Treacherous

Treacherous

Sinopse: O amor é uma ladeira traiçoeira, mas algumas pessoas gostam de aventura.
‘Your name has echoed through my mind
And I just think you should, think you should know ‘
Gênero: Romance
Classificação: Livre
Restrição:
Beta: Rosie Dunne

Treacherous
 

Your name has echoed through my mind
 

And I just think you should, think you should know
 

That nothing safe is worth the drive
 

Capítulo único

Thomas Müller achou que passaria o resto de sua vida amando a mesma pessoa, mesmo depois que Lisa o deixou, ele continua com a ideia de que ninguém nunca ia ocupar o lugar que um dia foi de sua ex esposa. Ele achava isso até a primeira vez que esteve próximo o suficiente de Amelie Hummels e sentiu aquela coisa em seu coração, naquele momento o meia atacante do Bayern de Munique percebeu que todo esse tempo estava equivocado.
A temporada 18/19 tinha acabado a menos de uma semana e Thomas só tinha uma memória da noite da vitória, após o jogo quando todos comemoravam com suas famílias, Amelie saiu de um abraço apertado do irmão pulando nos braços de Thomas. Foi como se o mundo parece por uns longos segundos, olho no olho, a gravidade parecia ter sumido os deixando flutuando no momento.
— Parabéns campeão — Essas foram as palavras ditas por Amelie naquela ocasião, mas eles estavam com seus lábios tão próximos que Thomas quase não prestou atenção em uma palavra dita por ela.
Como dizem todo momento bom dura pouco, logo a realidade os atingiu fazendo ambos se afastar e a garota voltar para perto do irmão e a cunhada pegando o pequeno sobrinho no colo.
Müller não entendia em que momento sua forma de olhar a mulher mudou, ela sempre foi a irmãzinha mais nova do seu melhor amigo, uma colega, mas em algum momento tudo isso mudou e ela não era mais a irmã do Mats, ela era uma mulher que Thomas desejava ardentemente.
Amelie tinha uma única regra que ela julgava relevante em sua vida, uma bem simples na verdade, sem se apaixonar novamente por um jogador de futebol, mas todas as vezes que ela ouvia o som da voz de Thomas essa regra se tornava um inferno de complicada.
Seu coração já fora partido uma vez de uma maneira que ela jurava irreparável, depois que Lukasz Piszczek passou por sua vida deixando uma bagunça nada boa, se apaixonar era a única coisa que ela não esperava.
Thomas não se encontrava inteiro também depois do final de seu casamento, tanto ele quanto Amelie percebiam o quanto aquela aproximação naquele momento poderia ser prejudicial, mas eles estavam imersos em uma situação que eles nem ao menos entendiam.
O celular de Amelie tocou a fazendo pular da cama assustada, ela tinha certeza de que estava atrasada outra vez, mas não se lembrava o que era.
Ela atendeu sem nem ver quem era com voz de sono e sem um pingo de ânimo, Amelie sempre odiou ser acordada com sons de telefone.
— Amelie Jaqelin Hummls posso saber a razão da senhora não estar aqui ainda — A voz de Mats fez a irmã automaticamente se lembrar para que ela estava atrasada.
— Mats eu estou um pouco atrasada, em meia hora estou aí, liebe — A garota desligou antes do irmão protestar correndo para o banheiro tropeçando em tudo em seu caminho

Mats organizou uma festa sem nenhum motivo aparente, ele apenas queria comemorar o final de uma temporada conturbada e ter seus amigos por perto, Amelie que sempre foi grande fã de festas claro que tinha confirmado presença, ainda mais sendo uma festa do irmão, entretanto umas coisas rodavam a cabeça da mulher a tirando um pouco a animação.
Mats não sabe nem metade das coisas que Amelie e Lukasz viveram em Dortmund, sendo assim a amizade dos dois não mudou uma vírgula. Hummels comentou com a irmã que alguns amigos de Dortmund estariam presentes, entre eles o polonês.
Thomas sempre foi muito observador e pela pouca história que ouviu e as coisas que observou já não era grande fã de Lukasz, ele não entendia como um homem podia deixar alguém como Amelie escapar, Müller sempre repetia a ele mesmo que nunca faria isso com alguém como ela.
Amy sempre foi uma mulher de palavra e meia hora depois estava adentrando a casa de Mats e Cathy, a música alta vindo do Jardim denunciava que algum brasileiro estava no controle, a mulher apostava que o Funk tocando era obra de Rafinha.
Ela passou por alguns rostos conhecidos cumprimentando sorridente, todas suas suspeitas foram confirmadas quando chegou a área da piscina da casa do irmão. Em uma pista de dança, Rafinha tentava de forma engraçada e desastrosa com Thiago fazer Manuel, Joshua e Javi rebolar, essa era a cena mais hilária que ela já presenciou.
— Amy, achei que não viria mais — Julia mulher de Thiago disse assim que esbarrou com a amiga, sendo seguida de Aline mulher de Javi
— Eu acabei dormindo demais, vai deixar seu marido passar vergonha por quanto tempo mais Julia? — Amelie disse apontando para os meninos “dançando”
— A cena esta engraçada, vamos deixar o pessoal filmar mais um pouco — Julia disse dando um gole em sua bebida
— Você devia ver o Thomas dançando há uns minutos atrás, aquilo sim foi entretenimento — Aline disse
Amelie sentiu um aperto no estômago ao ouvir o nome do alemão e não pode deixar de dar um sorrisinho
— Essa cena eu pagava para ver — Amelie completou
— A cena ou o Thomas? — Julia brincou fazendo ela revirar os olhos
— Vocês viram a Cathy ou meu irmão?
As meninas sinalizaram na cozinha e a garota logo foi atrás dos anfitriões parando para falar com Robert e Anna que conversavam animadamente com Marco Reus.
— Finalmente você chegou — Mats disse assim que a irmã a encontrou na cozinha como foi dito rindo de alguma coisa com a mulher
Safados – Foi tudo que Amy pensou, ela apostava que eles fugiram dos amigos para poder ter uma certa “privacidade”
— Já pensei que você ia inventar alguma coisa para não aparecer, Amelie — Cathy disse abraçando a cunhada
— Pensei em fazer isso, mas sabia que esse horroroso do seu marido me atormentaria por uma eternidade — Ela disse dando um beijinho no irmão
— Agora que chegou, pegue alguma coisa pra beber e vai se divertir, eu vou fazer o mesmo — Mats disse dando um tapinha na cabeça da irmã enquanto ia com Cathy para fora.
Amy ficou rindo na cozinha da cara de bêbado que Mats já tinha, ele estava feliz e isso a deixava feliz, parecia que sua noite ia ser excepcionalmente boa. Ela pegou uma cerveja e estava pronta para sair da cozinha quando a voz de Thomas se fez presente.
— O lado bonito dos irmãos Hummels finalmente chegou? — Ele disse sorrindo de lado — Não conte isso ao Mats
— Posso acabar com seu caso com ele se jogar essa história de irmã mais bonita no ventilador não é — Ela disse fazendo cara seria — Seu segredo está salvo comigo Müller.
Thomas amava abraços, mas todas às vezes que os abraços eram de Amelie as coisas pareciam um milhão de vezes melhores, ele poderia ficar ali para sempre.
— É bom te ver Amy — Thomas disse depois que o abraço se desfez
— Igualmente Thomy — Ela disse, usando aquele apelido que apenas ela usava
Ela saiu da cozinha abandonando um Thomas sorridente com cara de bobo a observando ir para a pista de dança com os amigos pulando nas costas de Manuel.
Amy e Thomas tinham muito em comum, eles amavam festas, estar com os amigos e ambos eram pessoas de almas leves apesar de serem bem radicais e impulsivos às vezes.
Müller era fascinado naquela mulher e ficava cada vez mais difícil disfarçar, ali parado na porta com um sorriso no rosto encarando Amelie e seus cabelos escuros na pista de dança. Thomas estava imerso em vários pensamentos quando uma voz ao seu lado o trouxe de volta.
— Eu não tenho um pingo de simpatia por você, mas vou te dar um conselho — O polonês disse ao lado do alemão — Fica longe da Amelie, ela é problema
Thomas encarou o jogador do time aurinegro antes de dar uma gargalhada irônica
— Como você disse não temos um pingo de simpatia um pelo outro, então guarde seu conselho para alguém que precise, Lukasz — Thomas disse virando as costas mas voltando logo em seguida — Aliás você foi um grande idiota, perdeu uma mulher incrível, bem sorte a minha que ela correu de você agora o caminho está livre para ela conhecer alguém que realmente ela mereça
— Você acha que você é essa pessoa?
— Vou fazer tudo que for necessário para ser, a cota de otários na vida dela esgotou em você, Lukasz
Thomas deixou o polonês sozinho e foi ate a pista de dança onde Amelie ainda estava com Manu e agora Mats, ele não deixaria Lukasz acabar com a noite.
Já era quase dia quando Amelie decidiu que era hora de ir para casa, Müller que manteve os olhos sobre ela a noite toda se ofereceu para levar a garota e, sendo o mais sóbrio da noite, não tinha como Amy dizer não.
A Hummels mais nova aproveitou toda a noite, esquecendo que Lukasz estava lá, ela devia isso a Thomas que além de estar a noite toda ao seu lado, esteve a noite toda em seus pensamentos, desde os menores aos grandiosos.
— Obrigado pela carona Thomy — Ela disse sorrindo de lado procurando a chave enquanto
Ele fez questão de a levar até a porta de seu apartamento, segundo ele para garantir que ela chegaria sã e salva, mas ambos sabiam que era apenas uma desculpa para ter mais alguns minutos perto do homem.
— Obrigado pelas várias danças da noite, Amy — Thomas disse enquanto ela abria a porta — Espero que você tenha bons sonhos
Amy deu um abraço apertado no mesmo e mais uma vez o mundo de Thomas parou por longos segundos, como naquela noite da final, seu coração batia de maneira descompassada enquanto apertava a garota perto mais próximo a si.
Amelie sentia que a qualquer momento iria desmanchar ali mesmo, suas mãos suavam e todo seu corpo pedia para que o toque de Thomas nunca se ausentasse.
Próximo demais, a mente de ambos gritava, perigoso demais, mas ali enquanto Thomas olhava os olhos escuros de Amy tudo que ele sabia pensar era o quanto ele precisava beijá-la.
Eles estavam próximos o suficiente para que suas respirações já estarem completamente misturadas e seus narizes se tocando, um único movimento acabaria com toda a agonia de ambos
— Eu não quero que você vá agora, Thomas — A menina disse em um suspiro ainda encarando o jogador
— Eu não quero ir, Amy, droga eu não quero ir mesmo
Thomas precisava fazer aquilo, então ele finalmente acabou com o espaço entre eles encostando seus lábios nos lábios macios de Amy.
No momento que Amy correspondeu a Thomas passou a mão por sua cintura a puxando para mais perto ainda, era como se fogos de artifícios se acedessem dentro de ambos, a sensação era similar a finalmente ter paz depois de uma longa tormenta.
Ambos estavam tão imersos aquela bolha de sentimentos e sensações que não se deram conta que logo estavam dentro da casa da mulher sorrindo um para o outro como dois bobos.
— Você tem estado em meus pensamentos e um bom tempo, liebe — Thomas disse ainda sem se afastar da mulher
— Assim como você tem estado em todos os meus, por mais tempo que você imagina Thomy — Ela disse dando um selinho no mesmo
— Sabe que estamos indo por um caminho nada seguro? — Muller disse
— Acho que você devia saber que nada seguro vale a viagem, Thomas — Ela disse antes do homem a beijar novamente.
Thomas não foi embora naquela noite e ele sabia que não iria na próxima e nem nas outras que seguiriam, não importava o passado ou o quanto eles já foram machucados uma vez, isso se tratava do presente e do futuro de todas as coisas que eles podiam ser um para o outro
Era uma estrada perigosa e cheia de sentimentos que ambos ainda não conheciam, mas ambos amavam desafios e o desconhecido.
Eles ficaram bem no final de tudo, eles tinham um ao outro, eles estavam em casa.
O amor sempre foi e sempre seria uma ladeira extremamente traiçoeira, os sentimentos sempre seriam um caminho um tanto imprudente, mas tudo bem, Amy e Thomas gostavam disso.

This slope is treacherous
 

I, I, I like it