Family

  • Por: Karolyne Cox
  • Categoria: Originais
  • Palavras: 3802
  • Visualizações: 42

Sinopse: Haviam se passado dez anos desde a formatura. E era hora de abrir a cápsula do tempo que tinha sido enterrada naquela época.
Gênero: Drama
Classificação: Livre.
Restrição: Os nomes como Amy, Elle, Justin, Mason e Matthew estão em uso.
Betas: Rosie Dunne

CAPITULO ÚNICO

andava pelos corredores do hospital de óculos escuros e com a cabeça baixa, para que ninguém pudesse notar sua presença por onde passava, não queria chamar atenção.

Estava acompanhado do seu copo de café inseparável após um dia exaustivo de trabalho, entre estúdios e gravações de programas para a tv, ele andava pelo hospital até o andar em que seu amigo estava internado, sua presença era constante depois que sua turnê chegou ao fim e permanecia na cidade preparando os novos trabalhos.

é seu amigo de longas datas, um louco que faz um trabalho extremamente brilhante quando está com uma câmera em mãos, uma paixão que o acompanha desde os quinze anos de idade, quando ele capturava com sua câmera momentos que muitos adolescentes fazem com câmeras em mãos; loucuras.

Ele levou seu hobby tão a sério que isso tornou-se seu trabalho.

documentava sua vida da forma mais extraordinária que pode e com seus vídeos chamativos em um canal do Youtube conseguiu chamar a atenção da dupla de DJ’s chama The Chainsmokers que notou os vídeos de e os convidaram para uma de suas turnês, entre voos, hotéis, shows e afters, foi conhecendo outros famosos que gostaram de seu trabalho o que impulsionou mais ainda a sua carreira já que o seu talento com a câmera sempre foi inigualável.

Há pouco mais de dois anos, estrelou seu próprio programa de TV sobre a sua vida, que mostrava tudo que ele fazia por detrás das câmeras e quem realmente gostava de conseguia perceber entre um episódio e outro que ele estava ocupado demais para cuidar de si mesmo. Foi quando sofreu seu primeiro acidente, que acabou rasgando o seu ACL, interrompendo o seu estilo de vida ininterrupto, mas com essa interrupção a saúde mental de piorou levando-o para um caminho que ele descrevia como sem volta.

Em 13 de julho de 2018, já tinha se recuperado do seu primeiro acidente a pouco mais de nove meses, quando sofreu o segundo, um acidente de carro, que colidiu-se em uma árvore.

Para a familiares e amigos, nada mais importava do que se ocuparem com , todos tinham tempo para ligar, visitar e demonstrar todo seu amor e carinho por ele, e Alex conciliavam sua agenda lotada de shows, para passar tempos na casa de com sua família, amigos famosos o mimavam com presentes e visitas surpresas sempre que estavam aos arredores da cidade em que morava com sua família.

sabia que sem sua família, ele não suportaria aquela fase de sua vida.

Em meio a este caos com o tempo na cidade em que cresceu, se aproximou-se de sua melhor amiga nos tempos de colégio Amy, ela foi a peça chave de sua recuperação, o fazia sentir esperança em dias melhores e a paixão foi inevitável entre os dois.

e Amy estavam noivos a seis meses, ele estava bem e recuperado seguindo sua vida dessa vez sem ultrapassar seus próprios limites, pelo seu bem o de sua família e também da sua noiva com quem estava animado para constituir sua própria família.

Mas em 8 de Março de 2019, uma sexta feira qualquer, que preparava-se para viajar para encontrar seus amigos e Alex com quem passaria quinze dias seguindo com a turnê. O destino parecia ter outros planos para , que não envolvia o seu casamento com Amy, sua família e seus amigos ao sofrer um AVC saindo de sua casa, a noiva Amy o socorreu rapidamente ligando para a emergência que o atendeu rapidamente, mas que infelizmente fez com que não acordasse mais.

estava em coma.

Quando bateu duas batidas leves na porta do quarto de , pode ouvir Amy dizendo em baixo tom que ele poderia abrir, então ele lentamente abriu a porta encontrando Amy sentada com os joelhos dobrados e o notebook em seu colo ao sofá perto da janela, estava deitado na cama ao centro do quarto ligado aos aparelhos que monitoravam seus batimentos cardíacos, sentiu o seu próprio coração apertado ao presenciar o estado do amigo tão cheio energia parado em uma cama de hospital.

Já faziam oito meses desde o seu AVC.

—Oi – disse ao sentar-se ao lado de Amy passando o braço em volta do seu ombro lhe dando um abraço e um carinhoso beijo no rosto. – Como vai?

— Bem e você? – Amy disse sorrindo com todo o afeto do amigo.

— Cansado, mas nada que meu amigo aqui não resolva – apontou para o copo de café aproveitando para bebericar um pouco mais. — O que está fazendo?

— Estou lendo alguns e-mails do . A maioria são de admiradores desejando-lhe melhoras e dizendo que sentem saudades de novos episódios do seu programa. – Amy mostrou um e-mail que um admirador incluiu fotos com o seu noivo.

— Eu lembro desse dia, foi o dia que ele levou pontos no braço, não foi? – perguntou puxando na memória ao ver a toda roupa branca do amigo na foto do e-mail.

— Essa foi a camiseta que ficou todinha ensanguentada e ele quase me matou do coração chegando em casa, alegando que foi apenas um “cortezinho” no braço – Amy confirmou rindo. – Mas tem um e-mail que me chamou a atenção entre todos esses, um que eu também recebi.

— Qual seria esse e-mail? – perguntou deixando o seu café na mesa ao lado do sofá quando Amy apontou o notebook em sua direção para que ele lesse o e-mail, ele aproximou-se com a mão livre colocando o notebook em seu colo. — Amundsen High School para , o que o colégio quer com ele? – franziu a testa clicando para abrir o e-mail. – “Encontro Anual edição especial: De volta ao passado.”

Após ler toda a mensagem, descobriu que se tratada de um encontro que os amigos de e Amy organizaram de fazer após estivessem formados e para selar esse compromisso no primeiro encontro após a formatura enterraram uma capsula do tempo para ser aberta dez anos depois e a capsula finalmente seria aberta neste ano.

— Isso me parece algo bem importante para vocês – constatou devolvendo notebook a Amy – Será neste sábado, se quiser posso te acompanhar.

— Você faria isso por mim? – Amy perguntou com os olhos brilhando para o amigo em sua frente.

— Mas é claro Amy, já vou mandar uma mensagem agora para Adam pedindo que arrume a minha agenda para ter o sábado livre. – pegou o celular no bolso da calça mandando mensagem ao seu assessor.

perdeu alguns encontros ao decorrer dos anos – Amy começou a contar – Eu sempre sentia sua falta e ficava me perguntando qual aventura ele deveria estar vivendo naquele exato momento – fez uma pausa engolindo a seco sentindo as lagrimas arderem seus olhos —E como se ele lesse a minha mente ele ligava via Skype para o nosso amigo Mason e mostrava para nós onde estávamos e o que estava fazendo, na segunda vez que isso aconteceu ele estava assistindo a um show seu. Agora saber que ele vai perder esse encontro por estar dessa maneira – apontou para a cama – Acaba comigo.

Ouvindo o relato de Amy, uma ideia brilhante surgiu na cabeça de .

não perderia aquele encontro.

 

***
 

estacionou o carro junto aos demais colegas de Amy e , os vendo andar em direção ao local onde estaria enterrada a tal capsula do tempo, cada colega acompanhado de seus familiares, alguns já tinham filhos, outros ainda os esperavam nascer, podia ver umas três gravidas conversando, sentadas uma ao lado da outra, os rapazes se jogando um bom e velho futebol enquanto esperavam os demais estarem presentes.

Timidamente, foi se aproximando com as mãos dentro do bolso da calça e um sorriso sem graça, não era para ele estar ali, ainda mais sem Amy e para lhe apresentar aos amigos da época do colégio. Mas logo toda a sua insegurança foi embora quando Mason avisou o rapaz o reconheceu rapidamente, pegou o seu filho nos braços indo ao seu encontro cumprimenta-lo.

— Você deve ser o – Mason disse estendendo a mão para o DJ.

— Eu mesmo. Você deve ser o Mason – ele constatou apertando a mão do mesmo – E esse aqui deve ser o bonitão do Matthew. – sorriu para o garoto em seus braços.

— O bonitão que foi promovido a irmão mais velho – Mason contou a novidade enquanto aproximavam-se de sua a esposa – Ela está gravida de três meses.

— Oh meus parabéns – a cumprimentou dizendo.

— Eu sou o irmão mais velho de uma bebe que vai se chamar Madalyn, mamãe e papai que me deixaram escolher – o pequeno Matthew disse apontando para a barriga de sua mãe.

Então podia se sentir aliviado com a recepção dos amigos, mantinha contato com Amy por mensagens e por fim quando todos estavam reunidos e já tinham se atualizado nas novidades familiares e atacado todo o piquenique que fizeram, Mason e o capitão do time de futebol na época começaram a cavar em certo ponto que a capsula estava enterrada.

Todos se aproximam, formando uma roda em volta dos dois, então aproveitou para ligar o notebook onde se conectava com Amy, usando o celular como câmera para gravar e transmitir ao vivo para a amiga tudo que estava acontecendo no momento.

Amy estava no hospital junto ao seu noivo , sabia que ele poderia ouvi-los então aceitou prontamente a ideia de em ir no seu lugar enquanto ela assistia do hospital.

Sentia o seu coração palpitar ao ver a capsula sendo desenterrada, lembrava-se de ter escrito apenas uma carta simples com alguns dizerem, até mesmo lembretes do que deveria ter feito nestes dez anos e também colocado um presente para ela e sua melhor amiga Elle.

Quando a capsula foi aberta, Mason retirou de dentro dela, várias cartas e foi distribuindo uma por uma, recebeu a carta de Amy com uma pequena caixinha azul de papel junto e a carta de com um envelope bem curioso.

— Quem quer começar? – o capitão perguntou fazendo Amy gritar do outro lado da tela chamando a atenção deles. – Amy então vai fazer as honras em ser a primeira corajosa a ler sua carta.

, você pode por favor abrir a minha carta? – ela pediu sorridente para o amigo DJ que sorriu entregando o celular para a esposa de Mason que estava sentada ao seu lado o ajudando com tudo.

Lembretes para a Amy do futuro, espero que você tenha conseguido fazer todos, ou quase todos, os itens dessa lista começou a ler —Sair da casa da minha mãe o mais rápido possível se não irei surtar.

— Gente eu não surtei, mas me mudei para a casa de Elle meses depois porque fui expulsa pelo meu padrasto naquela época. – procurou saber quem era essa amiga Elle, ela estava sentada ao lado de uma outra mulher e estavam de mãos dadas, ela sorria ao ouvir Amy.

Tomar vergonha na cara começar a trabalhar e ter grana para o meu intercâmbio.

— Eu fiz o meu intercambio pela Europa – Amy fez mais um “check” contando aos demais sobre o intercambio.
falou mais uns quatro itens da lista de Amy, entregou o presente para sua melhor amiga que abriu em meio a lagrimas, era um colar da banda que ambas eram fãs na época do colégio, Elle agradeceu o presente enquanto Amy chorava baixinho do outro lado da tela.

O último item da minha lista é algo que tenho que confessar, pode não fazer mais sentido daqui a dez anos, mas quero me lembrar dessa memória. Então aqui vai ela, , o esquisitão que vivia com uma câmera para cima e para baixo, saiba que sempre tive uma queda por você. Parabéns Amy do futuro, a Amy do passado acaba de fazê-la passar vergonha em frente aos seus colegas de classe para não perder o costume.

— Isso não é algo tão bombástico – Mason riu da amiga

— Ela vivia falando dele para baixo e pra cima, só que ele era inocente demais e estava ocupado com a sua câmera para dar atenção para Amy. – um outro colega completou.

— Fico feliz que o destino tenha os juntados, isso não é tão constrangedor assim.

olhou para Amy que tinha aquele olhar de apaixonada que ele já reconhecia bem, sempre que falavam de , lá estava ela a namorada babona.

Depois de Amy, foi a vez de Elle querer ler a sua carta que falava sobre uma fase ruim que estava passando ao sentir-se sozinha ao passar pela separação de seus pais, mas a terapia e seus amigos estavam lhe fazendo bem que ela queria pontuar em sua carta para lembrar e os agradecer mais uma vez.

De carta a carta que ia sendo lida, reconciliações iam acontecendo, abraços confortavam corações, lagrimas rolavam livremente, queria poder voltar no tempo e ter tido essa ideia com seus amigos, mesmo que não fossem tão unidos isso iria os trazer uma nostalgia sem fim aos dias de hoje.

– Amy chamou pelo amigo que estava entredito com os jogadores se abraçando e acabando com uma rivalidade antiga, o mesmo atentou-se olhando para a amiga a respondendo um “oi” em baixo tom. — Você pode ler para a gente a do ?

Ele apenas concordou com a cabeça pegando a carta em mãos, sentiu um aperto em seu peito mais estranho que o normal, mas sabia que era a coisa certa a fazer, tirou do envelope presenciando um texto de uma única folha.
Respirou fundo, então começou.

Morrer é ridículo. – o título fez todos ficarem em silêncio na mesma hora, como se tivesse ouvido uma ordem para prestarem atenção somente em .

Você combinou de jantar com o namorado, está em pleno tratamento dentário, tem planos para a semana que vem, precisa colocar gasolina no carro do seu pai antes de voltar para a casa e no meio da tarde morre. Como assim? E os e-mails que você ainda não abriu, o livro que ficou pela metade, o telefonema que você prometeu dar à tardinha, para aquele seu amigo que não vê a longas datas? Não sei de onde tiraram essa ideia. Morrer!! A troco de que? Você passou mais de dez anos da sua vida dentro de um colégio estudando formulas químicas que não serviriam para nada, mas se manteve lá, fez provas, foi em frente. Praticou muita educação física, quase perdeu o folego, mas não desistiu. Passou madrugadas sem dormir estudando para passar nas provas finais, sem ao menos ter certeza do que gostaria de fazer da vida, cheio de dúvidas quanto a profissão escolhida, mas era hora de decidir, então decidiu, e mais uma vez foi em frente… De uma hora pra outra, tudo termina uma colisão ode freeway, numa artéria entupida, num disparo feito por um delinquente que gostou do seu tênis. Qual é? Morrer é um chiste. Obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém, sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez a sua música preferida. Você deixou em casa suas camisas penduras nos cabides, sua toalha úmida no varal. Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas, a apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira. Logo você, que sempre dizia; das minhas coisas cuido eu. Que pegadinha macabra: você sai sem tomar café e talvez não almoce, caminha por uma rua e talvez não chegue na próxima esquina, começa a falar e talvez não conclua o que pretende dizer. Não faz exames médicos, fuma dois maços por dia, bebe de tudo, curte costelas gordas e mulheres magras e morre num sábado de manhã. Isso é pra ser levado a sério? Tendo mais de cem anos de idade, vá lá, o sono eterno pode ser bem vindo. Já não há mesmo muito a fazer, o corpo não acompanha a mente, e a mente também já rateia, sem falar que há quase nada guardado nas gavetas. Ok, hora de descansar em paz. Mas antes de viver tudo? Morrer cedo é uma transgressão, desfaz a ordem natural das coisas. Morrer é um exagero. E, como se sabe, o exagero e a matéria prima das piadas. Só que esta não tem graça. Por isso viva tudo o que há para viver. Não se apegue as coisas pequenas e inúteis da vida. Perdoe. Sempre. Deixe espalhado pelo caminho da sua vida amor, quanto mais lagrimas rolarem quando voce se for, mais certeza o mundo terá que o tempo que você passou aqui valeu a pena. Ame hoje, de valor hoje o amanhã pode não chegar.

Com os olhos cheios de lagrimas, com todos os colegas emocionados em sua volta, virou a folha onde continha uma pequena seta para a parte detrás.

“Esse texto eu dedico ao meu melhor amigo Justin, que faleceu antes de se formar aos dezessete anos vítima de um câncer no estomago, viverei essa vida da melhor maneira possível e quando estiver na hora de nos encontrarmos, vou partir feliz pois fiz jus a minha promessa a você.
Eu te amo irmão, . “

Ao terminar de ouvir a carta, em meio as lagrimas Amy fechou a tela do notebook correndo para o banheiro dentro do quarto de hospital deixando seu corpo deslizar contra a porta fechada em meio as lagrimas e aos soluços, a dor em seu peito era como se tivesse levado uma facada e o objeto ainda continuava preso dentro de si, ela sabia o que estava por vir.

também parecia saber, todos os colegas de estavam refletivos e faziam comentários sobre o amigo Justin, lembravam de bons momentos junto ao garoto e também momentos que sempre os alegrou, as histórias inacabáveis, cada um tinha um comentário a fazer, estava com o filho de Mason no colo brincando de aviãozinho o levantando para cima e para baixo o fazendo gargalhar, seu peito estava leve com a sensação de dever cumprido em ter comparecido em algo tão importante para seus amigos.

Sentiu seu celular vibrar no bolso de sua calça.

Um mensagem de Amy.

Provavelmente o agradecendo pela presença.

Ele segurou o pequeno garoto nos braços e leu a mensagem que o fez olhar para o céu alaranjado do fim de tarde, sorriu mesmo que as lagrimas atingissem seus olhos quase de imediato.

viveu da melhor maneira e mais louca possível, mas agora ele estava feliz ao lado de seu amigo Justin.

 

FIM.

Reserve 30 segundos do seu tempo para enviar uma mensagem a alguém de quem você goste.

NOTA DA AUTORA: Quando pego uma música para escrever, a última coisa que costumo fazer é ouvir a música ou ver o clipe, mas como deixei para última hora esse aqui, acabei me enrolando em problemas pessoais e a ideia já não me fazia tanto sentido eis que assisto o clipe e vejo uma história emocionante e simplesmente foi fluindo…
A carta do PP me baseei em um texto do Facebook que li ano passado quando perdi meu melhor amigo, então deixo os devidos créditos a Gabriella Lima.
Espero que tenham gostado da história, se gostou mesmo vai lá mandar mensagem para aquele seu amigo que vocês estão sem se falar a um tempo, não importa se estão brigados, deixa o orgulho de lado, manda mensagem, pede desculpa, ou aceite a desculpa da pessoa, a vida é muito curta, então viva tudo que há para viver.