05. She Falls Asleep

05. She Falls Asleep

  • Por: Cami Fieri
  • Categoria: Especiais | McFLY
  • Palavras: 3481
  • Visualizações: 479

Sinopse: Manter um romance secreto nos anos 20 não é fácil, mas esse casal fará de tudo para que deem certo.

Capítulo Único

New Orleans, 12 de setembro de 1921.

estava caminhando em direção a um dos diversos clubes de Jazz da cidade, sua época favorita do ano finalmente havia chegado, o mais famoso festival de jazz estava pousando na cidade e ficaria por lá durante os próximos 15 dias.
O Fritzel’s European Jazz Pub era o melhor da cidade, sendo um dos poucos que havia conseguido burlar a Lei Seca, que proibia a venda de bebida alcoólica por todo o país. estava sentado em um dos bancos dispostos no balcão da área do bar quando uma garota lhe chamou a atenção, estava acompanhada de mais uma garota e de um rapaz que não aparentava ser mais velho que ele. Passou um tempo a observando para ter a certeza de que o tal rapaz não era um pretendente, quando se deu por satisfeito, decidiu se aproximar:
– Boa noite senhoritas, senhor! – cumprimentou educadamente – Gostaria de saber se poderia retirar esta formosa dama para uma dança. – disse estendendo a mão.
– Perdão, cavalheiro! Mas já está tarde para estas damas estarem fora de casa e preciso levá-las embora. – O rapaz disse já se levantando.
– Michael, por favor! Apenas uma dança e vamos embora, prometo não me demorar – a moça olhou para o rapaz a sua frente implorando para que tivesse um pouco a mais de diversão.
– Prometo que a trago de volta assim que a música acabar, ou vocês podem se juntar a pista conosco. – sugeriu.
– Tudo bem, apenas uma música, ! Você sabe como papai é rigoroso quando se trata de horários.
A garota, que , em seguida, descobriu chamar-se , agradeceu à Michael, o abraçando animada. A verdade é que ela adorava sair com seu irmão e sua cunhada, mas não era muito de seu agrado passar a noite inteira sentada em uma das mesas, vendo toda a diversão diante de seus olhos. As noites em que ela conseguia sair eram as melhores, já que seus pais não a deixavam que saísse com frequência, pois não era algo para uma mulher que almejasse um bom casamento devesse fazer.
aproveitou aquela dança para conhecê-la melhor, descobriu que a garota tinha 18 anos e que estava acompanhada de seus familiares, descobriu também que ela possuía pais muitos rigorosos que estavam à procura de um bom pretendente para casá-la. Ele contou a ela que lutou na Guerra Mundial, o que foi uma experiencia muito desafiadora para ele que queria apenas ser um simples músico de jazz.
Eles poderiam ter dançado e conversado por horas e horas, estava encantada pelo rapaz, mas havia prometido ao seu irmão que seria apenas uma música, portanto, assim que a mesma acabou, ela disse que precisava ir embora. havia adorado a garota, por isso não perdeu tempo de perguntar quando e onde ele poderia vê-la novamente, e mesmo não obtendo uma resposta que lhe agradasse, pois ela havia dito que somente em 15 dias naquele mesmo pub, ele prometeu que estaria lá para que eles continuassem a conversa de onde haviam parado.

New Orleans, 20 de outubro de 1921.

estava sentada em uma das praças da cidade, acompanhada de seu irmão, a espera de . Ele havia cumprido sua promessa, e 15 dias depois de quando eles se conheceram, lá estava ele esperando por ela para que eles pudessem se conhecer mais. era grata a seu irmão Michael por ajudá-la e fazer com que sua vida fosse mais suportável, a pressão para ser uma mulher perfeita que seus pais colocavam todos os dias era difícil demais para lidar sozinha.
Desde aquele segundo encontro, e davam sempre um jeito de se verem, nem que fosse apenas para um ‘oi’, a garota estava se apaixonando pelo músico, gostaria de viver um romance com ele e quem sabe convenceria seus pais de que ele era o homem certo para ela.
Para aquele dia, o casal havia decidido fazer um pique nique em um lugar mais afastado da cidade, e Michael estavam na praça a espera de um aviso de indicando o local para aquele encontro; assim que chegou, encaminharam-se rapidamente para o ponto combinado.
– Minha querida , você não sabe a felicidade que é vê-la aqui. Muito obrigado, Michael por tê-la trazido. – abraçou o futuro cunhado.
– Não precisa me agradecer ! Suas intenções para com a minha irmã parecem ser das melhores, além disso, não há nada que eu não faça para ver feliz! – dito isso, Michael se afastou deixando o casal sozinho.
havia preparado uma surpresa para a garota, gostaria de pedi-la em namoro e assumirem o relacionamento para todos, inclusive para os pais da garota. Ele estava ficando apaixonado por ela e faria de tudo para mantê-la por perto. Por isso ficou chocado quando ela disse que eles não poderiam se assumir naquele momento, que seus pais a proibiriam de vê-lo, ela precisava de mais tempo para convencê-los de que ele era o homem ideal para ela.
– Então vamos fugir – disse após um silêncio desconfortável ter se instalado entre eles.
– O que? Fugir pra onde? Como? , você enlouqueceu? – a garota perguntou assustada.
– Não sei, mas a gente poderia fugir para qualquer lugar, eu prometo que eu faria isso dar certo.
– Eu acho que você está sendo um pouco precipitado querido. Eu ainda acho que posso convencer meus pais sobre o nosso namoro. Tomaremos essa medida apenas se virmos que não dará certo. – Ela disse com toda a sensatez que possuía. Seria louca se dissesse que por dentro ela não tinha gostado da ideia de seu namorado, ver como ele transmitia seus sentimentos por ela e as loucuras que ele era capaz de cometer só para que pudessem ficar juntos, aquecia seu o coração.

New Orleans, 11 de janeiro de 1922.

Faziam quatro meses que e estavam namorando, quatro meses que a garota tentava convencer seus pais a desistirem da ideia de um casamento arranjado, quatro meses que ela e escondiam de todos um relacionamento, com exceção de Michael.
entendia o lado de sua namorada, mas estava começando a cansar de sempre ter de se esconder quando algum conhecido dela estava se aproximando, ou ter de fingir que era apenas um amigo de Michael, além de ter de fingir que não se importava com toda essa situação.
, por outro lado, se sentia cada vez mais feliz ao lado de quem ela amava, sentia que seus pais estavam a ponto de cederem sobre o seu pedido de não lhe arranjarem um casamento e quem sabe aceitariam tranquilamente o seu namoro com . Se eles ao menos soubessem o quão feliz se sentia ao lado do rapaz… Ela sonhava em montar uma família com ele, ter várias crianças correndo pela casa enquanto ele tocava músicas no piano e ela preparava uma deliciosa refeição.
Foi com todo esse pensamento positivo que decidiu que se entregaria completamente a . Ela o amava e tinha certeza que se casaria com ele logo mais, era tudo uma questão de tempo, por isso não se importava de transar com ele antes de se casarem, sabia que ele seria o único de sua vida. Iria organizar tudo para que a primeira vez deles fosse especial e que nada os atrapalhasse, e nada melhor do que a noite que eles completavam quatro meses do dia em que se conheceram.
A garota estava decidida a pedir a ajuda de seu irmão para que tudo saísse conforme o planejado, Michael era seu maior confidente, ele sabia de como ela sofria dentro de sua casa, por isso a apoiava em todas as escolhas que lhe pudessem trazer um pouco de cor para sua vidinha cinza.
estava concentrada pensando no lugar ideal em que os dois poderiam passar por um tempo sem que ninguém os atrapalhasse, quando seus pais a tiraram de seus devaneios avisando que precisariam viajar naquela noite para uma cidade próxima dali para resolverem coisas dos negócios, mas que voltavam em dois dias. Era o momento perfeito, pensou . Tendo apenas uma empregada que não morava ali, eles teriam privacidade suficiente durante a noite e Michael poderia lhe dar cobertura caso tivessem algum problema.
A garota pediu ao irmão que avisasse ao amado para que ele fosse até sua casa assim que a noite caísse, que ela estaria esperando por ele.

Conforme o dia foi passando, ficava mais nervosa e ansiosa, queria que tudo desse certo e saísse conforme ela tinha programado. Depois que Susan, a empregada, deixou a casa, seguiu para a adaga a fim de escolher um bom vinho e em seguida se instalou a cozinha para fazer o jantar.
Estava terminando de colocar a mesa, quando ouviu uma batida na porta dos fundos.
! – Ela o recebeu calorosamente com um beijo.
– Quando Michael me contou de seus planos eu não pude acreditar. Não consegui fazer mais nada pelo resto do dia, somente fiquei pensando em nós dois.
adentrou a casa de e ficou a observando se movimentando pela cozinha e fazendo tudo com muita delicadeza. Perdeu-se em pensamentos, imaginando como estaria sua vida sem essa garota, provavelmente teria virado um nômade, ficando apenas algumas semanas em cada cidade para se apresentar. Estava feliz por ter fisgado seu coração de jeito que nenhuma garota havia feito antes.
O jantar foi agradável, era só elogios para a amada, dizendo a todo instante que a comida estava divina e que ele agradecia aos céus por aquele momento que eles estavam dividindo. Ao terminarem a refeição, chamou ao rapaz para acompanha-la até seu quarto.
Estavam acomodados na cama da garota, conversando sobre banalidades e declarando seu amor, quando deu o primeiro passou e beijou de uma maneira mais ousada. Conforme os beijos ficavam mais intensos, o clima do quarto ficava mais quente. Por isso antes, antes de dar o próximo passo de arranca a roupa da amada, olhou para ela buscando a certeza em seu olhar, encontrando um brilho nunca antes visto.
, eu nunca achei que fosse amar tanto alguém como eu te amo. Então, sim, eu estou mais do que pronta pra isso, e venho esperando desde o dia em que a gente decidiu que isso não seria algo passageiro.
Foi com essa frase que perdeu todo seu autocontrole e amou sua garota como nunca havia amado alguma antes.

New Orleans, 20 de fevereiro de 1922.

Fazia 20 dias que não via . Vinte dias que ela tentava de todas as maneiras encontrar seu amor e não obtinha nenhum tipo de sucesso. Vinte dias que ele havia sumido.
Parecia que tudo estava começando a desmoronar. Seu nome já estava na boca do povo, as pessoas falavam sobre ela e , sua desonra era a fofoca da cidade, seus pais demoraram alguns dias para tomarem ciência do que havia acontecido com a filha que deveria se guardar para o casamento com um homem que acrescentasse algo na vida daquela família.
estava se sentindo pressionada por todos os lados, não ter ao seu lado só piorava tudo. A única pessoa com quem ela podia contar era Michael, seu irmão, e mesmo assim, tudo o que ele sabia fazer era olhá-la com pena e tentar confortá-la, mas era um desastre nisso.
A garota estava andando em direção ao armazém da cidade, ouvindo murmúrios por onde passava. Em um desses ouviu falarem sobre e ele ter fugido para outra cidade, onde, inclusive, já estava se relacionando com outras mulheres.
Esqueceu-se de tudo o que estava fazendo no momento e saiu correndo para casa, sem conseguir segurar as lagrimas. A situação já estava complicada de lidar, mas saber que poderia estar com outra mulher em uma outra cidade e ter se esquecido completamente dela, era como se tudo se tornasse milhões de vezes pior. Não queria acreditar que ela não fora importante para ele, como ele havia sido em sua vida. Eles tinham planos, não era possível que tudo havia sido fingimento.
Cada dia estava mais difícil levar aquela situação adiante. Sua vida tinha acabado. Seus pais mal olhavam na sua cara e haviam a expulsado de casa, não podia colocar os pés na rua, que todos os olhares se voltavam a ela e seu nome saia da boca de todos, seu irmão só sabia tratar ela como se fosse uma bonequinha de porcelana desde que ele tinha a recebido em sua casa.
precisa colocar um fim naquilo. Não aguentaria nem mais um segundo tudo aquilo que estava acontecendo. Só havia uma forma de acabar com seus problemas, seus pais não teriam mais que lidar com a desonra dentro da família, seu irmão não teria mais que cuidar dela, as pessoas da cidade poderiam, finalmente, parar de falar dela.
Em um lapso, lembrou-se da corda estirada no porão que viu quando havia ido guardar um de seus pertences. Era isso. Aquela era a única solução. Correu em direção ao porão, aproveitando que seu irmão tinha saído.
Poderia estar agindo por impulso, mas nada mais importava, estava decidida a por um fim. Não queria pensar nas possíveis consequências, só queria acabar com aquela dor dentro de seu peito, acabar com a vergonha que estava sentindo, acabar com tudo.
Amarrou a corda no lustre com a ajuda de uma escada e em seguida amarrou em seu pescoço. Respirou fundo, o único pensamento que se encontrava em sua cabeça era que poderia finalmente ficar em paz, e soltou-se da escada. Não demorou muito para perder todos os sentidos e tudo ficar escuro.

Epílogo

Fazia uma semana desde o suicídio de , todos da família estavam se sentindo devastados; na cidade só se falava sobre a pobrezinha que se matou por amor. Conforme andava em direção a casa da amada, recebia diversos tipos de olhares, em sua maioria olhares de ultrajo e indignação. Decidiu-se por ignorar e seguir seu caminho.
Ao chegar na casa, logo bateu na porta, sendo recebido por um Michael com a aparência mais do que desgastada e cansada, mas que logo se recompôs e partiu pra cima de .
– Como você ainda tem coragem de aparecer aqui? – Perguntou ao mesmo tempo que dava um soco no nariz do músico.
– O que? Michael? – perguntava sem entender nada do que estava se passando e ao mesmo tempo tentava desviar dos ataques do cunhado.
– Não ficou contente em trazer a morte de e ainda teve que vir aqui olhar de perto? Isso tudo é uma piada para você?
– MICHAEL, PARA! – alguém gritou. Nesse momento uma aglomeração já se formava na porta dos Johnsons. estava atônito. Como assim estava morta?
Michael foi segurado por um de seus amigos que estava passando, enquanto olhava para o nada sem entender o que estava acontecendo. Ele não podia acreditar que a mulher de sua vida havia morrido.
– Co-como assim? mo-morreu?
– O relacionamento de vocês foi descoberto, seu idiota! não aguentou ter que lidar com tudo sozinha enquanto você estava em cidades vizinhas aproveitando a vida de boêmio.
– Michael me escuta! A gente precisa conversar. Eu não sei o que aconteceu, o que vocês ficaram sabendo, mas eu estava preparando para que tudo desse certo entre mim e !
– Nunca mais utilize o apelido dela! Você não é digno para isso. – Michael virou as costas e estava fazendo seu caminho para adentrar a casa quando gritou:
– Eu arrumei um lugar para que eu e pudéssemos morar caso seus pais nos proibissem de nos casar. Eu estava organizando tudo para que ela pudesse manter o padrão de vida que ela tinha aqui. O único motivo que eu não mandei qualquer tipo de notícias foi para que a nós não fossemos pego.
Um silêncio se instaurou entre a aglomeração. Todos estavam em choque pela situação que estava acontecendo. Pobre Johnson, morreu achando que não era amada, porém a verdade é que havia sido amada até seu ultimo sopro de vida.
– Acho que isso não importa mais agora. – Michael disse e entrou em sua casa, não queria saber de mais nada que aquele homem que tanto machucou sua irmã pudesse falar.
, por sua vez, não conseguia parar de chorar e só queria pensar em fugir daquele lugar. Perdeu a mulher que mais amou, que dera um sentido em sua vida.

A noite chegou, precisava dar um jeito de se despedir de sua garota, mesmo que de maneira simbólica, por isso foi em direção ao cemitério da cidade em busca de onde estava enterrada. Ao encontrar, sentou-se em frente e começou a falar:
– Por que você não esperou que eu voltasse? Nós tínhamos tantos planos, se você visse a casa que eu consegui para que nós morássemos e criássemos nossa família, você ficaria orgulhosa de mim. Mas acho que eu devo pedir desculpas, eu não estava aqui no momento que você mais precisou de mim, se eu soubesse de tudo que estava acontecendo, eu teria vindo voando para nunca deixar que você duvidasse do nosso amor. – ficou olhando a peônia branca, flor favorita de , em sua mão antes de voltar a falar – Eu prometo que você será a única mulher em minha vida, nenhuma outra será amada do jeito que eu te amei, Johnson. Nós somos pra sempre.
Dito isso, levantou-se e foi em direção de seu carro onde todos os seus pertences se encontravam. Iria seguir sua vida viajando pelo país e cantando em bares, quem sabe assim poderia encontrar a felicidade novamente.

 

Fim.