04. Physical

04. Physical

Sinopse: Tudo começou com rumores, matérias sobre um relacionamento que nem existia. Ambos aproveitaram para fazer piadas disso, provocar ainda mais o público e a mídia que estavam interessados demais neles dois. Até que as provocações deixaram de ser pública e se tornaram privadas, entre eles. O encontro aconteceu após uma premiação, num quarto de hotel em que descobriram serem ainda melhores quando se tornavam físico
Gênero: 
Romance 
Classificação: +18
Beta: Alex Russo

Capítulo Único

sentiu alivio percorrer todo seu corpo quando retirou o par de saltos finos que usava, ao chegar à suíte que ocuparia até a manhã seguinte. Podia, finalmente, ficar descalça.
Estava longe dos olhares alheios, das câmeras que a perseguiram por horas desde a metade da tarde até boa parte da noite, antes de sair da pós-festa da premiação e ir para o hotel. Estava cansada.
amava o que fazia e jamais pediria outra vida, tinha trabalhado muito para chegar até ali, até conseguir ser reconhecida e ganhar prêmios por suas músicas – como aquele que ganhara na premiação. Entretanto, ainda era ser humano e se sentia no direito de reclamar de vez em quando. Principalmente, depois de horas usando saltos altos e sorrindo para tanta gente. Afinal, antes de ser uma cantora mundialmente famosa, era um ser humano igual a qualquer outro.
Já longe dos saltos e dos tampões que usara nos mamilos para evitar que ficassem marcando o tecido fino do vestido longo vermelho que usava, jogou os cabelos para o lado, bagunçando um pouco os fios, enquanto ia até o banheiro atrás de um elástico para prendê-los. Porém, antes que chegasse ao outro cômodo, a cantora acabou passando diante do grande espelho que tinha no quarto e retornou para perto da cama, para pegar o celular que dentro da bolsa que levara consigo para a premiação e que estava jogada em cima do colchão. pegou também o batom vermelho que passara nos lábios antes de sair e que ficara consigo o tempo todo, afinal, ela não podia ficar com o batom borrado ou falho. Retocou o vermelho nos lábios com cuidado, segundos antes de abrir a câmera do celular, ignorando as notificações na barra superior da tela, tirando algumas fotos de si mesma e de seu reflexo.
A cantora amava as fotos profissionais que tiravam de si, amava mesmo. Amava como os fotógrafos conseguiam tirar lindas fotos mesmo que estivesse distraída e sem saber que estava sendo fotografada – é claro que às vezes surgiam fotos em que a cantora ria de tão engraçada que ficavam, mas, no geral, ela amava as fotos que tiravam de si. Porém, ela amava ainda mais quando tinha aqueles momentos, sozinha, enquanto ainda estava produzida e podia ela mesma tirar fotos de si; fotos que nenhum fotografo teria acesso e que ela poderia enviar para quem quisesse.
Depois de algumas poses e fotos, sorriu satisfeita para a imagem de si que tinha na tela do celular: estava quase que completamente de costas para o espelho, senão fosse o rosto inclinado de lado para que fosse possível ver sua imagem no celular enquanto tirava a foto. O decote traseiro do vestido aparecia com perfeição, deixando as costas nuas, a bunda levemente empinada e o queixo em cima do ombro para que fosse possível capturar também o sorriso de lado que a cantora exibida. Passou o indicador na tela, sorrindo um pouco mais quando viu a foto que tirara sentada no chão diante do espelho. A perna dobrada aparecia nua, passando pela fenda do vestido, os cabelos bagunçados sobre os ombros, o sorriso nos lábios e o decote triangular da frente mostrando perfeitamente o espaço entre os seios.
estava gostosa naquelas fotos, e sabia disso.
Sabia que estava ainda mais gostosa fora das fotos.
Por isso, postou as duas fotos nos stories de seu instagram, tendo cuidado para compartilhar apenas com sua lista de melhores amigos. Escreveu “detalhes” na foto em que estava de costas, antes de postá-la, como se realmente quisesse apenas mostrar os detalhes do vestido feito sobmedida para si.
A cantora buscou por uma das garrafas de água que tinha dentro do pequeno frigobar, e se jogou deitada na cama logo após beber um pouco do liquido refrescante e olhou mais uma vez o celular. riu das mensagens que recebera de suas amigas que reagiram as duas fotos, mas fora as mensagens enviadas no grupo do aplicativo de mensagens que ela tinha com e , suas melhores amigas, que arrancaram uma risada mais alta da cantora que era a mais velha das três – com pouco tempo de diferença.

(10:30 P.M):

| Se ele não te comer hoje, eu saio daqui e como
| AMÉM SENHOR!!!!!

(10:31 P.M):

| Pelo amor de Deus…
| Um “está linda” seria o suficiente

eu:
Eu também te comeria, |
Se você não tivesse me trocado pelo chato do . |

(10:40 P.M):
| Ele te parabenizou e disse que torceu por você.

eu:
NUNCA TE CRITIQUEI!!!! |
E @ você sabe que quando você quiser… Eu quero também |

(10:44 P.M):
| Eu também, !

(10:44 P.M):
| Tchau pra vocês
| Parabéns pela apresentação, música e prêmio, !

sempre ria de como ficava constrangida quando ela e começavam a flertar na frente da segunda mais velha, que sempre fugia quando as outras duas decidiam dar em cima dela. Mesmo com anos de amizade e flertes entre elas, continuava reagindo do mesmo jeito – o que motivava e a continuarem com tudo aquilo. Era engraçado ver a do meio com vergonha, e era ainda melhor quando faziam aquilo pessoalmente, o que não teriam tempo de fazer nem tão cedo enquanto as três estivessem com suas agendas lotadas de trabalho. Então, restava a e a difícil tarefa de constranger por mensagens.
Antes que agradecesse pelos parabéns e contasse sobre a premiação, a atenção da cantora foi roubada pela barra de notificações do celular que desceu quando ela recebeu uma mensagem privada no instagram.
Um sorriso enfeitou os lábios ainda pintados de vermelho pelo batom tão resistente e a prova d’água, enquanto o dedo clicava na notificação e dos lábios saia um palavrão baixo.
Ele tinha mandado uma foto de si em resposta a foto de de costas. Ele era o “ele” dito por na mensagem enviada minutos antes pela amiga. Ele era , um cantor e rapper com quem vinha trocando mensagens, fotos e áudios há um tempo.
Aquela interação tinha começado há quase quatro meses, após dizer numa entrevista que gostaria de fazer um feat com que, quando soube do interesse do músico, o respondeu numa rede social que queria que esse feat acontecesse. conhecia algumas músicas de , acompanhava o trabalho dele a distância – assim como ele também acompanhava o dela. Na época eles chegaram a trocar mensagens privadas sobre a parceria, marcaram de arrumar um tempo em suas agendas para que a parceria acontecesse e nada mais que isso.
O próximo contato aconteceu quando enviou uma mensagem para . Na verdade, um link com uma matéria sobre eles dois. Era mais um dos tantos boatos acerca de cada um deles, dessa vez quem escrevera a matéria afirmara que e já estavam trabalhando no feat que seria lançado em breve e que o trabalho em dupla ajudou para que ambos estivessem num relacionamento amoroso. Era uma matéria completamente mentirosa, por isso enviou para junto com vários emojis de risadas. E ela o respondeu com um áudio rindo abertamente.
A partir desse dia, as mensagens se tornaram frequentes. Assim como as provocações feitas em entrevistas e em redes sociais, as pessoas pareciam convictas de que existia um relacionamento entre os dois. Então, porque não fazer piadas disso? Já que ninguém acreditava sempre que ambos negavam qualquer envolvimento ou até mesmo a produção e lançamento do feat que ainda não tinham começado a trabalhar em cima? Se estavam lucrando por aí postando matérias sobre eles em sites, porque não podiam rir daquela fanfic? Parecia plausível para e .
O problema foi quando as mensagens se tornaram frequente, as provocações aumentaram e começaram a existir entre eles dois também no privado. Quando e começaram a se olhar diferente, a procurar por aquilo que diziam que o outro tinha durante entrevistas, e é claro que encontraram cada uma dessas coisas com uma facilidade absurda. Quando começaram a se perguntar como seria se estivessem de fato num relacionamento, e o problema só aumentou quando uma conversa da madruga aconteceu e elogios foram feitos. Enquanto cenas foram criadas na mente de cada um.
Ambos sabiam que com o trabalho que tinham, as viagens constantes e as agendas sempre lotadas, muito dificilmente conseguiriam viver um relacionamento e nem estavam com cabeça pra isso. Porém, por outro lado, sabiam que poderiam viver algo especial sem precisarem estar num relacionamento. Não precisavam estar namorando, noivos ou até mesmo casados para fazerem o que queriam, pensavam e passaram a se provocar sobre.
Eles poderiam fazer quando se encontrassem pessoalmente.
O que muito provavelmente aconteceria naquela noite.

@:
| Detalhes.

Ele tinha enviado uma foto junto com a palavra que copiou de .
A foto de não era como a da cantora, obviamente, mas o rapper sabia jogar baixo e por isso o xingou enquanto encarava a tela do celular. Na foto enviada por , era possível ver desde a boca entreaberta até uma parte de seu peitoral. Os lábios estavam avermelhados, como se tivessem sido mordidos, o piercing prateado era exibido no lábio inferior, o pescoço, a clavícula marcada e a camisa social branca com os botões do meio abertos permitia que uma parte da frase tatuada naquele espaço até o ombro esquerdo aparecesse, juntamente com a pele do peitoral.
quis morder aquela boca, enquanto mordia o próprio lábio ao digitar uma mensagem para ele.


eu:

Foto legal, mas os meus detalhes são melhores |

Respondeu a mensagem de , escondendo o quão mexida havia ficado, ansiosa pela resposta que sabia que não demoraria a chegar. não enviara aquela foto sem pensar antes, é claro que não. Ele sabia que aquela parte de seu corpo e seu piercing no lábio era um dos pontos fracos de a respeito do corpo alheio. Ela havia feito àquela revelação, dentre tantas outras, numa das conversas que tiveram numa madrugada. Por isso, ele riu baixo e sorriu ao ler a mensagem que recebera como resposta. A resposta que era tão a cara de , e que começaria aquele jogo entre eles. O jogo que era gostoso, e tão a cara deles.
Um jogo que não se cansava de jogar e que o deixava ansioso pelo encontro dos times. O time dele e o de .

@:

| Concordo, reparei neles o tempo todo
| Ou até que você fugisse e me deixasse sem poder vê-los de perto.

riu com o drama alheio, os olhos presos nas mensagens recebidas enquanto uma agitação conhecida por si começava a se espalhar pelo seu corpo.
havia ido para a mesma premiação que , entretanto não conseguiram se encontrar para uma conversa ou algo a mais. Ele estava como um dos artistas principais da noite, concorrendo ao maior prêmio, e ela foi a apresentadora da noite junto com um ator, além de estar concorrendo a algumas categorias e ter apresentado e lançado sua música nova. O evento havia sido agitado, corrido para ambos: entre trocar de figurinos, expectativas com os prêmios, atenção aos fãs que estavam no local, entrevistas e apresentações, não houvera espaço para um encontro entre eles. Não se encontraram nem mesmo na festa que aconteceu após a premiação, uma vez que foi e ficou no local por nada mais que trinta minutos, acompanhada de sua assessora, apenas para tirar fotos com os organizadores da premiação. Ela tinha que acordar cedo na manhã seguinte, precisava decorar o texto para o trabalho que teria e estava sem paciência alguma para festa, enquanto além de ter ido para a festa ainda fez um pequeno show particular para os presentes.
– Filho da puta. – ela o xingou quando enviou uma nova foto seguida de um “melhorou?”.
A nova foto fora tirada de cima para baixo, num ângulo em que a calça social preta aparecia juntamente com a mão que estava em cima da peça, as veias saltadas, os anéis de pratas nos dedos – e se perguntou como seria senti-los, tanto os anéis quanto os dedos de , em sua pele. Em si. Poucos minutos depois, antes que ela o respondesse, enviou outra foto. Dessa vez, uma foto de seu rosto num semblante sério, e o xingou mais uma vez antes de se ajeitar na cama para tirar e enviar uma foto também de seu rosto num ângulo lateral, o olhar fixo na câmera – em , a sobrancelha arqueada enquanto o decote aparecia maior, pois uma das alças do vestido estava caindo no ombro da cantora.

@:

| Hotel Castle, quarto 403.

eu:
Hotel Castle, quarto 507. |

passou a mãos pelos fios do cabelo quando desceu do carro, em frente ao hotel em que ficaria hospedado até manhã seguinte. Sorriu e mordeu o próprio lábio inferior ao ver a resposta de , observou a fachada do hotel cinco estrelas, balançou a cabeça diante da grande coincidência. Enquanto mordeu um sorriso ao que rolou na cama, encarando a porta do quarto, os pés balançando em empolgação enquanto o coração acelerava minimamente.
Não tinham mais paciência para jogos, fotos, mensagens. Precisavam dos toques, sussurros, respiração agitada e todo o resto ao que tinham direito – e que provocariam para ter. E por ironia do destino ou não, estavam no mesmo hotel. Não poderiam e nem se dariam ao luxo de perder aquela oportunidade – e tampouco se esforçariam para isso.

O barulho da porta sendo fechada com brutalidade, após ser empurrada pelo pé de , ecoou por todo o quarto. Pouco incomodando a ele e que tinham seus lábios encostados, tão bem encaixados num beijo afoito e tão esperado.
As mãos do rapper estavam na cintura da cantora, apertando-a contra si, tendo a certeza de que ela estava mesmo ali com ele, enquanto a esquerda dela estava na nuca de , os dedos dentre os fios do cabelo dele ao que a direita segurava o ombro do homem. Os pés davam passos cegos, em direção a parede próxima a parede.
sentiu o frio da parede em suas costas, e sorriu quando deixou seus lábios para alcançar o pescoço da cantora que deixou de sorrir quando ele a mordeu. Aquele era um dos pontos fracos do corpo dela, e ele sabia. anotara cada informação compartilhada durante aqueles meses de trocar de mensagens. Um som sôfrego e baixo saiu dos lábios da mulher quando beijou a pele do pescoço dela, o frio do piercing tocando a pele junto com os lábios dele, numa mordida que se seguiu pela língua dele por ali o que causou um arrepio por todo o corpo de . Levantando cada pelinho.
não se segurou, puxou os cabelos de até que as bocas estivessem juntas mais uma vez e outro beijo fosse iniciado. O beijo não fora calmo, e nem tinha como ser.
Afinal, ambos estavam com presa, não tinha todo o tempo do mundo – o que desejavam – e tinham esperado demais até que estivessem ali. Sentiam necessidade de sentir o outro, desde o cheiro aos beijos e cada parte da pele. De se sentirem por inteiro. Necessidade de quebrar toda aquela tensão sexual que os cercavam há dias, toda a fantasia que juntos criavam quando trocavam mensagens provocativas aumentando as expectativas que fariam de tudo para alcançar naquela noite.
E mesmo sendo o primeiro beijo de ambos, o primeiro contato intimo que tinham, era ridículo como suas bocas se encaixavam tão bem. Como cada movimento parecia tão certo. As línguas experientes se encontravam no tempo certo, do jeito certo, acariciavam-se, experimentavam-se. Os lábios se tocando, esbarrando. O ar ficando mais denso, pesado, difícil. Enquanto os corpos ficavam ainda mais quentes, excitados, e próximos.
As mãos inquietas deslizavam pelo corpo alheio, a dela ainda nos cabelos dele enquanto a outra já encontrara o caminho até o cós da calça social, ao que a dele encontrara com rapidez a fenda do vestido, no alto da coxa esquerda bem próxima a virilha.
– Eu me perguntei sobre isso desde que te vi – ele sussurrou contra os lábios de , após puxá-los com os dentes. Os dedos curiosos tocavam a fina alça da calcinha tão pequena que a cantora usara para não marcar o vestido.
– Surpresa – riu contra os lábios dele, um segundo antes de fazer um caminho de beijos até o ouvido do rapaz, beijando e mordendo o lóbulo no instante seguinte. Arrepiando todo o corpo de que fechou os olhos com um sorriso ainda nos lábios, os dedos deslizando pelo pano que deduziu ser renda.
precisou terminar de abrir o resto dos botões da camisa alheia enquanto os lábios tocavam a mandíbula tão bem marcada. a ajudou quando tirou a camisa de vez de seu próprio corpo, sorrindo quando viu o olhar da cantora percorrer todo seu peitoral nu, a tatuagem no começo do tronco, a cruz na costela, o abdômen que foi tocado pelas pontas dos dedos.
Os lábios de voltaram para o pescoço de , sentindo um arrepio ao ter as unhas dela fazendo um caminho em sua pele, excitando-o. Ele deixou beijos, mordidas e lambidas na pele dela que fechou os olhos.
– Enquanto estava no carro, depois que vi a sua foto, – começou, os dentes raspando pela pele quente da cantora. – imaginei muitas cenas com você e esse vestido.
– Uh. E como eram? – questionou, sorrindo quando foi encarada pelo o homem. adorava o que via, e sabia que jamais se esqueceria da visão incrível que era com os cabelos bagunçados, a bochechas levemente coradas enquanto um sorriso filho da puta surgia em seus lábios avermelhados – tom causado pelos beijos, mordidas e batom dela.
– Muitas. Mas, a mais importante, – aproximou ainda mais seus corpos, apertando e erguendo a coxa nua pelo tecido do vestido, encaixando seu corpo ao de naquele espaço tão pequeno. – eu te fodia enquanto você ainda o usava.
– Parece bom pra mim – afirmou, puxando-o para outro beijo que não lhe foi negado.
Descobriram que o beijo entre eles era tão bom, por isso não conseguiam ficar com as bocas separadas por muito tempo.
Os beijos desceram do pescoço para a clavícula de , até que estivesse no espaço entre os seios antes que descesse uma das alças do vestido com os próprios dentes. Antes que ele beijasse a pele dela mais uma vez antes de alcançar o mamilo esquerdo e cobri-lo com sua boca. gemeu ao sentir a língua em contato com o seio, arqueou o corpo na direção de que a olhou de baixo para cima.
Ela o xingou, e ele sorriu.
segurou na outra coxa de , tirando de seu caminho o tecido do vestido, impulsionando-a até que estivesse com as pernas ao redor da cintura dele. Os corpos tão próximos, as intimidades se encostando. A boca dele distribuindo sua atenção entre os dois seios dela, arrancando gemidos de que levou a mão até a nuca do rapper após passar os dedos pelos baços de .
Ele já sabia o que fazer, e o fazia tão bem. mantinha-se atento ao rosto de enquanto beijava os seios dela, mordia e os segurava entre os dentes. Ele apreciava cada vez que ela fechava os olhos, apertava seus fios de cabelo entre os dedos, e mordia o próprio lábio inferior.
desejasse que continuava fazendo tudo aquilo. Que continuasse a beijando, tocando com firmeza, mordendo e lambendo, e, principalmente, que o corpo dele continuasse contra o dela.
Ela havia esperado por aquilo, aquele momento, suava por isso. Estava ficando molhada por isso.
não estava muito atrás de . A ereção que marcava a calça escura usava era a prova disso, do quanto ele queria tudo aquilo tanto quanto a cantora. queria todos aqueles beijos e toques que trocavam contra a parede daquele quarto de hotel. Queria muito mais. Aquela garota roubara a atenção dele há tempos demais para que tudo fosse feito com muita pressa ou de qualquer jeito.
iria fazer tudo muito bem feito, da melhor maneira possível. Para que não se esquecesse daquele momento entre ambos nem tão certo, pois ele tinha a certeza de que seria incapaz de esquecer o cheiro, do toque da pele e dos lábios de .
Juntos iriam fazer valer a pena toda aquela espera.
– Eu quis falar com você assim que te vi – ele sussurrou, os lábios subindo em direção ao ouvido de , arrepiando-a com a voz tão baixa e o beijo ali deixado. – Mas, ainda bem que não fui. Eu não sei se conseguiria ficar perto de você e não poder te tocar.
– Eu acho que gostariam de ter, finalmente, uma foto do casal – sorriu, recebendo um sorriso de volta pela brincadeira.
– O que será que eles fariam se soubessem o que está acontecendo aqui agora?
– Mas não tem nada acontecendo aqui – ela o respondeu no mais puro desafio, fazendo com que erguesse uma das sobrancelhas ao encará-la.
Ele mordeu o lábio dela ainda a olhando, encostando as testas, fazendo com que sentisse uma descarga elétrica por todo o seu corpo. Ela sabia que ele não deixaria aquela provocação por menos, e estava ansiosa por isso.
teria se arrependido da provocação que se o veio a seguir não tivesse sido tão bom. Ela teria pedido desculpas pelo o que havia dito se, no minuto seguinte, não tivesse criado um espaço entre os corpos tão próximos e passado a ponta dos dedos no fundo da calcinha que ela usava. Porém, foi o ato dele em arrastar a peça para o lado e tocar de vez a intimidade da cantora, que a fizera fechar os olhos e tremer contra o corpo dele.
Se sabia muito bem o que fazer com sua boca quando a colocava em contato com o pescoço, colo e seios de , não deveria ser surpresa que ele soubesse o que fazer com sua mão na intimidade da cantora que gemeu contra os lábios dele. Ele sabia quais movimentos fazer apenas com as pontas de seus dedos, quando devia pressionar um pouco mais, e soube muito bem qual era o momento exato de penetrá-la com dois dedos de uma vez.
achava difícil respirar regularmente naquele momento, e pouco se importava, enquanto se achava um cara de sorte por tê-la tão entregue para si, gemendo para ele, e por causa dele.
– E agora? Tem algo acontecendo, ? – a perguntou usando o apelido dela pela primeira vez na noite, roubando-a um beijo rápido. – Me responde, ou vou achar que estou fazendo errado e precisarei fazer outr…
– Não se atreva. Não agora. – sorriu com o pedido, encostando as pontas dos narizes, os olhos se encontrando quando levantou as pálpebras que pareciam pesadas. – Não pare. – pediu ao mesmo tempo em que um gemido saiu por seus lábios e que viria acompanhado pelo nome alheio se não tivesse a beijado.
continuava penetrando-a com dois dedos, num vai e vem tão gostoso, enquanto sentia o aperto que em breve estaria em volta de seu pau. O polegar começara a pressionar o ponto inchado que implorava por atenção. o pedia para não parar com a voz baixa e tão necessitada, servindo de estimulo para que não parou. Pelo contrário, ele aumentou a velocidade de seus dedos e os dobrou levemente dentro da intimidade de .
A cantora sentiu espasmos por todo o seu corpo, junto com a pressão que ficou ainda mais intensa na parte detrás de seu umbigo, até que o orgasmo veio e todo o corpo tremeu contra o de enquanto os lábios buscavam os dele.
– Seu apelido de boa menina me parece perfeito pra você agora. – Ele debochou do apelido que a mídia usava para ela por ter um “bom comportamento” dentre todas as celebridades. riu quando deixou um selinho nos lábios de antes de afastar seus rostos e assoprar suavemente a pele suada do pescoço alheio. – Nah, boas meninas não agridem – sorriu após morder o lábio dele e puxá-lo dentre os dentes.
– Eu não preciso dos seus elogios agora – o respondeu, mordendo o queixo de . – Eu preciso do seu pau. – afirmou, passando o nariz pelo rosto dele num carinho que em nada combinava com a necessidade que tinha naquele momento, puxando-o em seguida para um novo beijo ao apertá-lo com as pernas e trazê-lo para mais perto de si.
desafivelou cinto enquanto o beijava, abriu o botão tão logo e estava prestes a se livrar da calça quando ouviu um “não” da cantora.
– Se você me quer no vestido, eu te quero assim. Sexy pra caralho.
Ele sorriu ao ouvi-la ao que passo que sentiu todo seu autocontrole diminuir bruscamente. caminhou com até a única cama do quarto, a deitou sobre o colchão e viu o sorriso da cantora quando ele tirou uma camisinha do bolso detrás da calça.
se apoiou nos cotovelos, os olhos atentos às mãos de que desceram o cós da calça junto com a cueca, revelando o pênis ereto que foi coberto pelo preservativo.
– Eu fico por cima – ela falou, e apenas aceitou.
Ele sentou com as costas apoiadas na cabeceira da cama, e observou com atenção engatinhar até estar com uma perna dobrada a cada lado de seu corpo, sentando-se na ereção que a recebeu tão bem. Ela gemeu ao tê-lo dentro de si, sentindo a pulsação dele, e gemeu quando a segurou pela cintura após tirar o vestido de seu caminho e deixar que o tecido ficasse espalhado por suas pernas e cama.
Ambos estavam do jeito que o outro queria: ele com a calça social enquanto o peitoral estava nu de qualquer peça, e ela com o vestido vermelho, os seios a mostra e os cabelos numa bagunça que julgara linda e maravilhosa demais.
As mãos do rapper alcançaram a bunda da cantora por debaixo do pano do vestido, apertando-a, ajudando a começar a subir e descer no pau de .
Sempre o engolindo todo de uma vez.
sorriu para ao que mordeu um sorriso, passou as unhas pelo abdômen ao deixar beijos no maxilar dele, antes de uma mordida e sorrir ao ouvir outro gemido de .
– Depois eu fico por cima – ele avisou, ganhando mais um sorriso da cantora que fechou os olhos quando ergueu a própria cintura, indo mais fundo, fazendo-a gemer.
– Juro não reclamar – ela prometeu baixo, segurando os próprios cabelos com ambas as mãos, num rabo de cavalo.
– Você é gostosa pra caralho.
soltou os cabelos quando precisou se apoiar no peitoral de que tomara o controle para si quando a penetrou rápido, forte, fazendo-a ir para frente e gemer contra os lábios dele.
E mesmo que quisessem se beijar por muito mais tempo, era impossível uma vez que gemidos escapavam pelos lábios e as bocas se afastavam. colocou os cabelos dela para o lado, segurou o rosto de e observou o semblante excitado, as sobrancelhas franzidas enquanto o nome dele saia entre os lábios avermelhados deixando-o ainda mais excitado.
Os olhares se encontraram enquanto os corpos se encaixavam, suavam, as bocas emitiam sons sem sentidos e as mãos procuravam pelo corpo alheio. Enquanto se apertavam. Porém, foi impossível que continuassem se olhando quando aumentou a frequência com que descia e subia, com que apertava o pênis de com sua vagina.
Era possível ouvir as respirações agitadas, o barulho causado pelo encontro de seus corpos acompanhado pelos nomes dito em meio a sussurros e gemidos.
A cantora e o rapper estavam uma bagunça de sons, desejos, tremores e beijos. Estavam, enfim, tornando físico tudo aquilo que antes era textual.
Os gemidos ficaram mais altos quando mudou a posição que estavam, colocando deitada ao seu lado sem sair de dentro dela. A cabeceira da cama batia contra a parede, surgindo então mais um som que parecia nulo diante daqueles causados pelos dois corpos em cima da cama.
segurou uma das pernas de para cima, deixando que o tornozelo tocasse o ombro dele, penetrando-a um pouco mais fundo. Ele abaixou o tronco para encontrar os lábios de que se apoiou nos cotovelos para ver como suas intimidades se encaixavam tão bem, tão fodidamente bem. Aquela posição fez com que acertasse em cheio o ponto especifico que fez a cantora enxergasse pequenos pontos brancos na escuridão das pálpebras fechadas, fazendo-a gemer mais alto e cair com o corpo para trás.
Os gemidos dela, junto com os aperto em volta do pênis de , o deixavam ainda mais excitado, pronto para gozar e, principalmente, fazê-la gozar.
queria que gozasse mais uma vez e que, dessa vez, fosse com seu pau dentro dela. Que ela tremesse nele, o apertasse ainda mais enquanto ele a observaria com prazer. Por isso, continuou com os movimentos, os beijos no tornozelo e perna da mulher, os apertos em sua coxa com os dedos, os olhos fechando em alguns momentos, atento e empenhado que viesse antes dele.
E ela veio. Com os olhos fechados, as pálpebras apertadas, as unhas cravando o lençol que cobria o colchão, enquanto a vagina apertava o pau de que, ao sentir a pressão e o tremor da mulher, gozou poucos segundos depois.
O corpo dele caiu sobre o dela, as mãos servindo de apoio, a testa contra o ombro de . Ambos respirando profundamente, anestesiados pelo orgasmo e tudo que fizeram juntos.
Eles sempre souberam, desconfiaram pelo menos, que quando tivessem a oportunidade de ficar juntos fariam tudo muito bem feito e por isso se empenharam naquela noite. Naquela primeira vez. Primeira foda. Entretanto, quando abriu os olhos e observou a cantora que o encarou de volta, tiveram a certeza de que além de se provocarem muito bem diante dos outros e alimentarem todos aqueles rumores que os fazia rir, eram ainda melhores quando juntos e longes dos olhares alheios.
e descobriram funcionar muito melhor quando podiam se beijar e tocar, quando se tornavam físicos.
Se antes nenhuma foto ou mensagem escrita era o suficiente para expressar o desejo que crescia cada dia mais, agora depois de experimentarem pela primeira vez o que conseguiam sentir quando se tocavam, nenhum orgasmo, beijos, toques, sussurros e gemidos lhes pareciam o suficiente. Por isso, na procura de saciar o insaciável, aproveitaram cada minuto daquela noite.
Viraram a noite sendo físico.
Pouco se importando com os trabalhos que teriam no dia seguinte. Muito mais preocupados com aquele momento que fora agendado para acontecer mais uma vez dali a quase um mês – quando ambos teriam espaço em suas agendas. E se, por acaso não tivessem espaço, arrumariam. Afinal, depois de terem se tornado físico, e se recusavam a voltar ao virtual e fictício.

FIM.

 

Nota da Autora:
Obrigada a quem leu! Espero que tenham gostado! Comentem e me digam o que acharam!
Caso queiram me procurar, estou lá no twitter como @loeykwon! xx