Love Again

Sinopse: Ele terminou o namoro por mensagem de texto enquanto a turnê dela estava de passagem pelo Brasil, arrasada ela fez uma amizade inesperada que lhe mostrou um lado bom em meio aquele momento caótico em sua vida.
Gênero: Romance
Classificação: Dezoito anos, palavra de baixo calão.
Restrição: Livre.
Betas: Rosie Dunne

CAPITULO ÚNICO
 

Briggs
Após agradecer o público com um sorriso de orelha a orelha estampado em meu rosto, desci lentamente pela pequena plataforma para baixo do palco onde minha equipe me esperava. O meu segurança particular me guiou para atrás do palco, antes que eu pudesse colocar o roupão que minha assistente trazia o roading, tirava o meu ponto eletrônico enquanto eu bebia um pouco de água mesmo em movimento que outra pessoa dava em minha boca, até encontrar-me com minha melhor amiga desde a turnê passada que tinha meu celular em mãos e o estendia para mim.

—Tem alguém morrendo de saudades de você – me entregou o aparelho, andando ao meu lado me ajudando a vestir o roupão enquanto caminhávamos para fora do estádio onde entraríamos na van que seguiria ao aeroporto.

Olhei a conversa, tinha o atualizado o show todo com fotos e vídeos e alguns rápidos áudios meus entre uma corrida e outra atrás do palco para arrumar o ponto, sua última mensagem dizia:


“Diga a ela para abandonar as terras americanas o mais rápido possível e voar para a Inglaterra depressa, estou morrendo de saudades :(”


Sorri lhe enviando uma selfie mandando um beijo antes de entrar na escuridão da van.

—Uma passada rápida no hotel para tomar um banho e se arrumar, temos que estar no aeroporto em menos de uma hora – Luna minha assistente pessoal disse ao entrar por último na van sentando-se na primeira fileira, eu estava muito vidrada com o celular respondendo o meu namorado para qualquer tipo de exclamação sobre o quanto teríamos que ser rápidos para não perder o voo.

me chamou fazendo com que eu a olhasse, a pouca luz da van me impedia de ver seu rosto.

—Oi love– disse a fazendo sorrir, sabia como ela gostava de ser tratada com carinho.

—Voltando para a Inglaterra, sei que você com certeza vai ficar no apartamento, então eu poderia – fez uma pausa respirando fundo – Convidar um amigo… Ér ir lá?

vivia pra baixo e pra cima comigo e entre tantos festivais, televisão e rádios acabou conhecendo Jonah integrante de uma boyband chamada Why Don’t We, eles conversavam diariamente, mas ainda não tinham chegado a dar uns beijos, imagino que seja a oportunidade perfeita.

E eu não estaria no apartamento para ouvi-la acordando o prédio.

— Eu já disse milhões de vezes que não precisa ficar pedindo permissão, nós moramos juntas, você pode ficar à vontade para levar pessoas de sua confiança para o nosso apartamento. – frisei bem para ver se entrava naquela linda cabeça brasileira.

— Okay, então vou avisar o meu amigo – disse toda animada.

— O lembre de não esquecer da camisinha – soltei fazendo os demais da van rirem – Não pode me abandonar na estrada tão precocemente assim.

! – arregalou os olhos. – Somos só amigos.


“Só amigos”
– a van toda repetiu rindo. — Isso não cola mais pra ninguém – Luna disse da primeira fileira.

— Vocês são péssimos – cruzou os braços – Agora entendo porque minha chegada animou as coisas por aqui. – fez bico.

Soltei o celular abraçando minha amiga, que reclamou que eu ainda estava toda suada do show, mas depois de alguns segundos abraçou-me de volta como carinhosamente. tinha sido o melhor presente que pude receber em meio ao caos da minha vida a um ano atrás.

Antes que pudesse soltá-la a van parou em frente a porta do hotel que tinha um pequeno grupo de fãs.

— Está na hora de distribuir todo esse amor à eles. – disse me fazendo cócegas.

— Lá vou eu… – cantarolei ao me levantar seguindo até a porta da van.

***

Quando toda a equipe que viaja comigo adormeceu já dentro do voo, minha cabeça permaneceu inquieta lembrando das palavras de na van mais cedo.

Realmente minha vida tinha mudado no momento em que conheci ela, conseguia sentir um frio na barriga ao lembrar de todas aquelas sensações que rondaram a minha cabeça e coração por três dolorosos meses até tudo finalmente entrar nos eixos.

 

FLASHBACK ON
 

“Você não pode estar falando sério, não desse jeito, por mensagem de texto…”

Tentei ligar para , que recusou minha chamada de vídeo, fazendo o meu coração bater mais rápido, aquilo poderia ser tudo apenas uma brincadeira ou um maldito de um mal entendido?

“Pare de tentar me ligar, eu não vou atender.”

Ele responder de maneira grossa fazendo o meu estomago revirar.

“O que diabos está acontecendo com você? Não pode terminar nosso relacionamento assim”

Digitei o mais rápido possível sentindo as lagrimas arderem em meus olhos, ainda estava com a maquiagem do show.

“Não posso por você ser uma cantora mundialmente famosa Briggs?”

Em sequência um emoji revirando os olhos, aquilo doeu mais que um soco em meu estomago.

“Não . Nenhuma pessoa no mundo merece ver seu relacionamento chegando ao fim de uma forma tão estupida!”

Então ele me respondeu como eu nunca imaginaria que ele fosse responder.

“Um dia você vai entender que não existiu maneira melhor de fazer o que estou fazendo. Pessoalmente nos dois íamos tentar prolongar um relacionamento que está fadado ao fracasso, infelizmente eu não suporto sua ausência e não posso viver na estrada com você como se fosse seu brinquedinho sexual, eu tenho direito a ter um estilo de vida diferente do seu. Mas namorar para estar sempre sozinho? Que diabos de namoro é esse então? Sinto que eu mereço uma namorada que esteja presente nas festas de aniversário dos meus pais e que eu possa levar ao cinema de sexta-feira à noite, sair com os amigos (amigos de verdade com menos de um milhão na sua conta do Instagram), alguém que me ame de verdade.”

As palavras de faziam apenas um único pensamento rondar a minha mente.

“Você já está amando outra pessoa?”

Perguntei sentando-me na beirada da cama tremendo por inteiro.

“Estou , e estou tentando ser o mais sincero que posso com você.”

Ri sem humor negando com a cabeça.

“Pra você, ser sincero é me contar que está terminando comigo porque me traiu e se apaixonou por outra mulher? Belo caráter , meus parabéns.”

Deixei que as lagrimas corressem livremente enquanto sentia o ar vir a faltar em meus pulmões o celular vibrou mais uma vez em minhas mãos e mesmo derrotada ainda tomei coragem para olha-lo pela ultima vez.

“Pelo menos estou sendo responsável em contar para você antes de sair em algum site de fofoca e te pegar desprevenida! Pra sua informação, já tirei tudo que era meu do seu apartamento e devolvia a chave que estava comigo para sua mãe.”

E antes que eu pudesse atacar o meu celular pela janela do hotel, ainda fui obrigada a ler a seguinte mensagem.

“Pense pelo lado positivo, você ainda vai ganhar muito dinheiro explanando nosso relacionamento em uma canção.”

Nem se a minha carreira dependesse de uma música sobre o meu relacionamento com , eu escreveria algo relacionado ao homem lixo que não teve a coragem de terminar comigo pessoalmente, olhando no fundo dos meus olhos para admitir seus erros.

Joguei o celular no chão o fazendo deslizar para algum canto do quarto, fui ao banheiro olhar-me no espelho a minha maquiagem se desfazia por inteiro em meu rosto, não pensei duas vezes antes de me mandar para baixo do chuveiro sentando-me dentro do box para chorar.

Eu acreditava que os meus sentimentos relacionados a eram os mais puros e verdadeiros que algum dia eu senti em toda minha vida, receber uma mensagem sua, as raras ligações de vídeo, ou até mesmo uma visita ou outra em turnê, preenchiam o meu coração que só precisava dele para me manter feliz em meio a todos os rápidos acontecimentos da minha vida.

Nas folgas, eu sentia que me transportava para um mundo que era só nosso, não existia mais Briggs, eu era apenas Castillo a garota de que me dava momentos no paraíso sem ao menos lembrar do caos lá fora.
Mas de uma hora pra outra, tudo desmorona e um oceano de distância e posto entre nós, talvez ele já tinha tudo planejado de caso pensado para não ter que ligar com o meu drama, talvez ele já esteja neste exato momento nos braços da sua nova namorada.

Desliguei o chuveiro, vestindo minha roupa íntima, uma enorme camisa e um shorts de pijama, não me importei com o rímel borrado por todo o meu rosto apenas sentei no chão, encostada na cama olhando para o teto sentindo a pior sensação de toda a minha vida, o ar começou a faltar novamente em meus pulmões ao imaginar beijando outra, ele a apresentando para toda sua família, tomando o lugar que era meu…

Céus!

Sem ao menos pensar duas vezes eu gritei o mais alto que pude antes de cair no choro tampando a minha boca com uma das mãos, porque aquilo estava acontecendo comigo?

Por quê?

Cai no choro feito uma criancinha, que precisa de apenas um colo para parar de chorar o de sua mãe, que para o meu azar estava longe demais para me socorrer.

Não demorou nem cinco minutos para ouvir batidas desesperadas sob a porta de Russel o meu segurança particular gritando o meu nome para os quadro cantos do mundo ouvir.

— EU QUERO FICAR SOZINHA – gritei anunciando o meu estado depressivo.

— Aconteceu alguma coisa? Você está bem? Quer que eu chame um médico?

Russel me tratava como uma de suas filhas adolescentes sua preocupação comigo me fazia-me sentir o amor de um pai que eu nunca tive, mas naquele momento a filha rebelde precisava de espaço.
Levantei do chão abrindo a porta para que ele entendesse o meu estado.

— O Meu Deus, aconteceu alguma coisa? – Russel perguntou com os olhos arregalados.

— Nada que eu não possa resolver ficando sozinha. – respondi sentindo mais lagrimas tomarem o meu rosto. – Por favor, me deixe sozinha, não precisa ficar aqui ou no corredor, vá para o seu quarto e descanse! E diga as suas filhas que não namorem com babacas que terminem com você por mensagem de texto quando você está a um oceano de distância – disse voltando a chorar e Russel me olhou com um olhar de pena sem saber o que dizer.

— Eu sinto muito – disse após respirar fundo. – Vou deixa-la em paz.

Concordei com a cabeça e ele afastou-se andando pelo extenso corredor, sai para me certificar que ele fosse mesmo embora e pude vê-lo entrar no elevador acenando brevemente em minha direção com um sorriso sem graça nos lábios, assim que Russel se foi tentei abrir a porta para voltar para o quarto.

Trancada!

— Só pode ser brincadeira – murmurei tentando empurrar com o meu corpo, mas era em vão já que a porta só abria ao ler o maldito do cartão que estava dentro do quarto.

Sem cartão.

Sem celular.

Corri até o final do corredor para ver qual andar Russel tinha ido, mas contribuindo com a minha sorte não tinha como verificar se o elevador tinha ido para baixo ou para o andar acima.

A opção mais viável era descer até o hall e pedir por um novo cartão, mas ser flagrada desta maneira pelos curiosos de plantão faria Luna pirar no dia seguinte.

Voltei para a porta do meu quarto, onde sentei-me encostada nela abraçando meu próprio corpo, talvez em alguma hora passe algum funcionário do hotel e possa me ajudar a entrar novamente no quarto.

Antes que eu pudesse me afundar em lagrimas olhei para porta em minha frente e percebi que estava sendo observada por uma garota, levantei-me rapidamente escorada na parede sorrindo um pouco sem graça.

— Desculpa – disse em baixo tom mesmo não sabendo se ela falava meu inglês ou não, já que a língua que eles falam no Brasil era bem diferente.

— Você está bem? – a garota perguntou surpreendendo-me ao ver que ela realmente falava inglês.

— Estou presa para fora do quarto – disse sorrindo sem graça. – Não posso descer buscar outro cartão.
A garota então fechou a porta fazendo-me suspirar aliviada ao pensar que continuaria sozinha no corredor, mas em questão de segundos ela saiu do quarto vestindo um roupão branco e lhe estendeu outro.

— Vou buscar um novo cartão para você, vista esse roupão vai se sentir mais confortável… Se quiser, pode esperar no meu quarto, estou sozinha, tem demaquilante na pia do banheiro, fique à vontade.

Peguei o roupão de suas mãos e o vesti rapidamente, passando para dentro do quarto da garota, era idêntico ao meu, porém muito bem organizado, fui em direção ao banheiro, na tentativa de livrar-me daquela aparência horrível, lavando o meu rosto e tirando todo o excesso de maquiagem, voltei para o quarto, sentando-me em uma poltrona ao lado da porta, prestando atenção na televisão ligada em um canal conhecido a MTV onde passava uma série de clipes de artistas que eram meus amigos, mas os apresentadores eu não entendia uma palavra sequer.
Não demorou muito para que a garota voltasse para o quarto.

— Resolvido. Daqui a pouco alguém da recepção vem abrir a porta. – ela disse sentando-se na beirada da cama. – Você está bem?

— Não muito – confesso – Mas vou ficar bem. – sorri confiante.

— Eu vi você gritando e chorando – comentou me deixando envergonhada pelo episódio. – Está realmente bem? – insistiu.

— Por que quer tanto saber? – arqueei a sobrancelha. – É uma boa matéria para vender, não é mesmo? – levantei-me da poltrona seguindo em direção a porta.

— Seria desumano da minha parte ganhar dinheiro à custa da desgraça alheia – disse fazendo-me parar com a mão na maçaneta. – Você faria isso se os papeis fossem invertidos? – perguntou.

— De maneira alguma – voltei a olhá-la então ela andou em minha direção parando em minha frente.

— Sou Campos é um prazer conhece-la Briggs – estendeu a mão em minha direção. — Espero que esteja gostando do Brasil. – apertei sua mão ainda um tanto quanto desconfiada.

— O que faz aqui, ? – perguntei ainda balançando sua mão.

— Nada demais – deu de ombros – Vim com o meu pai, ele é empresário.
— E onde ele está?

— No quarto ao lado. – apenas concordei com a cabeça. – Mais alguma pergunta de segurança?

— Desculpe – sorri sem graça. – Não é sempre que eu falo com pessoas desconhecidas, todo cuidado é pouco.

— Isso deve ser um saco – fez uma careta antes de me dar as costas voltando a sentar-se na cama encostada na cabeceira. — Senta aí, vamos conversar enquanto o seu cartão não chega.

Andei até a cama aceitando o seu convite para conversar, aquilo com certeza iria me distrair.

— O que houve mais cedo?

Respirei fundo ponderando em uma resposta e pela primeira vez apenas dei de ombros.

, meu namorado, terminou comigo por mensagem de texto, ele ama outra. – mandei na lata a pegando desprevenida. — Hãn… Você é minha fã? – perguntei depois de ter soltado a bomba. – Eu sou patética eu sei, soltei o que rolou sem antes perguntar…

— Eu conheço suas músicas, te sigo no Instagram, mas não sou fielmente louca a você – explicou, me deixando mais aliviada. — E você está mal pelo ? Fala sério, aquele rapaz era um pé no saco, conseguia apagar todo o seu brilho.

— Como assim? – perguntei sem entender.

— Toda vez que você sumia das suas redes socias, era porque estava passando um tempo com ele e sempre que voltava cabisbaixa, aparentava estar triste e pensativa…

— Partir sempre foi muito doloroso – murmurei sentindo o peito apertar. –Mas agora pelo menos ele tem alguém que nunca vá partir.

— Olha , eu sei que não é a mesma situação mas… Eu terminei um relacionamento de três anos faz um mês e meio. Eu senti a mesma dor que ouvi você sentir mais cedo, e acredite, ela passa.

— Como pode superar três anos com alguém em trinta dias? – perguntei achando um absurdo, provavelmente ela não amava tanto assim o namorado.

— No nosso último aniversário de namoro, antes do termino eu pedi um livro que estava doida para ler de presente e ele me deu – procurou rapidamente com os olhos o livro pelo quarto, levantando-se em seguida para busca-lo perto da televisão, voltando a se sentar mais perto. — Eu amo ler , na minha casa em São Paulo tem estantes lotadas de livros, mas estava arrasada demais para fazer qualquer coisa que eu gostasse, mas como o próprio nome desse livro já diz “Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente”, eu não precisava ter pressa para lê-lo então a cada dia eu lia algumas páginas até achar o texto que mudou completamente o meu pensamento sobre o que estava sentindo em relação ao termino;

Ela abriu o livro vermelho mostrando-me o pequeno texto de três páginas.

— Você poderia ler…

— Você quer que eu leia? – dissemos juntas e acabamos rindo ela limpou a garganta ao levantar-se ficando para em minha frente. – Espero traduzir tudo certo. – confessou antes de começar. — Você merece alguém bom na sua vida, alguém que te tire de órbita, alguém que te colha manso e necessário como os chineses fazem com plantações de bambus em lugares muito exímios de interior.

falava inglês fluentemente bem e a sua tradução me fazia entender perfeitamente o que o livro tinha a me dizer.

Há tanto tempo você ficou preso e se estagnou no passado. Você merece cair em braços acolhedores que não se preocupariam em procurar pedrinhas preciosas no lodo do mundo.

Eu estava estagnada na minha relação com , não saiamos do lugar, era sempre as mesmas coisas ele nunca moveria um dedo a mais para fazer algo de especial por mim.

Você merece o amor invadindo cada poro de cada pelo de cada parte do seu corpo cheio de vida, pois você é um sistema que precisa ser contemplado com o peito acelerado às três da manhã de uma segunda-feira primeira do ano.

Lembrei-me então da nosso primeiro dia do ano juntos, estava emburrado demais por deixar a família mais cedo que seus irmãos para me acompanhar em um compromisso importante o que fez com que brigássemos o dia todo.

Você é um sistema que precisa e deve ser contemplado com a ideia do amor as sextas-feiras e aos sábados de cada semana de cada mês, você merece sentir o calafrio ao ligar, ouvir a voz, apertar o braço, cheirar o cangote.
Não existia nada disso em meu relacionado o que começou a me decepcionar, não tinha calafrio nas ligações, pelo contrário havia dor, cobrança, quando eu lhe apertava em um abraço recebia o mínimo em troca.

Você merece ser recebido de braços abertos, como uma mãe que espera o filho na rodoviária, abraços apertados, lágrima poente no canto do olho, restauração.

Engoli a seco ouvindo cada palavra que dizia, fazendo abrir os olhos dolorosamente.

Você merece alguém bom porque você é bom, não é uma equação matemática resoluta, me deixa explicar; ele vai entrar na sua vida, modificar seus dias, arrastar seus olhos para partes do corpo dele que até então você desconhecia, vai te fazer querer ar correndo do expediente porque a volta é deliciosa, expectante…

foi interrompida por batidas na porta, ela entregou-me o livro para que eu segurasse na página que ela estava lendo, vi que faltava um curto pedaço para que ela terminasse por fim o texto, o fechei ainda segurando a página para observar sua capa e acabou caindo aos meus pés uma foto.

Peguei rapidamente juntando os olhos ao tentar reconhecer o jovem rapaz na fotografia, os cabelos grandes e uma franja quase cobria o seu rosto, havia pintas por seu pescoço e nenhuma tatuagem aparente em seus braços, seu sorriso era tão inocente e seus olhos brilhavam como se não houvesse maldade no mundo.

Eu o conhecia de algum lugar.

— Ele acabou de abrir a porta do seu quarto – me chamou apontando para o meu quarto do outro lado do corredor aberto.

Olhei para ela e o rapaz que estava no corredor que deveria ser da recepção.

— Muito obrigado – o agradeci e ele apenas confirmou com a cabeça antes de sair. — Quem é esse? – perguntei.

— Como assim você não o conhece? – perguntou arregalando os olhos.

— Esse sorriso – passei o dedo pela boca do rapaz da foto – Eu conheço, mas não estou me lembrando da onde exatamente.

— Onde você estava enfiada quando o One Direction virou febre no Reino Unido Briggs? – perguntou ainda surpresa com a minha dúvida. – Deveria ter pelo menos umas mil fotos dessa por esquina na época que a banda estourou.

— Ocupada demais tentando manter um teto sob a minha cabeça talvez – disse lembrando-me dos tempos difíceis que passei antes do meu sonho finalmente se realizar. – Eu sei quem ele é.

— Mas é obvio que você conhece o entregou o pote de ouro no final do arco-íris fazendo-me morder os lábios ao saber que aquele garotinho tinha se tornado aquele homão que eu curtia as fotos apenas de cueca no Instagram.

 

FLASHBACK OFF
 

Quando acordou, ela sorriu ao perceber que estava com o livro que nos juntou em mãos.

— Qual pagina está lendo? – perguntou ainda com uma voz sonolenta.

— Treinando o meu português com a 187 – disse a ela pausadamente em português o que a vez sorrir ainda mais com a minha pequena conquista em aprimorar o meu conhecimento em português.

— Estou gostando de ver – comentou, antes de pescar o livro das minhas mãos procurando pela fotografia que marcava a página. – Com saudades desse magrelinho aqui?

— Ele está tão diferente hoje em dia que essa foto até parece de um filho perdido dele pelo mundo – digo fazendo gargalhar.

— Sou obrigada a concordar que prefiro como ele está nos dias atuais também.

Fingi-me de brava olhando para minha amiga que apenas deu de ombros.

— Nem vem bancar a namorada ciumenta, eu vi ele primeiro que você!

— Nisso eu sou obrigada a concordar – repeti sua fala. – Se não fosse por você, obviamente não estaríamos juntos.

— Volto a dizer que sou um lindo anjo que entrou em sua vida – disse convencida e Luna do banco da frente resmungou do barulho.

Russel do banco detrás jogou amendoins em pedindo para que ela ficasse me silencio o que me fez rir mais ainda da implicância da equipe com a brasileira.

— Eu também amo vocês Luna e Russel.

 

***
 

Quando Russel parou em frente à casa de pulei do carro descendo em direção a porta onde ele me esperava de braços abertos, todo arrumado, usando calça preta e uma camisa larga branca, sua barba estava bem feita e seus cabelos arrumados, pulei em seu colo, o fazendo-me girar no ar para dentro da casa e cairmos no sofá com ele por cima do meu corpo.

Alguém bom para alguém igualmente bom – digo em português encarando ao fazer carinho em seu rosto com às duas mãos observando cada mínimo detalhe do rosto do meu namorado.

Ele era um outro presente que vida tinha colocado em meu caminho.

Eu e nos conhecemos ainda pelo Brasil, em meu último show em uma cidade chamada Goiás, tocamos no mesmo festival e, é claro, que eu não perdi tempo em chamá-lo para curtir comigo o show dos artistas brasileiros.

Nós tornamos bons amigos naquele mesmo dia.

Entre idas e vindas conciliando nossas agendas lotadas, um em cada parte do mundo conseguimos acertar nossos corações para que batessem em uma só frequência junto com os nossos sentimentos mais intensos.

— O que disse em português? – ele sabia que eu estava treinando o idioma então perguntou curiosamente. — Estava com tanta saudade das suas declarações “brasileiras” – murmurou voltando para perto do meu corpo antes de selar nossos lábios em um beijo quente.

— Disse que eu achei uma pessoa boa igual a mim – ele sorriu ao saber o significado do que eu havia dito. — Sou muito grata por tê-lo em minha vida sabia? Eu nunca conheci alguém como você antes.

— Eu sou único e seu, meu amor – disse todo convencido dando vários beijos em minha boca.

— Caramba, você me deixou apaixonada por você… Eu te amo muito.

— Não foi a única que pediu ajuda para a para aprender declarações em português – ele disse saindo de cima do meu corpo puxando-me para sentar ao seu lado enquanto pescava o celular na mesa de vidro em frente ao sofá. — Ela disse que você vai amar o que vou lhe dizer.

— Então diz logo , eu sou ansiosa demais pra esperar – digo entrelaçando nossos dedos tentando ler o que tinha mandado para ele.

Porque o amor existe para te provar que o seu sistema não falhou disse pausadamente, fiquei surpresa ao perceber que era a última frase do texto que leu para mim no dia em que nos conhecemos, o dia que olhei para com outros olhos e senti que a dor tinha ido embora mais rápido do que chegou. — Ela diz que a tradução seria algo a ver com o nosso amor e a sorte que temos, é isso?

— É exatamente isso – murmurei sentindo as lagrimas encherem meus olhos, antes de subir em seu colo para beijá-lo novamente sentindo a felicidade transbordar o meu peito de amor.

 

FIM.
NOTA DA AUTORA: Ai gente… Acabou vindo ao ar mais uma história com o Liam Payne sendo o homem mais perfeito do mundo.
PS: O livro que eu menciono durante a história se chama “Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente”, o texto é o da página 187 e se chama “Um pé de cerejeira no meio do planeta Terra”.
Eu AMO tanto esse texto que a última frase tenho realmente tatuada no meu braço, viciada nem um pouquinho…