Drive to Survive – Romain Grosjean

Drive to Survive – Romain Grosjean

Sinopse: Marion está numa viagem de trabalho e Romain coloca as crianças na cama. Simon pede para ouvir uma história antes de dormir, mas não uma história qualquer. Ele quer ouvir a história de como os seus pais se conheceram. Então o piloto revive em sua mente e coração os primeiros encontros e desencontros com a amada.
Gênero: Romance
Classificação: Livre
Restrição: Os nomes Camille, Simon e Sacha estão em uso.
Beta: Sharpay Evans

— Pai, a mamãe quer falar com você! — Sacha gritou enquanto levava o celular de até ele, que estava na cozinha.
— Sacha, você ainda não foi para o banho? — O piloto olhou sério para o filho mais velho que fez uma careta e correu para a sala, deixando o aparelho em cima da bancada.
— Oi, amor. Alguma novidade? — Perguntou com o celular na orelha.
— Ainda nada. O aeroporto aqui continua fechado por causa da neve e não sabem dizer quando as decolagens voltarão a acontecer. — explicou a situação. — Está tudo bem aí em casa? As crianças?
— Está tudo sob controle, pode ficar tranquila. — Assegurou, mesmo que não fosse totalmente verdade, já que Sacha parecia discordar de tudo.
— Eu ligo de novo quando tiver novidades e para dar boa noite a eles.
— Estaremos esperando. E não se esqueça de comer. — Reforçou, sabia que a esposa tendia a deixar de comer quando algo a estressava.
— Não estou com fome agora.
… — a repreendeu.
— Ok, vou comer alguma coisa. Beijos! Amo você!
— Eu também. — Encerrou a chamada e voltou a dar atenção à sopa que preparava para jantarem naquela noite.

O tempero estava excelente, só precisava de mais alguns minutos no fogo. Aproveitou para interromper a brincadeira dos filhos e levá-los para lavar as mãos. Depois de colocar Camille em sua cadeira mais alta, levou a panela para o centro da mesa e serviu o prato de cada um deles.

— Não se esqueçam de assoprar! — Avisou a Sacha e Simon, enquanto ele mesmo assoprava o de Camille.
— Que horas a mamãe chega? — Simon perguntou enquanto passava com a colher pela sopa, esperando que ela esfriasse.
— Ela ainda não sabe, filho. A neve está muito forte lá e o aeroporto está fechado.
— E o que ela foi fazer na Suécia mesmo?
— É Suíça! — Sacha respondeu rolando os olhos.
— É a mesma coisa. — Simon se defendeu.
— Não é nada. — Sacha falou mais alto.
— Meninos, na hora da refeição não é hora disso. Sua mãe não está aqui, mas eu ainda posso colocá-los de castigo. — Falou sério. — Peçam desculpas.
— Desculpa. — Camille foi a primeira a dizer e segurou o riso.
— Não você, filha, seus irmãos. — Disse e entregou a colher para ela, servindo um prato para si em seguida.
— Desculpa. — Os dois disseram sem vontade.
— Simon. — o chamou e ele olhou para o pai. — Sua mãe foi trabalhar, lembra que a vimos na televisão ontem e hoje de manhã?
— Ah, é que parece que tem tanto tempo. — Ele falou com um tom de voz diferente e sabia que ele já estava com saudades da mãe.
— Quando as pessoas que a gente gosta ficam longe parece muito tempo mesmo, mas amanhã ela estará aqui conosco.
— De verdade? — assentiu.

De todos os filhos, Simon era o mais apegado à . Camille era apegada a ele, mesmo que ele passasse grande parte dos dias do ano longe de casa e Sacha estava se afastando de todos, adorando todas as oportunidades de se mostrar independente.
Fez uma chamada de vídeo para e deixou as crianças falarem com ela enquanto ele cuidava da louça. Assim como fizera, ela garantiu que estaria de volta no dia seguinte e isso pareceu alegrar Simon. Com o fim da chamada, pediram para ver desenhos e ele ficou no sofá com os filhos vendo na tv algo que ele nunca tinha visto antes, mas até Camille sabia cantar a música que tocava.
Os episódios eram curtinhos e depois do segundo Camille já estava piscando miúdo e coçando atrás da orelha, o que sempre fazia quando estava ficando com sono. Pegou-a no colo e foi com ela até o quarto, separando um pijama. Ajudou-a a vestir e depois a escovar os dentes. Ela deitou e ele a cobriu, colocando o ursinho de pelúcia favorito dela ao lado.

— Papai. — Ela chamou quando ele ligou a luz do abajur e desligou a do quarto. — Deita comigo? — Pediu, indo para o canto da cama e ele abriu um sorriso.
— Claro, filha. — Deu um beijo no topo da cabeça dela e se deitou na cama que era pequena para ele.

Diferente dos outros, Camille não gostava de nenhum som antes de dormir, nem de histórias ou músicas, apenas de alguma companhia às vezes. Dormiu abraçada ao braço de que só deixou o quarto quando sentiu que ela já estava num sono mais pesado e não acordaria. Fechou a porta atrás de si e foi até a sala, onde Sacha e Simon ainda assistiam televisão.

— Meninos, só mais esse episódio, combinado? — Os dois apenas assentiram, sem tirar os olhos da tela.

Sentou-se no sofá e mandou uma mensagem para a esposa, avisando que Camille já tinha dormido e que os meninos estavam indo também, para que ela não se preocupasse. E desligou a televisão assim que os nomes começaram a aparecer na tela.

— Só mais um pai! Por favor! — Sacha pediu ajoelhado no sofá.
— O combinado era só mais um, Sacha.
— Mas, pai! — Tentou pensar em algo para argumentar.
— Já está tarde. Vamos escovar os dentes e deitar para dormir. — Puxou os filhos pelas mãos e caminhou com eles até o banheiro. — Vou buscar água para vocês e quero os dois já na cama quando eu voltar. — Avisou seguindo na direção da cozinha.

Sacha e Simon tinham obedecido e ele colocou os copos de água nas mesinhas de cabeceira ao lado de cada cama. Repetindo o que tinha feito no quarto de Camille, acendeu o abajur e apagou a luz do quarto e ajeitou a coberta de um e do outro em seguida.

— Papai, você pode contar uma história pra gente? — Simon perguntou, girando na cama e ficando de frente para .
— Qual história você quer ouvir? — Puxou um pufe e se sentou entre as camas.
— A de quando você saiu do carro no meio do fogo! — Sacha falou alto e fez sinal de silêncio para que ele não acordasse a irmã.
— Não, essa de novo não. — Simon reclamou.
— Essa é a melhor história do papai. — Sacha revidou.
— Não é nada.
— É sim.
— Não é nada.
— É sim.
— Meninos! — chamou a atenção dos dois. — Vou deixá-los sem história se continuarem assim.
— Não quero a história do fogo. — Simon voltou a falar.
— Qual história você quer então? — Sacha cruzou os braços.
— Papai, você podia contar como você e a mamãe se conheceram.
— Ah, isso nem é história. — Sacha falou mais rápido que . — Eles se conheceram em uma corrida do papai. Fim.
— Na verdade não foi bem assim. — falou e atraiu a atenção dos dois.
— Não? — Sacha duvidou e ele negou com a cabeça.
— Nos conhecemos antes…

Início do Flashback

— Tratamento psicológico, cara? Você tem certeza que precisa disso? — O companheiro de equipe de questionou a decisão dele em procurar ajuda profissional.
— Certeza não tenho, mas ela vai me dizer se eu não precisar. — O outro concordou com a cabeça. — Eu sei que tem algo me impedindo de ser melhor e se meus exames não deram nada, não custa ter outra opinião.

Mas já estava decidido, independente do que qualquer outra pessoa lhe dissesse, ele veria um profissional para aprender a lidar com as frustrações e o que estava fora do controle dele para que ele pudesse ser um piloto cada vez melhor.

Acabou se demorando mais do que esperava na reunião com a equipe de Fórmula 1 e saiu apressado para sua primeira sessão de terapia.

🏎️
, você não vai se cadastrar em um site de relacionamentos. — A psicóloga vetou a ideia da paciente.
— Mas ele já está com outra, eu preciso encontrar alguém para superar.
— Não, você precisa superar, mas por você mesma e com a ajuda de quem convive com você e não de um estranho. — suspirou frustrada.
— Eu sempre acho que encontrei o amor da minha vida e sempre acabo aqui para superar. — Pegou sua bolsa, sua sessão já tinha acabado há alguns minutos.
— Lembre-se que ele vai aparecer na sua frente quando você menos esperar e quando estiver pronta para reconhecer.

A psicóloga mal terminara a sua fala e, quando abriu a porta para deixar o consultório, o desconhecido trombou de frente com ela.

— Me desculpe, achei que eu estava atrasado e que ela estava me esperando. — Indicou a Dra. Manning. — Você se machucou?
— Não, eu que passei do meu horário. — o olhou e ele pareceu familiar.
— Até a semana que vem, . — Acenou para a jornalista. — Fique à vontade, por favor. — Indicou os assentos para .

o olhou mais uma vez antes que a psicóloga fechasse a porta do consultório, mas ele não a olhou de volta. Ela achou que tinha visto algo nele, mas provavelmente era apenas a sua necessidade de ter alguém.

se sentou no sofá em frente à poltrona da Dra. Manning. Passou os olhos pelo local, era a primeira vez que entrara em um consultório daqueles e não havia nada de extraordinário como ele pensou que teria.

, certo? — Conferiu em sua agenda e pegou sua prancheta com folhas em branco.
— Certo.
— E como você está? Já fez terapia antes, sabe como funciona? — Começou, vendo que ele não parecia à vontade.
— Estou bem, mas ao mesmo tempo não. — Ele riu vendo o quanto tinha soado confuso. — Nunca fiz terapia, é a primeira vez.
— Certo. Então, a terapia é um espaço para que você fale das questões que você ache mais importante e também daquelas que não sejam tão importantes em sua opinião. Eu vou te escutar, acolher e vamos trabalhar com cada uma delas. — Sorriu, transmitindo confiança. — Não tem certo ou errado dentro daquilo que vem para a sessão, vou apenas entender o que está acontecendo e te ajudar da melhor maneira que conseguir. — Ele concordou com a cabeça. — E o que está acontecendo que não está te deixando bem? — Perguntou de forma sutil.
— Basicamente o meu trabalho. Eu sou piloto de Fórmula 1 e eu tive uma fase muito boa, mas agora sinto que não consigo mais, mesmo tendo tudo que preciso.
— Uau. Gosta de adrenalina. — assentiu. — Bom, eu não entendo do seu trabalho, então vou precisar da sua ajuda. O que quer dizer quando diz que tem tudo o que precisa?
— Eu tenho um bom carro, corro por uma boa equipe, a Lotus, tenho um bom relacionamento com a equipe, vou bem nos treinos, mas na corrida, que é o que realmente importa, está sendo um desastre.
— Desastre? Seriam acidentes? — A psicóloga tentava construir uma imagem em sua mente.
— Sim, algumas batidas ridículas e inexplicáveis, problemas em controlar o carro que conheço bem, problemas com pit stop.
— Mas os problemas com o carro não seriam sua culpa. A menos que sejam causados pela sua direção. — Mesmo sem entender do assunto, parecia que não era tudo responsabilidade dele. — A equipe te culpa pelo que vem acontecendo?
— Quando a culpa é minha, sim. Meu companheiro de equipe também é muito bom, então é fácil perceber o quanto eu estou me saindo mal nessa temporada.
— Ok, vamos por partes. — assentiu novamente. — Você se sente mais pressionado por causa do seu companheiro de equipe?
— Não, o Kimi é ótimo. Eu tenho a consciência de que meu trabalho é comigo mesmo. — Dra. Manning assentiu, deixando que ele contasse o que de fato o levara até lá. — Eu sinto que estou lidando com as adversidades de forma errada, de uma forma pessimista em que só vejo e só atraio mais coisas negativas.
— Ótimo, entender e reconhecer isso é um passo bastante importante…

tinha deixado a sessão se sentindo mais leve. Era como ter dado um passo na direção certa depois de vários na direção errada. Se conseguisse reverter a chave em sua mente, voltaria a ter a confiança de antes e correr com confiança era o melhor sentimento para ele enquanto piloto.

🏎️
— Eu sei o que você está tentando fazer, . — Dra. Manning segurou o riso.
— Sabe? — Se fez de desentendida.
— Você passou o final da sua sessão enrolando e agora que acabou você encontrou vários assuntos para passar do seu horário, mas ele não virá hoje, se é o que você está esperando. — abriu a boca, mas não formulou nada para dizer.
— Você não vai nem mesmo me dizer o nome dele?
— Não, . Você não precisa conhecer um novo cara. — A psicóloga repetiu. — Não é justamente isso que estamos trabalhando?
— Eu sei, mas eu queria vê-lo novamente.
— Talvez isso aconteça e talvez não. Você não pode viver agora esperando esse encontro. Isso não é saudável. — respirou fundo.
— Eu sei.
— E de qualquer forma, ele realmente não virá hoje.
— Mas ele está bem?
! — As duas riram. — Lembre-se, tente encontrar algo novo para fazer, algo que te motive, algo que você faça por você.
— Pode deixar. — Despediram-se.
— Te vejo na semana que vem.

Com o passar das semanas e das sessões, tinha se mantido firme em não tentar conhecer pessoas apenas para entrar num relacionamento. Tinha feito uma lista de coisas que ela nunca tinha feito, mas que adoraria se tivesse a oportunidade. Tinha feito viagens curtas a cidades próximas, tinha visitado a família e passado tempo com amigos e se inscrito em um curso de culinária.

As coisas também estavam melhores para . Estava sempre tão focado na Fórmula 1 e em sua carreira que tinha abandonado todos os outros aspectos de sua vida. O contato com outras pessoas, o prazer em fazer outras atividades. Tinha pulado de paraquedas e esquiado num final de semana em que estava na Suíça, sentindo outras formas de adrenalina em seu corpo.
À medida em que se abria para outras oportunidades, era como se tudo voltasse a fluir, seu desempenho estava melhor nas corridas, assim como o seu humor. E percebeu que positividade atraía mais coisas boas, conseguindo até mesmo um novo patrocinador. Algumas vezes, se sentia como o Jim Carrey no filme Sim Senhor, aceitando programas que normalmente não aceitaria, como a aula de culinária que seu irmão insistira.

Naquela noite, percebeu que cozinhar era algo terapêutico e que algumas habilidades que usava para correr podiam ser usadas também na cozinha, como a concentração, memorização, reflexos e tempo, mesmo que não fosse uma competição.
Tinha memorizado a receita do prato que deveriam fazer com facilidade e gravado também cada explicação dada pelo professor antes de começarem. Não era tão habilidoso para cortar os vegetais para o ratatouille, mas mesmo assim estava se saindo melhor que seu irmão.

— Ei, . — O irmão jogou um pano de prato nele, recebendo a atenção.
— O que foi? — Continuava de olho no prato que estava preparando.
— Você conhece aquela moça? — Indicou discretamente com a cabeça e o seguiu com o olhar, negando em seguida.
— Não, por quê?
— Ela não para de olhar para você. — Continuou falando baixo e voltou a olhá-la, mas não a reconheceu.
— Você só está tentando me fazer errar no tempero para se gabar para a família que cozinha melhor. — Devolveu o pano de prato.
— Claro que não. Ela olha para cá toda hora. Olha! — Falou com os olhos arregalados.

Dessa vez viu que o irmão falava a verdade, a moça realmente estava olhando na direção dele, mas não lhe pareceu familiar. Talvez devesse falar com ela ao final da aula. Talvez fosse uma fã de Fórmula 1 e ficaria feliz em conhecê-la. Mas seus planos não se concretizaram, já que no final seu irmão havia se queimado e os dois acabaram correndo para o hospital.

🏎️
— Eu o vi de novo. — disparou assim que entrou no consultório da psicóloga.
— Quem você viu? — Perguntou com um sorriso discreto.
— O cara que você nunca me disse o nome.
— Meu paciente que você viu uma única vez?
— Assim você me faz soar lunática! — riu. — Sim, fui a uma aula de culinária essa semana.
— Olha só! Conseguiu tirar mais um item da sua lista. E como foi a experiência?
— Foi interessante, eu acho que levo jeito para isso. Até marquei mais uma aula. Mas não era isso que queria dizer.
— E o que quer dizer?
— Que o cara estava lá! E eu não consigo explicar, mas algo me fazia querer olhar para ele toda hora.
— Não me diga que passou a aula o encarando.
— Algumas vezes sim, até ele perceber. — riu.
— Chegaram a conversar? — Ela negou com a cabeça.
— A pessoa que estava com ele se queimou e eles saíram da aula às pressas.
— Entendi. E você não marcou outra aula de culinária na esperança de encontrá-lo, certo? — Dra. Manning sabia que tinha melhorado na questão da dependência emocional, mas queria ouvir dela.
— Não! — Respondeu como se fosse algo absurdo e começou a rir em seguida.
— O que é tão engraçado, ?
— Marcar outra aula só por causa de um homem seria desesperador, mas aí me lembrei que era esse tipo de coisa que eu fazia. — Era como se uma lâmpada tivesse acendido em sua cabeça.
— Fico feliz que tenha entendido o padrão em que se encontrava e que consiga vê-lo com clareza hoje em dia. E mais feliz ainda que tenha marcado a aula por você.
— Sim, nos dias depois da aula até criei coragem para experimentar algumas receitas em casa e gostei. E de qualquer forma, não acho que ele voltaria. — Dra. Manning pigarreou. — Ok, ok. A sessão é para falar de mim. — Ela riu.

Mais um mês havia se passado e estava certa, o rapaz que ela não sabia nem o nome não tinha continuado com o curso de culinária. Ela, por outro lado, estava cada vez mais apaixonada pelo novo hobby. Chegou a se questionar sobre ter escolhido a profissão errada, mas amava ser jornalista esportiva também. Pelo menos até ser informada que não cobriria os esportes de sempre, e sim Fórmula 1.
nunca tinha trabalhado com aquele esporte antes, não achava interessante ver os carros dando várias e várias voltas, não conhecia os pilotos e nem mesmo as equipes. Passou a noite aprendendo sobre, pois teria que entrevistar alguns deles no sábado. Estava exausta, mas não decepcionaria os seus chefes.

tinha ido bem nos treinos daquele final de semana e estava satisfeito com seu desempenho na classificação, largando em décimo primeiro. Isso o tinha deixado de bom humor, especialmente porque estava correndo em casa e sua família estaria ali no dia seguinte.
Estava voltando para a motorhome da Lotus distraído por mexer em seu telefone quando trombou em uma moça, a segurando por reflexo ao vê-la se desequilibrar.

— Me desculpe, eu estava mexendo…
— Você! — reconheceu a moça da aula de culinária. Ela estava um pouco diferente, seu cabelo estava mais longo e mais escuro, mas ele tinha certeza de que era ela.
— Tudo bem, eu estava distraída também. — Sorriu. — Não sei como não nos trombamos na aula de culinária. — Ele estranhou a fala dela.
— Por que diz isso? Já nos encontramos antes? — Tentou puxar da memória.
— Sim.
— Por causa de Fórmula 1? — Questionou em dúvida e ela negou com a cabeça.
— Não. Para falar a verdade, é a minha primeira vez em um autódromo. — sorriu sem graça.
— Me desculpe, eu realmente não lembro. Qual o seu nome?
. — Estendeu a mão. — Não nos apresentamos quando nos esbarramos na terapia.
— Ah, eu estava tão perdido naquele dia. — Levou a mão na testa, mas estendeu a outra a ela, retribuindo o cumprimento. — , muito prazer.
— Então você é uma das pessoas que eu preciso entrevistar. — E percebendo a surpresa no rosto dele, continuou. — Sim, sou jornalista esportiva.
— Interessante. Me avise se precisar de alguma coisa, disse que é a primeira vez por aqui, posso te ajudar caso precise.
— Eu adoraria uma ajuda.

Fim do Flashback

— E depois? — Simon perguntou coçando os olhos.
— Eu passei quase a tarde toda falando sobre Fórmula 1 para sua mãe e quando percebemos, já estava de noite e estávamos falando de culinária. A gente se deu tão bem que a convidei para jantar no dia seguinte e foi um dos melhores jantares da minha vida.
— Por quê? O que você comeu? — riu da inocência do filho.
— Não foi pela comida. Naquela noite eu soube que sua mãe era o doce amor da minha vida. — Explicou.
— E aí vocês se casaram?
— Um tempo depois.
— É, ainda prefiro a história do fogo. — Sacha disse com desdém, mesmo que tivesse prestado atenção em tudo que contara àquela noite.
— Eu gostei dessa. — Simon rebateu.
— Agora já está tarde. Vamos dormir. — Os dois se ajeitaram e depois de depositar um beijo na cabeça de cada um deles, deixou o quarto, fechando a porta atrás de si.

— O doce amor da sua vida, hum? — falou, mostrando que tinha ouvido pelo menos parte da história que ele contara aos filhos.
— Desde o primeiro encontro e para sempre o doce amor da minha vida. — Ele repetiu e a abraçou, matando toda a saudade que estavam um do outro.

Nota da autora:
O projeto: Essa fanfic faz parte do projeto Drive to Survive, um projeto no qual 11 autoras apaixonadas por Fórmula 1 se reuniram para escrever uma short para cada piloto do grid, divulgando e homenageando esse esporte incrível.
Esperamos que curtam nossa proposta e embarquem nesse mundo com a gente.

Oi, lindezas! Trago pra vocês a primeira das minhas histórias dentro desse projeto, com um dos pilotos mais amorzinho desse grid.
Uma história que mescla fatos reais e fictícios!
Espero que se apaixonem por ela assim como eu me apaixonei!
Voltarei em breve com mais!

Grupo do Facebook
Grupo do WPP
Instagram
Twitter