Barcelona

Barcelona

Sinopse: Ela, como uma amante nata das coisas bonitas, tem como Barcelona um de seus destinos anotados no caderno, todos aqueles pontos turísticos dariam ótimas fotos e memórias maravilhosas. Ele, como um namorado atencioso, concorda uma viagem de comemoração de aniversário de namoro para Barcelona.
Estaria tudo certo se não fosse por um pequeno detalhe: fechar o pacote de viagem. Como dizer para ela que ele não fechou o pacote e então eles não poderão ir mais para a tão sonhada Barcelona? Só tem uma maneira de resolver isso, tentar transformar aquele desastre em algo maravilhoso. Mas o que será que ela vai achar de tudo isso?
Gênero: Romance
Classificação: Livre
Beta: Sharpay Evans

destrancou a porta do apartamento e estranhou a escuridão, sua namorada não gostava de ambientes escuros a não ser para dormir. Acendeu a luz da sala e, caminhando até o corredor, notou a porta do quarto deles fechada, provavelmente estava ali. Bateu na porta duas vezes antes de abrir, ela se assustava fácil.
– Achei você. – Ele sorriu vendo-a na cama com o laptop no colo.
– Oi, amor. – O sorriso dela foi instantâneo ao ver o dele, ela amava várias coisas nele, uma delas era o sorriso que ele sempre dava quando chegava em casa. – Estava distraída aqui e nem vi as horas passarem.
se jogou na cama e a beijou, mesmo depois de três anos oficialmente juntos eles se comportavam como se ainda fosse os primeiros meses.
– E o que estava tão interessante aí? – passou um braço pelos ombros de , a puxando para mais perto dele e olhou a tela.
– Você sabe que dia é hoje, não sabe? – o olhou apaixonada e ele fingiu não saber.
– Quarta-feira. – Sorriu de lado e ela o empurrou com o corpo. – Claro que eu sei, daqui um mês completaremos três anos de namoro e um ano que você veio morar comigo.
– Você marcou no celular, não foi? – O olhou desconfiada e ele confirmou.
– Não que eu não lembre do dia em que te pedi em namoro, mas com datas de turnê, gravação, divulgação é melhor não arriscar, né?
– Está perdoado. – Ela empurrou o computador para ele. – Olha como esse lugar é lindo!
– Estamos falando de… – procurou alguma referência pois só pelas fotos não reconheceu o lugar.
– De Barcelona! – disse como se fosse óbvio e até era.
Ela tinha esse sonho de conhecer Barcelona desde que as amigas foram e falaram maravilhas a ela, na época ela não pode ir e com tudo que procurava e via na internet ela tinha vontade de ir com ele, de dividir essa experiência com ele e acreditava que a comemoração de três anos de namoro seria o momento ideal.
– Nossa, depois de tantos shows lá é estranho nunca ter visto esses lugares.
– Mais um motivo para irmos. Barcelona é encantadora! – Naquele momento já sabia que seria praticamente impossível não fazer a viagem, até porque ele fazia quase tudo por ela.
– Por que eu tenho a impressão de que você já planejou a viagem toda? – Ela fez uma careta.
– Não é como se eu tivesse fazendo planos escondida de você. – Se justificou. – Mas esse é o primeiro aniversário que você não está em turnê, se você conversar com os meninos a gente pode passar uma semana lá.
– Certo, acho que posso cuidar dessa parte com os meninos. – Ela segurou o rosto dele entre as mãos e o beijou.
– Já te disse que você é o melhor namorado do mundo? – Apertou as bochechas dele sabendo que ele não gostava.
– Hoje não. – Ele segurou as mãos delas, tirando-as do rosto dele. – Mas pode dizer agora.
– Você é o melhor namorado do mundo! – Ela gritou e ele tapou boca dela com a mão.
– Era só para mim e não para os vizinhos saberem… – tentou morder a mão dele.
– Seu chato!
– Sou sim e você me ama. – se levantou da cama e sua namorada o agarrou pelas costas o fazendo cair de volta na cama.
– Amo mesmo. Amo muito!
– E como eu também te amo, que tal trazer o computador e me contar mais sobre Barcelona enquanto eu faço alguma coisa pra gente comer? – Dessa vez não o impediu de se levantar da cama. Percebeu que não tinha comido nada desde que chegara e que estava sim com fome.
não recusava quando ele se propunha a cozinhar já que a comida dele era bem mais gostosa, mas gostava de fazer junto com ele e por isso não levou o computador para a cozinha com eles. adorava fazer massas e naquele dia tinha escolhido um macarrão à carbonara. Ela, por sua vez, o ajudava com os ingredientes e a louça, e, principalmente, experimentando sempre que ele pedia.
Durante o jantar, conversaram principalmente sobre o dia de cada um deles, adorava ouvi-la contar sobre como as coisas estavam em sua empresa de fotografia e ela adorava acompanhar a vida dele, fosse em turnê ou em gravação, principalmente quando seu namorado a usava de inspiração para compor.
No final da noite, enquanto lavavam a louça juntos, finalmente contou para ele sobre os lugares que ela achava interessante visitar em Barcelona, quais os hotéis tinham chamado a atenção dela, todas as atrações e restaurantes. Quando voltaram para o quarto ela mostrou mais fotos de tudo que ela havia dito e sabendo a data que ela queria viajar, iria organizar com a banda os dias em que ele não faria falta e iria até a agência de viagens que tanto havia gostado para fechar a reserva.

– Ah… – suspirou. – Eu nem acredito que finalmente vamos fazer essa viagem.
Mesmo no escuro, deitados ali, sabia que ela sorria, como sempre acontecia quando ela conseguia realizar algo que queria muito.
– Pode acreditar, sweetheart. – Sentiu a namorada se aconchegando mais a seu corpo. – Bons sonhos.
E com um beijo de boa noite ambos adormeceram em questão de minutos.

Nos dias que se seguiram, e mal se encontraram mesmo morando na mesma casa. O estúdio fotográfico estava com a agenda cheia, já que , uma das melhores amigas de e também designer de uma grande marca local tinha feito um contrato de exclusividade para a semana de desfiles que lançariam a nova coleção, a deixando com os horários todos bagunçados. No estúdio de gravação as coisas não estavam muito diferentes, a maioria dos meninos preferia trabalhar madrugada adentro e eles estavam trabalhando muito mais, pois com a ausência de em algumas semanas a agenda de entrevistas em rádio e tv foram antecipadas.
A cobertura dos desfiles tinha sido um sucesso, os catálogos estavam enfim entregues e maravilhosos, e teria uns dias de descanso com menos trabalho pela frente, no entanto não tinha muito com o que se ocupar já que estava fora com a banda e voltaria em duas semanas. Ela não tinha vontade de assistir filmes ou séries quando ele não estava lá, acabou se rendendo a um livro que havia comprado a alguns meses atrás durante aquelas noites.

– Acho que tá bom por hoje. – disse se jogando na primeira poltrona que encontrou. – Daqui a pouco a aparece pra me levar pra mais um daqueles desfiles. – Os outros riram da cara de desespero dele.
– Ah, não fala assim, cara. – passou por ele e chutou a perna dele só para implicar. – Eu já fui com a num desfile da , tem umas modelos que… – Ele riu e não terminou a frase. – Eu vou pra casa, estou morto.
se despediu do pessoal e logo seguiu para fora da gravadora, estava com saudade de e queria surpreendê-la. Pensou em algo que pudesse comprar ou lugar que ainda estivesse aberto uma vez que já era noite, saiu mexendo em seu telefone e acabou esbarrando em uma pessoa.
– Cuidado aí. – E pessoa riu e percebeu que conhecia a voz.
! Quanto tempo! – Ela o abraçou e ele retribuiu. – Como você está? me contou que está fazendo o maior sucesso. Parabéns!
– Está tudo bem, estou trabalhando muito. – Ela deu um suspiro típico de exaustão. – fofoqueira! – Nós rimos, até porque a especialidade dela nunca foi guardar segredo.
– Você sabe que a vida dela nessas últimas semanas foi trabalhando com você, não é como se ela tivesse muitos outros assuntos. – Provoquei-a.
– E falando em fofoca, fiquei sabendo que semana que vem vai ter um casalzinho em Barcelona… – Foi interrompida pelo palavrão que saiu da boca de .
– Puta que pariu! – saiu da gravadora no mesmo instante.
– O que tá acontecendo? – Ele perguntou notando a cara derrotada do amigo e beijando a namorada em seguida.
– Com a nossa correria aqui eu esqueci completamente de ir à agência de viagem que a queria. – coçou a cabeça, visivelmente com raiva e passou as mãos pelo rosto. – Ela vai me matar.
– Calma, . Tenta ir lá agora, a agência do shopping ainda está aberta. – colocou a mão no ombro dele tentando consolá-lo. Na verdade ela sabia bem que a amiga ficaria arrasada se eles perdessem a viagem.
– É cara, vai lá e qualquer coisa manda mensagem pra gente. – o encorajou e foi o que ele fez. Despediu-se rapidamente do casal e correu para o shopping.
Claro que ela pegaria todos os semáforos fechados, e que quase bateriam em seu carro na tentativa de estacionar. Subiu os três lances de escada rolante correndo, como se a vida dele dependesse daquilo e prontamente uma das atendentes pediu para que ele se sentasse à sua frente.
– Boa noite. – ela sorriu. – Eu sou Margaret, em que posso te ajudar?
– Eu preciso de um milagre. – sorriu sem entusiasmo. – Minha namorada organizou toda uma viagem para Barcelona, minha única função era passar aqui e fazer a reserva e eu falhei. – Ele soltou o ar pelo nariz.
– Para quando seria a viagem? – Ela perguntou já digitando algumas coisas no computador.
– Saindo terça que vem e voltando uma semana depois. – Olhou para ela esperançoso, mas ela se esvaiu ao notar a feição desapontada da atendente.
– Eu sinto muito, esse pacote não está mais disponível para essas datas. – só conseguia imaginar o desapontamento de com ele. – Mas o pacote que vai no próximo domingo ainda está disponível, você não tem interesse? São só quatro dias de diferença.
– Já era, eu estraguei tudo. – Ele murmurou apoiando a testa na mesa. – Nosso aniversário de namoro é na quinta, ir no domingo perde todo o sentido.
– Mas ir, mesmo que depois, é melhor do que não ir de jeito nenhum. – Ela voltara a sorrir, afinal aquele era o trabalho dela, ela precisava vender. E foi então que teve uma ideia. Talvez nem tudo estivesse perdido.
– Você tem razão, vou querer o pacote que sai no domingo, pra duas pessoas, por favor. – Agora ele estava entusiasmado. A maior parte do seu plano ainda era um completo ponto de interrogação, ponto esse que ele contaria com a ajuda de e para resolver.
Já que estava no shopping e prestes a dar a notícia ruim para , era melhor tentar amenizar a situação com um presente. Ele sabia muito bem que não seria o suficiente para anular o esquecimento, ela ficaria magoada por alguns dias, mas era melhor do que chegar de mãos vazias. Digitou então uma mensagem pra .

: , deu errado, só consegui a reserva pra daqui a dois finais de semana.
: O que eu faço? Como vou dar essa notícia pra ela?

Ele estava ansioso por uma resposta e a ansiedade o impedia de pensar com clareza. A resposta veio logo, mas não era nada do que ele esperava.

: Corre pras colinas, vai terminar com você.

: , não brinca assim. Tô falando sério!

: Era o te zoando, . Hahahaha.
: Me conta o que você tem em mente.

: Não sei ainda, mas não posso deixar o aniversário de namoro passar em branco.
: E preciso achar uma forma de dar a notícia pra ela.

: Uma coisa de cada vez. Vai falar da viagem com ela hoje?

: Ela vai saber que tem algo errado pela minha cara. É a , ela sempre sabe.

: Flores? Chocolate? Jóias?

Ela também não funcionava muito bem sobre pressão, acabou falando as coisas que vinham em seu pensamento, sem realmente saber se ajudaria o amigo. Mas ele teve uma ideia.

: É isso , vou comprar o anel de noivado!
: Você é a melhor.

: ? Como assim?
: Volta aqui e me explica isso!

Mas ele já tinha colocado o celular no bolso e estava a caminho da joalheria mais famosa do local. Por sorte, ele sabia o número do anel dela, já que ele já tinha interesse em pedi-la em casamento. Meia hora depois ele tinha escolhido um diamante que em sua mente se encaixaria perfeitamente na mão dela. Sentiu o celular vibrando em seu bolso, era .

, não faça isso. – Ela gritou do outro lado e ambos riram.
– Eu já comprei o anel, . Não é como se eu fosse voltar na loja e devolver. – Ele ponderou entrando numa loja de chocolates.
– Não estou falando pra você devolver, nem pra você não a pedir em casamento. Eu só estou dizendo que se você fizer o pedido hoje e contar que não conseguiu a viagem, ela vai achar que você só quer recompensá-la pelo erro, entende? – Ela era mulher e conhecia a amiga, seria o primeiro pensamento de .
– Certeza? – voltava a se sentir péssimo, odiava desapontar sua namorada.
– Claro, . Imagina a situação, você conta que não deu certo a viagem e depois vai dizer, “mas não fique triste, eu vou te pedir em casamento hoje”. – Ela muda a voz tentando imitá-lo.
– Vou ignorar o fato de você me achar retardado assim, ok? – Ele suspirou, sabia que a amiga tinha razão.
– Compre flores ou chocolate como eu tinha te falado. Explica pra ela o que aconteceu, guarde o anel para uma ocasião especial, por exemplo o aniversário na semana que vem.
– Ok, vou tentar pensar em alguma coisa. – Olhou alguns chocolates na prateleira da loja.
– Vai dar certo, . A te ama.
– Espero que ainda ame depois disso. – Foi a última coisa que ele disse antes de desligar.

comprou uma das caixas com bombons finos e achou melhor ir logo para casa. Durante o caminho ele pensou em todas as formas possíveis de contar para e ao final ele sabia que não existia um jeito que fosse menos difícil.
Assim que ele entrou em casa soube que algo havia acontecido, ela teve ainda mais certeza ao final do jantar, quando lhe entregou a caixa de bombons como presente com um pedido de desculpas estampado no rosto. Ele contou tudo o que havia acontecido e embora ela tivesse sido super compreensiva e dito mais de uma vez que estava tudo bem, ele sabia que não estava e que de certa forma ela estava chateada e talvez até decepcionada com ele. Por isso nos dois dias seguintes ele se forçou a encontrar a solução perfeita para reparar a situação.
Disse a que voltaria mais tarde do estúdio, mas usou o tempo sem a banda para pensar e organizar o melhor aniversário de namoro que ele pudesse. Primeiro passo seria providenciar a comida, jogou “restaurantes sofisticados” na busca do Google quando passou atrás dele.
– O que você está olhando aí? – se sentou ao lado de e caiu na gargalhada. – Você está mesmo desesperado.
– Lógico que estou cara, tenho que preparar alguma coisa pra quinta.
– Já pensou em procurar um restaurante com comida espanhola? – sugeriu. – Ela queria estar em Barcelona. – Ele eu de ombros e ganhou o beijo na bochecha. – Sai, ! – passou a mão pelo rosto limpando o beijo.
– Você é um gênio, ! Se não vai estar em Barcelona, posso transformar um lugar em Barcelona! – o entusiasmo crescia e ele alterou a busca para restaurantes espanhóis e fez uma nova busca em uma nova aba por lugares turísticos em Barcelona.
– Cara, olha esse lugar aqui. – puxou o laptop pro colo dele e clicou em uma foto no final da página. – Bairro gótico. É um lugar que a gente pode tentar imitar.
– Acho que dá certo com esse restaurante aqui, ele tem saída pra rua. Se a gente conseguisse fechar a rua e colocar as mesas seria ótimo. – apontou para tela mostrando o lugar de colocar as mesas.
– Acho que a consegue fechar essa rua, ela já fechou ruas para desfile antes, ela tem os contatos.
– Certo. Então fica faltando ver o restaurante, a comida e a música. – checou sua lista mental.
– Eu cuido da música, fica tranquilo. – o interrompeu. – Vou pra casa, boa noite. Te falo se a conseguir fechar a rua.
pegou o contato do restaurante e o endereço, iria lá no dia seguinte.

acordou e tateou o outro lado da cama, notou que não estava lá. Se sentou e viu uma rosa vermelha sobre o travesseiro, sorriu com o gesto. Pegou o bilhete ao lado da flor.

Tenho uma surpresa.
Nos vemos a noite.
Esteja pronta às 20h.
Amo você.
Ela nunca quis tanto que um dia tão rápido, mas quanto mais ela desejava isso, mais as horas pareciam se arrastar. O trabalho parecia não ser o suficiente para ocupar sua mente e parar de tentar adivinhar qual era a surpresa. Até mensagem para ela tinha mandado, querendo saber se ela estava no meio da surpresa, mas é claro que a amiga não respondeu.

Às 20h em ponto, estava pronta, um vestido preto, acima do joelho, com detalhes em tule, scarpin também preto e brincos de brilhante. Tinha feito cachos no cabelo e uma maquiagem que marcava bem os olhos. Passou o melhor perfume e com uma última olhada no espelho foi para fora do prédio, encontrando o carro de na porta e o mesmo muito bem vestido, encostado no carro com outra rosa na mão.
havia levado tudo para a casa de , decidiu que arrumar lá era melhor pois se o pressionasse com perguntas ele provavelmente estragaria toda a surpresa. Tudo estava maravilhoso quando ele saiu do restaurante duas horas mais cedo, tinha feito um trabalho maravilhoso na rua e deixado o mais parecido com o Bairro Gótico que era possível. O dono do restaurante tinha ficado honrado com a ideia e como estava pagando e organizando, ele ficou responsável por organizar o pessoal e convidar clientes do restaurante para uma noite especial. tinha cuidado da música e agora ele esperava que e ele aproveitassem a noite.
– Feliz três anos! – Ele sorriu e entregou a outra flor a ela.
– Feliz três anos! – Ela respondeu acabando com a distância entre eles e o beijando. – Posso saber pra onde vamos? A curiosidade está me matando. – Ela confessou e mesmo com a carinha mais convincente ele não disse.
– Você aguenta mais um pouquinho, não é longe daqui.
Enquanto dirigia pela cidade, ela se esforçava para pensar aonde chegariam, mas ela não costumava andar para esse lado da cidade, então decidiu aproveitar a vista de uma noite de céu estrelado. estacionou um pouco mais afastado e assim que desceu do carro ele tapou os olhos dela com as mãos.
– Ei! Isso não vale! – Ela reclamou segurando nos braços dele para não cair.
– Eu só queria que soubesse que eu realmente sinto muito por não estarmos em Barcelona hoje.
– Está tudo bem, . – Ele a interrompeu.
– Mas se não podemos estar em Barcelona, trouxe um pedacinho de Barcelona pra nós. – Ele tirou as mãos dos olhos dela e ela não podia acreditar no que via.
– Você fez isso tudo por mim? – Ela o encarou emocionada. – Você fechou uma rua por mim?
– E eu faria muito mais, você sabe. – Os dois se beijaram apaixonadamente.
reparou em toda decoração e em cada detalhe, os painéis imitando os muros, como ela havia visto em fotos da internet, as mesas na rua, a iluminação e logo os músicos começaram a tocar.
– Se você fechar os olhos, pode imaginar que estamos lá. – a levou até uma das mesas e puxou a cadeira para que ela se sentasse, se sentou à sua frente em seguida.
– Eu não preciso imaginar, . – Ela pegou a mão dele sobre a mesa. – Isso aqui está perfeito. – sorriu satisfeito.
O garçom logo se aproximou e serviu duas taças de vinho.
– À nossa vida juntos. – levantou a taça que foi gentilmente encostada à taça do namorado.
– A nós. – Ela brindou.
– Vamos dançar? – se levantou e estendeu a mão para que ela o acompanhasse.

Algumas pessoas já tinham feito uma pequena roda e dançavam, aceitou mesmo achando estranho, pois ele não gostava de dançar. Aquela noite era especial e os dois partilhavam um sentimento de que naquela noite nada mais importava. E então eles dançaram, música após música, mesmo sem talento, ele mantinha as mãos na cintura dela tentando acompanhá-la. Na opinião de , estava radiante, e, embora o local estivesse iluminado, a lua parecia ainda maior e seu brilho refletia nela.
Voltaram para a mesa depois da quinta música, pela programação de , o jantar seria servido em pouco tempo. Como não conhecia os pratos espanhóis, ele havia combinado uma espécie de rodízio. Experimentaram Paella, tortilhas, chorizo, tapas e gaspacho, o assunto o tempo todo foi leve e descontraído, mesmo assim não cansava de agradecer pela surpresa. De sobremesa foram servidos churros e estava ansioso para o que viria a seguir.
– Eu tenho um presente pra você. – Ele atraiu a atenção da namorada.
– Não é justo, . – Ele a interrompeu.
– É minha vez de falar. – Ele sorriu e só então percebeu que não havia o que falar. Tirou o envelope do bolso do paletó e entregou a ela.
– Nós vamos para Barcelona? – Ela perguntou com a voz mais aguda que o normal, apenas concordou com a cabeça. – Eu não acredito! – revezava o olhar entre o papel da reserva e os olhos do namorado. – Mas você disse que não tinha mais jeito! – Ela entendeu que havia sido trapaceada.
– Não tinha mais jeito na data que você queria. – Ele deu de ombros como se não tivesse ocultado nenhuma informação relevante.
– A data não era importante! – ela queria parecer brava, mas ela se sentia feliz e sabia que o vinho tinha uma parcela de culpa ali. – O importante é estarmos juntos, mas obrigada pelo “presente”. – Ela fez sinal de aspas com as mãos.
– Ainda não acabou. – sentia sua respiração mais pesada e suas mãos suando. ele tinha treinado em casa, por que agora parecia tão difícil?
– Não?! – franziu a testa exibindo sua confusão. No entanto sua feição passou de confusa para surpresa ao vê-lo ajoelhar em sua frente, com a típica caixinha de veludo em mãos.
Ela sentia suas mãos tremerem e o coração bater tão forte que parecia estar na garganta. Ele por sua vez não estava tão diferente. Respirou fundo, abriu a caixinha devagar e enfim pronunciou a tão ensaiada frase.
, eu te amo e quero passar todos os dias da minha vida com você. Aceita casar comigo?
Ela o encarou e piscou repetidamente, aquilo era surreal e ao mesmo tempo maravilhoso.
– Sim! Também quero passar os dias da minha vida com você – agora de pé, os dois se beijaram novamente e as pessoas que estavam por perto aplaudiam.
tirou o anel da caixinha e colocou no dedo de , agora sua noiva, que encarava a sua mão sem acreditar.
– Então é hora de comemorar! – apareceu com duas taças de sangria em mãos.
– Parabéns! – abraçou com força. – Não acredito que vocês realmente querem casar, mas tudo bem. – Ela riu com eles.
– Eu sabia que tinha dedo de vocês nisso aqui. – sorriu e deu um gole na bebida que ela ainda não conhecia.
– O que seria do sem a gente? – apontou para e para ele mesmo.
– Muito obrigada, gente. Ainda estou encantada com tudo isso. – sentia que não cabia de felicidade em seu peito.
– De nada, agora vamos dançar! – puxou para dançar e fez o mesmo com .
– And let’s pretend we’re dancing in the street, in Barcelona!

FIM