09. Fearless

09. Fearless

Sinopse: If happiness is always measured by the life you design, that car in the drive, then you should feel better than ever. But you know as well as I, it’s all lies
Gênero: Drama
Classificação: 14 anos
Restrição: Sem restrição.
Beta: Sharpay Evans

tinha chegado em casa depois de mais um dia cansativo no trabalho, não se lembrava da última vez que havia chegado antes das oito da noite. Depois de se formar na faculdade de Direito, sua vida se resumia ao seu trabalho, não tinha mais tempo para os amigos, para si mesma e só via sua família uma vez no mês, quando pedia para sair mais cedo para viajar até a cidade dos pais. Esse era seu estilo de vida há três anos.
Naquela sexta-feira, tinha decidido fazer algo diferente, mesmo sendo tarde e estando cansada, foi até um bar que frequentava na época da faculdade e que não era tão longe de sua casa. O lugar estava cheio, mas não demorou para achar um banquinho perto do bar e que pudesse ver o palco no qual uma banda local tocava.
Estava olhando seu celular enquanto bebericava sua gin quando uma voz conhecida e em um tom surpreso lhe chamou:
? É você mesmo?
– Oi, , sou eu sim. – Disse meio constrangida e acabou por soltar uma risadinha no final. Deveria ter adivinhado que encontraria pessoas conhecidas naquele bar.
– Eu não acredito que a , a workaholic, está mesmo no bar que frequentava na época da faculdade. – Disse ainda surpresa. – E por favor, não me venha com !
Se não estivesse acostumada com o termo, poderia facilmente ter se chateado, mas não podia fazer nada quando sabia que era mesmo viciada em trabalho e que não fazia questão de mudar.
– Até nós precisamos de uma pausa de vez em quando, . – Disse divertida. Talvez fosse bom encontrar um rosto conhecido. Além disso, era uma das pessoas mais próximas de durante a época da faculdade, tinham passado por muito juntas.
Passaram um bom tempo conversando, até perceber que já estava muito tarde e que precisaria ir embora descansar, pois tinha alguns processos para analisar durante seu sábado. No entanto, não deixou que ela fosse embora sem que combinassem um jantar na próxima semana, ainda tinham muito o que conversar.

🎇🎢

O dia do jantar havia chegado, e até tinha pensando em desmarcar, mas não poderia fazer isso com , as duas foram muito amigas no passado para que ela simplesmente desmarcasse o jantar sem qualquer motivo plausível.
Escolheram um restaurante italiano próximo da casa de , sua única condição fora que o lugar precisaria ser próximo de sua casa e que ela não poderia ir embora muito tarde, pois o dever lhe chamava.
A conversa estava agradável, contara sobre o que havia feito depois de se formar e como estava feliz seguindo uma carreira totalmente diferente da área de advocacia. ficava feliz pela antiga amiga.
, o que aconteceu com você depois da faculdade? Nós nunca mais nos vemos e você simplesmente deixou de sair com a gente. – tocou no assunto sensível.
A advogada respirou fundo e pensou um pouco, não sabia muito bem como responder àquela pergunta.
– A vida adulta aconteceu, . – Disse num suspiro. – Eu tive que focar em outras coisas.
– Não me interprete errado, mas eu te conheço, . Eu sei que você conseguiria organizar sua vida e não focar somente em trabalho, eu sinto que a chama que existia dentro de você está se apagando cada vez mais.
não disse nada, ela também sabia que se esforçasse poderia ter um outro ritmo de vida, via seus colegas de trabalho tendo uma vida fora do escritório. Mas para ela era muito mais fácil focar somente no trabalho e ignorar todo o resto.
– Você sabe que se a felicidade fosse medida pelo estilo de vida que você tem ou o carro que você dirige, você seria uma das pessoas mais felizes da nossa turma, mas isso é tudo mentira, ! – tornou a dizer. – Me diga a verdade, você ainda se lembra de se sentir jovem?
– Não… – sussurrou.
– Não fique brava comigo, eu só quero o seu bem, e você sabe disso. Me prometa que vai pensar sobre o assunto.
O jantar entre as duas continuou, o clima pesado que tinha se instaurado devido a conversa logo se dissipou, sabia que estava certa, mas não sabia o que fazer para mudar aquilo. Talvez devesse começar visitando seus pais com mais frequência. Faria isso neste fim de semana.

🎇🎢

Era sábado de manhã quando teve a ideia de convidar para viajar a casa de seus pais; na época da faculdade as duas sempre iam para lá. Recebeu uma resposta positiva da amiga e logo as duas estavam no carro de indo em direção a cidade natal.
foi recebia com muita alegria por Lola e Elliot, pais de ; os dois não paravam de dizer em como sentiam falta dela e que ela deveria visita-los mais vezes, mesmo quando não a convidasse.

– A gente deveria ir naquele parque de diversão que íamos na época da faculdade. – disse enquanto ajeitavam a cozinha pós almoço.
… não temos mais idade pra isso. – disse cansada e preguiçosa.
, temos apenas 27 anos! E não tem idade pra se divertir em um parque. Você prometeu que iria tentar mudar e se sentir mais nova.
– Eu sei, mas… eu já estou mudando, olha a gente aqui na casa dos meus pais.
… do que você tem medo? – perguntou carinhosa.
ficou quieta, a resposta que tinha dentro de si era muito assustadora para ser falada em voz alta. No entanto, continuava olhando para a amiga, querendo entender qual era o problema.
– Não sei… de errar, talvez. Não sei explicar.
– Vamos combinar uma coisa hoje, enquanto estivermos no parque, você será você mesma! Sem medo de errar! Você vai deixar aquela chama que conversamos se acender novamente! Ok?
– Ok. – disse respirando fundo.
– Então levanta essa bunda gorda e vamos para o parque! – disse divertida.
Não demorou muito para que as duas estivessem no parque se divertindo, andando para lá e para cá, escolhendo os brinquedos com menos filas e comendo cachorro-quente. Naquele momento, estavam olhando a barraca das argolas enquanto dividiam um algodão-doce.
– Você se lembra de como eu era boa nesse jogo? – perguntou.
– É claro! Uma vez você conseguiu a maior pontuação e ganhou aquele bicho horrível que está na sua cama até hoje.
– Hey! Não fala assim do Fofinho! – Falou como se tivesse se sentido ofendida. – Ele me acompanhou em muitas noites de bebedeira.
– Será que você ainda consegue a maior pontuação? – Perguntou desafiadora, ignorando o comentário da amiga.
– Não tenho ideia!
– Só tem uma forma de saber.
As duas seguiram para a barraca das argolas e logo entregaram a quantia de fichas necessárias. começou acertando, mas nas duas últimas errou; não contente, tentou novamente, conseguindo, dessa vez, acertar todas as argolas, escolhendo um elefante de pelúcia como prêmio.
– Para você! – Disse entregando o elefante para . – Agora você nunca pode dizer que eu nunca te dei nada! – Disse citando One Tree Hill, série que as duas maratonavam juntas.
– Obrigada, ! – Disse feliz. – Obrigada Deus por esse elefante não ser horrível igual ao Fofinho. – Disse olhando para cima e fazendo graça.
As duas continuaram caminhando pelo parque e observando as pessoas. estava feliz e fazia muito tempo que não se sentia calma daquele jeito. percebeu o sorriso no rosto da amiga e ficou feliz por ter conseguido ter um dia como aquele.
– Obrigada, ! Por ter vindo, por ter insistido em me trazer no parque e por simplesmente não ter desistido de mim na nossa conversa no bar. – falou pegando na mão da amiga.
– Quando você falou que precisava ir embora pra analisar uns processos no dia seguinte, quase taquei meu drink na sua cabeça! – Disse divertida. – Não precisa agradecer, , só não suma de novo e prometa que você irá se divertir de vez em quando porque você merece, você é jovem e não pode viver com medo.
– Eu prometo. – Disse sorrindo.