Drive to Survive – Daniel Ricciardo

Drive to Survive – Daniel Ricciardo

Sinopse: Tudo pode mudar se você tiver o estímulo certo. A vida de Pearl era focada em seus dois empregos, seu filho e sua mãe, até que o sorriso contagiante de Daniel Ricciardo invadiu seus pensamentos e trouxe luz para seu caminho.
Esta fanfic faz parte do especial Drive to Survive
Gênero: Romance
Classificação: 16 anos
Restrição: Os nomes Joe, Benjamin, Lola e Marian jã são utilizados.
Beta: Sharpay Evans

Mais um dia no frango do Joe, sentia a pele suada e oleosa, o cheiro de gordura impregnado nos cabelos, no fim do dia nada era pior que aquele cheiro. Nem mesmo os clientes grosseiros, as frases que precisava decorar e depois repetir centenas de vezes: Posso anotar seu pedido? Boa noite, senhor. Boa tarde, senhora. Quinze e quarenta e cinco, senhor. Deseja mais batatas por cinco e noventa?
E de novo, no outro dia, e no dia seguinte, no próximo e em todos os outros. Assim era sua rotina nos últimos três anos. Afinal, alguém precisava pagar as contas, não é? sempre fora uma garota sonhadora, alegre, tentava esconder o lado romântico por medo de se ferir, mas isso acabava acontecendo e no final das contas, ainda pelo pior tipo de cara possível.
E foi assim que engravidou de seu filho, o pequeno Benjamin. O garotinho, agora com cinco anos, era fruto de uma dessas relações, tudo sempre indicou que não daria certo, mas quando se está apaixonada, fica-se cego. Vemos apenas o que queremos ver, uma visão distorcida e falsa da realidade. não se arrependia, amava seu menino com todas as forças e não se importava em se sacrificar por ele. Trabalhava durante as manhãs na limpeza de uma grande companhia australiana, depois, encarava turnos naquela lanchonete horrorosa. Tudo isso, para no fim ser abraçada pelo filho com amor e sensação de dever cumprido.
Naquele dia não foi diferente, Benjamin estava com sua mãe, que cuidava do menino enquanto trabalhava. O turno da noite era fraco e pouco movimentado, ajeitava coisas embaixo do balcão distraidamente quando alguém entrou, um pequeno grupo de pessoas, eles conversavam animadamente e riam alto. Ela então suspirou e se levantou, a fim de atendê-los.
Quando pousou os olhos nos clientes, seu coração parou, o sangue parou de circular pelo corpo, ela congelou. Ali, bem na sua frente estava , com o sorriso mais lindo que ela já tinha visto na vida.
Conhecia o piloto, além de ser um dos melhores pilotos de Fórmula Um, também era australiano, assim como ela. Conhecer e ama-lo era dever de todos cidadãos australianos. Mas sem sombra de dúvidas, uma lanchonete simples no meio de uma rodovia não era lugar daquele monumento de homem.
era simplesmente o homem mais lindo que já havia visto, era alto, cheiroso, moreno, sorriso grande e sincero. De deixar qualquer um com as pernas, no mínimo, bambas.

– … e fritas. – repetiu o pedido devagar, como se pensassem que não entendesse sua língua. – Moça?
– Como é? – piscou rapidamente e balançou a cabeça, ainda abobada.
– Porção dupla…de frango. – Ele repetiu pausadamente. – Três refrigerantes, grandes e fritas.
– Porção dupla de frango com fritas. – gritou para a cozinha sem desviar os olhos do piloto.

Não era comum uma visita famosa naquele estabelecimento, não poderia acreditar no que seus olhos mostravam. estava aqui, bem na sua frente, a observando sorridente e curioso.
Em questão de alguns minutos, o pedido foi liberado, encheu os refrigerantes e os entregou, junto com a comida ao piloto. Quando esticou a mão, seus dedos tocaram os da atendente e ele olhou em seus olhos, com a sobrancelha arqueada de modo sexy, em seguida, o piloto dividiu as sacolas entre o grupo que o acompanhava.
desmaiaria a qualquer momento, havia sido tocada por . E então surpreendentemente, depois de remexer o bolso do moletom que usava, o piloto se esticou novamente para pagar a conta, quando imitou o gesto, ainda baratinada, segurou sua mão e a olhou nos olhos mais uma vez.

– Sabe, você é bonita demais para ficar atrás de um balcão. – Sussurrou para que só ela ouvisse e então piscou e sorriu ladino, acenou uma vez com a cabeça e rumou à saída.

mal podia acreditar no que acontecera, a havia elogiado. Devia estar sonhando, definitivamente estava. Então, ela abriu a mão, junto a uma nota de cem dólares australianos, estava rabiscado um telefone num pedacinho bobo de papel. Quando percebeu do que se tratava, levantou o olhar, chocada, e seus olhos cruzaram com o de , que a encarou rapidamente antes de entrar no carro, com sorriso sapeca e arqueou uma sobrancelha provocativamente antes de partir.
Um sonho, só poderia ser, um sonho.

XXX
O relógio quase marcava meia noite quando pôs os pés em casa. Se dirigiu ao quarto de Benjamin, cobrindo melhor o filho e beijando-lhe a testa, depois, acordou a mãe que cochilava na sala com a televisão ligada e em seguida tomou um banho longo e quente. Não podia acreditar no dia que teve, parecia um sonho, uma fantasia, quem sabe uma pegadinha de algum programa de TV aleatório.
Será que aquele era mesmo o telefone de ? Será que ele realmente quis dar aquele telefone? Será que não foi tudo um gigantesco mal-entendido? Ela devia ligar? Quando devia ligar? Durante a manhã? À noite? Na próxima semana? Afinal, já devia ser madrugada de domingo.
Depois de comer o resto de tudo que havia em sua geladeira, foi se deitar. Não conseguia desligar, só podia pensar naqueles números escritos de qualquer jeito naquele papelzinho, só pensava naquela ideia pulsante de ligar para ele, tirar a dúvida, confirmar se era realmente um sonho ou não.

XXX
sequer dormiu naquela noite, não conseguia parar de criar fanfics na própria cabeça sobre como seria falar com , sobre como seria conhece-lo melhor, se aproximar, estar ao lado dele.
Trêmula, digitou lentamente os números no celular, confirmando cada um deles demoradamente. Não pode ligar quando acordou, às oito da manhã, nenhum ser humano estaria acordado, então resolveu ligar mais tarde. Estava completamente incerta, não sabia se devia ligar, mandar mensagens, sinal de fumaça ou coisa parecida.
Fora torturante a espera, mas às duas horas, enfim decidira acabar com a ansiedade que a consumia. Benjamin bagunçava o quarto brincando com seus dinossauros, respirou fundo e ligou, pôs o telefone na orelha e fechou os olhos, se preparando para descobrir que tudo fora uma brincadeira infantil e de péssimo gosto.
– Oi. – Uma voz masculina disse do outro lado da linha.
– Oi, você. – respondeu no susto e um silêncio desconfortável se instaurou.
– Então? – O homem a encorajou.
– Então você é… é mesmo o ? – Que coisa mais idiota para se dizer, ela pensou batendo duas vezes na testa.
– Se você me der dois minutos, confirmo isso para você. Só preciso lembrar onde guardei minha carteira. – Ele brincou e ela sorriu.
– É sério… – sorriu mais aberto. – Nunca se sabe quando é uma pegadinha. – Desta vez, gargalhou.
– Você é a garota de ontem, não é? – O piloto quis saber sorrindo e demorou alguns segundos para responder.
– Sou. – Contou depois de um longo suspiro.
– Eu estava esperando você ligar. – assumiu. – Ansiosamente.
– Você… estava? – Pear engasgou.
– Claro, por que acha que eu daria meu telefone a você? Aliás, por que demorou tanto? – Perguntou ele, fingindo estar entediado.
– Bom… eu… eu não quis te acordar. – gaguejou de novo.
– Besteira. – soprou. – Podia ter ligado antes. Então, eu posso saber seu nome?
– Eu sou . – Ela respondeu rápido, completamente incrédula.
– Adorei seu nome, tem uma energia boa…será que nossos signos combinam? – Ele pensou alto. – Brincadeira, estou brincando. – riu e o acompanhou, estava mais para uma risada chocada e nervosa do que para divertida. – Então…, o que está fazendo agora?
– Eu… ah, nada. – Respondeu encarando o quarto bagunçado e o pequeno Benjamin. – E você?
– Um grande, odioso e insuportável nada. – Contou o piloto. – Me diga… , , . – Ele repetiu em diferentes entonações. – Seu nome é gostoso de dizer, já te disseram isso?
– Er… não. – Respondeu envergonhada.
– Tem uma festa hoje aqui. Coisa pequena, só para alguns amigos, matar a saudade durante as férias, sabe? Você topa? Acho que seria legal. – propôs.

Naquele momento, entrou em pane total, bug no sistema, erro na matrix. estava mesmo a chamando para sair? Era isso? não tinha nem roupa para um evento desses.

– E então? – insistiu.
– Festa? Na sua casa? – mordeu o lábio inferior incerta. – Você é mesmo você?
– O que? Vou te mandar uma foto, me dê um segundo. – gargalhou.

Alguns segundos depois, sentiu o celular vibrar e então uma foto invadiu sua tela, sorrindo para uma foto no espelho, completamente jogado em cima da cama. Puta merda, era ele mesmo.

– Eis aí o homem. – Ele zombou de volta ao telefone.
– Desculpe, é que… eu…– tentou dizer.
– Relaxa, não importa. Mas e aí, você vem? – Quis saber.
– Eu…claro…vou. Claro que eu vou. – Disse animadamente, sem pensar.
– Vou estar te esperando então. – afirmou com a voz um pouco mais grave. – Até, .
–Até. – Ela esperou até ouvi-lo desligar.

E então gritou, o mais alto e estridente que pode. Benjamin se assustou a princípio, mas depois que viu a mãe pulando sobre a cama, entrou na onda e a imitou, pulando e gritando. estava feliz como a muito não esteve, queria gritar, precisava de um vestido incrível, precisava de ajuda para se produzir e ficar incrível, mas naquele momento não queria pensar em nada daquilo, apenas gritar. Iria a uma festa na casa de .

XXX
Dez e vinte e quatro, exatamente. acabara de sair do táxi, encarava a iluminada e gigantesca mansão de . Benjamin já estava dormindo quando saiu, e para a mãe, disse que veria alguns amigos, não queria alertá-la deixando-a preocupada.
Depois da ligação naquela tarde, chamou suas amigas, Marian e Lola, confiou a elas o segredo e sabia que se alguém poderia deixa-la linda para aquela noite, seriam aquelas mulheres. Depois de surtos e risadas, estava pronta e arrasadora. Seu estômago revirava de ansiedade, as pernas estavam trêmulas, mal podia imaginar que estava naquele lugar.
Respirou fundo algumas vezes e tomou coragem para subir os poucos degraus até a porta da frente. Não haviam seguranças nem nada do tipo, então tocou a campainha, estava incerta se a ouviriam por causa da música alta.
Quando esticou a mão mais uma vez para tocar de novo, a porta foi aberta por um sorridente e cheiroso . poderia desmaiar ali mesmo, o piloto estava bem na sua frente, era real, não um sonho, estava bem na sua frente, carne e osso, beleza e perfume.
– Oi, você. – Ele cumprimentou sorrindo. – Uau…você está absolutamente perfeita. – elogiou se afastando dois passos para olhá-la melhor.
– Obr… obrigada. – gaguejou de novo, sentia que teria um surto, muito, muito em breve.
– Entra, vem. – O piloto chamou e entrou, indicando para que o seguisse. – Bebe alguma coisa?
– Sim, por favor. – respondeu apertando os dedos na pequena bolsa que tinha em mãos até os nós ficarem brancos.
– Gin? – ofereceu, arqueando uma sobrancelha e pôs-se a preparar um drink, num mini bar da sala.

não pode deixar de notar que o ambiente estava cheio de pessoas bonitas e bem vestidas, algumas ela reconheceu. Pilotos como e outras pessoas relacionadas à Fórmula Um. Também haviam outros, atrizes, modelos, atores famosos, com toda certeza a pessoa mais comum ali era ela. Agradeceu mentalmente as amigas por insistirem em seu visual mais chique ao invés do simples e normal que havia escolhido.

– Vem, vou te apresentar ao pessoal. – chamou entregando-lhe uma taça grande e com líquido azul e refrescante.

Caminharam entre as pessoas, sorria e seu andar era confiante e seguro. Estando atrás dele, podia sentir o cheiro inebriante de seu perfume a invadir, era sem dúvidas o melhor cheiro do mundo.

– Olha ele aí. – cumprimentou quando viu se aproximar e então correu os olhos, de cima a baixo em . – Uau…olha ele, veio muito bem acompanhado.
– Segura sua onda aí, garanhão. – balançou uma mão na direção do amigo. – Ela está comigo. – Afirmou olhando por sobre o ombro para e piscando para ela. – Essa é a , minha convidada. – Apresentou dizendo lentamente cada sílaba do nome.
– Olá, . – se levantou para cumprimenta-la com um abraço. – Onde esse animal exótico te achou? É daqui mesmo?
– Sou sim, sou. – respondeu atrapalhada.
– Animal exótico é você, Johnny Bravo. – empurrou de volta ao sofá e o loiro riu. – Vamos, esse aqui não vale a pena, vou te apresentar ao pessoal legal.

Algum tempo depois, já havia sido apresentada para quase todos da festa, conhecido pessoas famosas de todos os tipos, pilotos e outras pessoas ligadas à Fórmula Um. Também tinha sido muito elogiada e parabenizado por estar muito bem acompanhado. Aquilo devia ser uma fanfiction, com certeza era.
Estava sentada olhando a vista para o mar da mansão, bebendo mais um pouco de gin quando se aproximou.

– Aí está você. – Ele disse se sentando ao lado dela. – Sabe, a luz da lua fica bem em você.
– Obrigada. – agradeceu envergonhada, encarando o copo. – Eu posso fazer uma pergunta?
– Claro, quantas quiser. – Ele sorriu grande e se aproximou um pouco mais.
– Por que eu estou aqui? Que dizer, por que você me convidou? Sabe, você é famoso, lindo, incrível…– começou a falar sem parar e sorriu. – Por que convidar a atendente de uma lanchonete de beira de estrada? É uma pegadinha, não é? Porque nada disso aqui parece verdade e eu… – a interrompeu.
– Ei, ei…calma. Você está perguntando, mas não me deixa responder. – Ele sorriu. – Me diga, . – Ele fez biquinho para dizer o nome dela, extremamente sexy. – Não acha possível que um cara olhe para uma mulher que nunca viu e fique extremamente interessado?
– Bom, sim…mas é que…– a interrompeu de novo.
– Por que eu não poderia ficar interessado por você? – Questionou com uma sobrancelha arqueada e abriu e fechou a boca duas vezes, sem saber o que dizer. – Eu não vejo…como foi que você disse? Ah, me lembrei. Eu não vejo uma atendente de uma lanchonete qualquer de beira de estrada, vejo uma mulher muito atraente, muito mesmo. – sorriu de canto e esticou a mão para afastar uma mechinha de cabelo dos olhos de . – Achei que tivesse ficado claro quando todos aqui elogiaram sua beleza, seus olhos…– diminuiu um pouco o tom de voz e olhava fixamente nos olhos de . – Seu sorriso, seu cabelo…
– Eu…é que…– balbuciou atordoada.
– A não ser é claro… – passou a encarar a boca dela enquanto dizia. – Que você não tenha interesse ou não queira se envolver com um piloto qualquer.

riu entredentes incrédula, mas percebeu a coluna endurecer de novo quando sentiu o hálito de bater em seu rosto e o olhar dele ainda fixo em seus lábios.

– Sabe, , você tem um olhar que eu nunca vi em mulher nenhuma…um sorriso, cheiro. Uma mulher como você merece ter o mundo, ter o que quiser…e o que você quer, ?
– Eu? – quis confirmar, para ter certeza de que havia entendido certo, mas não soube o que dizer, estava tonta demais para pensar em qualquer resposta. – E o que você quer?
– O que eu quero? – deixou o sorriso mais safado do mundo preencher seu rosto. – Eu quero beijar você.

arregalou os olhos surpresa, chocada, mas felizmente era verdade e rapidamente colou seus lábios aos dela. O beijo tinha gosto de champanhe, morango e gin, lento e molhado na medida certa, fresco. Estava nas nuvens, tinha certeza disso e aquela noite seria mais que memorável.

XXX
A água enchia o balde, formando um tipo de redemoinho na superfície. não prestava atenção naquilo, só percebeu que o balde estava cheio quando a água derramou, molhando seu sapato. Não podia parar de pensar na noite mágica que tivera, a festa, beijar , as conversas vagas e banais sobre qualquer coisa, a carona até sua casa…era um sonho. Se sentia uma Cinderela moderna, sonhando e revivendo em sua mente cada segundo daquela noite tão inesquecível.
Queria reviver aquelas memórias, para que nenhum detalhe da noite se perdesse e ela pudesse mantê-los para si para sempre. Devia escrever sobre, quem sabe uma fanfic, pensava enquanto entregava o balde cheio a uma colega e se dirigia ao refeitório, era hora do almoço.
Mais um longo dia limpando, secando, tirando o lixo e organizando tudo, mais um dia cansativo e estressante. Ao menos não teria que ir para a lanchonete, Joe não abria o lugar nas segundas. se sentou, encarando o almoço e desbloqueou a tela do celular para enviar uma mensagem para casa, saber como estava Benjamin, se já havia comido e como estava se comportando. Antes que pudesse terminar de digitar, foi interrompida por uma ligação e o nome piscou na tela e a fez perder o ar. não sabia o que fazer, devia estar sonhando de novo, pensou. Apertou o celular contra o peito e olhou ao redor, o refeitório estava vazio, será que era um sinal?
Depois de coçar a garganta para limpar a voz, ela atendeu.
– Oi, você. – disse primeiro e imaginou que ele devia estar sorrindo.
– Oi. – Cumprimentou ela incerta.
– Como você está? Acordei agora e estava pensando em você. – Admitiu o piloto e sentiu o ar faltar.
– Você…pensou em mim? Em mim? – Repetiu com voz esganiçada pelo choque, mas em seguida tossiu e tentou voltar a seu tom natural. – Estou bem, trabalhando e você?
– Claro que eu pensei, porque não pensaria. – riu. – A noite foi ótima…
Mais uma vez, apertou o celular contra o peito e comemorou silenciosamente.
– Sabe o que eu acabei de pensar, ? – indagou, ele sempre insistia em pronunciar o nome da mulher o mais lento e sexy possível.
– Não. – engoliu em seco.
– Pensando que eu e você, nós dois deveríamos sair hoje. O que me diz de um jantar? – Propôs ele.
– Hoje é segunda–feira. – lembrou.
– É, e eu estou de férias. O que tem? – perguntou enquanto rolava na cama, deitando-se de bruços.
– Eu trabalho…e tenho um filho. Não posso simplesmente sair assim. – contou. – E também nem tenho roupas para uma coisa dessas. – Ela riu envergonhada.
– Ah. – ponderou. – Então você vai estar naquela lanchonete hoje à noite?
– Não, eu não vou trabalhar à noite hoje. Mas eu estou trabalhando agora e vou trabalhar amanhã e…– tentava explicar quando percebeu que ria do outro lado da linha. – O que foi? Do que está rindo?
– Eu estou rindo de você. – Contou. – Escute, às oito e meia, para não atrapalhar seu dia amanhã. Eu vou mandar uma babá, ela é de confiança e mando também alguns vestidos para você escolher, se esse é o problema.
– Como é? – engasgou com a própria saliva.
– É, se esse é o problema…– soprou com simplicidade.
– Não, as coisas não são tão simples assim…– balançou a cabeça negativamente. – Eu não sei.
– Olha, não quero te pressionar ou coisa assim. Eu sei que não é fácil cuidar de uma criança, mas também não quero forçar a barra caso você não esteja…afim. – riu e sentiu o estômago esquentar.
– Não, não é isso…eu. – respirou fundo antes de responder. – Eu quero sim, mas é complicado.
– Entendo. – suspirou e pode ouvir do outro lado da linha. – Pense sobre isso, vou esperar uma ligação sua. Ansiosamente. – Ele enfatizou. – Um beijo.
–Um beijo…– respondeu arfando.

Aquele homem a mataria, com certeza.
Mas a vida era mais que um homem, não podia simplesmente deixar tudo de lado, deixar sua família, seu menino e se aventurar com , mesmo que quisesse muito. Jantar com ele…uma proposta repentina e nitidamente de alguém entediado…não, não iria, não mesmo.

XXX
Depois de horas em pé num trânsito horrível, estava em casa. Suada e cansada até para pensar, precisava de um banho e de um jantar reforçado. Jogou as chaves sobre o balcão ao entrar, tirou os sapatos e se arrastou pela sala, encontrou Benjamin brincando com carros no corredor, beijou o topo de sua cabeça e coçou suas costas.
– Olha só quem chegou. Nossa estrela. – A mãe disse surgindo da porta da cozinha.
– Oi, mãezinha. – cumprimentou levantando o olhar para ela. – Nossa estrela? Do que está falando?
– Venha ver você mesma. – A mãe disse e a guiou para seu próprio quarto. – Olhe bem.

A primeira coisa que percebeu foram dois vestidos, um vermelho e outro dourado, lindos e luxuosos sobre a cama, junto com caixas de sapatos e flores.

– O que é isso? De onde veio isso? – Ela questionou confusa.
– Alguém mandou entregar essa tarde para a senhorita . – A mais velha explicou segurando um cartão. – No cartão dizia que era para ligar se tivesse dúvidas, eu liguei, um tal de atendeu e disse que são presentes para você. Que se você precisar ou não gostar, ele manda mais.
– Tá brincando?! – soltou o peso na cama, não conseguia nem raciocinar, não podia acreditar que havia mesmo feito aquilo.
– Estou esperando.
– Esperando o que? – perguntou tocando cuidadosamente os tecidos dos vestidos.
– Você me contar quem é esse homem.
– Ah, mãe…eu o conheci no Joe, ele foi até lá e depois me deu o telefone.– contou sorrindo.
– Aquela festa ontem…ele te trouxe, não foi? – Quis saber a mãe.
– Foi. Ele é gentil, parece estar interessado em mim…é como um sonho. – Admitiu. – Ele é lindo, famoso, poderia ter qualquer mulher do mundo, mas resolveu mandar vestidos porque eu disse que não sairia com ele para jantar hoje por não ter roupa.
– Parece insistente. – A mais velha cruzou os braços.
– Não sei…só sei que ele é incrível, lindo, engraçado…e esses vestidos são lindos demais.
– Qual você vai usar hoje? – Quis saber.
– Como assim? Não vou. Não é bem assim, tenho um filho, não posso simplesmente sair para jantar fora no meio da semana. Nem sei se tenho dinheiro para isso. – argumentou.
– Eu acho que se o homem mandou vestidos e sapatos, não vai pedir para dividir a conta com você. – fitou a mãe, que se aproximou um pouco mais e tocou o ombro da filha. – , eu posso ficar com o Benja, não se preocupe. Você devia se divertir, trabalha tanto, faz bem aproveitar um pouco a vida enquanto a gente ainda a tem.

Dizendo isso, deixou a filha sozinha no quarto pensando sobre aquilo tudo. A mãe tinha razão, merecia se divertir, mas será que seria certo sair com ? Será que ele não tinha intenções escusas com aqueles presentes? Mas e se tivesse, seria tão ruim assim? Queria aquilo, queria jantar com ele, conversar mais, conhece-lo melhor. Tomou coragem, ignorou a voz que dizia para não fazer, fechou o punho sobre os vestidos e digitou: Estarei pronta às oito e meia.
Alguns segundos depois, respondera com um sticker dele mesmo comemorando, típico…

XXX
– É sério. – confirmou rindo, em seguida bebeu mais um pouco do champanhe caro para não engasgar. – Ele podia ter usado o próprio sapato para beber, mas quis beber no meu. Acho que foi o dia mais feliz da minha vida.

sorria abobada, assistindo o piloto contar histórias sobre o paddock. fora pontual e depois a levou para um restaurante extremamente chique e romântico no centro. Para uma garota simples como ela, era mais um sonho, uma noite de conto de fadas e estava evitando pensar sobre a meia-noite, quando tudo voltaria ao seu verdadeiro lugar.

– Por que está me olhando assim? – perguntou apoiando os cotovelos sobre a mesa.
– Nada…– desviou o olhar e sorriu de canto, envergonhada.
– Está me achando um bobo, não é? – Ele também riu envergonhado e coçou a nuca. – Eu infelizmente só tenho isso para oferecer. Piadas.
– É o meu tipo de cara. – falou sorrindo aberto e se aproximando um pouco mais da mesa.
– Opa.
– Que sorte, não é? – A mulher piscou e sorriu de canto, parecia envergonhado.
– Ou azar. – deu de ombros. – É porque só tenho isso para oferecer.
– Eu gosto, gosto sim. – gargalhou. – Só é perigoso.
– Por que?
– Porque você vai rindo e quando menos espera já está acordando nua na cama do sujeito. – Brincou.
– Nossa, quem dera se for assim. Eu espero que seja verdade. – gargalhou de volta.

E então os dois se encararam, por alguns segundos eram apenas e , duas pessoas jantando num lugar caro e comendo muito. Os olhos sorriam, os dois estavam ali completamente desarmados e apenas aproveitando.
– E então, me fale mais sobre você, . – pediu depois de coçar a garganta.
– O que quer saber? Não tem muito para falar de mim. – Assumiu encolhendo os ombros, evidenciando o colo no vestido dourado.
– Que isso, tenho certeza de que tem muita coisa para descobrir sobre você.
– Não. – balançou a cabeça negativamente e riu. – É tudo muito básico e simples. Infância normal, assim como a maioria, adolescência rebelde, me envolvi com caras ruins, engravidei cedo, amadureci cedo e desde então tenho vivido pelo meu menino. – Sorriu ao se lembrar do filho.
– Benjamin, não é? – Confirmou .
– É, você se lembrou. Que legal. – inclinou a cabeça sobre o ombro sorrindo com doçura.
– Eu acho que tudo é uma questão de saber como contar uma história. – sorriu e segurou sua mão. – Quer saber como eu contaria a sua? – Ela assentiu. – Uma criança feliz, uma adolescência intensa, que te deu várias memórias boas. Você aproveitou a vida, amou, foi amada, sofreu. Depois engravidou e é uma mãe incrível e feliz.
– Jeito generoso de descrever. – sorriu.
– Eu admiro isso, com toda certeza admiro. Sua força, determinação, trabalhar tanto assim. O Ben deve se orgulhar muito da mãe que ele tem.
– Eu espero que sim. – disse bebericando um pouco do champanhe. – Tudo é para ele, sabe. Quando se tem um filho tudo muda, pode parecer uma coisa romantizada e clichê, mas esse sentimento é real e a coisa mais verdadeira que eu já vivi.
– Você está procurando um marido? – indagou de repente.
– O que? Como assim? – tossiu.
– É, você está procurando um marido? Sabe, se casar e ter mais filhos. – sorriu grande.
– Bom, nunca se sabe o que o destino nos reserva.
E não sabia mesmo, havia parado de tentar prever ou controlar o próprio destino, aceitado que a vida é uma sucessão de eventos, um efeito dominó interminável e cíclico.

<i>XXX</i>
Depois de muita conversa sobre planos, lugares para conhecer, sonhos, gostos comuns, curiosidades sobre a vida, o carro de estava estacionado em frente à casa de , dando fim a mais uma noite de conto de fadas. O que não haviam beijado no restaurante, estava aproveitando o carro. tinha, com certeza, o melhor beijo que já havia provado. A forma com que ele apertava suas pernas, sorria de canto depois do beijo, acariciava seu rosto e apertava seu pescoço…se escrevesse uma fanfic sobre isso algum dia, aquela parte enlouquecia muita gente, ela pensava.
Já era tarde, precisava acordar cedo no dia seguinte, aos poucos a fantasia se esfarelava a realidade ocupava o lugar do sonho.

– Eu preciso ir. – avisou partindo o beijo e mordendo o lábio inferior de .
– Não, não vou deixar. – Ele negou manhoso e apertou mais o abraço.
– Eu preciso ir, . – riu baixinho.– Trabalho amanhã, se lembra?
– Mas eu quero ficar com você…sabe, eu podia entrar. – Ele piscou ansioso. – Conhecer sua mãe, seu filho. Sou bom com crianças, depois de cuidar do filho, poderia cuidar da mãe do jeito que ela merece…– Sugeriu cheio de segundas intenções.
– Imagina, minha mãe me mataria e depois morreria…alguém como você aqui. – sorriu balançando a cabeça. – Alguém famoso.
– Ela me adoraria. – riu de volta e voltou a beijar o pescoço de Pear, seus beijos eram lentos e molhados e algumas vezes sua barba a arranhava, causando arrepios. – Quando vou te ver de novo?
– Nós vamos nos ver de novo? – indagou arqueando uma sobrancelha.
– Não me faça implorar, . – disse com voz rouca e mordiscou o pescoço dela. – Mas se quiser, imploro…ou posso usar outros métodos para te convencer.
– Me convencer a fazer o que? – Ela perguntou arqueando as costas com o toque do piloto.
– Vamos viajar no fim de semana? Uma ilha…eu e você. – Propôs.
– Eu não posso, . – soprou. – Tenho um filho, emprego…essas coisas de gente normal.
– Eu levo uma babá, faço o que for preciso…só quero passar mais tempo com você. – Confessou beijando o ombro de .
– Eu não sei…não sei se devo.
– Vou ter que te convencer? – sorriu sacana e puxou para mais próximo de si com uma mão, com a outra puxou os cabelos da nuca dela. – Vou te contar o que vai acontecer lá, quem sabe isso te convença a ir…
– O que vai acontecer?
– Nós vamos ter um quarto grande, com uma cama macia e enorme, com vista para uma praia linda. Nesse quarto vou poder fazer tudo que estou imaginando agora com você. Te jogar contra a parede, ouvir você pedindo por mim…suspirando por mim, fazer você esquecer que já teve outros antes de mim. – sorriu. – Acho que você gostaria disso, não é? Um pouco de força, enquanto beijo você devagar e… – dizia, pode ouvir uma voz chama-la, mas sequer pode desviar os olhos dos de .
– Depois desço até o pescoço, ombros e então, um pouco mais para baixo, vou usar a boca e as mãos numa coisa que eu gosto muito… – A voz interrompeu de novo, mas não podia desviar seu foco. – Depois vou mais um pouco para baixo…já te contei que é a minha parte favorita? Eu sou muito dedicado, você sabe.

A voz gritou o nome de mais uma vez.

– Eu amo fazer isso e em você, poderia fazer a noite toda…língua dura e…– A voz gritou alto demais para ser ignorada, piscou rápido.

E quando abriu os olhos de novo, o carro havia sumido, havia sumido, estava de volta à lanchonete do Joe e uma cliente estressada gritava seu nome.

Não.
Não, pode ser.
apertou os olhos com força, mas não pôde fazer nada para que aquelas imagens voltassem, quando olhou para frente de novo, pode ver caminhando em direção a seu carro, antes de entrar, o piloto sorriu educado e acenou com a cabeça. Conferiu então o telefone dele em sua mão, mas quando abriu a palma, tudo que encontrou foi uma nota de cem. Fora tudo uma fantasia? Tudo imaginação? Não, não, não. Não podia ser.
abriu a porta do balcão e foi para fora, ignorando os protestos da cliente. Não podia acreditar que tudo aquilo, todas aquelas cenas foram apenas delírios de sua mente fanfiqueira. Quando abriu a porta, pode vislumbrar o carro de alcançar a rodovia e seguir caminho. Que droga, pensou, devia saber que uma coisa dessas não aconteceria com ela, nunca na vida. Mas fora tudo tão lindo, tudo tão maravilhoso. Que merda!

XXX
Depois de lamentar por mais de meia hora e chorar um pouco, voltou ao trabalho, triste e se sentindo uma boba por ter imaginado tantas coisas. O dia havia se arrastado de maneira angustiante e melancólica, não via a hora de chegar em casa, tomar alguma coisa forte, apagar e fingir que aquele dia nunca aconteceu. No fundo, sabia que devia estar feliz, realmente havia atendido , mas depois de tudo que imaginou, apenas conhece-lo não parecia mais suficiente.
Quando enfim foi liberada e entrou no ônibus, previa uma viagem triste, perdendo o resto de sua dignidade chorando de fones de ouvido, mas Lola, a esperava com uma cadeira vazia ao seu lado, provavelmente a amiga também estivesse voltando do trabalho.

– Qual é a boa? – Lola cumprimentou animada.
– Oi. – sorriu amarelo, seus planos de chorar em paz ouvindo Too little too late já eram.
– Está tudo bem, amiga? – Lola indagou preocupada.
– Não me pergunte isso, senão eu choro. – confessou e dois segundos depois já sentia as lágrimas escorrerem enquanto contava tudo para a amiga.

Depois de alguns minutos, Lola já sabia de toda história e se segurava para não rir da amiga, enquanto se debulhava em lágrimas.
– Por que você está rindo? Não devia rir. – repreendeu.
– Desculpa, amiga. Mas é que essa foi a fanfic mais perfeita e mais rápida que você já fez. Vai escrever, não é? Quero isso na minha mesa. – Lola brincou, tentando amenizar o clima.
– É, né…só me resta isso a fazer. – suspirou triste.
– Ei…– Lola maneou a cabeça e mordeu o lábio, sempre fazia aquilo enquanto ponderava sobre algo. – E se a gente fosse atrás dele?
– Hein?
– É, pensa bem…vai que isso foi um sinal de Deus para você seguir em frente, flertar com outros caras, investir…podemos tentar encontrar o e te apresentar para ele. Sabe, como aquele filme Ibiza:tudo pelo Dj.
– Enlouqueceu, Lola? Nunca. – riu incrédula.
– Ué, se ele te quis na fantasia…quem sabe não queira na realidade. – Lola deu de ombros.
– Não, é loucura. – balançou a cabeça e passou as mãos pelo cabelo. – Não daria certo.
– Você pensa demais. – A amiga piscou e tirou o celular do bolso.
– E você de menos. – Bufou.
– Por isso somos amigas. – Dizendo isso, Lola discou alguns número e ajeitou o telefone na orelha, fazendo sinal com o dedo para que ficasse em silêncio. – Alô, Marian? Faça as malas, amiga, vamos atrás do , te explico no caminho.

Fim…?

Nota da autora: O <script>document.write(Daniel)</script> é um cristalzinho, não é?! E essa história não podia ser diferente, ela é antes de tudo uma homenagem a todas nós fãs, fanfiqueiras, que vivemos mergulhadas na nossa imaginação criando mundos e histórias fantásticas.

E assim como nós, a Pp já saiu desse encontro cheia de ideias para uma fanfic, mas será que ela vai sair disso? Será que ela vai sair da imaginação e tentar algo real com o piloto mais charmoso do grid? Fica aí o questionamento…quem sabe 2021 nos traga mais sobre esse casalzão.

Acompanhem as outras shorts, o projeto tá lindo demais e tem cada short…uma mais delícia que a outra!

Muito obrigada, Família do grupo F1❤ por tanto. Obrigada, Carol F, Lori, Mari, Carol Devlin, Carol Mendonça, Bia e tantas outras parceiras, todo meu amor para vocês❤. E que venham mais surtos pro ano que vem!!!!

 

O projeto: Essa fanfic faz parte do projeto Drive to Survive, um projeto no qual 11 autoras apaixonadas por Fórmula 1 se reuniram para escrever uma short para cada piloto do grid, divulgando e  homenageando esse esporte incrível.

Os primeiros 5 pilotos que terão suas histórias contadas são: Valtteri Bottas, Lance Stroll, George Russell, Daniel Ricciardo e Lando Norris.

Mas em breve todos os pilotos da temporada de 2020 terão uma história para chamar de sua, todas feitas com muito amor.

Esperamos que curtam nossa proposta e embarquem nesse mundo com a gente.

Não esqueçam de deixar aquele comentário no final e motivar uma autora a sempre continuar.

Beijos e até a próxima! <3