09. Break My Heart

09. Break My Heart

Sinopse: Ela é uma arquiteta de sucesso e não tem espaço em sua vida para bobagens românticas. Já teve sua cota de corações partidos e desde sua última decepção, decidiu que jamais voltaria a ser a pessoa chorando ao lado da porta enquanto a outra dizia “tchau” e ia embora. Estava feliz com sua vida e não queria mudanças. Mas um atraso inesperado a faz entrar em uma cafeteria fora de sua rotina matinal e o barista causa reações esquisitas em seu coração. Ela desejava que fosse infarto, mas tinha certeza de que era paixão e que aquele rapaz poderia quebrar seu coração.
Gênero: Romance.
Classificação: Livre.
Beta: Regina George.

Capítulo Único

I’ve always been the one to say the first goodbye
Had to love and lose a hundred million times
Had to get it wrong to know just what I like
Now I’m fallin’

tinha jurado que jamais iria se apaixonar outra vez. Tinha acumulado mais decepções do que cortes de cabelo duvidosos, tinha sido deixada tantas vezes que havia simplesmente decidido que não queria mais se apaixonar e não iria. Ela não acreditava em cupidos, mas se tinha algum ser responsável por fazê-la se apaixonar a culpa de preferir mastigar vidro do que amar outra vez era toda dele, afinal, ele tinha acertado a flecha nos caras mais babacas do mundo e tinha sido sorteada para ser uma fodida no amor.
E em outras áreas da vida também. Seu atraso/percurso fora da rotina era apenas uma demonstração da falta de sorte que tinha.
Tinha acordado vinte minutos mais tarde do que deveria naquele dia e saiu com a roupa amassada e os cabelos bagunçados, acabando completamente com seu visual de arquiteta de sucesso e a deixando parecida com uma rebelde de cabelos curtos e revirados que precisava usar roupas formais no trabalho para não ser demitida e amassava as peças por birra. Para ajudar ainda mais, o caminho até o trabalho tinha sido interrompido por causa de reparos na estrada e tinha precisado pegar um caminho alternativo. Teria de comprar café em outra cafeteria que não a sua favorita e a primeira reunião da manhã já tinha sido adiada porque ela não chegaria a tempo e se chegasse, não estaria no melhor dos humores para ouvir as reclamações sem fundamento de seu chefe que colocava defeito em todos seus projetos apenas por implicância.
Suspirou aliviada quando uma cafeteria entrou em seu campo de visão e levou poucos minutos para estacionar o carro e se dirigir para o estabelecimento. Haviam poucas mesas ocupadas e vasculhou o ambiente com o olhar, julgando a organização e limpeza segura antes de se aproximar do balcão, os olhos fixos no cardápio exposto na parede acima do caixa. A torta de frango parecia interessante e certamente queria um café bem forte, estando com o pedido na ponta da língua quando desceu o olhar para o atendente e quase engasgou por conta do susto. Aquele era, sem dúvidas, o homem mais bonito no qual ela tinha colocado os olhos em toda sua vida e a forma como ele sorria tinha lhe causado uma parada cardíaca.
Ah não, pensou consigo mesma. Ah não, ah não, ah não. Não podia ser!
– Oi, bom dia! No que posso lhe ajudar?

You say my name like I have never heard before
I’m indecisive but this time I know for sure
I hope I’m not the only one that feels it all
Are you fallin’?

estava rindo a ponto de quase engasgar e bufou ainda mais irritada. Não estava nenhum pouco feliz com a situação, sentia-se uma palhaça por estar jogando fora todos seus planos de ser solteira pelo resto da vida e adotar 45 gatos para lhe entreter quando ficasse velha já que tinha se deixado encantar e se apaixonar por um cara de quem ela sabia apenas duas coisas: o nome dele e da esposa.
Tudo bem, não estava apaixonada e não sabia realmente se ele era casado com a garota que também trabalhava na cafeteria – onde tinha ido durante todos os dias daquela semana para pedir a mesma torta de frango e o café sem açúcar e desejar um bom dia para o rapaz de sorriso de dentinhos e olhos de jabuticabas cujo corpo parecia esculpido pelos deuses e com a voz mais adorável do mundo –, mas os crachás de identificação que eles usavam tinham o mesmo sobrenome e tinha um irmão para afirmar que ser parecido fisicamente não era uma regra que declarava parentesco.
Então havia muitas chances de que o no crachá de fosse de , como constava no crachá do rapaz que habitava seus pensamentos desde aquela fatídica segunda-feira do azar.
– Para de rir inferno! – xingou, batendo na amiga com o jornal que deveria estar lendo durante o almoço.
– Não dá! – riu mais. – Você é uma piada unnie, fala sério. Foi até a cafeteria todos os dias e não disse nada além de “bom dia, tudo bem? Eu quero um café preto e uma fatia de torta de frango por favor”.
– Eu não disse apenas isso! – bufou outra vez.
– Claro que não, você também disse “é no débito, obrigada, tenha um bom dia”.
– Vai se foder. – Decidiu não discutir mais e focou o olhar no prato vazio à sua frente. Deveria ter pedido sobremesa para ter com o que ocupar a cabeça ao invés de dar atenção para a desnaturada de sua melhor amiga, que deveria estar apoiando-a naquele momento de crise e sofrimento mas estava ali rindo de sua cara e fazendo piada.
– Tá, eu vou parar. – Respirou fundo para recuperar o folego e estreitou o olhar para ela, sabendo que estava mentindo. – Por que você não fala com ele? Pergunta se ela é esposa?
– É claro que é esposa. – revirou os olhos. – Um homem lindo e cheiroso daquele não pode ser solteiro, eu estou te falando. Ninguém deixaria escapar.
– Até domingo você não queria um homem fixo nem pintado de ouro. – observou. – Vai que ela é desse time, só que imune ao deus coreano que você descreveu.
– Ele é lindo . – choramingou. – Não queria que ele fosse, mas é. E tem um sorriso maravilhoso, meu coração fica quentinho, como se recebesse uma dose de serotonina.
– Esse é o primeiro passo para acabar apaixonada. – murmurou.
– Eu sei. – choramingou. – Eu não estou feliz com isso, mas não consigo evitar os pensamentos sobre ele. É como sonhar com um cantor famoso ou um ator. E quase voltei a ler fanfic , eu queria ler fanfic com ele!
– A situação é mais grave do que eu imaginava. – A outra arregalou os olhos e respirou fundo.
– Não sei o que fazer, não sei como chegar nele e perguntar se ele é casado ou qualquer outra coisa. Quando eu chego lá, o piloto automático toma conta e eu peço o café e a torta e saio quase correndo.
– Covarde. – observou.
– Não disse nenhuma novidade. – lhe estirou a língua.

Center of attention
You know you can get whatever you want from me
Whenever you want it, baby
It’s you in my reflection
Now I’m afraid of all the things it could do to me
If I would’ve known it, baby

Seis dias. Aquele era o sexto dia em que mudava o caminho costumeiro até sua antiga cafeteria favorita e aquilo a deixava irritada, principalmente porque era domingo e não tinha que trabalhar. Mas havia dirigido por três quarteirões apenas com a esperança e a vontade de ver o sorriso de ao vivo, já que ainda não tinha coragem de puxar assunto e descobrir se ele era mesmo casado com .
Eles não pareciam casados, mas bem poderia interpretar aquilo como fruto de sua imaginação encantada que queria muito que fosse solteiro. Mas sabia que estava sendo idiota, afinal mesmo se fossem casados, eles trabalhavam no mesmo lugar e não poderiam ficar de beijinhos e carinhos em expediente. Também tinha que admitir que mesmo se tivesse certeza de que ele era solteiro, não teria coragem de falar com ele ou tentar chamá-lo para sair. Era uma grande covarde, não queria acabar se apaixonando de verdade e ter seu coração partido de maneira que jamais iria conseguir colá-lo outra vez. era aquele que iria partir seu coração em milhares de pedacinhos e nunca encontraria uma cola que fosse forte o suficiente para fazê-la superar ele. Ele era a definição de homem perfeito e se apaixonar por ele seria uma burrice tremenda.
E por isso havia decidido que aquela seria a última vez que iria até a cafeteria. Iria precisar de um tempo para esquecer da existência do atendente, mas se cessasse o contato e a ilusão ali, tinha mais chances de se recuperar e não acabar se apaixonando de verdade.
Naquele dia estava usando roupas comuns – jeans e camiseta – e sentiu um par de olhos a seguindo durante os poucos passos que deu da porta de entrada até o caixa do estabelecimento. estava usando a mesma camiseta do início da semana e o avental azul que carregava o crachá pendurado. Os cabelos estavam mais bagunçados e os olhos estavam menores do que o normal, talvez pelo sono ou então por alguma ressaca, não sabia identificar.
– Bom dia! – saudou com seu sorriso largo. – Como posso lhe ajudar?
– Bom dia. – sorriu mais contida, o coração batendo com força no peito. – Eu quero…
– O de sempre? – indagou e a mulher arregalou os olhos levemente. – Desculpe, mas você pediu café preto e torta de frango a semana toda. – Ele sorriu envergonhado e respirou fundo.
– Você gravou o meu pedido?
– Eu sei o pedido de todos os clientes regulares, mesmo que você tenha aparecido há poucos dias. Espero que esteja gostando do café, minha família trabalha duro na qualidade dos alimentos. – sorriu orgulhoso e simpático.
Oh, era um negócio de família. tinha ainda mais certeza de que eles eram casados, mesmo com a ausência da aliança. Nem todo mundo achava legal usar alianças, quem era ela para julgar?
– É tudo muito bom, melhor do que a comida da antiga cafeteria que eu frequentava. – Disse com sinceridade.
– Obrigado. – alargou o sorriso. – Então, o de sempre?
– Hoje não. – Decidiu. – O que você sugere?
– Pastel assado de legumes e um latte. – respondeu prontamente.
– Parece bom para m… – teve sua fala interrompida pela chegada de , que vinha da cozinha com uma bandeja em mãos e os encarou com um sorriso torto.
– Finalmente você teve coragem de chamar ela para sair? – A mulher indagou e enquanto arregalava os olhos, parecia incapaz de decidir se gritava ou se saia correndo.
! – Reclamou com a voz estrangulada.
– O quê? Você não chamou? – Indagou exasperada. – é uma vergonha ser sua irmã. – Declarou e saiu pela portinhola do balcão em direção a mesa onde dois clientes aguardavam seus pedidos.
não tinha processado as palavras de direito quando pigarreou, chamando sua atenção e deixando-a ciente das bochechas coradas que ele carregava.
– Não dá bola para as besteiras que a minha irmã fala, tudo bem?
– É besteira mesmo ou você quer sair comigo? – cortou rapidamente, em um segundo de coragem que nem ela mesma saberia explicar. – Porque eu quero sair com você.
– Você quer? – arregalou os olhos, parecendo espantado.
– Quero. – Assentiu com o olhar fixo no dele.
– Então vamos… marcar um dia, sei lá?
E ali deu-se conta de que jamais poderia jurar sobre coisas que não poderia controlar. Não tinha dúvidas de que iria se apaixonar por e só poderia esperar que ele não quebrasse seu coração.

I would’ve stayed at home
‘Cause I was doin’ better alone
But when you said, “Hello”
I know that was the end of it all
I should’ve stayed at home
‘Cause now there ain’t no letting you go
Am I falling in love with the one that could break my heart?

Fim.

Nota da autora: Essa música é tudo e ela deixa tão em aberto essa história de amor que eu não consegui dar um fim pra esse plot e agora fica a cargo da imaginação de vocês decidirem se a pp vai ter sorte ou não. Espero que tenham gostado, logo volto com mais especiais hahahahah
Vocês podem entrar no meu grupo de leitoras no WhatsApp e no Facebook e também me encontrar no Twitter com minha conta pessoal e no fc. @graziesescreve no Instagram também!