04. Bend The Rules

04. Bend The Rules

Sinopse: John e Jimmy fazem parte do mesmo grupo de amigos e isso nunca foi nada demais até o dia em que, durante uma conversa em que John descobre que Jimmy é gay, uma curiosidade é despertada dentro de John, que até então se rotulava 100% hétero, inclusive estando quase engatando um relacionamento com Lisa. Certa noite, em um momento intimo entre os dois, John decide sanar sua dúvida ao beijar Jimmy que imediatamente retribui, pois já a algum tempo andava desenvolvendo certos sentimentos pelo amigo.
Gênero: Romance
Classificação: +16
Restrição: Todos os personagens são fixos
Parte 1/3
Beta: Thalia Grace.

Aviso: Essa é a primeira de três partes dessa história. As outras, assim como essa, também fazem parte do Especial Heartbreak Weather, sendo respectivamente Everywhere e New Angel.

I

A festa estava um porre. John não conseguia pensar em uma palavra melhor no momento. Hope e Young haviam sumido para sabe-se Deus onde e Jin e Noah batiam um papo animado com Vincent e outros, que ele não se importava em saber o nome, do lado de fora da casa. Estava sentado em sofá surrado ao lado de Lisa, próximo dos amigos da garota, com um copo de bebida colorida e desconhecida por ele nas mãos. Suspirou. Não sabia porque havia feito questão de ir e ainda arrastado os amigos para lá, as festas de Jackson eram sempre as mesmas.

Avisou à garota que iria dar uma volta, recebendo só um aceno de cabeça como resposta. Passou reto pela cozinha, onde largou o copo de bebida, indo para o quintal. Abriu um sorriso ao avistar Jimmy, que conversava com Thomas, um colega de classe do amigo. Deu três passos até os dois antes de parar abruptamente, fazendo com que uma garota esbarrasse em si. Pediu desculpas rapidamente, sem tirar os olhos da cena a sua frente. Franziu as sobrancelhas, exibindo um semblante confuso. Jimmy brincava com a gola da blusa de Thomas, que tinha as mãos em sua cintura, pressionados em uma parede próxima. Estavam próximos demais. A realização do que estava acontecendo caiu sob John no momento em que o amigo colou os lábios aos do homem em sua frente. John abriu a boca em um perfeito O, arregalando os olhos levemente.

Coçou a nuca, desviando os olhos completamente incomodado com a cena que se desenrolava à sua frente. Não sabia de onde o súbito incômodo havia surgido, mas o mesmo não dava sinal algum de que desapareceria logo. Mordeu a boca, paralisado no lugar. Respirou fundo, colocando as mãos nos bolsos de sua jaqueta, e olhou uma última vez para o casal antes de decidir que era extremamente estranho o fato de estar parado no meio do caminho. Mas, ao levar os olhos novamente para o local, percebeu que Jimmy o observava de volta com um semblante confuso, tal como o seu.

“Merda.” Foi tudo o que o garoto pensou antes de dar as costas e seguir rapidamente para dentro da casa, abrindo caminho em meio as pessoas que dançavam e logo estava subindo as escadas para o segundo andar. Estava com tanta pressa, como se fugisse de algo, ou alguém, que nem mesmo percebera o momento que esbarrou em um casal.

— Ei, Johnny — O maior colocara a mão nos ombros do garoto, fazendo com que ele parasse e o encarasse. — Tá indo onde com tanta pressa?

— Hope… — Chamou, um pouco aéreo, e não foi preciso mais do que isso para que o amigo trocasse um olhar mais compreensivo com o namorado e puxasse John para subir as escadas com ele, entrando em um quarto vazio e fechando a porta atrás de si. Sentou o mais novo na beirada da cama, ficando de pé a sua frente.

— Tudo bem, garotão. — Disse. — O que aconteceu?

John levou alguns minutos antes de focar seus olhos no amigo. Como explicar o que vira e, principalmente, o que sentira com a cena? Nem ele mesmo entendia, como iria expressar isso para outra pessoa, mesmo essa pessoa sendo o seu melhor amigo?

— O Jimmy. — Disse breve, passando a língua nos lábios, se concentrando.

— O que ele fez? — Perguntou, suavizando o olhar.

— Ele e o Thomas… — Encarou o amigo, percebendo a realização do que acontecera no olhar do outro.

Hope suspirou, sentando-se ao lado do amigo.

— Sabe, não é segredo pra ninguém que os dois ficam. — Começou, sondando para ver até onde o outro sabia daquela história.

John assentiu lentamente.

— Eu não sabia. — Respondeu baixo, fitando o chão.

— Sobre eles? — Hope acariciou os fios do amigo. Sentia um carinho gigantesco pelo mesmo. John era o mais novo em seu grupo de amigos e por isso sentia a necessidade de sempre se assegurar que o garoto estava bem. Young, seu namorado, costumava brincar que Hope o tratava como um filho.

— Sobre o Jimmy. — Brincava com o zíper de sua jaqueta, apreciando o carinho que o amigo ainda lhe fazia.

— Você não sabia que o Jimmy é gay? — Franziu as sobrancelhas levemente, o amigo não fazia questão alguma de esconder. — Isso muda alguma coisa?

— Como assim? — Perguntou confuso, olhando para o mais velho.

— Muda a forma como você o vê? — Viu o mais novo arregalar os olhos antes de negar rapidamente. Prendeu um sorriso, não era o momento para isso. — O que te fez ficar tão confuso?

John voltou a encarar o chão, não tinha aquela resposta no momento. Sua cabeça estava uma confusão. Dava voltas e mais voltas em sua mente sem chegar em uma conclusão. Sabia que algo o havia afetado, mas não exatamente o quê ou o motivo para tal. Negou com a cabeça, indicando que não queria mais falar sobre aquilo.

— Vem, vou te levar pra casa. — Hope disse, pegando as chaves do carro do bolso e se levantando, puxando o amigo consigo.

Dois dias haviam se passado, era domingo e John estava com os colegas de banda em sua garagem. Ensaiavam a mais nova música que haviam criado durante a semana. John era o vocalista da Dionysus, a banda que formara há três anos com os amigos Ethan, Michael e James. Não eram uma banda grande, haviam enviado algumas demos para gravadoras próximas e feito alguns shows pequenos pela cidade, mas todos tinham esperança de que um dia seriam tão famosos quanto as bandas que os inspiraram a formar a sua própria.

John tinha os olhos fechados enquanto cantava Fake Love, música sobre a mais nova desilusão amorosa de Ethan, a plenos pulmões. Se entregava totalmente nos momentos em que estava em palco — Mesmo que fosse um palco imaginário, como era o momento. If I Ruled The World, Danger e Begin foram as seguintes, todas composições próprias.

O vocalista abriu os olhos, respirando fundo, ao ouvir palmas ao fim da última música. Olhou para a porta que ligava a garagem ao resto da casa e arregalou os olhos. Jimmy estava encostado no batente da porta com um sorriso lindo nos lábios, havia cruzado os braços e usava uma das camisas de banda que roubara do armário de John na última vez que estivera ali, fazendo par a calça preta justa. John engoliu em seco, sentia que poderia entrar em combustão a qualquer momento.

Jimmy entrou e sentou-se no sofá em frente John, costumava aparecer para assistir aos ensaios, não perdendo nenhum domingo desde que o amigo contara sobre a banda. Normalmente chegava mais cedo, assistia o ensaio completo e então os dois esperavam pelo resto dos amigos, que jogavam papo fora no chão da garagem até ser tarde o suficiente para que todos perdessem o ônibus no dia seguinte.

A ideia de estar sozinho com Jimmy nunca havia lhe sido estranha, nunca havia causado mais do que um pequeno frio na barriga, mas era algo com o qual já estava acostumado. Mas isso foi antes. Antes de saber que Jimmy se interessava por caras e de sentir o comichão da dúvida queimar seu cérebro e o diabinho em seu ombro lhe dizer diversas coisas que ele já havia enterrado tão fundo anos atrás que mal se lembrava.

Os vinte minutos que John e os amigos levaram para guardar os instrumentos, beber água e se despedirem passaram tão rápido que logo o mais novo se vira sozinho com o amigo na garagem, que agora já lhe parecia pequena demais.

Se jogou no sofá ao lado do outro, fechando os olhos e deitando a cabeça no apoio gasto. Respirou fundo, antes queria que fosse só o cansaço por conta do ensaio que o incomodava.

— Johnny, eu não quero ser indelicado, mas você tá fedendo. — Jimmy disse, e o outro pôde vê-lo torcer o nariz em brincadeira, para reforçar o que dizia, antes de abrir outro dos sorrisos que deixavam John a ponto de explodir.

O mais novo riu, revirando os olhos e se levantando. Sabia que não precisava convidar para que o amigo o seguisse para dentro da casa, então apenas foi em direção ao banheiro enquanto Jimmy caminhava até o quarto do garoto para esperá-lo. Não demorou muito no banho, visto que não gostava de deixar os outros esperando. Esticou a toalha e voltou para o quarto, encontrando o amigo mexendo em sua pequena coleção de discos de vinil.

Se jogou na cama, esperando pelo momento em que o outro se juntaria a ele, como sempre faziam. Sorriu ao ouvir os primeiros versos da música que abria o disco do The Police, seu favorito. Manteve os olhos fechados ao sentir a cama afundar ao seu lado.

— Hope me disse que você passou mal na sexta, — Jimmy começou, após alguns minutos de silêncio, se apoiando no cotovelo e virando na direção do amigo. — tá tudo bem?

John apenas assentiu, ainda de olhos fechados, os sentimentos confusos tomando conta de si outra vez. Engoliu em seco ao sentir o amigo fazer um carinho leve em seu cabelo. Passaram alguns momentos apenas dessa forma, até o mais novo abrir os olhos e virar o rosto para encarar o amigo. De repente, estavam próximos demais.

Every Breathe You Take começou a tocar e se John não estivesse tão imerso, na imensidão castanha dos olhos do outro, teria percebido antes o que estava para acontecer.

— Como é beijar um homem, Jimmie? — Perguntou baixo, quase soprado, ainda encarando o amigo.

Jimmy abriu um sorriso leve, quase imperceptível, rindo de forma tão baixa que fez arrepios subirem pela espinha do outro.

— Você quer que eu te mostre?

O mais novo assentiu, nem mesmo percebendo que o fazia. Levou menos de dois segundos para que Jimmy colasse seus lábios aos do amigo e um pequeno furacão se formasse no estômago do mas novo. Sentiu os fios de sua nuca se arrepiarem ao que o mais velho depositou sua mão no local, aproximando-se mais e aprofundando o beijo. Todo o contato entre os dois foi lento e carinhoso. Beijaram-se por duas ou três músicas, nenhum dos dois havia parado para contar. Jimmy sorriu em meio ao beijo, acariciando a bochecha do outro, antes de por fim ao contato com um selar demorado.

Não tiveram tempo para mais nada, já que logo a bagunça proveniente de Jin, Noah, Young, Vincent e Hope no primeiro andar da casa já podia ser ouvido. John pigarreou, se levantando e indo até o banheiro, deixando Jimmy confuso.

Os primeiros a perceberem que algo estava diferente foram Vincent e Hope, mas ambos tinham abordagens bem diferentes para descobrir o que havia acontecido. Enquanto Hope esperava que John se abrisse consigo, Vincent simplesmente apareceu na casa de Jimmy alguns dias depois com o doce favorito do melhor amigo. Não foi difícil arrancar o acontecido de Jimmy, mas fora cruel para si observar a situação que se desenrolou nos meses seguintes. Depois de se beijarem mais duas vezes, em ocasiões semelhantes a de seu primeiro beijo, John havia ganhado confiança para não somente tomar iniciativa, como também chamar o mais velho para sair.

Os domingos haviam se tornado os seus dias. John gostava de beijar o amigo, principalmente em seu quarto enquanto ouviam repetidamente a coleção de discos do garoto após chegarem de algum encontro. Saíam para o cinema praticamente toda semana e faziam diversos passeios de casal, chegando ao ponto de encontrarem Young e Hope em uma de suas saídas — Tendo sido essa a forma que os amigos descobriram.

E bem, tudo estaria perfeito se não fosse por um detalhe. John ainda saía com Lisa, e Lisa era amiga de Jimmy. Sempre que questionado sobre, o mais novo entre os dois dizia que Lisa não era sua namorada e, portanto, não havia com o que se preocupar. Dizia em tom de brincadeira que o menor estava sentindo ciúmes, e Jimmy ria junto, engolindo toda a insegurança que as respostas do outro lhe causavam. Pensava consigo mesmo que aquela era apenas uma forma que o outro havia encontrado para contornar as regras, e não quebrá-las, já que ainda era Lisa que segurava sua mão todos os dias na escola.

A casa de cartas que Jimmy havia montado desmoronou durante o Baile de Inverno. Os amigos combinaram de irem os sete juntos, e o garoto estava ansioso. Faziam exatos dois meses desde que ele e John haviam se beijado pela primeira vez, e o mais velho planejava usar da ocasião para finalmente dizer como se sentia. Havia ido para o salão de carona com Jin e Noah, não contara para nenhum dos amigos, nem mesmo para Vincent, sobre seu plano e torcia para que tudo desse certo. Mas qual sua surpresa ao chegar a mesa dos amigos e ver Lisa pendurada no ombro de John, que não poupava sorrisos e elogios a garota.

Logo que pousou seus olhos sobre Jimmy, John percebeu que algo estava errado. Tentou se aproximar e descobrir o que acontecera por boa parte da noite, mas Jimmy apenas o dizia para não se preocupar e então engajava em uma conversa baixa com Vincent. O resto da noite passou em borrões, ora John era arrastado para o grupo de amigas de Lisa e ora estava de volta a seus amigos, mas sem a garota deixar seu lado um instante sequer. Aquilo estava começando a incomodá-lo, já que queria aproveitar a noite com os amigos também, e especialmente com Jimmy, mas não encontrava forças em si para desapontar a garota ao pedir por espaço.

O único momento que conseguiu sozinho com os garotos foi durante uma rápida saída de Lisa, que fora atrás de bebidas para ambos. Aproveitou a oportunidade para seguir para perto de Jimmy, mas não teve tempo nem mesmo de abrir a boca para dizer algo antes de ouvir seu nome ser anunciado nas caixas de som, já tendo Lisa pendurada em si outra vez.

— Vai lá, rei do baile. — Jimmy sorriu amargo, com os olhos brilhando levemente. — Vocês são mesmo o casal perfeito.

Franziu a sobrancelhas para o outro, o olhando em confusão. Só entendeu o que realmente havia acontecido ao ser arrastado por Lisa até o palco e ter uma coroa em sua cabeça.

— Senhoras e senhores, o rei e a rainha do Baile de Inverno, — O diretor os anunciou. — John e Lisa!

Seus olhos buscaram desesperadamente por Jimmy na multidão de alunos, enquanto Lisa fazia um discurso que não o interessava nem um pouco, e o encontrou deixando o salão acompanhado de Vincent. Logo desceu do palco e se desvencilhou da garota, passando reto até mesmo pelos amigos. A única coisa que tinha em mente era o olhar de Jimmy para si. Saiu do local, olhando para os lados em busca do outro, o encontrando quase na esquina.

Chamou duas, três, quatro vezes o nome do amigo. Mas Jimmy não olhou para trás sequer uma vez.