02. Watermelon Sugar

02. Watermelon Sugar

Sinopse: Holly Smith fazia parte da trindade de Manchester, e diferentemente de seus dois melhores amigos Maison e Catherin, Holly preferia evitar qualquer contato que fosse não realmente necessário com os outros alunos de sua faculdade.
Mas, o último dia antes do fim das aulas faria a garota vivenciar prazeres que sequer pensou viver um dia -ou seria melhor dizer que se quer pensou  viver com ele algum dia.
Agora Holly, teria que lidar tequilas, shots, drinks de melancia e Harry Styles o amigo insuportável do namorado de sua melhor amiga.
Gênero: Romance
Classificação: 18 anos
Restrição: Harry Styles é fixo.
Beta: Sharpay Evans

2014 - Manchester.

Tastes like strawberries on a summer evenin’
And it sounds just like a song
I want more berries and that summer feelin’
It’s so wonderful and warm.

 As tardes quentes não eram típicas de Manchester, nem mesmo no verão. Porém, aquela em especial era quente como há muito tempo não se lembrava. Era fim de junho. O último dia antes do fim das aulas estava finalmente chegando ao seu fim e no dia seguinte ela estaria voltando para casa, em Holmes Chapel para passar algum tempo com a família e os amigos da infância, antes de ingressar de uma vez na vida adulta pós faculdade.
era uma garota inteligente. Havia pouquíssimas matérias em seu curso as quais tinha dificuldade, e ela era o próprio clichê da estudante inteligente. Pelo menos aos olhos de quem a via pelos corredores. tinha um grupo seleto de amigos, que era composto por ela, Catherin e Maison. Os três eram amigos desde o início das aulas e estavam em constantes reuniões na hora do almoço pelo campus.
Catherin e Maison era os únicos a conhecer a verdadeira e, consequentemente, os únicos a saberem que por trás da garota inteligente e muitas das vezes reclusa, havia uma garota divertida que passava suas horas livres em um bar não muito longe do campus bebendo, dançando e conhecendo rapazes. Um novo a cada vez.
O problema de com o ambiente da universidade era toda a questão da popularidade e como aquilo, mesmo os anos de colégio já terem ficado para trás, permanecia importante ali. Era algo que ela não entendia. A necessidade de aprovação.
poderia se passar por alguém invisível, e adoraria fazê-lo, mas Catherin era a personificação da popularidade e Maison, não ficava muito atrás.
Cat estudava moda e era simplesmente a garota mais incrível que já havia conhecido. A garota era a confiança e autoestima em pessoa, parecia inabalável. Sem contar que sua simpatia era algo que definitivamente deveria ser estudado, já que ela estava distribuindo bom dias por aí logo ao acordar, fosse o horário que fosse. Era radiante. E, apesar de um tipo já ter se formado em sua mente ao imaginá-la, talvez seja o tipo errado. Cat era incrível e a simpatia era dela, nada forçado ou fingido. Muito pelo contrário, não havia ninguém mais autêntico que Catherin Walsh em todo o campus.
Maison por sua vez, era o tipo desleixado e desligado, mas que estava sempre contando piadas e fazendo as pessoas se sentirem confortáveis. Os caras viviam passando por ele e o cumprimentando com uma risada prévia de quem se lembra de algo engraçado que lhes ocorreu, e acredite, Maison sabia o nome de todos eles.
Maison e Cat já se conheciam dos tempos de ensino médio e quando eles e se encontraram um dia pelo campus, após a garota pedir informações sobre a biblioteca, eles a incluíram em seu grupo, apenas por uma referência a Harry Potter – que era uma paixão compartilhada por eles. era a Hermione Granger de Cat e Maison.
— Espero que esteja se arrumando. – Cat irrompeu pela porta do dormitório de vestida em um vestido rosa de seda justo ao corpo com tênis nos pés.
— Eu já disse que não vou, Cat. – Murmurou enquanto passava os olhos pelo feed do instagram vendo que alguns de seus amigos já estavam em Manchester para as férias.
— Qual é , é o último dia de aula. Você precisa ir comigo. Depois disso eu só te vejo de novo quando você voltar de Holmes Chapel, e até lá sabemos também que você vai demorar séculos para responder minhas mensagens. – Ela fez bico se jogando na cama com a amiga e a encarando.
— Não seja dramática, são só algumas semanas. – Cat mostrou a língua e tornou a rir.
— Por favor! Josh quer muito que você vá e o Maison vai estar lá também. – fez uma careta para a amiga. Josh era o namorado de Cat e um dos caras mais conhecidos na universidade, eles se falavam pouco, já que na maioria das vezes em que Cat e estavam juntas e Josh aparecia, era com algum de seus amigos cujos não suportava os olhares.
— Ele mal fala comigo, como quer que eu vá? – Questionou e Cat revirou os olhos.
— Ele gosta de você e só não fala mais com você porque respeita seus limites em relação a interações sociais. – mostrou o dedo para a provocação e Cat riu – Não sei qual seu problema com o pessoal daqui, mas enfim… Ele mesmo pediu para eu te chamar porque você é minha melhor amiga. – Ela tornou a fazer bico e revirou os olhos.
— Tá legal, eu vou. Mas já vou avisando que se tudo ficar um saco eu volto e te deixo lá com o Maison. – Cat comemorou enquanto se colocava de pé e ia até o armário em busca de uma roupa.

[…]

A casa onde ocorreria a festa pertencia a Josh, já estava lotada e com música no último volume ecoando até o começo da rua. Aquela noite estava quente tanto quanto a tarde e se questionava qual era o milagre do verão daquele ano. Quando elas pisaram no jardim um grito grave foi escutado.
is in the house! – O grito veio da porta da frente, e foi acompanhado por mais meia dúzia de garotos.
— E aí, Sanders. – Ela cumprimentou enquanto subia as escadas com Cat e, assim que alcançou o último patamar, Josh a abraçou.
— Que bom que veio. – Ele estava bêbado, isso era claro, mas estava sendo honesto, sabia.
— Alguém finalmente conseguiu tirar a do dormitório então? – Maison era o dono da voz e tinha duas cervejas em mãos assim que chegou. Entregou ambas as garrafas as recém chegadas beijando Cat no rosto e fazendo um toque de mão com – Cat é definitivamente minha heroína. – Implicou fazendo lhe mostrar o dedo do meio.
— Ok, cerveja não é minha bebida, vem , vamos começar essa festa direito. – Cat a puxou pela mão e só teve tempo de tirar a garrafa da boca para não derramar o líquido em si.
Ela foi levada até a cozinha da casa em meio a cumprimentos para Cat e olhares surpresos para ela. definitivamente era a surpresa da festa e não havia muito a ser feito que não aceitar seu papel.
Quando chegaram à cozinha, Cat se direcionou a um armário de onde tirou uma garrafa e copos de shot. Rapidamente haviam limões cortados e sal na bancada a frente dela e um copo estava lhe sendo entregue.
— Saúde. – comentou antes de virar o copo de tequila para dentro e em seguida o limão e o sal. Se serviu de mais tequila e repetiu o feito.
— Não é melhor ir com calma? – Uma voz masculina questionou e quando se virou para sua esquerda encontrou um par de olhos verdes a encarando. Ela o conhecia, era claro que conhecia, todos no campus conheciam. Era o garoto por quem garotas soltavam suspiros por todo o canto.
— Eu sei o que faço, Styles. – Ela tornou a se virar para a garrafa tomando um novo shot.
Harry largou sua cerveja e seguiu até , pegando um novo copo e pegando a garrafa assim que ela a soltou se servindo da bebida e a virando pura na boca, sem sequer tocar no limão ou sal depois.
— Uau, já provou que é o machão, agora será que pode dar licença ou encher o saco é seu passatempo favorito? – Harry arqueou uma sobrancelha para ela e Cat riu sabendo que a amiga não era nada do que Harry Styles esperava.
— Vamos , antes que vocês comecem uma briga. – Cat novamente segurou a mão da amiga a puxando, dando tempo de apenas encarar Styles e vê-lo sorrir de canto para ela.
Havia algo inegável sobre ele: era lindo. Tudo nele parecia ser extremamente bem harmonizado. Tudo nele parecia um convite ao caminho da perdição. Principalmente seus sorrisos presunçosos. E , apesar de odiar o quanto todas caiam aos pés dele, não podia negar que as entendia, mas apenas em partes.
Ele tinha charme, ele tinha beleza e ele sabia o que estava fazendo quando a passos lentos seguiu e Cat, parando encostado no batente da porta que dava acesso a sala, com uma nova cerveja em mãos.
Styles por sua vez já a havia notado pela universidade algumas vezes. Era amigo de Josh e sempre notava um revirar de olhos da garota quando os via se aproximar, para logo em seguida a ver indo embora. Além dessas, havia as vezes que a via caminhando pelo campus com os fones no ouvido como se o resto do mundo não importasse e havia também as aulas que tinham juntos.
era quieta e inteligente, isso era um fato, mas o que ele não esperava era que , a garota que estava sempre respondendo a perguntas nas aulas, não falava com ninguém e que estava constantemente fazendo anotações, fosse aquela garota que estava a sua frente. Claro, a culpa era dele por ter imposto seus padrões de que a garota inteligente não podia ser também a garota que se divertia, ele tinha consciência disso. Mas ver virar aqueles shots sem sequer pestanejar, foi no mínimo uma surpresa.
ria enquanto dançava com Cat e Styles ficou parado ali por tempo suficiente para que sua cerveja esquentasse. O rapaz negou com a cabeça seguindo de volta para a cozinha em busca de uma nova garrafa, a encontrando no freezer da casa.
— Surpreso, Styles? – A voz de Maison irrompeu na cozinha fazendo a atenção de Harry se virar para ele. Ambos já se conheciam e se falavam, e aquilo apenas fazia ser mais estranho o fato de Harry e não serem do mesmo ciclo social.
— Com sua amiga? Mais do que gosto de admitir. – Styles bebeu sua cerveja e Maison riu pegando uma para si. Ambos se recostaram no balcão de mármore e, após algum silêncio, Harry encarou Maison – Afinal, qual o problema dela comigo? – Questionou curioso, já que não se lembrava de ter feito algo a .
— Não é pessoal, Styles. apenas não gosta do regime da popularidade, entende? Pessoas acima de outras apenas por estarem encaixadas em um padrão ou grupo. – Ele deu de ombros – Ela aceita a mim e a Cat porque não somos dois arrogantes que usam o fato de serem conhecidos para se sentirem superiores. – Harry o encarou de cenho franzido.
— Mas eu não sou assim. – Styles protestou enquanto Maison ria fraco.
— Não mais, porém se lembra nos primeiros semestres? – Questionou e Styles torceu os lábios – E nem quero ter que te lembrar de tudo que aquela garota que estudou com você na sua cidade natal disse. – Styles revirou os olhos em descontentamento.
— Ok, já entendi. Eu era uma babaca desses aí, porém não sou mais. – Se defendeu e Maison riu.
— Eu sei disso, mas a não está nem aí. – Maison bebeu outro gole de sua cerveja – E por que isso importa afinal? Está interessado na minha amiga, Harry? – Maison provocou e Harry deu de ombros.
— Na verdade sim. é uma garota bonita, porém você me conhece, não sou um cara de apegos, e ela me parece uma dessas garotas que se apegam muito fácil. – Styles fez uma careta e Maison riu. Se afastou do balcão, tomou um gole de sua cerveja e com um sorriso de canto encarou Harry.
— Definitivamente você não conhece , Harry. – E dizendo apenas aquilo, Maison se afastou em busca das amigas, deixando Harry com uma incógnita em sua mente.

[…]

estava mais relaxada. O grupo de amigos de Josh cercavam ela, Cat e Maison e naquele momento a garota não se importava muito com aquilo. Estava curtindo com seus amigos e isso era tudo que importava naquele momento. A festa não estava um porre. A música era boa, a cerveja era de graça, Cat e Maison estavam por perto a maior parte do tempo e Josh não era tão ruim assim – apesar de os amigos ainda serem de índole duvidosa.
— Ok, quem topa uma rodada de algo um pouco mais forte? – Josh foi quem sugeriu apontando a garrafa vazia de cerveja em suas mãos.
Watermelon sugar! – Cat pediu animada fazendo a encarar.
— O quê? – Josh questionou confuso e o encarou.
— É um drink. A gente costuma beber juntas na casa dela. – Informou e Josh pareceu interessado, bem como os demais que encaravam a cena, após o grito de Cat.
— Nunca ouvi falar. – Josh informou.
— É porque a Cat foi quem deu o nome. – Maison informou parecendo animado com a ideia.
— É basicamente uma mistura de melancia, açúcar e vodka. Nada demais. – deu de ombros.
— Eu quero experimentar. – Josh soltou animado e torceu os lábios.
— Tem uma melancia aí? – Questionou e Josh riu.
— Tem, eu comprei ontem já que se depender dele nós vivemos a base de salgadinhos e cerveja por aqui. – A voz de Harry irrompeu do grupo e a garota o encarou com uma sobrancelha arqueada – O que foi? Quando não estou em festas eu sou um cara saudável, . – Ele sorriu de canto e revirou os olhos.
— Tanto faz. Vamos lá, eu vou fazer o drink. – Ela indicou com a cabeça para Josh e Cat comemorou junto a Maison.
Eles seguiram para a cozinha e um pequeno grupo curioso os acompanhou. Harry abriu a geladeira e tirou de lá a melancia e gelo os deixando a frente de . Josh por sua vez trazia consigo vodka e açúcar.
— Precisa de mais alguma coisa? – Josh questionou colocando as coisas sobre a bancada. sorriu e apontou para a pilha de limões atrás dele.
— Aqui, eu achei um pouco de pimenta. – Cat se aproximou com o braço direito estendido a , depois de ter vasculhado o armário próximo da pia. pegou o frasco e observou por alguns segundos, dando um “ok” a amiga em seguida.
— Isso não me parece nada demais. Acho que vou apostar em um whisky. – Harry provocou e negou com a cabeça pegando uma faca do suporte e se preparando para abrir a melancia.
— Caso não tenha notado, não estou pedindo sua aprovação, Harry. Então sinta-se à vontade. – Rebateu o encarando e viu um sorriso lateral surgir no rosto do garoto.
— Não. Ele vai beber sim. Porque agora foi a honra da minha bebida preferida que ele feriu. Estou pagando para ver ele ficando bêbado com esse drink. – Cat foi quem soltou.
— Eu não vou ficar bêbado com isso, Catherin. – Debochou e riu fraco o fazendo a encarar – O que foi? – Ele questionou e o encarou molhando os lábios e sorrindo em seguida.
— Espero que esteja preparado para ficar alto de açúcar de melancia, Styles. – O tom de fez um arrepio subir a espinha de Harry. Ela parecia o desafiar e aquilo o fez se sentir um pouco mais atraído pela garota.
— Certo. Vamos lá então, eu quero provar esse tal açúcar de melancia. – E, dizendo aquilo, Harry deu a volta no balcão e fez questão de se sentar em frente a , enquanto a garota preparava o tal drink.

[…]

A cabeça de Styles girava em um ritmo que podia ser descrito como bom. Tudo parecia mais leve naquele momento e ele ria por qualquer coisa.
O drink de havia deixado-o naquele estado. Ok, talvez o fato de ter tomado mais doses do que a garota o recomendou fosse o real culpado, mas o drink parecia inofensivo. Era doce e tinha um gosto refrescante de melancia, além de uma pitada de sensação de ardor. Parecia um drink que se beberia em uma praia talvez, de algum país tropical.
Naquele momento Harry estava sentado do lado de fora da casa. O grupo de amigos estavam ali todos conversando, alguns mais bêbados que ele, outros menos, porém todos bêbados. e Cat estavam deitadas em uma espreguiçadeira prestando atenção a conversa de dois garotos que em algum momento indefinido haviam começado uma conversa sobre astros e buracos negros.
Cat, quase dormia e estava claramente bêbada demais para lutar contra o sono. estava mais acordada, porém não ficava muito atrás quando o assunto era o quanto havia bebido. Harry ouvia a conversa de Josh e Maison, mas seus olhos estavam em .
Os pensamentos que cercavam a mente de Styles eram os tipos de pensamentos que jamais poderiam ser ditos em voz alta. Aquilo era um efeito colateral da bebedeira? Talvez fosse.
— Ah meu deus, eu amo essa música. Cat, vem, vamos dançar comigo. – O grito empolgado de tirou Harry de seus pensamentos e ele prestou atenção a uma Cat cansada murmurando em negação, fazendo bufar – Vamos logo. – exigiu e Cat com um resmungo se levantou.
— Azar do Maison, ele também vai. – A garota murmurou se afastando de e seguindo para perto de Maison. a encarou com um sorriso vitorioso e em seguida viu Styles a encarando.
Ela não sabia dizer se era o verde dos olhos do rapaz, ou apenas a forma como ele a olhava que fazia seu olhar parecer tão intenso daquele modo. Não era desconfortável, muito pelo contrário, havia algo naqueles olhos que pareciam a ela familiares. A intensidade dos olhos do rapaz sobre ela fez alguns arrepios lhe subirem a espinha e um calor lhe tomar todo o corpo.
Qual era a diferença afinal? Dele para os caras que ela pegava nos bares? Nenhuma. Era o seu último dia na faculdade, no dia seguinte estaria longe dali e nunca mais o veria na vida.
E, apesar de no ápice de sua embriaguez, ela cogitar avançar até Harry, apenas se conteve vendo Cat acenar com Maison e Josh já de pé.
— Vamos logo. – Cat apressou e seguiu até ela subindo cuidadosamente os dois degraus do quintal.
— Vem Styles. – Ouviu Josh chamar o amigo e quando olhou sobre o ombro só teve tempo de ver Harry se levantando e os seguindo.
A sala era o lugar mais cheio da casa e, em meio a luzes coloridas e música alta, as pessoas dançavam. O grupo seguiu para o meio da pista de dança e ali em meio a tanta gente, iniciou uma dança descontraída junto a Cat.
Harry não era um dançarino, mexia o corpo apenas de maneira não tão constrangedora. Sequer sabia o que estava fazendo ali no meio daquelas pessoas, só sabia que quando Josh o chamou, ele, na verdade, seguiu uma certa garota baixa de olhos castanhos.
Ela se movia como se o mundo não importasse, o corpo gritando a liberdade que a garota emanava. Os movimentos eram despreocupados, não estava tentando chamar a atenção de ninguém, mas mesmo assim chamava a dele. Era estranho como a vontade de beijá-la crescia dentro dele um pouco mais a cada momento.
Era estúpido, ele sabia. Afinal haviam trocado poucas palavras naquela noite, mas havia algo, um tipo de tensão que o fazia sempre voltar os olhos para ela. Como se você demorasse a nota-la, mas quando o fizesse era impossível tirar seus olhos dela. Não era sentimental, era puramente carnal. Era desejo. Um desejo que crescia sem ele conseguir explicar.
Quando Josh o sacudiu pelos ombros o obrigando a dançar, Harry riu se movendo de maneira um pouco mais animada e tentando disfarçar o quanto encarava a garota, ele se virou de costas para ela. A agitação de Josh e Maison acabaram fazendo Harry dançar com mais vontade que gostaria e quando notou já estava pulando e se movendo animadamente com os dois amigos.
Alguns passos para trás e o corpo de Harry estava trombando ao de alguém e, ao se virar rindo, ouviu um vislumbre da risada dela. Era que gargalhava enquanto o encarava. Disse algo que ele não entendeu e Harry franziu o cenho apontando a própria orelha a fazendo entender que não escutava.
se aproximou apoiando as mãos no ombro direito de Harry e alcançando a orelha do rapaz.
— Eu disse que sinto muito. – Ela falou mais alto e o ar quente tocando a pele dele o fez arrepiar.
— Tudo bem. – Ele respondeu próximo a orelha dela e assim como ele, Harry a viu se arrepiar.
Uma nova música começou enquanto ambos permaneciam parados, incapazes de sair do transe daquele momento.
Você nunca mais o veria.
Era o pensamento que passava pela mente bêbada de . E com aquele pensamento foi que ela se afastou minimamente de Harry. Apenas o suficiente para que pudesse encarar seus olhos. Ele a encarou de volta e quando os olhos de Styles focaram os lábios da garota, ela sorriu de canto o fazendo repetir seu ato.
As mãos de que estavam no ombro de Harry seguiram seu caminho para o rosto do rapaz e Harry, por sua vez, tocou a cintura da garota a puxando mais para si.
olhou uma última vez nos olhos do rapaz, antes de se aproximar dele e tocar seus lábios. A princípio em um beijo tímido, para em seguida sorrirem com a loucura que aquilo era, depois eles finalmente se beijaram verdadeiramente. As línguas se tocavam e ambos sentiam precisar mais daquilo. As mãos de Harry seguravam com firmeza a cintura de e as mãos dela afundavam em meio aos cabelos de Styles.
Eles só precisaram de um olhar e um novo sorriso para saberem, mesmo em meio a sua embriaguez, que queriam mais daquilo. O desejo corria por seus corpos como o sangue em suas veias. O calor não era por conta da multidão. E a necessidade que seus corpos tinham de estarem próximos, só poderia ser resolvida de um modo, eles sabiam.
— Espero que tenha uma tranca na porta do seu quarto. – avisou mordendo o lábio enquanto respirava fundo olhando fixamente os olhos de Styles.
— Vem comigo, . – Styles segurou a mão da garota a puxando consigo para as escadas da casa, onde eles desviaram de pessoas que conversavam ou se pegavam pelos cantos.
Quando chegaram ao alto da escada Harry a puxou para si e grudou seus lábios de novo, se sentindo incapaz de se manter distante. Deram alguns passos cambaleantes e confusos pelo corredor, trombando em pessoas e recebendo alguns protestos, que sequer os fizeram se afastar nem para pedirem desculpas, tamanho era o desejo que sentiam.
E aquele tipo de desejo, ambos sabiam, era difícil de encontrar. Incontrolável, tão intenso que os tirava o ar mais do que podia se considerar normal.
Harry estava chapado de açúcar de melancia, porém o seu maior entorpecente naquele momento tinha nome, sobrenome e os lábios com gosto de morangos.

[…]

A porta se fechou atrás de Harry que trancou com certa dificuldade devido ao álcool em seu corpo. que não estava tão atrás no quesito “embriaguez” cambaleou rindo até a cama do garoto, se jogando de costas sobre ela, murmurando coisas do tipo “ela é tão macia” e sentando em seguida. Encarava a pessoa em sua frente com certo misto de admiração e desejo, Harry se virou para ela e mordeu o lábio inferior, esticando a mão para que ela segurasse e não pensou duas vezes antes de fazer.
Com agilidade ele a puxou para perto, segurando-a com força pela cintura.
— Aonde estávamos, ? – Sussurrou no ouvido da garota que se arrepiou no mesmo instante em que o ar quente a tocou. Sentia que aquilo aconteceria várias vezes durante aquela noite e ela não reclamaria, nem se quer por um instante.
— Bem aqui, Styles. – Foi tudo que ela disse antes colar mais ainda seus corpos e beija-lo novamente.
Quando o ar lhes faltou, os dois afastaram seus lábios aos poucos, mas mantinham os olhos fechados. Então Harry sentiu o peito arfar e começou a depositar selinhos por toda extensão da nuca e pescoço da garota, seguindo o caminho para o colo que estava nu devido a blusa de alcinha que ela usava e que Harry particularmente havia adorado já que a sutileza das partes do corpo expostas da garota, estavam o deixando louco. Ele olhou para que permanecia de olhos fechados, com a cabeça levemente jogada para trás e o corpo completamente arrepiado.
Harry sorriu arrumando a alça caída sobre o ombro da menina e voltou para chupar levemente seu lábio. tinha gosto de morangos em uma noite de verão e ele estava louco para sentir toda onda daquele açúcar de melancia.
Uma das mãos de Harry alcançou a cintura da garota. Ele brincava com seus dedos em sua cintura onde o shorts ainda estava e então a olhou para saber se havia consentimento e já sabendo o que vinha a seguir, sorriu sapeca para o rapaz que desabotoou rapidamente o shorts que ela usava. Styles colocou a mão debaixo da calcinha de renda de , e voltou a beijá-la um pouco antes de começar a massagear toda a extensão de sua vagina, arfava a cada toque dele, ficando até difícil para continuar a beijar. Sem enrolar muito, Harry enfiou seus dedos para dentro dela, e, assim que sentiu a garota estar molhada ,seu pênis começou a pulsar cada vez mais, então ele começou a enfiar cada vez mais os dedos dentro dela, fazendo com que a garota deixasse escapar um gemido baixo.
— Não goze ainda, . Tenho muita coisa para fazer com você. – Sussurrou e mordeu o lábio. — Deita na cama. – Sussurrou novamente antes de tirar a mão de dentro da garota. respirou fundo de olhos fechado, resmungando porque queria mais e Harry daria. Sabia o que vinha a seguir e ansiava por aquilo como uma criancinha viciada em doce. Styles estava viciado em açúcar de melancia.
abriu os olhos tempo o suficiente para dar alguns passos para trás e deitar na cama. Olhou para Harry que observava mordendo o lábio inferior, pensando o quanto a garota estava sexy deitada ali mesmo que de roupa. Seu pênis pulsava dentro das calças, mas antes que ele pudesse sentir por inteiro, queria deixá-la louca por ele. Styles sorriu de forma safada e puxou as pernas da garota para que ele ficasse com a bunda próximo ao pé da cama.
se apressou para tirar o shorts que usava e Harry se encarregou da calcinha, quando nada mais o atrapalhava ele se ajoelhou no chão em frente a cama e ajeitou a perna colocando os pés na ponta da mesma, para que suas pernas ficassem apoiadas e abertas.
Harry observava cheio de desejo.
— Porra , você é gostosa demais. – Murmurou e mesmo não vendo o rosto da garota, sabia que ela sorria. E então colocou a cabeça entre as pernas dela, que respirou fundo fechando os olhos no mesmo instante e logo em seguida, arqueou sua coluna, sentindo Styles cada vez mais dentro dela.
A língua de Styles era habilidosa e deveria admitir. Ele chupava lentamente o clitóris da garota e ela teve certeza que ele sabia exatamente como levar as garotas a loucura – sua fama o precedia. gemia, não se importando se alguém a ouvia ou não, afinal, precisava que o garoto continuasse com aquilo cada vez mais e que ele viesse fode-la, estava desejando Styles como nunca e quando estava prestes a chegar no seu ápice, Harry parou.
— Caralho, Styles! – Arfou e Harry riu sussurrando “calma”. Logo em seguida a garota se ajeitou na cama, vendo Styles tirando suas peças de roupa ficando apenas de box branca. percorreu o seu olhar por todo o corpo do garoto. Ele não era musculoso e tinha certeza que isso não combinaria com ele, já que seu corpo levemente definido a atraia muito mais que aquilo. Havia dois sinais abaixo de cada peito dele e ela pensou que eram a coisa mais linda que ela já vira, pensando que poderia facilmente usar seus talentos com pintura e transformar aqueles sinais em uma bela constelação de estrelas, então seus olhos pararam automaticamente no volume do pênis do rapaz.
— Nada mal. – Brincou e Styles balançou a cabeça rindo. Mesmo naquele momento a garota adorava provocá-lo.
— Você não viu nada. – Provou e ela sorriu. Harry subiu na cama ficando no meio de , beijando cada centímetro de sua barriga. Ele queria ela por inteiro.
agarrou os cabelos dele, puxando-o para si e quando Styles finalmente chegou próximo o lábio dela, os dois se beijaram mais excitados do que nunca.
Estavam de olhos fechados e uma das mãos de Harry alcançou o seio de coberto apenas pelo tecido da blusa, já que não usava sutiã. O garoto primeiro brincou com o bico do peito, até endurecê-lo e depois passando a mão por de baixo da blusa, começou a massageá-lo ao mesmo tempo que mordia o lóbulo da orelha dela. O desejo crescia cada vez mais entre eles e Harry não esperou mais nenhum segundo para tirar a blusa de , voltando seu olhar para ela que expressava um olhar recheado de malícia.
— Me fode de uma vez, Styles, eu quero te provar! – Sibilou e Harry balançou a cabeça rindo e abaixou a cueca. Seu pênis saltou para fora e não perdeu a oportunidade de brincar com ele um pouquinho, vendo Harry revirar os olhos com o toque. Styles a olhou fundo e ela fez o mesmo para ele finalmente a penetrar, cheio de desejo e malícia e então deixaram escapar um gemido mútuo.
Aquilo era novo para os dois. Sentir um ao outro era a nova a droga que eles gostaram de usar. Não sabiam se era a bebida que os excitava cada vez mais ou era o desejo um pelo o outro, que nunca perceberam, começando a despertar, mas uma coisa era certa: aproveitariam cada centímetro um do outro. Ela era apertada e quente e ele era grosso e grande.
Inspiravam e expiravam, cravava suas unhas nas costas de Harry a cada investida e ele gemia por sentir seu membro dentro dela.
— Harry, por favor! – Chamava seu nome. não era de inflar o ego masculino, ainda mais de Styles. Mas alguma coisa naquele dia, naquele garoto, naquele momento, a fazia clamar por mais e assim ele o fez.
Suas estocadas ficaram cada vez mais fortes e Harry soltou alguns palavrões do quanto era gostosa e apertada quando ela remexia ao mesmo ritmo que ele.
— Caramba , do jeito que está molhada vou ter que segurar. – riu e mordeu o lábio do garoto antes de começar a remexer os quadris novamente a fim de provocá-lo. Harry xingou e começou a investir mais rápido e forte e ela gostava daquelas investidas.
Depois de um tempo, Styles sentiu o suor escorrer por suas costas, o desejo começando a crescer cada vez mais neles e quando Harry sentiu que não ia mais aguentar, seu pênis começou a pulsar, ele olhou para piedoso e mesmo não falando, sabia o que significava, consentindo no mesmo instantes.
O pênis de Harry pulsou e ele sentiu estremecer quando os dois gozaram juntos. Harry se jogou na cama ao lado de e ambos respiravam pesado. Harry olhou para garota e como se ela premeditasse o que ele iria fazer, olhou para ele também.
— Não foi tão mal quanto eu pensava. – A garota piscou e Harry balançou a cabeça desacreditado. Ela não desistia de provocá-lo.
— Venha cá, . – Harry estendeu o braço e não foi necessário mais palavras para que logo a garota se acomodar no peito dele. Harry fechou os olhos e começou a acariciar os cabelos da . – Não se acostume.
— Não se preocupe Styles, eu não vou. – E com um bocejo, Harry depositou um beijo em sua testa antes dos dois pegarem no sono.

[…]
Foram necessários alguns segundos para se lembrar da noite passada. De repente, uma dor de cabeça súbita preencheu a garota e ela não precisava pensar duas vezes para saber do que era. Maldito drink de açúcar de melancia. Pensou. Mas soube que se ela estava mal, o companheiro ao qual ela estava deitada estaria mais ainda.
se movimentou com cuidado para não acordar Styles e quando conseguiu se desvencilhar do garoto, levantou da cama procurando suas roupas.
Estava pegando a última peça quando um respirar a assustou.
— Saindo de fininho, ? Pensei que você era mais legal que isso. – A voz de Harry naquela manhã estava mais rouca que o normal e sabia que se ele falasse em seu ouvido com aquela voz, ela dormiria com ele novamente.
— Preciso de analgésico. – Resmungou ainda de costas para a cama. Sua cabeça inteira girava e ela teria uma conversa séria com Cat depois disso, afinal o drink havia sido ideia dela. — E acho que você também precisa.
— Você está totalmente certa. – A voz estava mais próxima que antes e não estranhou quando mãos a puxaram pela cintura. —Mas talvez eu precise disso antes.
Harry sussurrou no ouvido da garota que mordeu o lábio sapeca e se virou para ele. Harry a beijou suavemente a levando de volta para cama, até que algo surgiu na mente dos dois.
, nós não usamos camisinha ontem. – Ele foi o primeiro a falar e ambos se olharam fixos. — Me desculpe, eu não sei o que deu em mim ontem. Normalmente sou muito cuidadoso. Você toma algum tipo de pílula?
se sentou na cama e mordeu o lábio. Estavam tão ansiosos naquela noite que haviam esquecido completamente de se proteger e apesar da garota ser cuidadosa tanto quanto Harry, – afinal, apesar de ser mulherengo, Josh sempre disse que o garoto não era bobo – fazia pouco tempo que havia parado de tomar um medicamento forte que inibia o efeito do pílula. Harry se sentou e depositou a mão direita sobre o ombro da garota, como se entendesse o que ela estava pensando.
— Tudo bem , não se preocupe. Podemos ir comprar aqueles comprimidos do dia seguinte. – sorriu com a gentileza do garoto ao seu lado, afinal, não esperava que ele agisse dessa maneira. Talvez o estivesse subestimando ao julgá-lo de todas as formas que havia julgado antes.
— Não vejo problemas. – Ela falou se virando para ele. – Se bem que, um bebezinho com esses seus olhos verdes lindos, não seria nada mal.
não era a típica garota que elogiava os caras ao qual dormia, mas se havia uma coisa que precisava admitir, seria que os olhos do rapaz eram verdadeiramente bonitos. Harry gargalhou deitando na cama e puxando a garota para si novamente e colocando suas testas. Sabia que não a veria dali em diante, mas a noite anterior havia sido prazerosa, assim como a sua companhia.
— To começando a achar que você bebeu demais ontem. – Murmurou de olhos fechados próximo aos lábios da garota.
— Eu com certeza bebi, porque jamais elogiaria Harry Styles. – Respondeu depositando um selinho no garoto que sorriu ainda com os olhos cerrados. — E nós dois precisamos de um banho.

[…]
Tomaram uma ducha juntos, limitando-se a explorar apenas os lábios macios um do outro, esquecendo completamente da dor de cabeça que sentiam minutos antes e assim que terminaram seu banho, não demorou muito tempo para estarem descendo as escadas da casa ao qual havia abrigado a festa da noite anterior, ela estava irreconhecível.
— Quem e em qual momento arrumaram tudo? – resmungou de mãos dadas a Styles, próximo o suficiente de seu ouvido.
Harry balançou a cabeça rindo, chutando alguns redcups que estavam no caminho dos dois. Quando chegaram no fim da escada, notou que no lugar ao qual estava a pista de dança, agora estava cheia de pessoas conhecidas, porém, ao invés de estarem dançando, cada uma dormia esparramadas sobre almofadas no chão e grandes puffs que ela pode jurar ter visto no lado de fora na noite anterior.
— Você quer comer alguma coisa? – Harry parou ao pé da escada e negou com a cabeça.
— Não tomo café da manhã. – Respondeu e notou a cara estranha de Harry. — Não se preocupe, apenas não tenho o hábito, além disso, o drink de ontem à noite me deixou com o estômago revirado. Acho que não vou comer por um bom tempo.
Harry rolou os olhos e soltou a mão entrelaçada na garota, colocando sobre o bolso de sua bermuda, tateando alguma coisa.
—Me espere no carro, é o audi branco. – Entregou a chave para ela. — Eu já volto. – Disse se direcionando até a cozinha e concordou dando de ombros, seguindo para o lado de fora da casa.
Ela desviava de um grande número de pessoas dormindo em qualquer que fosse o canto e apesar de jurar que casa havia ficado suja na noite anterior, percebeu que aquilo se limitava a apenas algumas partes da casa, já que onde as pessoas estavam dormindo, estava limpa, como se cada um deles tivesse trabalhado arduamente na noite anterior.Desviou de um casal e parou subitamente quando notou Maison esparramado sobre o sofá em forma de “L”, ele ocupava uma parte e um casal a outra. Maison estava sem camisa e pegou uma pequena manta caída ao pé do sofá onde ele estava deitado, se aproximou delicadamente e colocou a manta sobre o rapaz, depositando um beijo em sua testa e depois saiu em direção à porta de entrada. Não demorou muito para achar o carro estacionado ao lado da casa, junto de outros dois que podia apostar ser de Josh e do outro garoto que morava na casa com ele e Harry, já que todos os outros carros dos convidados, estavam estacionados pelo gramado e rua.
Ela pegou a chave e clicou no botão de destrava. Minutos depois que entrou no carro com bancos de couro, a outra porta se abriu revelando Styles com umas das mãos ocupada com um pacote e suco de laranja e com a boca segurando um sanduíche.
— Tome. – Balbuciou e esticou as coisas para ela, que franziu o cenho interessada no conteúdo do pacote. — Obrigado
— O que é isso? – Questionou abrindo o pacote.
— Sanduíche de amendoim e geleia. – Deu de ombros mordendo um pedaço daquele que estava segurando. — Agora encha esse barrigão, porque você não pode sair por aí sem comer nada.
— Styles, eu disse que não tomava café da manhã. – Resmungou.
, depois de todo o álcool de ontem à noite, você tem que comer. – Deu mais uma mordida no seu sanduíche. – Aliás, seria uma desfeita enorme se você não o fizesse, tive muito trabalho para prepará-lo.
balançou a cabeça incrédula com Harry. Ele permaneceu olhando-a e mordiscando o pão que tinha na mão esquerda e então cedeu à pressão, abrindo novamente o pacote e pegando o sanduíche. Sua barriga começou a roncar.
Styles estava certo, e talvez a sensação de enjoo anterior fosse apenas por estar com fome. Ela olhou para Harry de soslaio antes de beliscar um pedaço do pão. Mastigava crédula de que aquele era o melhor sanduíche de pasta de amendoim e geleia que havia comido em sua vida – ou era a fome dizendo isso a ela. Harry permanecia encarando-a como se esperasse algum tipo de reação e o quando ela o fez, Harry sorriu largo.
— Viu, eu sabia que ia gostar. – Disse bebericando um pouco do suco que ela segurava na outra mão. Harry deu o último pedaço e pegou a chave posta sobre o console do carro, colocou o cinto e deu partida no mesmo.
Assim que terminou de comer e beber, se encarregou de escolher as músicas na playlist durante o caminho, agradecendo Styles por ter tido uma ideia boa pelo menos uma vez na vida.
Tocava alguma música de Elvis e não precisou olhar o visor do som para saber qual era o nome dela.
— Você faz curso de música, não é? – Perguntou vendo Harry batucar ao ritmo de “The Girl of my best friend” e virou seu rosto rapidamente para ela, concordando com a cabeça.
— Música é uma paixão que eu tenho desde de muito jovem. – Respondeu sincero. – Então eu não me vejo em outro curso que não fosse esse.
— Ouvi Josh falando disso algumas vezes. Ele tinha uma mania chata de ficar me comparando a você, dizendo que artes era pra mim, o que música era pra ti. – Sorriu. – Agora eu entendendo o porquê.
— É verdade, você estuda belas artes. – Harry pareceu se lembrar de algo. – E por que escolheu esse curso?
— Pelo mesmo motivo que você. Amor. – Sorriu. – Desde pequena eu sou fascinada pela expressão e beleza humana, além de admirar obras de artes e ser louca por toda história que há por trás delas. Como “a noite estrelada” de Van Gogh, aquele quadro nutri muitos significados.
— Tipo quais? – Perguntou interessado, mas ainda concentrado na estrada.
— Quando ele pintou esse quadro, estava internado em um hospício. – Harry franziu o cenho. — Vincent sofria de ansiedade e depressão e durante sua estadia no hospício, tinhas saídas controladas e raramente “via a luz do dia”. Acontece que a pintura foi inspirada na vista da cela na qual ele dormia e tanto as estrelas como o céu são os elementos importantes, já que o céu noturno, era expressivo, turbulento e marcante, entrando em contraste com a calmaria da pequena vila pintada abaixo. – Harry mordeu o lábio pensativo, como se tentasse visualizar a obra em sua cabeça. — É bem provável que esse quadro expressasse os sentimentos que Vincent sentia naquele momento, eles estavam perdidos em uma linha tênue de ansiedade e tranquilidade e a parte mais incrível é saber que ele foi capaz de fazer algo tão belo mesmo na situação ao qual se encontrava.
— Isso é incrível, . – Respondeu. — Você realmente nasceu pra isso.
— É o que dizem. – Colocou uma mecha de cabelo atrás da orelha. — Eu ainda pretendo viajar o mundo. Começar em Amsterdã, Paris, Escócia e assim vai. – tinha a cabeça apoiada para trás e os olhos fechados. — Ir para qualquer lugar do mundo que me proporcione ver e trabalhar com obras de arte como essa. – Sorriu. – E você, Styles? O que pretende fazer depois daqui?
Harry não precisou pensar muito naquela resposta.
— Estou fechando contrato com uma gravadora e é bem provável que eu viaje pelo mundo assim como você. – brincou.
— Isso é verdade? – abriu os olhos e se virou para o garoto que balançou a cabeça em afirmação.
— No meio desse ano eu lancei um cover de “Isn’t she lovely” e ele viralizou. – Disse orgulhoso. — E a duas semanas atrás, recebi uma ligação de uma gravadora interessada em fechar comigo. Eu aceitei.
— Nossa Harry, isso é mesmo incrível. – Falou excitada. — Eles não estão errados em te contratar, agora com você falando eu me lembrei desse vídeo que postou e você realmente canta bem.
lembrou-se do dia que Josh e Cat não paravam de encher seu saco falando de “como Styles cantava bem” e que ela deveria ver o vídeo. Lembrava-se também de que quando o viu, admirou o rapaz como jamais admitiria na vida, até agora.
— Então você não me odeia tanto assim? – Riu estacionando o carro.
— Mas é claro que sim, não seja maluco! – Respondeu fingindo estar ofendida e colocou a mão sobre a fivela do cinto de segurança, a fim de tirá-lo, mas Harry interrompeu. — O que foi?
— Pode deixar que eu desço, é minha responsabilidade também. – Sorriu tirando o cinto e deu de ombros.

[…]

Manchester. 6 semanas após a festa
andava de um lado para o outro, com a unhas sobre a boca. Ansiedade não era algo que a garota sentia com frequência, mas aquele momento fazia com que seu mundo inteiro mudasse a perspectiva. Seu corpo já não respondia mais aos seus estímulos e ela estava lidando com o “piloto automático” desde que chegou no quarto de Cat.
Olhou para a amiga em sua frente que desligava o alarme celular e então adentrou no banheiro, não se preocupando em fechar a porta já que sua cabeça agora estava focada apenas no objeto em cima da pia. Sua mão tremia cada vez mais e quando chegou próximo ao objeto, respirou fundo pegando-o ficando paralisada por alguns segundos. Aquilo só podia ser sacanagem.
— O que está escrito? – A voz de Cat irrompeu o lugar e virou pálida para a amiga e então mostrou a fita. Cat colocou a mão sobre a boca, sem precisar pensar duas vezes para saber o que aquilo significava.
— Eu estou grávida Cat. – Sua voz saiu embaçada. – Estou gravida de Harry Styles.

Fim