pessoa preferida no mundo, achava que isso não mudaria nunca.

Com o tempo se sentia cada vez mais confiante, suas notas na faculdade estavam sempre acima da média, ela realmente havia se descoberto como fotógrafa, pensava em fazer cursos de especializações fora do país para se dedicar à profissão. Só não tinha decidido aonde iria, tinha tantas opções. também tinha começado a fotografar festas infantis e bailes de debutantes, o trabalho lhe rendia um dinheiro interessante, que ela guardava para quando soubesse qual curso faria e para onde iria.

As mensagens de Jimin tinham parado de chegar, agora eram três meses sem notícias dele, e não se sentia confortável em procurá-lo, sempre achava que pudesse incomodar o homem de certa forma. Então preferia ficar quieta, torcendo por ele de longe, como sempre fizera.

Mas ela nunca deixara de ser grata ao que Jimin fizera ou por todas as sensações que ele tinha provocado nela: todos os sorrisos, as brincadeiras ou as risadas quando tinham alguma dificuldade na comunicação. Quando se sentia triste lembrava da gargalhada de Jimin, e uma parte dela sorria junto com a lembrança. Sempre seria agradecida por ele ter lhe mostrado que ainda tinha vida quando ela mesma não acreditava mais nisso.

Ontem lembrei de você: no show que fizemos na
Alemanha, quando cantamos Make it rigth. Espero
que você continue indo bem. Mesmo que eu tenha
sumido, meus pensamentos ainda estão em você.
– Jimin

A mensagem no Kakao talk tinha feito o coração de disparar, já tinham se passados meses desde que conversara com ele. A mensagem de Jimin era um conteúdo vago, mas com muito significado para ela. Ela sorriu ao ler aquilo, porém não sabia o que responder, ainda sentia o tremor em suas mãos, então bloqueou a tela para pensar melhor em algo antes de continuar a conversa.

Nos dias seguintes tinha ficado tão ocupada que havia esquecido de responder Jimin. Uma de suas escolas preferidas de fotografia tinha aberto inscrições para um curso de fotografia, que por coincidência seria no tempo de suas férias na faculdade. A escola de arte era em Seul, e esse fato já fazia feliz, já que poderia enfim conhecer o lugar que tanto sonhara visitar um dia e fazer o curso que tinha tanta vontade. Lembrava constantemente de Jimin, não podia mentir, mas não entendia como a relação deles funcionava depois de tanto tempo sem conversar com ele. lembrou da última mensagem que Park havia mandado para ela, mas não se sentia segura o suficiente para entrar em contato com ele novamente.
Ela meneou a cabeça tentando afastar aqueles pensamentos para longe, já que tinha uma mala para organizar. E assim o fez.

Xx
Uma semana havia se passado desde que pisara em solo sul coreano, suas aulas ainda não haviam começado, já que ela tinha se programado para ter esse tempo de folga para conhecer melhor o lugar. O choque de cultural ainda era grande, mas ela não poderia dizer que não gostava do país, Seul tinha superado suas expectativas.

Sentada em uma praça, em frente a um templo, a mulher lembrou-se novamente de Jimin. O que ele diria se soubesse que ela estava na cidade em que ele morava? Ela pensava se ele ficaria feliz ou indiferente a sua estadia por lá. Pensou em pegar o celular e mandar uma foto para Jimin, seria sua forma de avisar que estava em Seul, mas desistiu em pensar que seria perda de tempo.
As lembranças dos momentos com Jimin frequentemente voltavam a sua mente, ficava agradecida por tudo o que ele havia feito por ela, mas ficava triste por saber que eles não tinham contato mais. Mas tinha aprendido sobre aproveitar tudo que tinha vivido e não só lamentar o que perdera, por isso, ela sorriu. Sozinha, ali na praça, ela suspirou fundo ao resgatar esses pensamentos, enquanto ajeitava suas mãos mais para o fundo do casaco que vestia, fazia frio em Seul.
Ela ouviu um grupo de pessoas se aproximando de onde estava, mas não virou a cabeça pra verificar o que estava acontecendo, não estava tão curiosa assim. As risadas eram altas, e por sua visão periférica ela percebeu que o grupo barulhento era formado por cinco ou mais pessoas, então pensou que era hora de ir embora, não gostava de lugares cheios e aquele local já estava alcançado seu horário de pico, aparentemente. Mas antes de levantar a moça percebeu uma pessoa se aproximar dela:

? – Seu nome não era comum no país, então sabia que quem quer que fosse estava chamando por ela

Ainda confusa com a situação, olhou com cuidado para quem a chamava, por algum motivo sabia que conhecia essa voz. Demorou alguns segundos para que ela entendesse quem estava ali, ao seu lado. sentiu o coração disparar, nunca tinha pensado que aquele momento aconteceria, por isso nunca tinha se preparado. A mulher engoliu a seco, sentindo a boca secar, não tinha capacidade de responder naquele momento. Então, ali parado em sua frente, estava Park Jimin, com a expressão tão confusa quanto a dela, mas com um sorriso aberto, da forma que fazia se sentir bem.

Nota da autora:
Fiquei tão feliz de conseguir escrever essa música, porque ela significa muito para mim, como fã dos meninos. Espero que eu tenha honrado a essência de Make it right e que vocês gostem do resultado. A intenção é que venha uma long fic a partir desse plot, por isso o final está em aberto. Obrigada a todos que vieram ler minha história.
Então, vou biscoitar minhas contas do twitter, pois por elas eu sempre falo mais sobre as coisas que escrevo ou pretendo escrever, caso queiram me acompanhar: @kthgalaxys é meu fc no site e @_dinhagabius é meu tt pessoal.