The Next Best American Record

The Next Best American Record

  • Por: Karolyne Cox
  • Categoria: Originais
  • Palavras: 7482
  • Visualizações: 293

Sinopse: Entre os palcos e a imensidão azul do céu, eles encontraram o amor.
Gênero: Romance, Drama.
Classificação: Livre.
Restrição: Livre.
Beta: Sofia Alonzo.

 

CAPÍTULO ÚNICO

“— Let me take you to the movies? – perguntou ao apontar no topo da escada, pausei o arquivo no qual mexia, girando a cadeira para vê-lo descer as escadas com um sorriso nos lábios que logo contagiou um sorriso nos meus. —Can I take you to the show?
O celular em suas mãos era usado para reproduzir a nossa música favorita do Led Zeppelin que ele também usava como um microfone improvisado, descendo se balançando ao som da música.
— Let me be yours ever truly, can I make your Garden grow? – comecei a tocar uma guitarra imaginaria ao vê-lo cantar também me remexendo, era assim que gostávamos de começar nossos dias.
Seus lábios tocaram os meus rapidamente em um selinho rápido, pois logo em seguida começou a girar a cadeira na qual eu estava sentada.
— So the world is spinning faster, are you dizzy when you’re stoned?
Toquei meus pês no chão parando-me de girar encontrando seus olhos fixos ao meus, em um impulso o puxei pela gola da camisa branca que ele usava, colando nossas testas.
— Let me music be your master, will you heed the master’s call…
— Oh, satan and man – arregalamos os olhos na mesma hora rindo.
deixou o celular sobre a mesa do computador, passando suas mãos pelas minhas coxas puxando-me para seu colo.
— Bom dia, sunshine – disse selando várias vezes nossos lábios.
— Bom dia, golden boy – o chamei pelo apelido que lhe dei, desde o dia que nos conhecemos, como sempre o vi ficar sem graça, ele não se achava merecedor de um apelido tão grandioso como aquele, mas eu achava, pois ele era algo muito valioso em minha vida.”

Respira fundo, disse para mim mesma em pensamentos ao concordar com Norman para finalmente sair do carro, o ruivo saiu seguido por August, o nosso baixista e em seguida pelo nosso querido baterista Robert, deixando-me por último como de costume.
Meus pés tocaram o tapete vermelho, do Grammy Awards trêmulos no saltos que eu usava, o segurança estendeu a mão para mim em um ato gentil na intenção que eu não passasse nenhuma vergonha, sorri agradecendo a sua cordialidade, seguindo os meus parceiros de banda ajeitando minha postura e o meu vestido, é claro.
O red carpet era um dos maiores desafios para mim, era algo mais desafiador do que se apresentar em uma premiação tão importante como o Grammy. A confiança tinha que prevalecer, o andar era impecável e o meu look tinha que parecer o melhor da noite.
Ao me juntar sendo abraçada por Norman – o guitarrista – pela cintura, olhei para baixo enquanto ouvia nossa assistente contar a poucos passos da gente “1,2 e 3”, levantamos os olhares em total sincronia recebendo aquela chuva de flashes direcionada a nós, mais alguns passos, mais fotos, os meus parceiros de banda se aproximavam da grade para responder algumas perguntas dos jornalistas, enquanto eu permanecia intacta longe deles ao lado da minha assistente, que me olhava com um semblante preocupado devido a minha escolha de não conceder entrevistas naquela noite.
Suspirei a olhando com um olhar significativo que sabia que ela iria entender, mesmo sendo um péssimo ponto na mídia, eu preferiria o meu silêncio, seria criticada de qualquer forma.
Quando Norman, August e Robert terminaram, vindo ao nosso encontro novamente e seguimos entre os famosos para dentro da cerimonia onde tínhamos uma mesa não muito longe do palco só para nós.
Engoli a seco antes que pudesse sentar no lugar de meu nome, vendo uma placa ao meu lado, uma cadeira a mais, ainda com seu nome escrito nela.
”.
Norman imediatamente livrou-se do papel amassando e guardando dentro do bolso da sua calça, Robert tirou a cadeira a colocando na mesa ao lado e nossa assessora apenas correu para os bastidores, com certeza com medo do que eu diria.

“Ele tinha apenas vinte e dois anos, mas um espirito velho de um homem dos anos 70’’. cozinhava panquecas para mim, com um samba canção vermelha e uma camisa de botões com uma estampa um tanto quanto psicodélica demais para os meus olhos se perderem, entre aquele abdômen definido e toda aquelas cores chamativas. As panquecas iam sendo feitas formando uma grandiosa pilha ao lado do fogão. A minha música Adorable que tinha de inspiração o meu namorado, tocava na rádio ocupando o primeiro lugar do ranking, ele cantarolava animado, enquanto eu tomava meu achocolatado debruçada sobre a bancada da cozinha.
— O que acha de voarmos mais tarde, darling? – perguntou trazendo o prato com uma pilha de panquecas para cima da bancada.
— Uma ótima ideia, hummmmmm – aquele delicioso cheiro tomou conta de mim, fazendo-me perder os sentidos e rir da minha reação ao colocar uma panqueca no meu prato.
era piloto, trabalhava para a companhia área JetBlue, mesmo com seus quinze dias de férias não conseguia se conter em ficar com os pés no chão, me arrastando junto para um voo de final de tarde em seu Quasar.
— Então, eu te libero para trabalhar a tarde toda mocinha – disse em um ar autoritário que desmanchou-se em uma careta.
— Está bem chefe, mas você tem que sair de casa para eu poder me concentrar – enchi a boca de panqueca.
— Eu sei que esse corpinho andando pela casa é uma tentação para os seus olhos – provocou-me apontando para o próprio corpo.
— Exato – concordo – O meu estúdio já é no subsolo justamente para eu não cair em tentação – revirei os olhos.
— A sua intenção foi ótima, só se esqueceu que eu não sou o Trevor – apontou para o cachorro deitado na porta da nossa cozinha – Que não sabe descer escadas. E que você é uma baita mulher esquecida que sempre deixa a porta aberta. É impossível um fã curioso que nem eu para saber de suas próximas criações não descer lá em baixo.
— Não sei como não enjoou de mim. – ri sem humor tomando o meu chocolate.
— Você me dá bons motivos para não enjoar – aproximou-se do meu corpo parando atrás de mim, segurou meus cabelos ainda úmidos do nosso banho, deixando meu pescoço livre para seus beijos.
Mas quando eu pude sentir a sua respiração bater contra minha pele, a campainha tocou e os animais com quais eu tenho uma banda começaram a socar a porta gritando por panquecas.
Bufei negando com a cabeça e riu dando-me um beijo rápido no mesmo local que fez arrepiar-me por inteira.
— Já vai – gritou saindo da cozinha indo abrir a porta para seus amigos.”

— Como tem se sentido? – Camila Cabello perguntou atraindo a minha atenção, pisquei algumas vezes na intenção de acordar-me do próprio transe que entrei e sorri sem graça, ela estava sentada ao meu lado na outra mesa, nossas cadeiras estavam bem próximas.
Ela sorria de maneira acolhedora, sempre fomos bem próximas, Camila conheceu quando eu o levei a um show dela no final do verão, ele assumiu todo envergonhado ter uma quedinha pela minha amiga.
— Tento não pensar muito para não me sentir vazia, mas é inevitável não me lembrar a todo momento dele – a respondo sem um pingo de ânimo.
— Ele era seu primeiro amor, . – Camila constatou o óbvio e eu concordei com um breve aceno com a cabeça. – Não vou dizer-lhe para esquecê-lo, mas dê tempo ao tempo, foque em você, está em um Grammy, o prêmio mais importante da nossas carreiras, vamos, me dê um sorriso. – incentivou-me.
Involuntariamente com toda aquele apoio, soltei um sorriso sincero e grandioso para Camila que bateu palminhas sorrindo também.
— Você merece o mundo, mulher – encorajou-me pegando em minha mão e apertando com força, retribui o aperto e ela beijou minha mão ao se levantar. —Agora eu preciso ir, é a hora da minha performance com o meu canadense.
— Boa sorte, minha estrela – digo a ela soltando um beijo no ar, ela riu e o pegou guardando no coração.
— Eu amo essa mulher – Norman cutucou-me ao declarar seu amor por Camila. — Como pode ser tão deusa?
— Controle-se, ela é do nosso amigo Shawn – August o repreendeu com os olhos arregalados e Norman deu de ombros não ligando para esse fato.
— Calem a boca – Robert disse e as luzes do local todo se apagaram —Vai começar a performance dela com o Shawn.
Agradeci o bom senso de Robert e apoiei o meu rosto entre minhas mãos para assistir atentamente à Camila.
I love it when you call me senõrita, I wish I could pretend I didn’t need ya…
As luzes continuaram apagadas, o palco era iluminado por velas espalhadas por toda a sua extensão, formando assim um caminho entre Camila e Shawn.
Um único holofote era direcionado ao casal, mas a intenção era manter o clima mais calmo e intimidador.
Camila andava em passos lentos até Shawn, brincando com a câmera que a seguia.
But every touch is oh, la, la, la, it’s true, la, la, la…
Os fãs, que tinham um lugar especial pelas arquibancadas a nossa volta, animaram a premiação com seus gritos calorosos, contagiando Norman que até se levantou com o seu celular em mãos para gravar a apresentação de Camila.
O vestido de Camila, era branco, mas em algumas partes transparente, combinava o look com Shawn, que usava regata, que deixava suas belas tatuagens a mostra, e uma calça de lavagem escura.
Oh, I should be runnin’ oh, you keep me coming for ya…
Camila parou ao lado de Shawn, o mesmo lhe lançou uma piscadinha sexy virando-se em direção ao microfone.
Land in Miami, the air was hot from summer rain… – meu coração diminuiu-se de tamanho, graças a uma lembrança que veio a minha mente à tona. — Sweat drippin’ off me, before I even knew her name, la, la, la…

“—Você está pronta? – perguntou ao me olhar com um sorriso nos lábios.
Era incrível como sempre estava empolgado e feliz com a vida. Mesmo atrasada para o nosso compromisso e quase perdendo a hora marcada do nosso vôo, ele ainda permanecia calmo e tranquilo, ignorando todo caos a nossa volta.
Fiz apenas um joia com a mão, enquanto ajeitava o fone em minha cabeça, no fim sempre acabava toda descabelada.
inclinou seu corpo para cima do meu, acabando com o pouco espaço entre nós, selando nossos lábios antes de ligar a aeronave, esperamos alguns minutos antes de percorrermos toda a pista de decolagem e subir entre as nuvens.
Eu o olhava admirada com toda a sua dedicação e sabedoria, era melhor do que qualquer paisagem que a Califórnia pudesse me proporcionar.

— Olhe para o céu disse percebendo que eu o observava. — Está perdendo essa paisagem incrível.
— Não existe nada melhor no mundo do que a paisagem que estou observando – digo sorrindo, olhando suas bochechas mudarem para uma coloração avermelhada.

Naquele dia tinha deixado de lado o seu espírito dos anos 70’ dando vida para o seu de 90’, usava uma calça jeans de lavagem branca, os cabelos penteados para trás, a camisa branca apenas com o detalhe da marca ao lado do peito, uma jaqueta de couro preta grande que o deixava com os ombros mais largos que o normal.
— Posso te fazer uma pergunta? – perguntou colocando a mão sobre a minha perna.
— Pode – digo colocando minha mão sobre a sua, olhando para nossas alianças, finas e bem simples.
— Estamos juntos há quanto tempo? – perguntou e eu o olhei de forma estranha.
Eu era péssima com datas, não conseguia me lembrar nem qual foi o dia de estreia do nosso primeiro álbum, a cinco anos atrás.
— Há muito tempo – respondo pensativa – Você já estava comigo quando comprei a casa em Topanga… E já moramos juntos a um bom tempo, então creio que estamos juntos a um bom tempo.
— Estamos juntos há dois anos e nove meses . – clareou minha memória rindo. — Feliz mêsversário, sunshine!
Eu fiquei boquiaberta em esquecer-me do nosso aniversário de namoro e logo o meu sorrisos desmanchou-se ao ver que ele escondia uma pequena sacola entre suas pernas e colocou sobre meu colo.
— Por que essa cara? O que houve?
— É o nosso aniversário de namoro, – digo óbvia — Você comprou um presente para mim e eu nem ao menos lembrava da nossa data.
— Na verdade, eu fiz de tudo para que você não lembrasse – riu provavelmente lembrando das suas artimanhas. — Acordei antes do seu despertador, desativei os lembretes do calendário, ocultei o story’s do Instagram que possivelmente você iria ver e silenciei as menções do seu perfil para que não visse as montagens e declarações de seus fãs.
— E eu achando que tinha sido esquecida por eles – choraminguei abrindo a sacola e pegando a pequena caixinha de veludo vermelha.
— Relaxa , seus fãs ainda te amam e eu também.
— Para de me derreter com seus galanteios, – digo brava ao abrir a caixa e me deparar com um único anel com uma pedra muito bonita ao centro na cor rosa.
— O que achou? – perguntou animado.
— E…Eu achei muito lindo – a tirei da caixinha para analisar o nossos nomes gravados dentro da aliança com a data de início do nosso namoro. — Em qual dedo eu uso? – perguntei olhando para a minha mão.
—Bom, se você aceitar o meu pedido, você vai poder usar esse anel no seu anelar esquerdo. – disse sério olhando para mim.
— No meu anelar esquerdo… – fui levar o anel ao meu dedo, mas na mesma hora gelei e voltei a olhá-lo. —– grito não aguentando minha própria empolgação. — O que? Você ‘tá falando sério?
— Você quer se casar comigo, Ross? – pediu agora virado em minha direção segurando minha mão.
— Meu Deus – exclamo em choque pelo pedido, meu coração batia tão rápido que a qualquer momento ele poderia sair do peito e continuar batendo aqui fora por mais uns cem dias percorrendo o mundo.
— Aceita? – perguntou ansioso.
— Eu não ‘tô acreditando que você está me pedindo em casamento – comento beijando seus lábios várias vezes. —Você é perfeito, eu te amo demais golden boy.
— Isso é um sim, sunshine? – perguntou nervoso olhando em meus olhos.
— Ai meu Deus! Eu até esqueci de responder…É claro que eu aceito, sim, sim mil vezes sim, , eu me aceito casar com você, hoje, amanhã e sempre.
suspirou aliviado ao ouvir os meus milhões de “aceitos” e colocou o anel novo em meu dedo anelar esquerdo dando um beijo sobre o mesmo em seguida.
— É uma mulher de sorte – piscou galanteador.
— Você que é um homem de sorte – rebati. — Ganhou o coração de Ross com uma dancinha ridículo no nosso primeiro encontro.
— Valia um sundae de morango do Burger King e era Halloween, estava valendo – riu me abraçando desajeitadamente como podia passando a mão pelos meus cabelos. — Eu te amo muito , você é a mulher da minha vida….
— Você é a minha paz em meio à tempestade.
— Para de usar suas frases de música para se declarar pra mim.
— Eu posso, quem inspirou minhas músicas foi você mesmo.
— Ah é verdade, não é todo dia que você vira uma música. – murmurou baixo em meu ouvido.
— Na verdade, eu te eternizo em cada verso e em cada pedaço do meu coração todos os dias. ”

Oh, I should be runnin’, oh, you keep me coming for ya… – ao finalizarem a música com os rostos colados levando todos da plateia a loucura, ansiando por um beijo do casal do momento, as luzes voltaram a se apagar fazendo o casal correr para fora do palco em segundos.

Olhei para cima esperando que as lágrimas fizessem o caminho contrário e voltassem para dentro dos meus olhos, se é que isso era possível. Tomei um pouco da água acalmando meus ânimos.

Logo o primeiro prêmio da noite seria entregue, a minha banda concorria à uma das últimas categorias e nós éramos a última apresentação da noite então eu tinha que manter-me firme por um bom tempo.

Psiu – August chamou minha atenção, o olhei pelo canto do olho ele gravava um vídeo meu distraída.

Coloquei a mão sobre o rosto na intenção de tampar, mas August segurou minha mão depositando um beijo sobre ela.

— Todo mundo resolveu me dar carinho hoje? – exclamo surpresa com tantos mimos e Norman passa seu braço pelo meu encosto da cadeira fazendo um leve carinho em minhas costas descobertas pelo vestido.

— As surpresas não param por aí – foi a vez de Robert dizer dando uma piscadinha que qualquer outra mulher pelo mundo se derreteria por um beijo dele.

— Como assim? – perguntou olhando para os três confusas. — Surpresas? Mentira que a gente ganhou a categoria e eu fui a última a saber…

— Por que eles fariam a gente passar por toda essa dor de barriga se a gente já soubesse que foi premiado? – August questionou — Não seria um tanto quanto desumano passar por essa ansiedade toda?

— Que surpresa é essa?

Surpresas não eram o meu forte, e quando eram comigo, eu preferiria levar um choque de 220v do que passar por toda aquela ansiedade do caralho.

— Só no final da noite, baby – Norman murmurou perto do meu ouvido, fazendo-me revirar os olhos.

— Vocês são péssimos amigos – esbravejo.

Ao decorrer da noite, as categorias iam ganhando vencedores e ao meio delas, apresentações de diversos artistas tornavam tudo um grande espetáculo fabuloso, mas o prêmio mais importante da noite ainda estava por vir.

O melhor álbum do ano.

Nossa assessora apareceu entre o penúltimo intervalo da noite para nós levar ao nosso camarim nos bastidores, nos troçaríamos de roupa, pela roupa escolhida para a performance e faríamos o nosso aquecimento antes de subir ao palco principal.

Como de costume, os três rapazes foram os primeiros a ficarem prontos, saindo do camarim perambulando pelos corredores entre os outros artistas e testando seus receptivos instrumentos.

Fiquei aquecendo a voz sozinha olhando-me no espelho enquanto passava suavemente o blush nas maçãs do meu rosto, para que realçasse uma cor mais avermelhada sobre a minha pele.

Mesmo com muito corretivo, era nítido as olheiras em meus olhos, fazia meses que eu não sabia o que era uma boa noite de sono, não era uma imagem que agradasse muito a mídia, e as críticas sobre o meu emagrecimento também era alvo de críticas, para todos eles, eu tinha parado de me cuidar.

? – a assessora chamou-me —Você está bem? Tá tudo bem por aqui?

Olhou para a maquiadora que estava sentada no sofá de cabeça baixa, normalmente eu a deixava me maquiar, mas naquela noite eu queria estar o mais normal possível, então o trabalho dela foi apenas com os rapazes espinhentos da banda.

— Estou bem – finjo estar bem com um sorriso nos lábios.

— Então vem – chamou-me pela mão como se eu fosse uma criança de sete anos guiada pela mãe.

A segui pelo extenso corredor que levaria-me até à parte detrás do palco – sem estarmos de mãos dadas – encontrando-me com os rapazes testando seus instrumentos e logo meu roadie veio em minha direção sorridente com o meu ponto eletrônico e meu microfone vermelho.

— Está na sua hora de brilhar – disse ao prender o ponto em minhas costas e ajudar a passar os fones pelos meus ombros o prendendo atrás. — Te desejo sorte, você vai amar a nossa surpresa depois.

— Qual surpresa? – perguntei arregalando os olhos, porra até ele sabia da tal surpresa.

— Cinco minutos! – a assessora gritou mostrando cinco dedos olhando para o relógio.

Subi na plataforma, que seria levada até o centro do palco por alguns rapazes da produção e encaixei o meu microfone no pedestal.

Não pretendia sair daquela plataforma, muito teria coragem para desfilar entre os famosos como se fosse alguém superior à eles, preferia apresentar-me no meu espaço e sair de fininho esperando o meu prêmio ser anunciado.

E, se é que ele seria meu.

— Um minuto.

— Aguenta coração – Norman gritou dando pulos em cima da plataforma.

Robert começou a testar a bateria e August soltava alguns acordes do baixo, a plataforma começava a ser puxada para o centro do palco com as luzes apagadas.

Era agora, tudo ou nada.

Em questão de segundos, o holofote caiu sobre mim me atingindo com sua forte de luz, minha garganta secou de imediato e eu queria fugir.

My baby used to dance underneath my architecture – fechei os olhos ajeitando o fone em meu ouvido e comecei a cantar a melodia na qual eu tinha feito para ele. — To the Houses of the Holy, smokin’ on them cigarettes.

“— Você tem que parar de fumar ! – faço careta jogando um cigarro quase chegando ao fim no chão.
— Só vou parar, quando prometer para mim que vamos ter três filhos. – mostrou três dedos fazendo-me revirar os olhos, não cuidava nem de mim mesma, imagine três crianças e o nosso cachorro Trevor.
— Se continuar fumando, não vai estar vivo para fazer esses três filhos comigo – retruquei-o.
jogou o cigarro no chão e o apagou pisando em cima.
— Foi o último de toda minha vida – selou nossos lábios antes de se afastar de mim se aproximando do lixo do píer, onde livrou-se da cartela de cigarros.”

He was cool as heck… – fiz uma pausa olhando para Norman que me ajudaria com a segunda voz caso eu falhasse. — And we were so obsessed, with writing the next best American record…

Aos poucos olhando para a plateia de convidados e os fãs pela arquibancada podia perceber que todos acendiam a lanterna de seus celulares, o meu coração batia rápido demais e soltei um sorriso bobo, era lindo.

That we give all we had ‘til the time we got to bed…

“— Mete o pé da minha casa vocês três, não aguento mais olhá-los por mais um segundo sequer – digo em tom de brincadeira para os meus amigos de banda.
— Eu também te amo, – Norman ironizou subindo as escadas até o primeiro andar da casa.
— Temos então, mais três músicas prontas? – August contou nos dedos e Robert completou.
— Fechamos o álbum em quantas? – Norman.
— Quinze – dissemos uníssono, Norman conseguia ser pior do que eu com memória.
— Querida, cheguei… Meu Deus esses alienígenas ainda estão por aqui – disse ao entrar pela porta da sala desabotoando os primeiros botões da camisa social e olhando para os rapazes de banda os cumprimentando com um aperto de mãos com a sua outra mão vaga.
Apesar das brincadeiras, os três rapazes e o meu namorado davam-se super bem.
— Nós vamos indo, para deixar os pombinhos a sós.
— Ainda bem que se tocaram, pensei que ia ter que colocar a vassoura atrás da porta – apontei para a vassoura que deveria estar pela cozinha ou na área de serviço.
— Divirtam-se – Robert disse ao abrir a porta para que os outros dois rapazes passassem.
— Não façam nada que nós não variamos…
— Façam pior – Norman completou o ditado e bateu a porta.
Ora ora, parece que agora éramos apenas eu e .
Sorrisos cúmplices um para o outro, ele correu me pegando nos braços subindo as escadas correndo comigo no colo, me agarrei com força em seu corpo para não cair, chegando ao quarto ele girou-se fazendo o corpo dele cair por de baixo do meu sobre a cama.
— Gosto de ter o meu mundo por cima dos meus braços – disse antes de selar nossos lábios em um beijo caloroso.”

‘Cause we knew we could, we were so obsessed, with writing the next best American record…

“— Você vai ter que ir mesmo? – digo de maneira manhosa para que vestia seu belo uniforme em minha frente, além de ficar extremamente sexy vestindo o uniforme de piloto, ele transmitia ter muito mais do que apenas vinte e dois anos.
—Vou, sunshine, mas eu volto para a sua festa de lançamento no sábado. – disse de maneira terna. — Vai ficar tudo bem, o Brasil é logo ali – riu aproximando-se de mim para que eu pudesse ajudar a passar sua gravata e dar um belo nó. — Amanhã quando já estiver pelas terras tupiniquins irei ouvir o seu novo álbum.
— Mas você já foi o primeiro a ouvir. Devia sair do hotel e procurar algum barzinho com uma boa e velha roda de samba brasileiro, tomar uma caipirinha… – o incentivo à sair do hotel e turistar um pouco pela cidade.
— E perder a chance de descansar e ver você surtando pra saber o que os fãs acharam das músicas novas? – rebateu.
— Não é todo dia que pode ir ao Rio de Janeiro. – insisto.
— O que acha da nossa lua de mel ser no Rio de Janeiro? – mudou de assunto.
Abri um enorme sorriso com a sua escolha.
— Ótima escolha, golden boy – pisquei dando o nó na gravata aproveitando para puxa-lo para um selinho.”

As lembranças em minha mente, meus olhos se marejavam em uma vontade sem fim de chorar e sair correndo, troquei o peso do meu corpo de um pé para o outro retirando o microfone do pedestal.

Whatever’s on tonight, I just wanna party with you…

“— Volta logo pra Califórnia, – digo a ele pela nossa ligação do FaceTime, se arrumava dentro do banheiro do hotel para trabalhar, sua estadia em terras brasileiras já tinha acabado, agora era só mais quatorze horas de viagem de volta. — Sua roupa para usar na minha festa de lançamento já chegou – mostrei pelo vídeo a roupa dele guardada em uma sacola enorme em cima da cama ao lado da minha que estava em uma caixa.
— Eu vou voltar voando para você, futura Senhorita – zombou fazendo me rir de sua piada. — Espero que tenha tido bom gosto na minha escolha de look da noite…
— Se eu escolhi você como o meu namorado…
— Futuro marido – corrigiu-me.
— Se eu escolhi você como futuro marido, nunca eu erraria em uma escolha de roupa. – digo piscando para que fingiu se abanar com o meu galanteio barato. — Volte logo, agora eu preciso desligar, vou dar uma volta pela Califórnia, temos uma agenda cheia de rádios por hoje.
— Bom trabalho sunshine, logo estou aí! Eu te amo senhorita .
— Te amo . – lhe mandou um beijo no ar antes de desligar a chamada.”

He was ’70s in spirit, ’90s in his frame of mind…

— Você é louca – Norman constatou pulando para fora do Uber logo atrás de mim, coloquei o capuz do moletom que tinha roubado de em meio às nossas roupas e os óculos escuros, Norman fazia o mesmo e andava de cabeça baixa para não ser reconhecido.
— Louca de amor – digo engatando meu braço ao seu para que andássemos lado a lado.
Após um dia corrido de trabalho, obriguei Norman à ir comigo até o aeroporto esperar pela chegada de , queria lhe fazer uma surpresa que até escondia dentro do bolso do meu moletom uma placa brega cheia de corações com o seu nome.
O seu voo tinha previsão para chegar por volta das sete e meia da noite, o Sol demorava a se pôr no verão fazendo com que a paisagem fosse o famoso céu alaranjado cheio de nuvens, logo mais à noite com certeza choveria.
Era a vista que mais gostava, ele deveria estar feliz entre as nuvens. Seguimos até o portão de desembarque, observando os aviões chegando pelo enorme vidro que dava visão a pista de pouso.
Eu já estava impaciente com a demora e balançava a perna rapidamente fazendo Norman revirar os olhos e pisar com força no meu pé.
— Acalme-se mulher, parece as nossas fãs quando entram no camarim e quase desmaiam.
— Desculpa, estou com uma sensação estranha – pegou o celular e olho a última visualização de marcava a última hora que conversamos, resolvi mandar uma mensagem.

“Tenho uma surpresa para você”

Bloqueio o celular o guardando no bolso do moletom novamente, Norman me deu um leve empurrão com o seu ombro apontando com o dedo o avião ainda no céu que desça gradativamente para pousar, só que ao ir abaixando-se para tocar o solo sua cauda começou a sair uma forte fumaça que alarmou os demais a nossa volta que se juntaram mais perto do vidro, o avião continuou a correr pela pista de pouso com uma velocidade acima da permitida, em um piscar de olhos a aeronave estava em chamas, fazendo-me arregalar os olhos saindo empurrando todos que estavam na minha frente para ir o mais rápido possível para a pista.
, onde você vai? – Norman gritou com a voz grossa correndo atrás de mim enquanto eu corria o mais rápido esbarrando em um monte de gente que me xingava pela falta de educação.
Ainda olhava a aeronave sendo tomava pelas chamas pelo vidro e as lágrimas involuntariamente corriam pelo meu rosto fazendo-me perder as forças, ao chegar em um dos portões de desembarque que poderiam me levar até a pista, a polícia e a segurança já tinham fechado os portões.
— Senhor, senhor – digo rápido — Eu sou Ross, meu marido é o piloto daquele avião eu preciso passar – digo tentando passar o empurrando levemente sem ao menos me importar com o seu nível de autoridade.
— Ninguém vai passar senhorita.
— VOCÊ NÃO ENTENDE? EU TENHO QUE PASSAR, MEU MARIDO É– esbravejo chorando.
, – Norman me puxa para trás agarrando-me entre seus braços, segurou-me pelos ombros o fazendo olhá-lo — Você não pode descer, temos que sair daqui.
— NÃO – grito em desespero — Eu não vou sair daqui Norman, eu só saio daqui com o , ele está dentro daquele avião.
— Senhorita Ross, peço por gentileza que não cause mais tumulto do que já temos, se quer esperar sobre notícias do seu marido, peço que fique em uma área mais reservada da companhia.
— Temos que sair daqui – Norman disse e eu o ignorei olhando para o lado de fora vendo a aeronave pegando fogo, dois caminhões de bombeiros invadiam a pista para controlar as chamas.
Norman me puxou fazendo-me andar de cabeça baixa entre as pessoas no tumulto que ocorria dentro do aeroporto, precisamos de quatro polícias para nós levar até a área reservada que tinha uma televisão mostrando em tempo real o que acontecia na pista de pouso.”

We lost track of space…

“URGENTE!! Ross presencia acidente que pode ter tirado a vida do seu futuro marido . Ainda estamos sem informações dos bombeiros locais sobre o paradeiro de vítimas do incêndio na aeronave.”

It’s you, all the roads lead to you…

Ross e Norman Flynn presenciam acidente na Califórnia. Aeronave pilotada pelo namorado de , sofre acidente na pista de vôo que acaba em chamas.”

Everything I want and do, all the things that I say…

“OFICIAL!! Os bombeiros confirmam a morte de 47 passageiros e 14 em estado graves que serão encaminhados aos hospitais mais próximos.”

You made me feel like there’s something…

, namorado de Ross vocalista da banda , é uma das vítimas fatais confirmadas no incêndio da aeronave que pegou fogo na Califórnia. A cantora e Norman Flynn amigo e guitarrista da banda, estavam presentes no local e presenciaram o acidente.”

Quando a música chegou ao fim, retirei o fone dos meus ouvidos podendo ouvir a salva de palmas da plateia e abaixei a cabeça deixando livremente as lágrimas correrem pelo meu rosto, sendo abraçada pelos meus três companheiros de banda enquanto ouvia gritos calorosos vindo da plateia ao nosso redor, os abracei da maneira que pude com força, podia não ter sido a nossa melhor apresentação, mas com certeza em minha mente e meus sentimentos sempre estaria marcado.

Um pouco mais à nossa frente, no palco, ninguém mais e ninguém menos do que Lady Gaga, ela tinha sido a escolhida para entregar o prêmio de melhor álbum do ano.

Achei estranho o fato da produção não ter nos levado para a parte detrás do palco, os meus rapazes deixaram para trás seus instrumentos descendo da plataforma e Norman estendeu-me a mão.

Peguei sua mão sem entender nada e o segui até o lado da Lady Gaga que nos cumprimentou sorrindo e abraçou-me de lado.

— Eu tenho uma surpresa para você – Lady disse sem mais, nem menos enquanto os rapazes usavam a escada na lateral do palco para voltarem a nossa mesa na plateia.

Antes que eu pudesse perguntar, as luzes diminuíram e uma outra plataforma, dessa vez com uma banda para Lady Gaga apareceu ao outro lado do palco, o telão atrás de nós acendeu-se.

De:
Para: Ross

Lady apontou para que eu ficasse em um ponto de costas para a plateia, mas de frente para ela e o telão, então posicionei-me no lugar marcado tremendo mais que um pinscher miniatura.

Wish I could, I could’ve said goodbye…

O vídeo começou a ser exibido e começava por uma das minhas primeiras entrevistas após anunciar o meu namoro com .

“ — Então o seu namorado é a inspiração para todas as suas músicas românticas? – o apresentador perguntou com um sorriso travesso nos lábios a plateia e meus companheiros de banda cumplices começaram a zombar.
— Tudo que eu sinto por ele, eu transformo em canção. – digo com as bochechas coradas arrancando suspiros da plateia.
Nossa primeira foto juntas, aparecia no telão atrás do apresentador, estávamos abraçados e beijava meu rosto.
— Você não quer mandar um recado para ele?
, se você está acordado até essa hora só para me assistir, vá dormir. Porque se você estiver cansado e acontecer do avião cair amanhã, vão me culpar, te amo, beijos. ”

Após a primeira entrevista, nossa primeira foto postada, seguida uma foto que tinha me mandando por mensagem, assustado vendo seu nome nos Trending Topics do Twitter.

I would’ve said what I wanted to, maybe even cried for you…

Uma bela sequência dos nossos vídeos caseiros era exibida, nossos passeios pela Disney, as montanhas russas, nossos beijos com sabor de sorvete do Mickey, os passeios de mãos dadas pelo parque, nossas fotos em frente ao Castelo iluminado pela noite.

Se hoje você está vendo esse vídeo…

E porque decidiu dividir a sua vida comigo, aceitando ser minha mulher para o resto de nossas vidas…

Depois dos dizeres, começava a sessão de fotos de mudança para a nossa casa em Topanga, a bagunça feita até arrumar tudo, nossas fotos semi nus a estrear nossa piscina entre beijos quentes, eu tinha feito uma música sobre aquele dia.

Don’t wanna feel another touch, don’t wanna start another fire…

Aqui começa a minha maior declaração para você, Ross… ou já posso chamá-la de ?

Don’t wanna know another kiss, no other name falling off my lips…

, o amor de por você é tão grande que chegou aqui em Londres, Inglaterra”.

A foto era de uma mão segurando um bilhete com o fundo da London Eye, a foto em sequência o bilhete com a mesma escrita porém em Paris, Irlanda, Portugal, Alemanha…

Entre as fotos, vídeos que gravava enquanto eu estava distraída e sempre acabava sem graça ou fazendo alguma palhaçada na tentativa de arrancar-lhe algum sorriso, nós sempre nos beijávamos e ele parava de filmar.

Oh baby, that you’re gone…

Os vídeos no show da Camila Cabello, vídeos que ele gravava assistindo aos meus shows, tudo ia sendo exibido em perfeita sincronia com a música que Lady Gaga cantava ao vivo em minha frente.

Em alguns bilhetes aparecia os segurando, África do Sul, Rússia, Nova York, eram fotos variadas, naquele momento lembrei-me das vezes que ele estava em viagem e me falava que iria andar um pouco para conhecer onde estava, ele com certeza aproveitava para fazer as fotos.

Então, o nosso último vídeo, que eu havia gravado com os nossos rostos grudados.

“—Você volta logo do Brasil? – pergunto fazendo uma voz manhosa, beijava meu rosto e não estava percebendo ainda que eu o gravava por suas costas.
Estávamos na varanda da nossa casa, Norman o levaria para o aeroporto e aproveitaria para buscar seus pais que voltavam de viagem. Ele buzinou apressando e eu mostrei a língua.
— Por você eu volto sempre voando, meu amor. – disse baixo antes de me dar um beijo carinho na testa. ”

A última foto, era no Cristo Redentor de braços abertos com o bilhete grudado em sua camiseta amarela do Brasil, seu sorriso de orelha a orelha aquecia meu coração.

Duvide que as estrelas sejam fogo,
Duvide que ocasionalmente o Sol se mova,
Duvide que a verdade seja mentira,
Mas não duvide de que te amo.

O meu amor por você espalhou-se pelo mundo inteiro , espero que tenha boas lembranças ao olhar para o céu.

A música chegou ao fim juntamente com o vídeo que ficou no telão exibindo a nossa foto de noivos nos beijando dentro do avião de .

Sem ao menos um anúncio inicial ou final, uma assistente de palco trazia o prêmio de melhor álbum do ano e entregava nas mãos de Lady Gaga.

O prêmio de melhor álbum do ano é todo seu, ou melhor, de vocês . – Lady entregou-me apontando para que os rapazes voltassem ao palco.

Debulhei-me em lágrimas segurando o prêmio olhando para a minha foto e a de no telão.

Virei-me agora de frente para os convidados e plateia de frente para o microfone, todos nos aplaudiam em pé pelo prêmio.

— Boa noite – começo a dizer em um tom de voz baixo e respiro fundo olhando para cima, a minha maquiagem devia estar uma beleza rara. —Desculpem-me por todo esse chororô eu ando com as emoções a flor da pele nos últimos meses…– desabafo olhando para o prêmio em minhas mãos. — Esse prêmio, além de dedicar aos meus fãs que o elevaram a está premiação o executando nas plataformas digitais e o aceitando tão bem no mercado, agradeço aos meus companheiros de banda que confiaram no meu potencial de escrita, que aceitavam todas as minhas composições e me ajudavam a criar uma melodia na hora, foram longos meses dentro do meu estúdio no subsolo de casa antes de passarmos tudo para a gravadora, dedico esse prêmio à ele, , o meu golden boy, foi ele que inspirou minhas melhores canções seja as românticas e até mesmo as que não falam de amor, sempre tem um toque de algo que aprendi com ele no decorrer desses nos três anos de relacionamento. Infelizmente ele partiu, agora terei que aprender tudo sozinha, mas sei que ao olhar para o céu, ou viajar em turnês, sei que encontrarei um pedacinho dele e do nosso amor por todo lugar do mundo.

 

FIM